1. Spirit Fanfics >
  2. Fora de Ordem >
  3. Os De Luca

História Fora de Ordem - Capítulo 4


Escrita por: klgodevi

Notas do Autor


Olá pessoal, tudo bem?
Mais um capítulo fresquinho para vocês!!
A imagem de capa do capítulo de hoje é a representação mais próxima de como eu imagino Elizabeth. Eu gostaria de saber o nome da modelo ou o autor da foto para dar os devidos créditos, mas eu não sei... encontrei essa foto no pinterest quando eu estava fazendo uma pesquisa para escurecer o meu cabelo... (rsrsrsrs)
No mais, espero que se divirtam... boa leitura!!

Capítulo 4 - Os De Luca


Fanfic / Fanfiction Fora de Ordem - Capítulo 4 - Os De Luca

4 – Os De Luca

“Ele é oficialmente o homem mais insuportável que eu tive o desprazer de conhecer na minha vida inteira!”

“Você já disse isso pelo menos vinte vezes.”

“Não é menos verdade do que da primeira vez.”

Charlote conhecia sua amiga bem o suficiente para saber que enquanto fosse obrigada a estar na presença de Darcy, ela transformaria qualquer conversa em uma guerra. Seria divertido assistir? Com certeza. E se Charlote pudesse fazer algo para deixar esses encontros mais memoráveis, ela faria.

“Eu acho que quando chegarmos lá teremos que perguntar se Jane vai beber.” Charlote comentou inocentemente.

“Você tem razão... eu estou com tanta raiva, tanta raiva, que meu plano de curtir uma noite tranquila sem álcool e voltar dirigindo para casa foi por água abaixo. Sobreviver a noite toda na presença do Sr. Intolerável será possível apenas com uma generosa quantidade de álcool.”

Charlote aplaudia internamente essa declaração. Há muito tempo elas não tinham uma noite com uma Lizzie embriagada, e essas eram sempre as melhores noites. Somando a isso uma Lizzie enfurecida, a mistura era pura nitroglicerina.

“Vodca ou bebidas doces coloridas?”

“Definitivamente bebidas doces coloridas... se Jane não dirigir nós podemos pegar um taxi.”

No outro carro, Bingley dirigia com um sorriso divertido no rosto. Ao seu lado, Jane não conseguia entender o desconforto que tinha penetrado na áurea até então tranquila. Darcy ainda estava mortificado, e pior, preso no banco de trás do carro de luxo de Bingley com Caroline. Poderia ser pior? Por que ele não insistiu em dirigir o próprio carro?

A noite prometia ser longa e incômoda. A boate escolhida era uma das mais antigas de San Francisco e iniciava suas atividades com as mais recentes músicas eletrônicas, mas conforme a noite passava, o Dj era famoso por escolher músicas nostálgicas e colocar as pessoas para dançar, o que definitivamente Darcy não pretendia fazer.

A entrada estava cheia de pessoas em uma fila imensa aguardando entrada, mas como os nomes de todos eles estavam na lista VIP graças a Charlote, seria fácil entrar. Foi Bingley quem viu Elizabeth e Charlote os esperando enquanto conversavam com um homem de boa aparência e bem vestido na entrada e os guiou até elas. O homem era alto e moreno, com penetrantes olhos escuros e um sorriso pronto. Darcy observou que ele beijou Charlote e depois Elizabeth no rosto enquanto tinha a mãos na cintura delas e odiou a visão. O homem se virou e foi conversar com alguém que estava controlando a entrada um pouco antes deles chegarem.

“Jane, você vai voltar com Charles ou comigo?” Elizabeth se apressou em perguntar assim que os viu.

“Eu ainda não sei...” Jane olhava confusa entre Bingley e Elizabeth.

“Então você vai voltar comigo, pegue a chave do meu carro que essa noite eu e a Charlote vamos nos divertir.” Ela respondeu balançando as sobrancelhas para a irmã, e Jane sentiu um frio na espinha pensando no que sua irmã e sua amiga fariam naquela noite.

Charlote ainda conversava intimamente com o homem da entrada que foi apresentado em seguida como um dos donos do local e parecia conhecê-la muito bem. Darcy não gostou daquela intimidade e pensou que era fácil descobrir como eles conseguiriam entrar em uma das casas noturnas mais famosas e lotadas da cidade sem precisar ficar na fila e com bastante facilidade.

O interior vermelho, preto e dourado era bem decorado no estilo Cabaré vintage. Felizmente, a área deles era mais exclusiva, e por isso, ficariam confortavelmente sentados em sofás de couro macios. Cortesia do Sr. De Luca, a quem eles foram apresentados e que parecia tão íntimo de Charlote. Ele não queria nem imaginar o que ela fazia com o homem para conseguir tanta comodidade em um dia lotado como aquele, mas esperava que Elizabeth não era incluída naquela barganha. A maneira excessivamente amigável com que o homem conversava com ela era enervante, o fato dele estar com os braços em volta de Charlote e não de Elizabeth quando eles chegaram era um alívio.

Sempre que Caroline estava presente, o que ocorria a maioria das vezes, Darcy fazia questão de não tomar uma única gota de álcool. Não que ele pensasse que a embriaguez poderia turvar seu julgamento o fazendo cometer um erro, mas ele não daria nenhuma oportunidade para Caroline se aproximar dele em um momento vulnerável.

Eles estavam sentados em torno de uma mesa baixa e rapidamente foram servidos com o melhor que o local tinha a oferecer. De Luca se aproximou de Jane e a beijou no rosto falando alguma coisa em seu ouvido, e Darcy percebeu Bingley tenso ao seu lado quando Jane riu, mas o pior estava por vir. De Luca se sentou ao lado de Elizabeth e colocou o braço ao redor dos ombros dela, fazendo uma leve carícia em um dos braços.

“Lizzie, minha garota, o que eu posso te servir essa noite?” Ele perguntou em voz alta enquanto colocava uma das mechas soltas do cabelo de Elizabeth atrás da orelha dela. Darcy assistia aquela cena enfurecido... ele odiava pensar que ela se sujeitava à algum tipo de barganha com aquele homem em troca do tratamento VIP que eles estavam recebendo.

“Todas as bebidas doces coloridas que você tiver disponível.” Ela respondeu olhando para ele e piscando os olhos exageradamente de uma maneira provocante.

Darcy percebeu De Luca arregalando os olhos e em seguida esfregando as mãos. “Essa noite promete.” Ele sussurrou algo no ouvido de Charlote e eles se aproximaram de onde Darcy estava com Bingley.

“Vocês já vieram aqui antes? Fiquem à vontade e qualquer coisa que vocês quiserem estará disponível... é só falar com Charlote e Lizzie que essas duas conseguem tudo de mim...” Ele perguntou em uma voz simpática e atitude bastante cortês, se virando rapidamente para piscar para Elizabeth e Charlote que sorriram para ele.

Bingley, sempre mais amigável, respondeu pelos dois. “Já viemos algumas vezes, eu mais do que Darcy. Meu amigo aqui não é muito de socializar... e obrigado pelas boas-vindas...”

De Luca olhou para Darcy com curiosidade. “Você é William Darcy, dos Hotéis Pemberley?”

Darcy queria revirar os olhos. Poucas pessoas não sabiam quem ele era e com certeza alguém com tantas conexões como De Luca saberia. “Suas amigas não disseram para você? Você parece bastante íntimo delas.” Sua pergunta era claramente insinuante, indicando Charlote e Elizabeth com a cabeça enquanto as duas viravam uma dose de alguma bebida púrpura brilhante. Caroline bufou como se concordasse com a sugestão implícita dele. Como sempre, seus comentários atraíram a atenção de Elizabeth e ela olhou para ele com olhos estreitos.

Para surpresa de Darcy, De Luca gargalhou, e como se fosse contar um segredo, se inclinou em direção a ele e abaixou o tom de sua voz. “Eu conheço essas duas muito intimamente. São terríveis, mas deliciosas, principalmente quando eu estou me divertindo com as duas juntas...” Ele respondeu enquanto piscava para elas, adorando irritar o homem poderoso e aparentemente ciumento. Ele só não poderia dizer ainda se o ciúme era de Charlote ou de Lizzie. Vendo o punho de Darcy apertado até as juntas ficarem brancas, ele decidiu não empurrar ainda mais as provocações... exagerar era departamento da Elizabeth. Suavizando sua voz ele continuou a falar. “Charlote é minha irmã e eu conheço Lizzie e Jane desde que eram crianças. Eu costumava colocá-las aqui dentro antes da idade permitida para dançarem algumas músicas quando meu pai se envolvia mais com os negócios. É claro, naquela época elas eram proibidas de ficarem perto de qualquer bebida alcoólica... e homens.”

Bingley relaxou visivelmente e envolveu De Luca em uma conversa animada, com muitas risadas. De Luca contava histórias das meninas quando eram mais novas e Bingley estava deliciado por conhecer mais sua querida Jane. Darcy, por outro lado, queria se chutar. Ele ainda estava se perguntando o que acontecia com ele perto daquela mulher que o fazia dizer a coisa mais inadequada possível.

Pela primeira vez, quando Caroline o chamou para dançar ele aceitou. Tudo para sair de perto da morena por alguns minutos e clarear sua mente. Praticar se afastar de Caroline poderia ser uma distração necessária.

Elizabeth viu Darcy ser puxado por uma Caroline exultante com raiva mal reprimida. “Foi impressão minha ou ele insinuou que eu e Charlote trocamos sexo por entradas Vip's em casas noturnas?”

De Luca gargalhou. “Se eu não achasse isso incestuoso, eu poderia até me aconchegar entre vocês duas para tirar o homem ainda mais do sério.”

“Ugh! Que nojo!” Elizabeth e Charlote exclamaram juntas fazendo uma careta.

“Ele não é tão ruim quanto parece... Ele demora para confiar nas pessoas, mas quando vocês tiverem a oportunidade de conviverem com ele por mais tempo perceberão que não existe um homem mais leal e correto.” Bingley defendeu o amigo, mas não acreditava que teria sucesso. Darcy nunca tinha pisado tanto na bola quanto naquele dia.

“Se você diz...” Elizabeth respondeu com um aceno de mão descartando totalmente a defesa de Bingley. “Essa noite eu vou me divertir independente do humor dos nossos convidados.”

Charlote concordou de coração e para ilustrar as palavras, colocou mais uma série de doses de todas as cores em frente a elas. Elas viraram três seguidas, batendo o copo na mesa e riram por terminarem exatamente ao mesmo tempo. De Luca balançou a cabeça em diversão e ofereceu as duas mãos para elas. “Venham dançar comigo... Eu quero aproveitar enquanto ainda tenho chance. Eu sei que depois eu não vou conseguir nem conversar com vocês.”

Assim que eles saíram, Bingley se aconchegou ao lado de Jane e a puxou para um beijo que cresceu apaixonado em poucos minutos. Quando terminou, ele continuou abraçado com ela esfregando o rosto pelo pescoço e ombros dela. “Eu fiquei aliviado por De Luca ser um amigo de infância... Confesso que por um minuto fiquei com ciúme.”

Jane sorriu. “Ciúme do John? Ele é um irmão para mim e para a Lizzie.” Ela olhou para ele com carinho. “Você ficaria bravo se eu confessasse que gostei do seu ciúme?”

Bingley riu e a puxou ainda mais para dentro de seu abraço. “Não... eu acho que é impossível ficar bravo com você.”

Eles ficaram aconchegados um no outro por alguns minutos até Jane quebrar o silêncio. “Darcy sempre fica desconfortável em lugares assim?”

Bingley suspirou. “Sempre. Mas parece que a sua irmã, de alguma forma, consegue extrair o pior dele. Seria cômico se não fosse tão trágico. Prevejo muitos encontros assim no futuro.”

“Muitos?” Jane olhou para ele com um sorriso satisfeito e ao mesmo tímido. Ela realmente estava encantada com Bingley

“Sim... muitos. Tenho certeza que a gente vai se acostumar com os dois trocando farpas antes que se torne cansativo. Só espero que eu nunca precise arrancar as mãos da Lizzie do pescoço dele.”

“Eu não vou te dar garantia que isso nunca vai acontecer. Lizzie é perfeitamente capaz de tomar uma atitude dessas.”

“E Darcy é perfeitamente capaz de causar uma atitude dessas.” Eles estavam rindo quando Darcy voltou para o seu lugar com um rosto aborrecido seguido por uma Caroline sorridente.

Quase uma hora depois, os quatro conseguiram localizar Elizabeth e Charlote. “Parece que a sua irmã encontrou companhia para a noite, Jane.” Caroline apontou venenosamente.

Eles olharam para a pista de dança e viram um homem parcialmente de costas para eles, extremamente alto e musculoso, de cabelos longos e loiros com uma mão na cintura de Elizabeth falando algo no ouvido dela enquanto ela ria. O homem era tão grande que parecia cobrir completamente o pequeno corpo dela.

Elizabeth passou seu braço pela cintura dele e mesmo com suas sandálias altas, ela ficava alguns centímetros mais baixa do que o ombro do loiro. Ele tinha facilmente dois metros de altura. Quando ele se virou e olhou para o lugar onde eles estavam, eles conseguiram analisar o rosto do estranho. Seus olhos eram de um azul cristalino e frio, e a barba cheia e bem cuidada lembrava um visual lenhador hipster.

Elizabeth e ele caminharam até o local onde estavam, e Jane sabia que sua irmã já tinha bebido demais pela forma que se inclinava contra o seu companheiro. “Aquele é um amigo da nossa família. Nos conhecemos há muitos anos.” Jane terminou de falar assim que Elizabeth chegou.

“Gente, esse é meu grande amigo Hans. Hans, da esquerda para a direita: Charles Bingley, Caroline Bingley e o Sr. Intolerável... ops... quero dizer, Sr. Darcy.” Ela terminou gargalhando e Hans balançou a cabeça em diversão.

“É um prazer conhecer todos vocês.” Ele disse com um forte sotaque alemão, e depois se virou para Jane. “Jane, eu acho que Lizzie já bebeu demais.”

“Cuida dela para mim, Hans.” Jane respondeu sorrindo docemente para o alemão gigante.

“Será um prazer.” Ele respondeu antes de passar um braço musculoso ao redor de Elizabeth e levantá-la com facilidade na lateral do corpo dele, a rebocando para a pista de dança. Elizabeth gritou de surpresa e riu o tempo todo enquanto protestava que estava se sentindo perfeitamente bem e não precisava de babá.

Assim que eles viraram as costas, Bingley gargalhou. “Sr. Intolerável! Jane, eu adoro cada vez mais a sua irmã. Sr. Intolerável... Richard vai amar isso.” Ele olhou para Darcy que inesperadamente tinha um pequeno sorriso no rosto. “Você sabe que Richard nunca mais vai te chamar de outra coisa.”

“Argh... Eu não quero nem imaginar.” Darcy respondeu revirando os olhos.

“Desculpe pela minha irmã, Darcy. Às vezes ela fala sem pensar...” Jane tentou atuar como uma mediadora.

“Depois de tudo o que eu falei desde a primeira vez que nos vimos eu deveria agradecer...” Ele respondeu balançando a cabeça. “Esse Hans... ele é namorado dela?” Ele perguntou timidamente sem olhar diretamente para Jane.

“Não... Hans e Lizzie se conhecem desde que tinham quatorze anos. Ele é modelo e na época chamaram a mim e a Lizzie para fazer algumas fotos... Eu era tímida demais e não quis, mas Lizzie tentou. Infelizmente um fotógrafo se insinuou para ela em uma das seções. Hans, que era novo aqui, a defendeu. Desde então os dois se tornaram amigos. Ele costumava ficar hospedado na nossa casa com nossos tios quando era mais jovem... é mais um irmão que nós nunca tivemos.”

A proteção de Hans ficou óbvia quando eles o assistiram segurar a mão de um homem que ousou tentar tocar em Elizabeth. Elizabeth apenas riu e empurrou Hans em brincadeira. Ela parou um dos garçons e pegou mais uma dose de bebida, virando de uma só vez e devolvendo o copo na bandeja. Eles perceberam Hans rindo e revirando os olhos antes de afugentar mais um homem que se aproximava de Elizabeth com más intenções.

Cerca de trinta minutos depois, Jane chamou a atenção dos seus companheiros e apontou para o local onde Elizabeth estava com Charlote. Bingley ofegou quando as viu estourando uma garrafa de Champanhe e espirrar o líquido em todas as pessoas que estavam em volta à espera de uma taça. De repente, Elizabeth subiu no balcão e puxou Charlote com ela e as duas fizeram uma performance digna de filme enquanto as pessoas cantavam e aplaudiam. Darcy percebeu De Luca e Hans por perto impedindo qualquer um com más intenções de se aproximar delas e quase se levantou para ajudá-los, se impedindo no último minuto ao lembrar que não era da conta dele.

Para Darcy, a noite foi um sacrifício. Tudo o que ele queria não aconteceu. Antes de estragar a noite com seus comentários, ele esperava corrigir a impressão que causou, dançar com ela algumas vezes e talvez iniciar uma amizade. Contrariando todas as suas expectativas, a situação ficou ainda pior entre eles.

Depois de se despedir de Bingley, Darcy e Caroline, Jane ajudou sua irmã e Charlote a entrarem no carro com o auxílio de De Luca e Hans. Ela estava de certa forma aliviada pela noite ter ocorrido sem mais problemas, sabendo o potencial de Elizabeth e Charlote para criarem o caos. Escutando o gemido de dor e náusea da irmã e da amiga, Jane riu. O dia seguinte seria um carrasco para as duas. Lembrando das alfinetadas entre Elizabeth e o melhor amigo do seu namorado, ela suspirou. Os dois eram como cães e gatos.


Notas Finais


E então pessoal? O que acharam?
Deixem um recadinho para a autora se tiverem um tempinho...
Bjs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...