História Forced Marriage - VKook/TaeKook - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook, V
Tags Bts, Jihope, Namjin, Taekook, Vkook
Visualizações 230
Palavras 1.908
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Romance e Novela, Slash, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eu ia publicar somente amanhã mas eu não aguentei e decidi vir publicar♡

Já avisando pra tomar cuidado com o coração pra não terem um troço.

Boa leitura!

Capítulo 12 - Atitude


Fanfic / Fanfiction Forced Marriage - VKook/TaeKook - Capítulo 12 - Atitude

*Taehyung POV*

- Não deveria ter saído da mesa durante a refeição, JungKook! Te ensinei isso desde pequeno! - Soo-Yun repreende o filho e logo me coloco na defensiva.

- Senhora, ele apenas não estava se sentindo bem. Queria que ele vomitasse em sua frente? - pergunto com delicadeza e ela acena, meio contrariada. Nos sentamos em nossos lugares e continuamos nosso almoço enquanto Jongdae quebra o clima tenso contando sobre suas inúmeras viagens.

- De todos esses lugares que viajei, o melhor foi a Ilha de Jeju. É um lugar tão incrível que você se sente em casa, em paz. Sem falar que pra ir em casal é melhor ainda, isso se você nao encontrar a sua paixão lá. Vocês têm que ir lá. A última vez que fui, foi à negócios, mas quando JungKook tinha 5 anos voltamos lá e foi as melhores férias da minha vida.

- Pena que nem tudo dura - Soo-Yun interrompe e eu pressiono meus lábios numa linha fina. Ela é bem desagradável às vezes - Falando em casal, vocês pensam em ter filhos?

Me engasgo quase que automaticamente e JungKook dá umas batidas em minhas costas.

- Está bem? - ele pergunta, o rosto evidentemente vermelho.

- Sim - respiro fundo e volto a encarar a mãe do mais novo - Talvez, no futuro. Acho que somos um pouco novos pra pensar em filhos.

- Seria bonitinho uma criança parecida com você, você tem uma cara angelical - Ela elogia e sorrio em agradecimento.

Depois de tal comentário, pairou sobre o cômodo un silêncio tranquilo. Até pensei que o almoço terminaria assim.

Só pensei mesmo. 

- Vocês têm vergonha de se beijar na nossa frente? - Jongdae pergunta e agora é a vez de Jungkook se engasgar. Soo-Yun estranha sua reação e me encara em seguida.

- N-Não.. É que… Não temos costume em nos… - começo a dizer porém sou interrompido.

- Não gostamos de demonstrar carinho na frente dos outros. Acho que isso é particular nosso - meu marido responde e percebo que eu ia falar besteira. Se eu termino a frase e digo que nunca nos beijamos, a mãe ia desconfiar mais ainda de nós dois e do nosso "relacionamento".

- Pois eu acho que deveriam perder a vergonha, começando por agora - Ela exige e arranho minha perna. Merda, isso não estava nos meus planos.

- Pra que isso? Não preciso beijar meu marido na frente de vocês. Já disse que isso é particular nosso.

- Quem me garante que vocês realmente estão juntos? Desde que cheguei vocês tem agido de uma forma totalmente suspeita. Não pense que não percebi, JungKook!

Socorro!

- Você está exagerando, Soo-Yun! - O Jeon mais velho se pronuncia, mesmo não adiantando muito.

Pelo jeito, não temos outra opção. Eu sei que JungKook está fazendo isso pra evitar meu desconforto, mas se tivermos que nos beijar, ele não vai tomar atitude, sei o medo que ele tem de uma má reação. Um frouxo mesmo.

- Eu garanto - respondo, decidido. Viro meu rosto em sua direção e ele vira pra mim, assustado com minha resposta. Aproximo meu rosto dele e junto nossos lábios num selinho, sentindo borboletas voarem em minha barriga. Ele põe sua destra em minha cintura e move seus lábios delicadamente enquanto minha mão segura seu pescoço, deixando-o comandar aquele beijo que, está sendo uma esperança para ambos. Bem que eu suspeitava, seus lábios são macios, pena que estamos na frente de seus pais, senão eu os morderia.

Só percebo nossa aproximação quando eu me afasto, estamos praticamente grudados e nossas respirações estão aceleradas, não apenas pelo pequeno beijo que demos, mas sim pela excitação do momento. Pelo menos, é assim que estou me sentindo.

- Jovens apaixonados são assim, perdem a noção do tempo - Ouço a voz do pai dele dizer e nos afastamos, obviamente envergonhados. A mãe está vermelha, só não sei dizer se é de raiva ou de vergonha.

.

.

.

- Te chamei em particular porque achei necessário falar com você - Jongdae fecha a porta do escritório e se senta na cadeira ao meu lado - Primeiramente eu quero te pedir desculpas pela minha esposa. Eu cometi um erro no passado e hoje em dia ela é assim, rude com todos. Ela apenas guarda um ressentimento do JungKook por ele ter escondido o meu erro, mesmo a culpa sendo minha, mas eu tenho certeza que ela o ama. Sempre amou.

- O senhor não me deve desculpas...

- Me trate por você, filho. Pra mim, você já é da família - Sorrio carinhosamente. Nunca tive um pai que me tratasse assim - E eu sei que você e o Jungkook não têm uma relação tão boa quanto demonstraram, mas eu peço que sejam pelo menos amigos. Ele pode parecer independente e frio, mas ele sempre foi muito caloroso e sempre gostou muito de receber carinho e amor das pessoas. E pelo que pude perceber, ele gosta de você.

JungKook gosta de mim?

- Eu não sei como estamos - já que não tenho como dividir isso com meu pai, vai com o sogro mesmo - Nós estamos muito próximos e bem amigos, meu medo é acabar acontecendo algo amorosamente e depois tudo desmoronar.

- É o mal da paixão, querido. Você não pode se deixar levar pelos fortes sentimentos, deve saber controlá-los, e sei que você é capaz disso. Apenas deixe acontecer naturalmente e sem pressão. Meu filho pode ser impulsivo porém tem consciência das coisas que faz. Uma dessas é saber investir na pessoa certa 

Ouvimos o barulho de algo se quebrando e me assusto - Provavelmente eles estão discutindo - seu pai comenta.

- Eu também discutiria, ela a trata como se ele fosse um peso pra ela, quando deveria ser considerado uma benção - suspiro e saímos do escritório.

- Pena que não são todos os pais que entendem isso, Taehyung.

*JungKook POV*

- Gostou do Taehyung?

Comento quando ambos estamos sentados na sala, obviamente em uma grande distância.

- Um garoto de uma aparente boa índole. Os pais foram um pouco ruins com ele, mas nada que tenha prejudicado sua educação - fala enquanto mantém seus olhos em seu celular. Estúpida.

- Um pouco? Nada que tenha prejudicado? Em qual mundo a senhora vive? Eles foram horrendos com ele, nunca vi tal frieza em uma família - inconformado, acabo me exaltando.

- Cuidado com as palavras, sou sua mãe.

- Mãe? Você não se considera tal há anos.

Ela desvia o olhar do celular e me encara seriamente.

- Você acha realmente que eu vou aceitar o fato de que você encobertou seu pai numa mentira? Por acaso sabe como é a dor da traição?

- Eu fiz isso pelo seu bebê! Pra não acontecer justamente o que aconteceu! Deixe de ser egoísta! Parece que só pensou na sua própria dor e esqueceu do filho na barriga.

- Dane-se o filho, pouco me importo com aquela gravidez - sinto uma vontade intensa de vomitar - Ter sido traída por uma vadiazinha de 24 anos foi a pior coisa que passei na minha vida, você no mínimo deveria ter me contado, seu…

- Seu o que? - a interrompo bruscamente - Vai, xinga, me chame de mil coisas, mas não de egoísta! Nunca vi uma mãe não se importar com um bebê na barriga, isso é coisa de gente sem caráter. Não devia ter contado nada, isso era problema do meu pai e seu, eu ainda o ameacei a contar, mas a senhora ter engravidado não foi culpa minha.

- Estúpido! Ingrato! Sempre tentei te agradar e aí você trai minha confiança e ainda acha estar certo. Isso é demais pra mim - Ela ri ironicamente e volta a mexer no celular - Talvez eu procure outro homem pra você, o Taehyung não merece alguém como você.

- Não ouse tirá-lo de mim - Me levanto, sendo tomado rapidamente pela raiva - Só eu sei o que passei pra conseguir falar com ele! Cheguei a quase tomar um chute no saco porque ele me achava um adolescente tarado. A culpa é sua de ter nos casado! Quer dizer, eu tenho que te agradecer, porque o Taehyung foi a melhor coisa que me aconteceu na vida - quando percebo, já estou na frente dela, ambos em pé - Nós temos casa, trabalho, amor, compreensão, carinho, tudo que não tem mais na sua casa. A culpa é toda sua da sua vida estar assim, um lixo. A culpa é sua por meu pai ter colocado um par de chifres na sua testa. Se soubesse satisfazer seu homem, ele não precisaria procurar na rua o que tem em casa.

Ela bate no meu rosto e, no pico mais alto da minha raiva, tiro o celular de sua mão e jogo na parede com toda minha força, quebrando-o em vários pedaços.

- Nunca mais se atreva a dizer essas coisas para mim! - Ela entoa.

- Nunca mais se atreva a dar na minha cara! Nunca mais - minha voz fica extremamente grossa e vejo o medo transparecer - Se você ousar tirar o meu homem de mim, eu juro que a sua vida vai virar um inferno!

Saio do cômodo, indo direto para a cozinha, e bebo 3 copos de água, na intenção de me acalmar.

- JungKook?

Me viro bruscamente em sua direção, ele parece estar receoso entre se aproximar ou manter distância então acabo com isso - Pode vir aqui.

Ele se aproxima com cautela, e põe sua mão direita na bochecha esquerda, onde tomei o tapa, e acaricia lentamente.

- O que houve? Por que ela bateu na sua cara?

Seu rosto cai um pouco pro lado esquerdo, e ele faz uma cara fofa, porém preocupada - Ela ameaçou tirar você de mim, e me chamou de várias coisas. Então eu disse algumas verdades para ela e… ela me bateu.

A lágrima desce repentinamente e ele enxuga.

- Eu quebrei o celular dela, e a ameacei também - ele me abraça e acabo chorando um pouco - Não deixa ela te tirar de mim, por favor. Não quero voltar a ser triste outra vez, Tae.

- Não vou deixar, prometo, Kook.

Ele espera eu me acalmar e limpa minhas lágrimas.

- Seu pai deve estar brigando com ela, mas vamos lá, pra pelo menos nos despedirmos - ele pede e eu aceno, o acompanhando de mãos dadas até a sala.

- Foi um prazer conhecê-lo, Taehyung. Você parece ser um bom homem - Ela diz, com a cara fechada e aperta as mãos dele - Boa sorte com esse moleque.

- Pode deixar que eu vou cuidar bem do meu homem - ele diz, sorrindo abertamente, e a mulher sai. Nem a reconheço mais.

- Me desculpem, filhos, mas temos que ir. Acho que sua mãe hoje ultrapassou todos os limites - meu appa diz e me abraça - Parabéns, meu filho. Estou orgulhoso do homem que se tornou.

Meus olhos umedecem e ele se afasta pra abraçar o Kim.

- Temos que nos ver mais vezes, Taehyung. Qualquer dia desses venha jogar sinuca comigo e com Jungkook.

- Esse velho sempre perde - brinco e recebo um soco - Aish!

- Velho é seu bisavô - ele diz - Obrigado por tudo, tenham um bom resto de dia!

E logo após sua saída, nós dois nos jogamos no sofá, finalmente sentindo o cansaço psicológico de hoje.


Continua…


Notas Finais


Estou morrendo de sono mas ok...

Alguém vivo com esse tiro?

Se muitos já estavam ansiosos com o casal, imagino no próximo capítulo o desespero que será. Ksbfjsbfjsb.

Se quiserem fazer críticas construtivas nos comentários, podem fazer. Se estiverem gostando ou desgostando. Adoro ler o que escrevem e isso me ajuda a saber se estou fazendo um trabalho legal.

Até breve!
XOXO♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...