História Forbidden love - Vhope (Em Revisão) - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Blackpink, Got7, SHINee
Personagens Jackson, Jeon Jungkook (Jungkook), Jisoo, Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Mark, Min Yoongi (Suga), Minho Choi, Park Jimin (Jimin), Rosé, Taemin Lee, Yugyeom
Tags Bottom!taehyung, Fluffy, Hoseokpunk, Jikook, Lemon, Namjin, Taeseok, Top!hoseok, Vhope, Vope, Yaoi
Visualizações 449
Palavras 3.463
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Fluffy, Lemon, LGBT, Luta, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oii anjos!! Acho que vai ter muitos erros nesse cap, e só em pensar isso me dá uma dorzinha de cabeça! Mas com certeza irei corrigi. Me desculpem!
Tenham uma boa leitura ♡

Capítulo 7 - Em chamas!


Fanfic / Fanfiction Forbidden love - Vhope (Em Revisão) - Capítulo 7 - Em chamas!

Já era de manhã, quando acordei, e percebi que Hoseok não estava mais ao meu lado.

Sim, ele dormiu aqui, e passou a noite toda fazendo carinho em mim, sussurrando o quanto sou perfeito para si.

Fiquei tão encantado com a sua forma de tratar meus problemas, o jeito paciente de me tranquilizar. Sendo cauteloso a todo momento!

Nem tive forças para dizer algo, pois estava envergonhado por tê-lo tão perto, agarrado em minha cintura, como se fôssemos casados.

Mas em meio à todos esses pensamentos bons, também tem ruins em minha mente! Desde que me tranquei aqui no quarto, Omma não veio falar comigo. Já é hora de ir à escola e sei que ela virá me chamar! Pelo menos é o que acho!

Então olhei para o despertador e vi que realmente estava na hora de preparar-me.

Arrastei-me sem ânimo, até o banheiro que há em meu quarto e fiz todas as minhas inginhenes. Fui para frente do espelho, vestindo meu uniforme, que encontrava-se um pouco amarrotado, em seguida, subindo meu olhar, vendo meu rosto inchado e vermelho por eu ter chorado muito. E pra piorar, também tinha pequenos arranhões em minha face.

Ver tudo isso, me partiu o coração. Nunca pensei que a mulher que eu sempre amei e respeitei, fosse fazer isso comigo! Acho que seria pior se eu continuasse a falar naquele momento.


Assim que estou terminando de pentear meu cabelo, escuto batidas na porta.

― Taehyung...Abra a porta!  ―  Omma falou autoritária e eu respirei fundo indo abri-lá.

Assim que abri, a mais velha me olhou com um olhar triste, desviando segundos depois.

― Já é hora de ir e ainda não comeu nada! ...Venha, deixe eu te arrumar!  ―  Ela me puxou, adentrando meu quarto, logo desabotoando meu uniforme.  ―  Não vou deixar meu filho ir como um trapo pra escola!  ― Afirmou, desabotoando o último botão. Em seguida, subiu seu olhar para meu pescoço especulando o chupão, que ainda era visível. Ela pausou, tirando as mãos de mim e pigarreou.  ―  Mentiu quando disse que isso é um chupão, não foi? Só...Estava nervoso na hora e acabou falando àquelas coisas...É...Claro que foi!  ―  A mais velha sorria nervosa e eu só queria falar que não é mentira, que isto é um chupão, e de um homem!

― Não...Não é chupão...Eu...Menti...Foi só um mosquito que me picou! ― Falei sem ânimo, respirando fundo.  ―  Desculpa Omma! ― Essa última, foi Sincera, pois estava pedindo desculpa por estar mentindo para ela! Mas eu não posso deixá-la me afastar das coisas que não são necessárias! Eu quero ser feliz! Apenas.

― Ah, Eu sabia! ― Soltou um suspiro de alívio, deixando-me ainda mais triste, por vê-la aliviada, como se ser gay, fosse a pior coisa. ― Desculpa meu filho! ―  Disse desesperada, passando as mãos em todo meu rosto. ― Eu sei que estava nervoso e só queria proteger seu primo, mas você tem que entender que nem tudo a gente pode aceitar, o que nossa família faz! ― Omma segurava meu rosto, enquanto eu pensava "Não Omma, você que tem que entender." Mas não irá entender.  ―  Agora me dê seu uniforme, eu vou costurar e passar. Vá comer, fiz aquele bolo que você adora, está em cima da mesa.  ―  Avisou, me esperando tirar o uniforme.

E assim o fiz! Entreguei-o para castanha que saiu do meu quarto.

Respirei fundo, jogando as madeixas para trás, preocupado com Omma. Pois ela está doente, cega pelo preconceito. E eu não sei o que fazer.


[...]

Já estava no intervalo! 

A aula toda tentei falar com o Jimin, mas não consegui!

Agora estou a preocura dele e não o encontro.

Fui ao pátio, e perguntei a uma garota. Ela me disse que viu ele indo para trás do Colégio. Agradeci e fui até lá, vendo meu primo olhando pros lados desconfiado.

― Ah, Jiminie! O que faz aqui? ― Indaguei abraçando o mesmo que deu um leve pulo, mas logo retribuio.

― Meu deus! o que aconteceu Tae? Por que seu rosto está assim?  ―  Jimin indagou preocupado, especulando cada canto do meu corpo.

― Eu...Só tive uma pequena discussão com a Omma, mas agora ela está mais calma!  ―  Falei tentando demonstrar que estava tudo bem.

― Não Tae, não está. Tia Kim é doente! O preconceito tá deixando ela assim! Eu e Omma estamos preocupados com você! E quando ela souber disso, o nível de preocupação vai extrapolar!  ―  Disse preocupado, fazendo-me suspirar.

Abri a boca na intenção de dizer algo para amenizar, mas logo fechei de volta, pois não tinha como abrandar o lado de omma. Porque sim! Ela é totalmente preconceituosa, e não há nada que eu possa dizer no momento!


Alguns segundos de silêncio, até ser quebrado por Jungkook, que pulou o muro, para dentro da escola.

Meu primo mudou de expressão e eu olhei-o incrédulo.

― Jiminie, está louco?  ―  Indaguei desacreditando do que presenciava, vendo o loiro sorri, ao ser agarrado por trás, pelo seu namorado.

― Ah, eu não sou obrigado a passar o meu intervalo no tédio! ― Disse com malícia.

― E eu não tenho culpa. quem deu a idéia foi o Hobi, só vim atrás dele. ― Jungkook revelou, fazendo-me arregalar os olhos.

― H-Hoseok está aqui? ― Perguntei nervoso.

― Ele veio na frente e deve tá te procurando!  ―  Jungkook tirou seu celular do bolso e digitou algo, enviando uma mensagem, sendo respondido segundos depois. ―  Ele está te esperando no banheiro! ―  O mesmo avisou, puxando meu primo, para lhe dar um beijo.

E mordendo o lábio inferior, respirei fundo e prossegui, deixando os pombinhos a sós.


[...]

Andava apressadamente pelo corredor da escola, até parar na porta do banheiro, abrindo-a, sendo puxado para dentro, vendo Hoseok fecha-lá com o pé.  E antes que eu dissesse algo, o mesmo juntou nossos lábios, levando as mãos até a parte posterior das minhas coxas, levantando-me, fazendo com que eu entrelaçasse as pernas em sua cintura.

Ele andou até a pia de mármore, me colocando sentando sobre ela, e morosamente, separou nossos lábios em um selinho, deslizando suas mãos pelas minhas coxas.

― Você é louco?  ―  Indaguei tentando recuperar o fôlego e o moreno sorriu.

― Se for por você? Sim, eu sou!  ―  Ele se encaixou entre minhas pernas, me puxando para mais perto.

Um silêncio se instalou naquele momento, o que fez-me corar!

Mas o tatuado não parecia estar na mesma situação que eu. Pelo contrário! Ele estava concentrado de mais em me encarar com seus olhos brilhando.

Simplesmente impossível vê-lo corado!

― Você é tão lindo!  ―  Me elogiou, aproximando, lentamente, seus lábios dos meus.

E eu Apenas permaneci olhando-o. Encontrava-me hipnotizado por aquela boca, que há um piercing no canto. E aquele nariz perfeito, onde também há um piercing que lhe deixa mais charmoso!

Acho que meu mais novo fetiche são por piercings e tatuagens.


Saindo do mundo da lua ― Ou não ― me atrevi a subi minhas mãos pelo seus braços tatuados, sentindo os pelos do local eriçarem com o meu toque repentino.

Prosegui com o ato, subindo mais um pouco, até seu pescoço, acariciando entre a rosa e a pequena lua,  que foram tatuadas por lá.

 O garoto totalmente entregue à minhas carícias, não hesitou em juntar nossos lábios, novamente.

E a cada vez que eu praticava, chupando seus lábios, percebia que nunca perdia o gosto de gloss cereja, não há como ignorar esse detalhe.

Também, não tem como não falar o que sinto, quando suas mãos percorrem pelas minhas coxas, apertando-as, é muito bom! A impressão era que mesmo a minha pele estando coberta pela calça, seus dedos ficariam marcados ali, de tão firme que eram pressionados!

O mais velho aproveitava, de todas as formas, o quanto eu estava entregue a si.


Foi um beijo demorado, mas pareceu que só durou um segundo, por eu achar que não aproveitei bem, pois a porta fora aberta, fazendo com que Hoseok se afastasse de mim em um instante.

Olhei para a porta e avistei Mark ― um garoto da minha sala ― ele parecia confuso e logo desci do balcão da pia.

― Você é novato? Nunca te vi por aqui?― O garoto questionava para Hoseok, que aparentava-se estar tranquilo.

― Não. Na verdade eu sou o...  ― Hoseok gesticulou, com uma expressão maliciosa, fazendo-me entender o que ele iria dizer e logo interrompi-o.

― Primo. Ele é um primo meu, que veio de longe me visitar, mas já está de saída. ―  Menti descaradamente, empurrando-o até a porta, sendo interrompido por Mark.

― Espera! Eu achei que você só tinha o Jimin e a mãe dele como família. E ele tem todas essas tatuagens... ―  Especulou Hoseok de cima a baixo. ― Mas eu até que gosto disso!  ―  Confessou, sorrindo malicioso.

O seu ato me fez ter uma pitada de ciúme.

― Ah, antes de ir... ―  Meu colega de classe pausou, tirando uma caneta do seu bolso, indo até o moreno, pegando em sua mão.  ―  Esse é meu número. ―  Mark disse, assim que terminou de anotar na palma do outro, o que me fez ficar ainda mais incomodado.

― Err...Vamos logo Hoseok. ―  Empurrei-o para fora do local, mas logo ele parou, pegando em minha mão, entrelaçando nossos dedos. E eu ignorei o efeito que aquele pequeno gesto me causou, continuando a andar.


Assim que chegamos atrás do Colégio, soltei sua mão percebendo a ausência de Jimin e Jungkook.

― Então...Vai logo, antes que alguém nos veja aqui!  ―  sugeri sem olhá-lo, ouvindo sua risadinha.

― Taehyung... ― Hoseok me chamou aproximando-se.  ―  Você ficou com ciúmes?  ―  Ele indagou com um sorriso de canto, segurando meu rosto, fazendo-me olhá-lo.

― C-claro que não...por que acha... ―  Antes que eu prosseguisse, fui interrompido pelo mesmo que juntou nossos lábios em um selinho demorado.

― É você quem eu quero!  ―  Afirmou passando o polegar em meu rosto me fazendo corar.


[...]

Hoseok e Jungkook, Já tinham ido embora e nós já estávamos na sala. O professor fez duplas e passou  um trabalho para que nós fizéssemos em casa. E para o meu azar, a minha dupla é o Mark. Não que eu esteja de implicância com ele, eu não sou esse tipo de pessoa. O problema é que desda teceira série, ele sempre foi estranho comigo! Me olhava de um jeito que na época, eu não sabia decifrar, mas hoje eu diria que ele estaria apaixonado por mim?!  Mas na Quinta série, o mesmo ficou mais estranho! dessa vez, parou de me olhar daquele jeito. Andava faltando as aulas e quando aparecia, era com marcas no pescoço como chupões, e marcas nos pulsos, como tivesse sido algemado. E não era só isso, ele também aparecia com machucados no rosto, como se alguém tivesse batido nele, mas o próprio sempre dizia que caiu da cama, ou que bateu a cara na parede, e era impressionante como os professores acreditavam ou apenas não ligavam. Ele nunca se abriu pra ninguém! Ele nunca falou sobre o que estava havendo! Hoje em dia, não aparece mais nesse estado.


Assim que a aula acabou, eu fui para casa junto com Mark.

Estávamos falando coisas aleatórias, só para não ficar um clima chato entre nós!

até que chegamos na residência.

Entrei e não vi Omma, acho que ela deverá está no mercado!

Mas é melhor assim! Pois mesmo que eu explicasse, toda a situação do porquê ele estar aqui, e quem era, não adiantaria, sempre ela iria enche-lo de perguntas.

Deixamos os calçados perto da porta, e Subimos para o meu quarto.

O moreno entrou olhando tudo, detalhadamente, ao mesmo tempo que tirava sua mochila das costas, e a deixava sobre a cama.

― Quarto espaçoso! Mas não acha que ainda falta muita coisa nele?...Tipo, uns posts de banda ali, um tom mais escuro na parede...um som...Pra não parecer um quarto infantil! ― Sugeriu, fazendo-me suspirar.

― Não fala assim! Omma que fez a decoração! ― Defendi tirando a mochila das minhas costas, também colocando-a sobre a cama.

― Nossa...Ela deve achar que você tem...Uns 12 anos?!  ― Riu soprado.  ― Nem nessa idade deveria ter um quarto assim! Mas pelo menos, tem uma cama de casal!  ―  Ele jogou-se na mesma, fazendo-me revirar os olhos.

― Vamos começar a fazer o trabalho ou não?  ―  Indaguei impaciente.

― Cara, Falta muito pra entregar esse trabalho. Outro dia a gente faz!  ―  Disse sem nenhum interesse.

― Se não estava afim, por que veio?  ― Questionei-o estreitando os olhos.

― Porque quero saber de uma coisa...Aquele garoto... ― Pausou, me olhando com malícia. ― Eu sei que não é seu primo...Está ficando com ele, não está?  ― Assim que me questionou, fiquei paralisado sem saber o que dizer.

― Err...N-Não...C-Claro que...Não...  ―  Gaguejei dando indício de nervosismo.

O mesmo levantou e caminhou até mim, lentamente, parando em minha frente.

― Taehyung...Você é gay? Nossa...Eu nunca imaginei isso!  ― O mais velho fingiu estar surpreso, sorrindo sarcástico, o que me fez enguli em seco.

― O-O que? Eu não ...  ―  Assim que iria continuar a mentir, o moreno me interrompeu, segurando-me pelos ombros.

― Eu não nasci ontem Taehyung! Eu vi o clima entre vocês dois no banheiro, e eu só dei meu número a ele, pra ver se você ficava com ciúmes, e foi o que aconteceu!  ― Contou, dando uma risadinha. ― Precisava ver sua cara!...Mas ele é realmente atraente! E espero que também tenha amiguinhos assim...Tatuados. ―  O mesmo largou-me, e eu respirei fundo.

― Mark...Eu não quero que ninguém saiba disso, entendeu? ― Indaguei acompanhando o próprio, que deitou-se em minha cama, novamente.

― Por uma condição!  ―  Ele me olhou sorridente.  ―  Nesse fim de semana, o que vai fazer?  ― Questionou e olhei-o sem entender.

― Eu não sei...Omma não vai estar em casa, pois ela sempre viaja à trabalho, então...se está querendo vim passar um dia aqui po...  ―  Antes que eu terminasse de falar, o garoto bufa, batendo na própria testa.

― Não seu tonto! Não é isso. É bom saber que ela não vai Tá em casa, pois vai  ser tudo mais fácil!  ―  Disse, o que fez-me olhá-lo sem entender.

― Onde quer chegar?  ―  Perguntei com o cenho franzido, fazendo-o revirar os olhos.

― Taehyung...Você acha mesmo que com um homem daqueles na sua vida, vai ficar em casa final de semana, assistindo TV?  ―  Perguntou irônico, e olhei para o outro lado.  ―  Eu também quero sair com vocês neste final de semana, pois me interesso por esse tipo, e talvez...ele tenha um amigo pra me apresentar, hum? O que acha? ―  Me cutucou, sorrindo malicioso.

Cogitei em dizer não, mas não tenho saida, apenas terei que aceitar!

― Ok!  ―  Afirmei bufando.

Ele pegou sua mochila e a colocou nas costas, indo em direção a porta.

― Não vai fazer o trabalho?  ―  Indaguei e o mesmo me olhou de cima a baixo.

― Depois Eu venho e faço.  ―  Respondeu, dando indício de que iria embora, mas pausou, me olhando uma última vez.  ―  Aish! Como você é certinho. Nem sei como um dia gostei de ti! ― Ele deu uma piscadela e saiu, deixando-me incrédulo, porém não surpreso, pelo o que ele acabará de me dizer.


[...]

Já era sábado e como de costume, Omma despediu-se de mim para viajar à trabalho, mas antes, devolveu meu celular, deixando-me bem ciente de não ligar para Jimin e nem pra tia Hee.

A noite chegou rápido! E em um instante me preparei, para ir em uma festa que hobi dará.

Assim como Mark me disse, Hoseok é um garoto festeiro!

Ele não entendeu muito bem por eu ter levado o meu colega de classe, mas mesmo assim, nos levou a sua linda, e enorme mansão.

― Nossa! Que Palácio, em?!  ―  Mark diz, assim quando entramos na mesma.

Demos de cara com várias pessoas bebendo, dançando, se pegando, fazendo tudo o que é de se esperar em uma festa onde só há adolescentes.

Pude ver o sorrisinho se instalar nos lábios de Mark, ao especular todo o salão.

― Então...Será que podemos continuar com o que estava acontecendo no banheiro?! ―  Hoseok indagou, envolvendo seus braços em volta da minha cintura, fazendo-me corar e o outro pigarrear.

― Olha...Eu to shippando vocês dois, mas eu não quero segurar vela! Em que parte cês não entenderam que eu vim atrás de beber, beijar muito, e transar a noite toda?!  ― Disse impaciente deixando-me incrédulo, junto com um Hoseok dando risada.

― Nossa...Não pensei que fosse assim! ― Hobi disse, contendo o riso.

― Não é porquê eu sou um conhecido do Taehyung, que também vou ser um anjinho.  ―  Retrucou irônico.

Hoseok negou com a cabeça, desacreditado  e analisou todo o salão. Logo firmando o olhar em um ponto da sala, olhando para o lugar, fixamente.

― Jackson! ― Chamou um garoto forte e tatuado, que veio em nossa direção, sorrindo.

― Então...esse é o famoso Taehyung?! ―  Jackson me olhou e eu sorri.

― Sim! E esse é o amigo do Taehyung, o Mark. ― Jackson analisou-o de cima a baixo,  sendo retribuído com um olhar malicioso do outro. Resumindo: eles estavam se comendo com os olhos.  ― Ent... ― Antes que Hobi prosseguisse, fora interrompido por o meu colega de classe.

― Não precisa! Sei muito bem como fazer de agora em diante!  ― O mesmo falou malicioso, e sem demora, aproximou-se do Jackson, pegando a bebida que estava em sua mão, bebendo-a de um jeito sexy.

O outro sorriu de canto e logo seguiu Mark, que lhe lançou um olhar ao mesmo tempo que entregava sua bebida e virava  as costa, indo para algum outro lugar.

Fiquei boquiaberto, mas saí de transe quando senti mãos em minha cintura.

― Vamos para um lugar menos agitado? Hum?  ―  O mais velho sussurrou fazendo-me arrepiar com o seu alito quente perto da minha orelha, em seguida de uma mordida no lóbulo.

― A-Ah...S-Sim...  ―  Arfei, sentindo-o me apertar ainda mais contra seu corpo.

 Aos poucos, suas mãos foram deslizando pela minha cintura, soltando-me. e logo após, me olhou sorrindo, pegando em minha mão.


[...]

Depois que passamos por algumas pessoas no salão, subimos para o andar de cima, indo para seu quarto.

O mais velho  me puxou para dentro do cômodo, fechando a porta, encostando-me na parede.

Antes que eu dissesse algo,  ele atacou meus lábios, em um beijo necessitado, fazendo-me levar as mãos até seus ombros, apertando-os, delicadamente.

E admirava o quanto beija-lo, é viciante! A forma como ele sugava minha língua, e explorava cada canto da minha cavidade bucal com a sua, era simplesmente bom!

O quarto um pouco escuro, um silêncio prazeroso, ajudava o clima a esquentar! As únicas coisas que escutavam-se naquele cômodo, eram estalos causados pelo nosso beijo, e arfadas.

A cada segundo que se passava, só melhorava!


Sem nem pensar, parei o beijo, só para encará-lo. Meu olhar que estava baixo, foram de encontro aos seus, vendo seus olhos brilhando ao me analisar.

E em toques sutis, fiz uma trilha, subindo lentamente até sua nuca, entrelaçando meus braços.

O mais velho não parecia satisfeito com a minha atitude de parar o beijo! E sem hesitar, mordeu meu lábio inferior descendo suas mãos da minha cintura até a parte posterior das minhas coxas, levantando-me, fazendo com que eu entrelaçasse minhas pernas em si, grudando nossas bocas em um beijo molhado.

Senti suas mãos descerem novamente, dessa vez, para minhas nádegas apertando-as, fazendo-me arfar entre o beijo.

Ele cambaleou para trás, sentando na cama, comigo ainda em seu colo. E por conta disso, nos separamos com falta de ar, mas como se dependessemos  daquilo, juntamos de novo, com mais intensidade.

Suas mãos, adentraram minha camisa, subindo pelas minhas costas, ao mesmo tempo que me deliciava com seus lábios.

Ele me pressionou ainda mais contra seu corpo, fazendo-me sentir com clareza a sua ereção, embaixo de mim. Mas o tatuado não era o único a estar duro.


Arfei quando senti uma das suas mãos em minha perna, indo direto para minha ereção. Separei nossos lábios com os olhos fechados, encostando nossas testas, ofegante. Apenas queria sentir o seu toque repentino, o que me fez soltar um gemido manhoso.

Mas logo ele parou.

― Você quer que isso aconteça, babe?  ―  Indagou, e eu não conseguia olhar para o mesmo, nem respondê-lo.  ―  Hum?  ―  Indagou mais uma vez, roçando seus lábios em meu queixo, descendo para meu pescoço.

Querer? Eu quero! Mas e se eu fizer algo errado?

Sei que será normal se eu não souber o que fazer na hora, mas é que é  tão constrangedor!

Estou tão nervoso! Mas mesmo assim, quero me entregar a ele! Sentir seus toques que me deixará em chamas. De ficar marcado por todo meu corpo, pelos seus chupões e mordidas. Quero sentir o que eu nunca senti em toda minha vida.

― S-Sim...Eu quero!  ―  afirmei arfando, enquanto  sentia-o chupando meu Pomo de Adão.

Ele parou com o ato, me analisando com um sorriso malicioso.

Estou com medo do que irá acontecer! É a minha primeira vez! Não tenho nenhuma experiência, e nem sei se ele é o cara certo! Mas eu terei que vencer este medo, e sentir a sensação de ser tocado por alguém que você deseja, por alguém que você quer tanto. E sim, posso estar louco, mas para mim, Hoseok é o cara certo! Eu quero e Vou me entregar a ele.












Notas Finais


Humm 🌚🌚🌚

Serase....Vai ter hot no próximo cap??!

E obrigado pelos 60 fav!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...