História Força do destino - Capítulo 52


Escrita por:

Postado
Categorias Candice Patton, Danielle Panabaker, Grant Gustin, Rick Cosnett, The Flash
Personagens Barry Allen (Flash), Candice Patton, Cisco Ramon (Vibro), Dra. Caitlin Snow (Nevasca / Killer Frost), Eddie Thawne, Iris West, Rick Cosnett
Tags Candice Patton, Crossover, Eddie Thawne, Grant Gustin, Iris West, Rick Cosnett, Romance, The Flash
Visualizações 92
Palavras 2.026
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Ficção, Ficção Adolescente, Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 52 - Aliados


Fanfic / Fanfiction Força do destino - Capítulo 52 - Aliados

(Candice POV)

Eu saí correndo de volta para o quarto do Franz e ele estava na porta e me abraçou forte e me trouxe pra dentro do quarto e encostou a porta. Eu estou arrasada, estou confusa, parece que eu fiz merda e que estou repetindo o mesmo erro que cometi há quase um ano atrás.

- Calma Candy, vamos sentar. Você está de cabeça quente, você descobriu alguma coisa?

- Não. Mas está tudo quase tão evidente. Ele falou algo que me deixou puta. - Me sentei na ponta da cama com ele

- O que ele disse?

- Ele disse que se soubesse que eu ia ter essa crise, ele simplesmente tinha comido aquela lá a noite inteira do jeito que ela gosta já que ela está louca pra dar pra ele.

- Eu não acredito que ele teve a pachorra de te dizer isso. E você não fez nada?

- Pois acredite. Na hora que eu ouvi isso eu dei um tapa na cara dele e joguei meu anel de noivado. - Me levantei e comecei a andar com os braços cruzados

- Então vocês terminaram?

- Não sei.

- Como não sabe? Você deu um tapa na cara dele e ainda jogou o anel e saiu andando.

- Eu sei Franz, mas não sei, eu estou nervosa, de cabeça quente, puta.

- Na boa Candy, o cara vacilou. Vamos supor que ele não te traiu, mas só o que ele disse pra você foi extremamente desrespeitoso. Se ele falou isso é porque algumas investidas estão rolando, você concorda?

- É. Faz sentido.

- Então. Vamos interpretar juntos o que ele disse. Ele falou que se soubesse tinha transado com ela já que ela está louca pra dar pra ele, aí você junta o fato deles estarem grudados o tempo todo, com certeza deve tá rolando uma mão "ali", um carinho "lá", um beijo no canto da boca, o que teoricamente não é traição, o que eu discordo e imagino que você também.

- Claro que é. Ai meu Deus, eu sofria com o Mike e agora estou sofrendo com o Rick, de uma maneira diferente, mas estou sofrendo.

- Então é hora de ser feliz. Não é porque você teve uma filha com esse cara que você tem que ficar presa a ele. Esquece dele.

- Eu amo o Rick desde primeiro momento que o vi. Não é tão simples assim.

- Mas não é impossível, então se ele está te fazendo mal, não pense duas vezes e esqueça ele de uma vez. Agora deixa eu te dar um abraço pra você se acalmar.

O Franz levantou, veio até mim e me abraçou, só que ele não só abraçou, ele deu um beijo na minha testa e eu inocente pensei que ficaria só por isso, eu imaginei que era apenas uma demonstração de carinho, mas ele acabou se excedendo e me tascou um beijo na boca e bem na hora o Rick apareceu e presenciou a cena, afinal a porta do quarto estava só aberta e eu nem preciso dizer que foi aquela confusão.

(Rick POV)

Eu ficar aqui sentado não vai adiantar nada, foi aí que eu tive a maldita ideia de ir atrás dela e como eu já imaginava ela estava no quarto daquele babaca, agora o que eu não esperava é que iria ver o que vi ao entrar já que a porta estava apenas encostada.

- Uau. Eu aqui sendo acusado de trair você quando na verdade você está aí com esse cara. Desde quando eu estou sendo otário Candice? Fala pra mim!

- Rick não é nada disso. O Franz acabou confundindo as coisas. Não é isso Franz?- Disse ela se afastando dele

- Sim! - Disse com a mão no queixo com cara de deboche

- Logo se nota pela cara dele. Parabéns Candice, sensacional!

Eu saí, bati a porta do quarto dele com força e fui para o meu quarto e é claro que ela veio atrás de mim e entrou junto comigo.

- Espera Rick, eu juro que não é nada disso.

- Não jura nada. Eu vi. Agora o que eu não entendo é a razão de tudo isso.

- Rick, a gente está invertendo a discussão, eu vim até aqui pra dar o flagrante em você e naquela piranha.

- Mas não deu porra de flagrante nenhum porque entre nós não aconteceu nada. Agora eu, trouxa, fui lá  atrás de você pra tentar impedir que você cometa o mesmo erro e tentar me acertar e quando abro a porta você e aquele cara estão se beijando. Acho que o jogo virou né Candice? Na boa, eu não quero saber de mais nada. Ainda bem que o evento que rolaria amanhã foi cancelado. Eu vou pegar o primeiro voo pra casa e não se preocupa porque eu só vou passar pra ver minha filha e de lá vou pra casa do Thomas, não precisa fazer aquele teatro todo de fazer malas e ir embora.

- Então a gente realmente está terminando? - Disse com olhos cheios de lágrimas

- Ué. Por que o espanto? Você já não deu todo o seu show jogando o anel de noivado e beijando aquele cara? O que você quer mais? Que a gente continue como se nada tivesse acontecido?

- Rick? - Colocou a mão nos olhos e começou a chorar

- Vai embora do meu quarto. Eu quero paz e sossego pra arrumar minhas coisas.

Ela saiu do meu quarto e por mais que me doa a alma de ter tomado essa decisão, eu precisava porque senão eu vou enlouquecer, sem contar que ver ela beijando aquele cara acabou comigo. Depois dessa confusão toda eu arrumei minhas coisas e saí meio que “A Francesa”, já que de qualquer jeito a Shantel permaneceria na cidade para outros eventos. Eu me despedi dela mandando apenas uma mensagem e não atendi quando ela me ligou afinal eu estou sem cabeça pra falar. Eu cheguei ao aeroporto de taxi, deixei o carro na responsabilidade dela e logo consegui embarcar e mais uma vez vou encarar um voo com o coração despedaçado como foi da outra vez.

(Grant POV)

Eu permaneci deitado durante toda à tarde, dormindo e acordando, vendo tv e agora noite tive uma ideia. Eu vou pedir ajuda pra irmã da Dani, apesar de ter tido nossas desavenças acho que colocamos uma pedra nisso e também acho que o jeito vai ser apelar já que a Dani está completamente irredutível. Pra não dar nenhum flagrante indesejado, apesar de estar do lado do quarto do Carlos, eu liguei no celular dele e ele me atendeu.

Ligação on.

- Oxi. Me ligando?

- É que eu queria evitar a fadiga de ir até aí. Atrapalhei alguma coisa?

- Primeiro que eu nem te atenderia se tivesse fazendo alguma coisa.

- Malcriado. E se eu tivesse morrendo? Você ia negar socorro mesmo?

- Deixa de drama Thomas Grant Gustin. Fala logo!

- Cara, preciso falar com a Kay.

- Eu sei que você bateu a cabeça no acidente que sofreu, mas eu pensei que estivesse tudo bem. Está confundindo as Panabaker's?

- Mano, deixa de ser idiota, é sério o que eu estou falando. Vem aqui no quarto com ela, eu preciso mostrar algo pra ela, aliás, pra vocês e preciso de uma opinião, uma dica, um conselho.

- Lá vem pepino. Tá. Vou só tomar um banho pra despertar e vou aí.

- Ok. Não enrola!

- Tá. Tchau!

- Tchau!

Ligação off.

O Carlos lógico que demorou uma eternidade pra vir, mas assim que veio eu falei para os dois sentarem na cama e eles se sentaram e eu comecei a explicar.

- Gente, seguinte, eu preciso que vocês me ajudem numa missão nada fácil.

- Por que, que algo me diz que essa missão tem a ver com a minha irmã? - Perguntou a Kay

- Exatamente. Eu felizmente ou infelizmente ainda amo essa mulher e tenho algo que possa fazer com que ela acredite em mim, mas pra que isso chegue até ela, eu preciso de ajuda, porque sozinho é quase tarefa impossível.

- Mas o que é que você tem aí cara? - Perguntou o Carlos

- Eu tenho um vídeo gravado pela La. Ela por incrível que pareça realmente está disposta em desfazer de uma vez por todas o mal-entendido que ocasionou nosso término e nesse vídeo cara, só não acredita quem não quer. Ela foi extremamente sincera contando como tudo rolou e explicando que eu fui vítima de uma armação.

- Grant, você jura por Deus que você não tem culpa no cartório? - Perguntou a Kay

- Juro. Se eu realmente fosse culpado eu não estaria aqui praticamente me humilhando tentando fazer com que ela acredite em mim.

- É. Isso é verdade!. - Concordou ela

- Mostra o vídeo cara. Deixa a gente ver!

- Claro!

O Carlos pediu pra ver e eu peguei meu celular dei na mão dele e ele assistiu inteirinho junto com a Kay e assim que eles assistiram eu perguntei a opinião dos dois.

- E aí gente? O que acharam?

- Surpreendente. A La realmente está disposta a ajudar e foi bem esclarecedora cara, esse vídeo tem que chegar até a Dani. E você amor? O que achou? - Jogou a pergunta pra Kay

- Eu, assim como minha irmã, sou uma pessoa difícil e orgulhosa, mas devo dizer que esse vídeo foi bem convincente. Deu pra sentir verdade no que ela disse. Você tem todo o meu apoio pra que esse vídeo chegue até minha irmã. Precisamos apenas fazer isso da melhor forma possível, com jeitinho. Três cabeças pensando é melhor que uma, então partiu pensar como faremos isso!

Eu sorri para os dois e me senti esperançoso. É muito bom saber que eu posso contar com eles!

(Dani POV)

Eu odeio me sentir na dúvida, me sentir confusa, mas essa história ainda me deixa de cabeça quente, apesar de já ter passado um tempo. Eu queria muito acreditar nele, mas algo mais forte que eu não me deixa acreditar. Eu fui pra minha casa e pouco tempo depois quem chegou foi a minha irmã. Ela se sentou no sofá em que eu estava deitada, pegou minhas pernas, colocou no colo dela e veio com uma conversa um pouco esquisita.

- Você por aqui tão cedo. Não vai dormir com o namorado hoje?

- Hoje não. Eu quis voltar pra cá.

- Hum. Milagre!

- Exagerada. Mas me diz, como é que você está?

- Bem. Normal. Por quê?

- Porque eu quero saber. E você e o Grant?

- O que tem a gente? Ou melhor, não tem a gente.

- Irmãzinha linda do meu coração, por que você não dá outra chance para o pai do seu filho pra ele provar pra você que ele não te traiu?

- Oi? Muito me espanta você defendendo o Grant. Entrou para o fã clube dele?

- Não seja debochada Dani e deixa de ser orgulhosa pelo menos uma vez na vida. Eu sei que eu deveria ser a última pessoa a defender ele, mas eu ouvi ele e ele tem algo muito importante pra te mostrar.

- Pra me mostrar? Kay, parou. Eu já estou de saco cheio de o tempo todo alguém falando disso. Eu só quero colocar uma pedra nessa história pra tentar esquecer de uma vez por todas. Eu amo o Grant, eu amo muito mesmo, ele é pai desse bebê que eu estou carregando aqui, mas eu não quero mais tocar nesse assunto. Pode ser?

- Eu só quero que você saiba que eu quero te ver feliz e eu sei que pra sua felicidade estar completa só falta o homem que você ama ao seu lado e agora que eu sei da verdade e acredito nela eu vou ajudar o Grant. Mais hora, menos hora você vai ceder, eu sei que vai.

Ela se levantou, foi para o quarto dela e eu fiquei aqui na sala. Agora era só o que me faltava, a torcida do Grant está ganhando força!


Notas Finais


💋


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...