História Forbidden Love - Capítulo 46


Escrita por: ~

Postado
Categorias Jared Padalecki, Jensen Ackles, Misha Collins
Visualizações 22
Palavras 1.217
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Bom galere, último capítulo e eu não sei como reagir. Tô shorano pakas. Agradecimentos nas notas finais.

Capítulo 46 - The beinning of the end


A imagem da Maisie saindo do meu escritório me atormentou por toda a semana. Tentei contactar os pais dela, Misha, Victoria mas ninguém me atendia ou me respondia. E com razão. Acho que nunca fui tão babaca com alguém. Me arrepia só de pensar que ela pode realmente ter ido ao Brasil. Não duvido da Maisie, ela é capaz de tudo quando está com raiva. Anteontem ela me ligou, mas quem falou foram os meninos, perguntei onde estavam mas o Shep disse que se respondesse, ficaria sem pudim de chocolate. A ingenuidade deles me comove. Não sei mais o que fazer e estou desesperando mais a cada segundo. Meu celular chama e eu corro pra atender.

- Oi meu limãozinho com mel. Onde você tá? 

- Em casa, ficando perturbado. Não aguento mais. Sabe o que é não aguentar mais? Pois é! 

- Que drama da porra. Vem aqui na frente. Tô aqui e sei onde a sua fiel tá. 

Desliguei a chamada, pus uma blusa preta e uma camisa de flanela por cima, pus uma touca e saí. Entrei no carro do Jensen, cumprimentei Nath e JJ. Seguimos por um caminho pouco conhecido por mim. Levamos uma hora e meia pra chegar onde ela estava, mas assim que passamos pelo grande portão, eu sabia muito bem onde estávamos e me amaldiçoei por não ter pensado nisso. Desci do carro e vi West e Maison, eles me olharam, se entreolharam e correram pra dentro. Nós andamos um pouco mais e vimos todo o pessoal na varanda. Meus olhos marejaram ao ver a May deitada numa rede, com o maior barrigão e o Austin no colo.

- Seu cretino. Saia daqui. - Meu sogro gritava e apontava um facão pra mim - Vá embora, ande. Ninguém quer você aqui.

- Querido, pare. Não vê que o rapaz já está mal?

- Por culpa dele nossa filha está mal. Olha Jared, eu sou seu sogro e gosto muito de você, mas você decepcionou minha filha.

- Pai, que exagero, aposto que ele veio pra se desculpar - Misha fala tentando acalmar o clima e eu assinto devagar- Vem, ela tá dormindo ali

Segui ele ate a pequena varanda e sorri ao observar a cena. Fiz um carinho nela que só eu faço e ela sorriu de lado. Abriu os olhos aos poucos e piscou algumas vezes antes de focar em mim.

- O que está fazendo aqui?

- Vim conversar

- Quem te trouxe?

- Nathalie e Jensen

- Papai - Shep disse e pulou nos meus braços, eu o abracei ainda sorrindo e logo o Thomas apareceu

- Vamos no lago? La conversamos melhor. - pedi e ela assentiu. Andamos até o pequeno lago e ficamos no pequeno pier. - Amor, eu sei que fui muito, muito idiota contigo, você não merecia nada daquilo e eu não sei o que deu em mim, mas quero que saiba que eu não estou traindo você, jamais faria isso..

- Sua secretária, ela..

- Ela não é mais minha secretária. Olha, eu amo você, amo demais, nossa família é a coisa mais importante pra mim e eu não faria isso com vocês. Me perdoa por favor. Me perdoa por ter sido rude com vocês, por ter sido babaca com vocês, eu sou um idiota, Maisie.

- Eu quase perdi a Odette

- C-Como assim?

- Quase sofri um aborto espontâneo. Por pouco não perdi nossa filha

- Por culpa minha.. - disse e baixou a cabeça. Jared subiu um pouco a bermuda e caiu de joelhos no chão abraçando meu corpo em seguida. Podia sentir seu corpo tremer. Ele estava chorando e não queria que eu percebesse. - S-Se eu não tivesse sido tão.. Tão eu, isso não teria acontecido. - diz e me olha com o rosto vermelho

- Meu bem, levanta. Já passou, eu perdoo você. Não tem mais motivo de continuar com isso

- Volta pra casa? Eu tô sozinho, nada tem graça sem você e sem os garotos quebrando tudo. Ate a Beth me abandonou. Sabe o que é eu ter que fazer comida? Eu usei sal achando que era açúcar pra fazer um bolo. - disse e vi o sorriso que tanto sentia falta 

- Eu volto, se você me prometer que vai ser tudo diferente.

- Eu prometo. Eu tranquei o escritório e dei a chave a Nathalie. Não vou tocar em mais nada da empresa por um bom tempo... Eu te amo demais, meu amor. Eu juro que não vou mais ser babaca com vocês. Me perdoa por tudo.

- Eu te amo. - disse por fim e ele se levantou

Passamos o resto do dia conversando e descontraídos. Não desejaria mais felicidade do que estava tendo agora. Maisie gargalhava com as palhaçadas do pai e eu amava aquele som. Todos estavam tão à vontade. Jensen e Nathalie felizes, ela com o seu barrigão de gêmeos e ele com olhar de preocupação como sempre. Meus sogros, Misha e Victoria, o pivô de todo o relacionamento. O amor da minha vida e a nossa terceira filha que está por vir. Nossas crianças, correndo e brincando no lago. Se existe família melhor, eu desconheço. Se havia dia melhor - depois do nosso casamento, claro - eu não vivi.

- Tudo bem? - May pergunta alisando minha mão

- Sim - disse e dei-a um sorriso reconfortante

- Papai, Mamãe. - Austin chegou perto de nós meio receoso - E-eu amo vocês. Por favor, não se separem.

- Não vamos meu amor - May disse e sorriu pra ele, ele sorriu de volta. - Vamos pra casa?

Anunciamos nossa ida e levei as bolsas que a Maisie trouxe, de volta para o carro. Logo entramos na estrada. Os garotos dormiram e não acordariam nem tão cedo. Passei a marcha e pousei a mão na coxa da Maisie, ela estremeceu com o meu toque e eu sorri baixinho. Ela se remexeu e soltou um gemido baixo, mas aquilo ecoou na minha mente por longos minutos. Meu coleguinha começou a crescer e ela percebeu. Chegamos em casa e pusemos os meninos no quarto. Ela foi direto pro quarto e eu a segui. Estava escorado na porta, observando ela. Cada movimento seu, despertava um desejo em mim. Desejo esse que não sentia faz um pouco de tempo. Andei lento ate ela e a abracei por trás. Segurei em sua cintura e ela arrebitou o quadril, sentindo minha ereção.

- Não sabe o quanto estava com saudade desse teu lado selvagem.

- Ah, sei sim. Tive de me satisfazer sozinha várias e várias vezes. Imagina-me, nua, deitada nessa cama e a me tocar. Chamando por teu nome. Te desejando. Implorando pra te ter dentro de mim. Gozando em teu nome.

- Porra Maisie - a pus deitada na cama. Tranquei a porta e me voltei a ela. - Eu tô louco pra te ter.

- Então me tenha. Sou sua. - Ela dizia e ia tirando a roupa aos poucos, a sua forma de fazer as coisas me atiçava. Aguçava meus sentidos. Me deitei sobre ela e a beijei.

- Eu amo você.

- Eu sei. - Ela disse e a olhei sério. Pus dois dedos dentro dela de uma vez e ela gritou alto e virou o olho - Eu o amo. Mas faça. Faça agora.

- Fazer o que meu bem?

- Me foda.

The End


Notas Finais


Então
Foi bom enquanto durou, mas tudo uma hora chega ao fim. Agradeço a quem acompanhou mesmo não tendo comentado audhauehsur
Tô com mais projetos em mente e acredito que logo mais, começo com uma fanfic nova. Bem nenes, beijinhos e ate logo mais. ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...