História Força entre paixões - Capítulo 10


Escrita por:

Visualizações 227
Palavras 3.062
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Mistério, Musical (Songfic), Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá babies??😍
Obrigado pelos novos favoritos!!! Vocês são um amor!!😀❤
Boa leitura!

Capítulo 10 - It's no use denying


Fanfic / Fanfiction Força entre paixões - Capítulo 10 - It's no use denying

Âmbar's Point Of View 

 Assim que as aulas se foram, apenas me despedi dos meus amigos e segui até o estacionamento da escola, vendo o carro da minha casa ali, só que sem o meu motorista. 

 Fui até o mesmo e olhei em volta vendo Tino conversar com uma mulher feia bem estranha, chegava a ser engraçada.

 - Mas oque é isso? - fui até eles e o-encarei - eu não estou acreditando nisso! - me fitou junto com ela - você devia já estar no carro agora, me levando pra casa que isso é o seu trabalho, e não ficar conversando com...- a-olhei dos pés a cabeça e encarei seu rosto - uma qualquer - fiz careta - agora vamos!

 - Mais tarde nos vemos - o babaca falou para a mulher, que sorriu. Revirei os olhos pra isso e voltei ao carro, entrando no mesmo e vendo Tino entrar logo depois.

 - Anda, vamos logo! - bufei inquieta.

 - Não podemos ir agora, estou esperando o Cato - o-encarei incrédula.

 - Oque?! - aumentei o meu tom de voz e ele engoliu em seco - você trouxe ele pra cá?? - arquei as sobrancelhas.

 - Sim, mas...ele veio comigo por que ele queria vir entregar flores - sorriu dando de ombros. 

 - Oque? Flores? Mas pra quê? - franzi a testa. 

 - Digamos que o Cato gostou muito da nova faxineira da escola.

 - Desde quando ele conhece ela? 

 - Desde quando eu mostrei a foto dela pra ele - revirei os olhos.

 - Eu mereço...- bufei e logo o outro babaca entrou no carro. 

 - Vai logo Tino! Nos tire daqui! - afirmei e ele logo tirou o carro dali.

 - Tino você não sabe oque aconteceu! - escutei ele dizer - ela gostou das flores!, ela gostou de mim Tino! Ela gosta de mim - repetia, animado. 

 - e como você sabe que ela gostou de você?  

 - É Por que ela pegou as flores e sorriu pra mim! É claro que ela gostou Tino.

 - Mas e como fica a Amanda? - rolei os olhos já cansada daquela conversa tosca. 

 - É mesmo, a minha panda Amanda?, mas ela está com outro agora, então isso quer dizer que eu estou livre para ficar com quem eu quiser - afirmou. 

 - Você tem que comprar presentes pra ela. 

 - Boa ideia Tino. 

 - E vocês tem que ter um jantar bem romântico as luz de velas. 

 - Mas só as velas?

 - Não, e ah, ainda tem a decoração. 

 - Calem a boca vocês dois! - reclamei cruzando os braços e bufando. 

De repente o carro freou e eu quase sou jogada para frente se não fosse pelo cinto de segurança. O susto foi grande e eu surtei

 - CUIDADO SEU INCOMPETENTE!, eu quase morri!! - coloquei a mão no meu peito, tentando recuperar minha respiração acelerada. 

 - Me desculpe Srt.Âmbar, prometo que isso não vai mais acontecer. 

 - VAMOS LOGO! MAS QUE PORRA! - gritei ainda mais irritada o-vendo se assustar e sair imediatamente dali. 

O carro agora já estava na velocidade mais calma e eles até pararam de falar, oque me deixou mais calma. 

 Assim que chegamos em casa, saí do carro e entrei na mansão rapidamente. 

 Quando eu cheguei na cozinha, vi Simon de costas, encarando um certo ponto na bancada a sua frente. Quando cheguei mais perto ele se virou e arqueou as sobrancelhas quando me viu.

 - Oi Simon - sorri falsamente - Oque faz aqui? - perguntei confusa. 

 - O Tino e o Cato pediram uma pizza - afirmou e eu assenti. Ele trabalhava numa pizzaria.

 - ah, sim - fui até a mesa e me sentei em uma das cadeiras - porque não foi hoje pro Blake? - perguntei enquanto brincava com o anel do meu dedo.

 - Sem disposição, precisava de um tempo para descansar depois de alguns ensaios com a banda - deu de ombros - sabe aonde estão o Tino e o Cato? - o-fitei. 

 - Eles acabaram de me trazer, devem estar conversando bobagens, é só isso que eles sabem fazer mesmo - rolei os olhos e ele riu fraco. 

 - Então eu acho que eles esqueceram de vir aqui pegar - concluiu.

 - Deve ser - dei de ombros - e como vai a sua nova amizade com a Daniela? - perguntei interessada. 

 - Pra quê você quer saber? - arqueou as sobrancelhas. 

 - Pra nada, só queria saber mesmo sabe...vi que vocês dois estavam bem juntinhos ontem - cruzou os braços e se aproximou, se sentando na cadeira ao meu lado. 

 - A propósito foi você que disse que ela queria falar comigo, e eu vi que ela quer algo a mais comigo mas...eu só fiquei um pouco confuso - franziu a testa - por que você ajudaria a Daniela se ela te odeia e você nem gosta dela? - me encarou fixamente.

 - Nós...resolvemos virar amigas uma da outra sabe, dar uma trégua. 

 - A troco de quê exatamente? - arquei as sobrancelhas.

 - Âmbar - encaramos a figura de Benício perto da porta, que nos encarava um pouco incomodado.

 - Oi meu amor - sorri em sua direção e ele se aproximou encarando Simon. 

 - Posso saber oque ele faz aqui? - rolei os olhos.

 - Veio trazer pizzas para o Tino e o Cato, que no caso, foi eleS que pediram - afirmei. 

 - A propósito, eu vou procurar eles - Simon se levantou e saiu rapidamente dali pela porta dos fundos. Benício me encarou mortalmente. 

 - Eu não o-suporto - resmungou irritado. 

 - Já percebi - me levantei e fui até ele - Não fique assim por causa dele, você sabe...eu sempre vou preferir você - sorri e ele retribui convencido - vamos pro meu quarto - puxei sua mão e então passamos pela sala, subimos as escadas e entramos no meu quarto, fechando a porta em seguida.

 Sem mais e nem menos Benício me puxou pela cintura e selou nossos lábios agressivamente. Pediu passagem com a língua e eu não hesitei em ceder de imediato.

 Puxei alguns fios de sua nuca e mordi o seu lábio inferior. Enquanto o mesmo tirava o meu blazer e a gravata. Arranhei suas costas por baixo de sua camisa e o mesmo se livrou da minha camisa. Tirei meus sapatos e as meias também.

 Quando já estava tirando sua camisa escutei batidas na porta, destruindo todo o clima.

 Benício rolou os olhos e eu fiz o mesmo antes de vestir novamente a minha camisa e ir até a porta, abrindo a mesma e dando de cara com Maggie. 

 - Olá srt.Âmbar, queria saber se eu posso limpar o seu quarto - falou com o seu típico sorriso, oque me deixava enjoada. 

 - ah, espere um pouco, vou tomar banho - assentiu. 

 - Então por enquanto eu vou limpar o quarto da Sharon - afirmou - tchauzinho! - sorriu saindo dali. 

Bufei fechando a porta e encarei Benício com um belo sorrisinho malicioso, mas logo o-desfiz, ficando séria de repente.

 - Vamos terminar oque começamos? - arqueou as sobrancelhas.

 - A Maggie quebrou todo o clima - rolei os olhos - agora estou sem disposição então por favor, vá embora, vou ter que tomar banho e depois sair.

 - Tá, tudo bem - eu sabia que esse "tudo bem" era falso, mas não quis discutir - tchau amor - veio até mim me dando um selinho demorado e depois saiu do meu quarto. 

 suspirei e fui diretamente pro banheiro tomar uma ducha, e quem sabe, esquecer meus problemas.

 Matteo' s Point Of View 

 - E como ela está? - Luna perguntou ao meu lado, se referindo a minha filha. 

- Bom, hoje eu pretendo vê-la, quer ir comigo também? - assentiu sorrindo. 

 - Posso te perguntar uma coisa? - assenti um pouco receoso, pois provavelmente ela iria perguntar sobre a gravidez de Sófia - porque você não quis contar sobre a sua filha? - me fitou e eu engoli seco, prestando atenção na estrada. Estávamos dentro do carro.

 - Bem, só o Gastón sabe, mas...os meus pais não sabem de nada - afirmei e ela franziu a testa. 

 - Quando pretende contar pra eles? - pensei um pouco na sua pergunta.

 - Não sei, ainda não quero contar, acho que vou esperar um tempo até me dar coragem, por que eu não sei oque vou dizer à eles! - expliquei. 

 - ah, bom, entendi - suspirei pesadamente - mas você vai ter que contar logo isso Matteo, você não pode esconder isso por muito tempo - assenti. 

 Fiquei pensando no que Luna disse, ela obviamente tem razão, eu não posso esconder isso por muito tempo, afinal, a qualquer momento os meus pais vão ficar sabendo e talvez não seja por mim. 

 - Quando chegarmos, Tome um banho e venha para o meu apartamento, nós vamos ver a minha filha - assentiu balançando a cabeça positivamente. 

 Assim que chegamos no apartamento, estacionei o carro na garagem e depois saímos do mesmo, passando pela recepção e indo até o elevador. 

 Quando as portas se fecharam, um silêncio se instalou ali, deixando o clima tenso, mas ao mesmo tempo gostoso, adoraria poder beija-la, mas acho que vou deixar isso para mais tarde.

 Enfim as portas se abriram e eu me despedi de Luna, antes de sair do elevador. Passei pelo pequeno corredor e abri a porta, fechando a mesma assim que entrei.

 Fui até o meu quarto e tirei o meu blazer, jogando-o em cima da cama, junto com a gravata, a camisa, a calça, o cinto e as meias. Os sapatos joguei em um canto do quarto. 

 Entrei no banheiro e tomei um banho relaxante. Assim que terminei, saí do mesmo enrolando a minha toalha na cintura e indo até o closet. Procurei uma boa roupa para vestir. 

Optei por uma calça jeans preta, uma regata branca com alguns detalhes pretos e calcei um par de sapatos pretos. Arrumei meu cabelo num topete e passei um perfume em seguida. Saí do quarto e fui até a sala, ligando a TV , colocando num canal qualquer enquanto eu me sentava no sofá, à espera de Luna. 

 E por falar nela, ela chegou 10 minutos depois. E assim que eu abri a porta, a-olhei dos pés a cabeça.

 Ela vestia um macacão azul claro, marcando o seu belo corpo e calçava uns sapatos de cor preto. Seus cabelos estavam amarrados em um rabo de cavalo, mas suas franjas eram livres, caindo sobre os lados da sua face. Fora o gloss que banhava seus belos lábios carnudos e avermelhados. 

 Luna' Point Of View

 - Então...- encarei seus olhos - Vamos? - arqueou as sobrancelhas.

 - Sim - sorriu e pegou as chaves do lado da porta, saindo e trancando a porta por fora - vamos - esperamos o elevador subir e então entramos.

 E de novo o silêncio tomou conta do ambiente, mas o clima estava leve e tranquilo. Assim que as portas do mesmo se abriram, fomos caminhando para fora da recepção até chegar no térreo, aonde tinha o seu carro.

 Entramos no mesmo em seguida e Matteo arrancou com o carro, saindo rapidamente dali. O-encarei de relance e vi ele suspirar, parecia um pouco nervoso e apreensivo. 

Eu entendia o seu lado, afinal, ele teve uma filha e que ninguém sabe, mas...eu nunca pude imaginar que ele era pai de um ser tão fofo que é a filha dele. 

Nem que essa Sófia existia, fora que eles deviam ter tido um relacionamento bem complicado. Deixei meus pensamentos de lado assim que chegamos na maternidade. 

 Vi Matteo sair do carro, e eu então saí também, entrando naquele lugar. Assim que já estávamos na recepção, Matteo falou com uma mulher e ele logo me chamou para entrarmos num corredor, e depois disso chegamos no berçário, aonde a enfermeira nos indicou aonde estava a filha do Matteo. 

 - Ela é tão fofa - Matteo falou de frente para aquela coisinha linda, que chamamos de bebê - tão linda - comentou sorridente - posso pega-la? - pediu à mulher e ela assentiu. 

O mesmo pegou a neném nos braços. Sorri ao ver aquela cena. 

 - qual o nome dela? - perguntei a-olhando atentamente.

 - Bom, a Sófia disse que o seu nome seria Melanie - assenti. 

 - É um lindo nome - sorriu assentindo - posso pega-la um pouquinho? - concordou com a cabeça e eu a-peguei nos braços cuidadosamente, olhando o seu lindo rostinho pequeno. Por um momento a sua mãozinha pegou um dos dedos de minha mão, apertando levemente e eu soltei um riso fraco - Ela tem bastante força apesar de ser tão frágil e tão pequena - comentei.

 - A quem será que ela puxou - rimos - Ela tem os olhos da Sofia, mas ela tem o meu cabelo e o meu rosto - concordei.

 - Já acabou o tempo, ela precisa descansar - a enfermeira afirmou.

 - Quando eu vou poder leva-la? - Matteo perguntou enquanto devolvia Melanie a enfermeira.

 - Depois de amanhã - afirmou - ela já alcançou o peso ideal, na verdade, já tinha alcançado, mas você só precisa preencher alguns papéis para ficar com a menina sabe, pra eles confirmarem que ela tem com quem ficar - assentimos. 

 - vamos sair, precisamos deixar ela descansar - Matteo afirmou e então saímos dali - estou com fome, vou ter que passar em uma lanchonete, você também está com fome? - perguntou enquanto andavamos pelos corredores.

 - Sim, estou sim, na verdade, eu não comi quase nada hoje - dei de ombros. 

 Saímos da maternidade e Matteo falou que tinha uma lanchonete perto de lá, então fomos até o local dito por ele.

 Assim que chegamos no estabelecimento, procuramos por assentos vazios e logo achamos, nos sentando nos mesmos, um de frente pro outro. 

 - Oque vai querer? - perguntou me fitando. 

 - Eu não sei, talvez qualquer besteira - riu fraco.

 - Eu vou querer um pastel, você também vai querer? - concordei e ele se levantou da cadeira - vou ali fazer o meu pedido - afirmou e eu assenti o-vendo sair dali. 

 Suspirei pesadamente e olhei para os lados, olhando o movimento, enquanto Matteo fazia os pedidos, e vi alguém que eu nem imaginava que estaria ali. 

 Dove Cameron. A minha ex amiga.

 Virei minha cara quando ela olhou em minha direção, mas que droga! Ela havia me visto.

 E eu sinto muito em dizer que ela estava vindo em minha direção, com o seu típico sorriso falso. 

 - Luna! - sua voz chata e insuportável invadiu meus ouvidos e eu virei meu rosto para encara-la, me xingando por fazer tal ato. 

 - Dove...- sorri forçado e ela continuava com o seu sorrisinho chato.

 - que coincidência estarmos no mesmo lugar - concordei - está acompanhada de alguém ou veio sozinha? - arqueou as sobrancelhas.

 - Eu vim acompanhada sim, mas antes que me pergunte com quem, isso não lhe interessa.

 - Pelo contrário Luninha, isso me interessa e muito querida, pensa que eu não vi você de conversinha com um galã de novela? - arquei as sobrancelhas.

 - E daí? - ri fraco - que foi? Já tá de olho nele também?! Não se contenta com vários outros homens? - semisserrei os olhos e ela sorriu de canto maliciosamente. 

 - Quem sabe ne?, ele é um gatinho, mas..., bem, eu já vou indo.

 - Já vai tarde - resmunguei revirando os olhos. 

 - Nos vemos Luninha. 

 - Deus é mais - e então ela se foi.

 Ainda bem. 

 Bufei irritada e logo Matteo apareceu com dois pratos, colocando sobre a mesa, e ele me encarou com a testa franzida.

 - Oque aconteceu em? - perguntou enquanto se sentava na cadeira. 

 - A minha ex amiga apareceu por aqui e nós batemos um papinho - sorri falsamente para o Matteo e depois o-desfiz.

 - Uau, então o assunto não foi nada agradável - riu fraco.

 - Não foi mesmo - rolei os olhos e depois comecei a comer juntamente à ele.

 Alguns minutos se foram e eu me lembrei repentinamente de Melanie, enquanto encarava Matteo e o mesmo me encarou com a testa franzida. 

 - Oque foi? - perguntou se segurando para não rir.

 - só tava pensando na Melanie - arqueou as sobrancelhas - como você vai fazer para cuidar dela sendo que você tem que estudar ao mesmo tempo? - ele me pareceu pensar um pouco no que eu falei, e eu apenas o-encarava atenciosamente - quem vai ficar com ela quando você estiver estudando? - arquei as sobrancelhas. 

 - Eu não sei Luna, eu não sei como eu vou cuidar dela, mas eu vou tentar ser um bom pai pra ela, sabe...ela já não tem mãe, então eu também não posso deixar ela ficar sem pai - o-encarei dando um sorriso. 

 - Gostei de como falou, e é claro que você tem razão, aliás é a sua obrigação cuidar dela sendo o pai - assentiu - agora posso te fazer outra pergunta? - assentiu novamente - Quando você descobriu que a Sófia estava grávida de você? - perguntei interessada. 

 - acho que foi semana passada - afirmou pensativo - a amiga dela que me disse, e então eu fui atrás dela, afinal, a neném era minha filha também, eu tinha esse direito - concordei - daí nós conversamos um pouco e eu prometi estar por perto na gravidez, sempre ligando pra saber da nossa filha ou indo visita-la e tal, daí uma garota chamada Luna descobriu tudo e ela ficou sabendo da existência da minha filha - ri junto com ele - que por sinal não larga de mim nenhum instante - corei desnecessáriamente e ele percebeu - você fica tão linda desse jeito - se aproximou ainda mais de mim acariciando o meu rosto com as costas da mão e se inclinando para me beijar, mas eu me afastei.

 - Não podemos fazer isso - afirmei e ele franziu a testa. 

 - E porque não? - perguntou ainda confuso.

 - Por que...porque...eu não gosto de você - riu fraco, negando, eu apenas dei de ombros.

 - Já esqueceu oque aconteceu naquela sala? - me fitou olhando nos meus olhos.

 - Não mas... 

 - Você viu a conexão que tivemos? Você gosta de mim e não adianta negar.  


Notas Finais


Não adianta negar em Luna kkkk😂😏
Gostaram do Cap de hoje??
Quero comentários em!
Beijos💋💋


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...