1. Spirit Fanfics >
  2. Fora de Ordem >
  3. O Primeiro Encontro

História Fora de Ordem - Capítulo 23


Escrita por: klgodevi

Notas do Autor


Olá pessoal!!
Hoje teremos só um capítulo romântico do nosso casal... eles merecem, não é mesmo?
Espero que vocês gostem...
Boa leitura!!

Capítulo 23 - O Primeiro Encontro


Fanfic / Fanfiction Fora de Ordem - Capítulo 23 - O Primeiro Encontro

23 – O Primeiro Encontro

Com muita dificuldade de ambas as partes, Elizabeth convenceu Darcy a dormir. Ela acordou durante toda a noite para verificá-lo e quando ele abriu os olhos pela manhã, o rosto preocupado dela foi a primeira imagem que viu.

“Eu poderia acordar assim o resto da minha vida e ser feliz.” Ele colocou a mão no rosto dela e Elizabeth beijou a palma. “Você dormiu?” Ele perguntou.

“Pouco.” Ela admitiu. “Eu queria ter certeza que você estava bem.”

Quando ele se virou para tentar abraça-la, sentiu uma pontada dolorosa. Rapidamente Elizabeth o impediu de se mexer mais. “O efeito do analgésico passou, William. Fica quietinho aí que eu vou pegar outro.”

Sob o olhar amoroso de Darcy, Elizabeth se levantou e foi até o banheiro, onde tinha deixado os remédios, voltando rapidamente com um comprimido e um copo d'água. Ela subiu na cama ao lado dele e o ajudou a se sentar. Ele tomou o remédio, fazendo uma careta de dor e percebeu que Elizabeth olhava ao redor com curiosidade.

“Eu moro aqui há cinco meses e nunca tinha entrado nesse quarto... ontem eu estava muito preocupada para prestar atenção... eu gosto.” O quarto era bastante parecido com o dela, mas em cores mais escuras, uma mistura de azul marinho e marfim. Ela notou uma prateleira próxima de uma mesa de trabalho repleta de livros, muitos de seus favoritos estavam lá. Tudo era organizado, mas ela já sabia que Darcy seria assim. O closet era do mesmo tamanho do dela, mas o banheiro tinha o benefício de uma enorme banheira de hidromassagem que ela não via a hora de experimentar, de preferência acompanhada.

“Se você quiser mudar alguma coisa, sinta-se à vontade.” Ele deitou de volta na cama e puxou Elizabeth com ele. “Esse é o nosso quarto agora... embora eu acredite que você vai ter que continuar usando o closet do seu antigo quarto.” Ele riu um pouco. Tanto ele quanto Elizabeth tinham uma quantidade ridícula de roupas.

“Nós não conversamos sobre arranjos de dormir.” Ela disse sem saber o que pensar.

“Você quer dormir longe de mim?” Ele virou o rosto para poder olhar nos olhos dela, um pouco receoso da resposta que ela iria dar.

“Não.” Ela respondeu rapidamente. “Não, claro que não... eu só disse que nós não discutimos isso...” Ela suspirou. “Tudo mudou de repente...” Ela sorriu para ele, acariciando entre as sobrancelhas dele para tranquiliza-lo. “As coisas entre nós dois demoraram para acontecer, William, mas quando aconteceu... nós já estávamos casados... nós dois bagunçamos toda a ordem das coisas...” Ela riu um pouco. “Nosso relacionamento inteiro foi fora de ordem...”

Ele fez com que ela olhasse para ele, segurando o rosto dela com uma das mãos enquanto fazia uma carícia delicada. “Elizabeth, eu sou o homem mais paciente do mundo e posso esperar o tempo que for necessário para você se acostumar com isso... mas eu estou casado com você desde o primeiro dia. Nem por um momento eu encarei isso como algo passageiro...” Ele se inclinou para beijar os lábios dela. “Além de que agora estamos em um relacionamento real, tudo o que vai mudar é que nossas demonstrações de carinho acontecerão mais frequentemente, e nós saberemos o tempo inteiro que estamos fazendo isso por nós mesmos, e não para mostrar para os outros... nós nos adaptamos bem demais como um casal, você não acha?”

Elizabeth sorriu e depois riu. “Para ser sincera, eu nunca pensei que seria tão fácil... mas nós vamos nos ver mais vezes agora... eu tenho medo que você enjoe de mim...”

Escutando isso, ele a abraçou mais apertado e riu. “Elizabeth, se eu queria ficar perto de você quando tudo o que você fazia era discutir comigo e discordar de tudo o que eu falava, agora que você me ama e demonstra isso com palavras e ações eu vou me tornar sua sombra... eu tenho medo que você enjoe de mim.”

“Isso nunca vai acontecer.” Ela respondeu beijando o peito dele. “Eu estou sendo boba... Acho que em alguns dias eu vou me sentir tão à vontade aqui quanto no outro quarto...” Ela se aconchegou mais dentro do abraço dele. “E aqui eu tenho um incentivo bem maior...”

Ele sorriu e a puxou para ficar no topo de seu corpo, passando as mãos por toda a extensão de seus ombros até suas coxas e voltando. Uma mão enterrou nos cabelos dela e a outra circulou sua cintura. Ele guiou o rosto dela para um beijo profundo, suas línguas se tocando e se provando. Quando ele os virou para ficar por cima, sentiu outra pontada e gemeu de dor, se afastando. Odiando que seu corpo não estivesse totalmente recuperado da experiência do dia anterior.

“Você precisa de mais descanso...” Ela escutou o estômago dele roncar e riu. “E também precisa de um café-da-manhã.”

“Eu preciso de você. Deus... com eu preciso de você...” Ele tentou se aproximar novamente, mas ela o segurou.

“William, eu também quero, eu estou doendo por você... mas você está com dor. Você me convidou para um encontro essa noite... Por que não esperar e torcer para ter sorte?” Ela perguntou mordendo o lábio de uma maneira sedutora e piscando para ele, o fazendo respirar fundo para se controlar.

“Você fica me provocando... Elizabeth, se você continuar assim eu não vou te dar paz essa noite.” Ele disse com os olhos fechados tentando limpar sua mente de tudo o que desejava fazer com ela.

“Eu conto com isso.” Ela respondeu saindo da cama e fazendo um coque bagunçado nos cabelos. Darcy olhava para ela sorrindo e acompanhando todos os seus movimentos.

“Você é bonita em todos os momentos, mas pela manhã, quando você aparece para tomar o nosso café-da-manhã de pijamas e esse cabelo bagunçado... Elizabeth, você é de tirar o fôlego.”

Elizabeth gargalhou. “Não com vestidos de estilistas famosos, joias, maquiagem e penteados, mas rosto limpo, cabelos selvagens e pijama? Você é estranho, caro homem...”

Ele se sentou devagar e estendeu a mão para ela. “Sua beleza me deixa sem palavras em qualquer circunstância, mas eu me sinto privilegiado por testemunhar seu momento mais confortável, quando você está sempre com um sorriso sutil no rosto e seus olhos estão tão brilhantes... você é linda, Elizabeth.”

Enquanto ele falava, Elizabeth se aproximou dele e se sentou em seu colo. Ela o beijou até ficar sem fôlego e antes de libertar a boca dele, ela mordeu seu lábio inferior, o fazendo gemer e a segurar mais firmemente. “Se você continuar falando assim, você será muito bem recompensado essa noite.” Ela se levantou e estendeu a mão para ele. “É hora de um café-da-manhã.”

***

Darcy estava em frente ao espelho pensando se usava uma gravata ou não. Ele sabia que Elizabeth gostava de vê-lo em social, mas não queria que a noite fosse muito formal. Ele usava uma calça cinza escura, camisa branca, paletó da cor da calça e tinha uma gravata listrada em vários tons de azul na mão.

“Não use gravata hoje... eu quero que você esteja confortável.” Elizabeth estava parada na porta entre os quartos o observando. Ela sorriu apreciando o quanto ele era bonito e caminhou em direção a ele.

Darcy se virou já sabendo que ela estaria maravilhosa. Elizabeth usava uma saia longa com estampa geométrica verde escuro e preto, um cropped preto de gola alta e sandálias de salto. Suas únicas joias eram os brincos de esmeralda e as alianças de noivado e casamento.

“Eu não preciso dizer que você está linda... você sempre está.” Ele sorriu para ela enquanto guardava a gravata.

“Melhor do que de pijama e descabelada?” Ela provocou e sentiu mais do que viu os olhos dele a fitando dos pés até os olhos.

“Amanhã de manhã... só não garanto o pijama.” Ele provocou de volta.

Elizabeth sorriu e o beijou nos lábios. “Como você está se sentindo? Sua dor diminuiu?”

“Eu estou bem... o corte incomoda um pouco, mas não está doendo. Tenho certeza que mais um ou dois dias eu nem sentirei.” Darcy não queria que nada os atrapalhasse aquela noite. Ele acariciou o rosto dela com as costas da mão, pensando que finalmente ele teria o primeiro encontro com Elizabeth. Um primeiro encontro que ele desejou por muito tempo.

Elizabeth se inclinou na mão dele e suspirou. “Eu ainda não acredito que a imprensa conseguiu uma foto do carro amassado... Georgiana estava horrorizada de preocupação.... ainda bem que eu a convenci que você estava bem... você sabe que se tiver fotógrafos no restaurante eles vão ficar enlouquecidos com esse corte na sua têmpora. Você tem certeza que quer sair hoje?”

“Eu tenho um encontro com uma mulher linda... um encontro que eu estou sonhando há muito tempo... eu não perderia isso por nada.” Ele respondeu oferecendo o braço para ela.

Como esperado, haviam alguns fotógrafos na entrada do restaurante que se empurravam para conseguir uma foto do rosto ferido de Darcy. Ignorando os chamados e passando o braço ao redor da cintura de Elizabeth, eles entraram no local e foram diretamente para a mesa reservada, que ficava em uma parte afastada onde teriam mais privacidade. Darcy fez questão de exigir aquela mesa em particular. Aquela noite era importante para ele.

“Eu nunca vim aqui... eu sempre passava em frente e tinha vontade de entrar, mas... não é o tipo de ambiente que você vem com uma amiga, se é que você me entende...” Ela mordeu o lábio inferior parecendo um pouco tímida. “Você já esteve aqui antes?”

Ele escondeu o sorriso atrás de sua taça de vinho. “Sim... eu trouxe uma mulher muito querida aqui um pouco depois da inauguração.” Ele percebeu quando ela desviou os olhos e seu sorriso ficou maior. Alguma parte infantil dele adorava vê-la com ciúme, sem contar que não era todo dia que ele conseguia provoca-la. “Georgiana gostou muito e disse que se um dia eu me apaixonasse eu deveria trazer minha escolhida aqui para o primeiro encontro. É o que eu estou fazendo...”

Elizabeth estreitou os olhos para ele, um pouco corada de vergonha por ser um alvo tão fácil. “Eu nunca pensei que você seria tão bom em provocar.”

“E eu nunca pensei que você fosse ciumenta.” Ele respondeu rindo, amando sentir que ela também poderia ser possessiva.

Elizabeth bufou. “Olha quem fala.”

“Eu não nego. Sou ciumento e possessivo quando se trata de você. Eu sinto muito, é só algo que você vai ter que conviver.” Ele estava rindo, mas falava sério e ela sabia. As brincadeiras e provocações continuaram durante boa parte da noite.

“Eu confesso que estava um pouco nervoso com a noite.” Ele tinha o sorriso tímido no rosto que ela adorava.

“Nervoso? Depois de tudo o que nós dois passamos?” Ela não conseguia acreditar.

“Você não tem noção quantas vezes eu imaginei como seria uma noite assim... Eu tentava pensar em tópicos de conversa, ou se eu deveria ou não segurar sua mão, se eu deveria deixar para beijar você quando te deixasse no seu apartamento ou aqui...” Ele riu. “Eu gastei um tempo considerável planejando isso... mas claro, primeiro eu teria que convencer você...”

Para Elizabeth, aquilo era adorável. Um homem tão seguro e tão sério se transformar em um menino tímido em sua frente era um elogio.

Ela não resistiu e se inclinou em direção a ele. “A conversa está mais do que agradável, você deveria segurar minha mão, e definitivamente, você deve me beijar aqui... a sorte é que você não vai precisar se despedir essa noite...”

Ele sorriu, pegou a mão dela que estava sobre a mesa, capturou uma mecha de cabelo e acariciou entre os dedos antes de colocar atrás da orelha dela, se inclinou e a beijou. Eles continuaram assim até o final do jantar, conversando, rindo, se acariciando e se beijando. Foi só na volta para casa que Elizabeth tocou em um assunto que ela tinha esquecido completamente.

“William... não quero estragar a noite, mas eu me dei conta que você nunca me disse o que Caroline fez para irritá-lo aquele dia na boate dos De Luca.” Sua curiosidade estava ao máximo. Geralmente Caroline só o deixava aborrecido, no máximo incomodado, mas no sábado ela realmente o tirou do sério. Tanto que ele praticamente não olhou na direção dela o resto da noite.

Ela percebeu Darcy balançar ligeiramente a cabeça antes de responder. “Parece que o Sr. George Wickham não ficou muito feliz com o resultado da sua conversa com ele no baile dos Rodwell e andou espalhando algumas histórias. Infelizmente uma das ouvintes foi Caroline.” Ele olhou rapidamente para Elizabeth e segurou a mão dela. “Eu conversei novamente com o meu tio assim que cheguei no escritório ontem de manhã, deixando claro meu descontentamento, e pelo que eu sei, ele ficou tão irritado com a situação que está trocando de advogado. Eu acho que o pai do Sr. Wickham vai fazer o filho pagar por isso.” Ele apertou novamente a mão dela. “Eu nunca mais vou deixar alguém perturbar você, Elizabeth. Nunca mais.”

Elizabeth exalou o ar que segurava lentamente. “Eu odeio gente que faz de tudo para perturbar a paz de outras pessoas... espero que isso não cause problemas para você. Eu ficaria muito triste se por causa da minha conversa com ele você se prejudicasse de alguma forma.”

“Não se preocupe com isso, meu amor... e qualquer boato que existir vai morrer com o tempo. Daqui alguns meses, aqueles que acreditaram na história vão perceber que eu e você estaremos mais felizes e unidos do que nunca e vão esquecer isso... de toda forma, eu não me importo com isso, só me importo com você.” Darcy segurou a mão de Elizabeth mais forte e levou até os lábios. Só de saber que o casamento deles era real o fazia o homem mais feliz do mundo. Ele realmente não estava preocupado com boatos.

Apenas algumas luzes estavam acesas quando eles chegaram. Darcy pegou a mão de Elizabeth, a guiou até o início das escadas e parou. Elizabeth o olhou confusa. Darcy tocou o rosto dela com a ponta dos dedos. “Elizabeth, eu considero hoje a nossa noite de núpcias. Eu quero fazer isso como eu deveria fazer desde o início.” Ele se inclinou e a pegou no colo, a carregando pelas escadas.

“William, você vai se machucar.” Ela protestava rindo.

“Eu nunca me senti melhor. E eu estou te carregando para nos dar sorte.” Ele respondeu e a beijou na têmpora.

Quando entrou no quarto, ele a colocou sentada na cama e se ajoelhou em frente a ela. Suas mãos foram para as sandálias, retirando uma de cada vez lentamente apenas para adorar os pés dela com beijos. Suas mãos subiram pelas pernas dela e Elizabeth se inclinou para trás, gemendo seu apreço pelas carícias que as mãos e boca dele deixavam em sua pele.

Darcy abriu o zíper lateral da saia e a tirou, fazendo o mesmo com o top dela. Elizabeth estava em frente a ele apenas com uma lingerie branca de renda. Quando ela viu o rosto dele, com os olhos completamente vidrados a encarando, ela sorriu. “Eu sempre pensei que eu usaria renda branca para a primeira noite com o meu marido.”

Darcy soltou uma respiração trêmula. Agarrando-a pelos quadris, ele a puxou para a beira da cama, se ajoelhando entre as pernas dela. Ele a beijou por toda a barriga, fazendo um caminho para baixo e colocando um beijo quente sobre seu centro ainda coberto. Ele sorriu quando escutou um pequeno gemido escapar dos lábios dela.

“Eu te quero tanto... te desejo tanto, Elizabeth... desde a primeira vez que eu coloquei os olhos em você.” Ele sussurrava.

“Então, venha para mim, William... Eu quero você há tanto tempo... antes mesmo de saber que eu te amava eu te queria.” Ela sussurrou de volta e desprendeu o fecho de seu sutiã, liberando os seios para a visão dele.

Imediatamente, Darcy se inclinou sobre ela, e com cuidado, ele passou os dedos de uma mão sobre o mamilo, sua boca se enchendo de água ao vê-lo endurecer. Ele cobriu um seio com a boca, beijando, lambendo e chupando enquanto Elizabeth se agarrava em seus cabelos. As mãos dele desceram pelo corpo dela e seus dedos seguraram sua calcinha, deslizando pelas pernas vagarosamente até que ela estivesse completamente nua. Ele se afastou apenas para fazer um trabalho rápido retirando a própria roupa, o tempo todo fazendo contato visual com ela, deliciado com o olhar bêbado de luxúria em seu rosto.

Ele voltou a se ajoelhar entre as pernas dela e quando viu os olhos escuros de desejo no rosto de Elizabeth, sorriu e se inclinou para a parte interna de suas coxas, beijando dos dois lados e colocando as pernas sobre seus ombros uma de cada vez. Sua língua a acariciava no lugar certo e ele se felicitava silenciosamente pelos sons que ela fazia. Ele sentiu o corpo dela endurecer, as costas arquear e o aperto dela em seus cabelos ficar mais firme quando ela gemeu um som longo e sensual, seguido por seu nome da forma mais deliciosa que ele já escutou.

“Eu te quero tanto, William...” Ela disse recuperando o fôlego e ele não a fez esperar.

Pegando o corpo dela em seus braços, ele a posicionou no meio da cama e com um impulso firme, estava dentro dela. “Ahhhh... Lizzzzzy....” Ele gemeu quando a sentiu em volta dele, precisando de um tempo parado para se controlar. Foram meses e meses esperando por ela, aguardando que ela retornasse os seus sentimentos para finalmente apreciar aquele exato momento. Ele a beijou sem conseguir se impedir, revirando os olhos ao sentir o corpo dela ondular sob o dele, clamando por ele.

Seus impulsos começaram lentos e ele a olhava nos olhos o tempo todo, seus lábios se roçavam enquanto ambos se movimentavam para sentir seus corpos cada vez mais unidos. Ela percebeu que ele estava perto quando ele fechou os olhos com força e tocou a testa com a dela. As mãos dela agarravam seus ombros, apertando dolorosamente, o que o excitou ainda mais. “Mais forte, William... eu estou tão perto.” Ela o implorou e aquilo foi a ruína dele. Darcy colocou uma das mãos sob o joelho direito dela e puxou sua perna em torno de seu quadril. Ele fez um movimento circular enquanto empurrava contra ela com mais força, adorando ver o corpo dela arqueando sob o dele. Bastaram alguns impulsos para que ambos gritassem seu prazer juntos.

Vários minutos se passaram até que eles conseguissem falar. “Eu te amo tanto, Elizabeth... isso foi... perfeito. Mais do que perfeito...” Ele sussurrou no ouvido dela, passando o rosto na curva do pescoço e sorrindo ao ver a pele dela arrepiada.

Ele se retirou dela e deitou de lado, a puxando contra ele. Seu coração batendo forte em seu peito ao ver o sorriso nos lábios dela. Elizabeth colocou uma mão no rosto dele e acariciou. “Eu também te amo e eu nunca me senti assim antes... tão completa.”

“Você é um sonho que se tornou realidade.” Ele a beijou novamente, sentindo seu ardor retornando com força. Ele sempre soube que o corpo dele reagia ao dela de uma forma que ele nunca imaginou ser possível.

Elizabeth sentiu a ereção pressionada contra ela e sorriu. “Você não estava brincando quando disse que seria a noite toda...”

“Não... eu sou um homem de palavra.” Ele a segurou com mais força, puxando ela para fazer contato com seu corpo inteiro. Capturando a boca dela para outro beijo, e nunca beijar alguém foi tão maravilhoso. Era surreal.

“Eu fico feliz por isso.” Ela o empurrou para que ele estivesse deitado de costas. “Eu preciso devolver o favor.” Ela piscou para ele antes de iniciar uma sessão de beijos que começou em seu peito, adorando todo o seu corpo com a boca e as mãos. Como prometido, durante toda a noite eles se amaram.


Notas Finais


E então, pessoal... nosso casal finalmente iniciou sua lua-de-mel... beeeeeem atrasada!!!
Quero saber se você gostou, deixe um comentário
Bjs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...