História .foreigner - mark lee - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Neo Culture Technology (NCT)
Personagens Mark
Tags Mark, Mark Lee, Nct
Visualizações 174
Palavras 1.049
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Ficção Adolescente, Hentai, Literatura Feminina
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 1 - Não estou bem, amor.


toc toc.

Ouvi alguém bater na porta várias vezes. Porra! São três da madrugada, mano. Levantei um pouco zonza e com raiva e fui até a porta, abrindo e vendo Mark com seu blazer no ombro e com os cabelos bagunçados.

- Mark? - Perguntei confusa e ele entrou em meu apartamento.

- Eu acho que bebi demais... - Disse baixo e rouco. 

Fiquei quieta e revirei os olhos, fechando a porta atrás de mim e o puxando pela mão até meu quarto. O mandei para o banheiro do cômodo e logo mais ouvi alguns sons abafados, ele estava batendo na parede com o corpo enquanto tirava sua roupa. Acabei por rir e fui fazer companhia para ele, o ajudando a tirar suas roupas e o jogando embaixo do chuveiro; liguei este na água gelada e Mark resmungou, fechando seus olhos.

- Ninguém mandou você beber. - Adverti e ele riu.

- Eu bebi para esquecer. - Ergueu a cabeça e me olhou nos olhos.

- Esquecer o que? 

- Seu corpo, __. - Sorriu ladino e virou o rosto. - Você me atormenta todos os dias. 

Eu e Mark temos uma relação de amizade colorida. Ele veio para a Coreia do Sul para ser trainee, mas sua família não aprovou então ele teve que seguir outro ramo, foi assim que ele entrou na empresa em que eu e ele trabalhamos. 

Saí de meus devaneios quando Mark desligou o chuveiro e saiu do banheiro, ele pegou sua toalha e se secou, procurou por sua boxer em meu guarda-roupa e deitou-se na cama. Deitei ao seu lado e senti os braços do estrangeiro se envolverem em minha cintura e ele me puxar para si, senti seu pau duro contra minha bunda e soltei uma risada. Mark não existe. 

- Eu não estou bem, amor. - Murmurou em meu ouvido e eu me virei para ele, que mordia o lábio e me encarava com luxúria. 

- Eu posso ajudar? - Fiz uma expressão confusa e desci minhas mãos por seu peitoral até seu caralho duro, o apertando levemente e podendo ouvir Mark suspirar. 

O moreno me puxou com rapidez para seu colo, levando as mãos até minha cintura e a forçando a se movimentar. Deixei minhas mãos sob o peitoral de Mark e pressionei minha cintura contra seu pau duro, sentindo sua extensão contra minha intimidade, me fazendo gemer baixo. 

Mark não tinha um pau pequeno, pelo contrário, seu pau era grande e grosso, satisfazia e tanto. Ele inverteu nossas posições e ficou por cima de mim, entre minhas pernas, sua mão desceu por meu corpo e ele retirou rapidamente minha bermuda de pijama, passando a mão por minha buceta descoberta - ele sabia que eu dormia sem calcinha -. O moreno penetrou três dedos sem nem hesitar, me fazendo arquear as costas e gemer alto, ele sabe como me fazer ficar doida. Mark é um sadomasoquista, assim como eu, adoramos nos provocar desse jeito. Ele me fodia com os dedos, me olhando sério e com prazer com seus olhos negros; levei minha mão até sua boxer e a abaixei, envolvendo minha mão em seu pau duro e começando a masturbar ele lentamente, apertando sua extensão grossa vez ou outra. Os gemidos roucos de Mark ecoavam por meu quarto e o clima ficava quente ali, meu ventre queimava por querer dar pra caralho para o estrangeiro. 

- Mark... - Gemi manhosa e um sorriso sacana apareceu em seu rosto. Ele estendeu o braço até meu criado-mudo e tirou dali uma camisinha, com agilidade ele abriu e colocou em seu pau. 

O moreno se apoiou na cabeceira de minha cama e deu um tapa em meu clitóris, me fazendo gemer arrastado. Se posicionou e penetrou todo seu caralho de uma vez só, me arrancando um gemido alto; ele envolveu sua mão em meu pescoço e o apertou com certa força, levei minhas mãos até seu braço musculoso e apertei, gemendo manhosa. Adorava quando Mark fazia isso, o deixava tão gostoso. Ele começou a me foder com força e lento, suas estocadas tinham muita vontade em si, sua mão me apertava com amor e cuidado, tornando o momento ainda mais prazeroso.

Nossos gemidos ecoavam pelo quarto, o barulho de nossos corpos se chocando mais ainda. O moreno tirou sua mão de meu pescoço e levou até meu clitóris, seu indicador o pressionou com força e me fez arquear as costas; iniciou movimentos circulares no local enquanto me fodia, me levando ao paraíso. Levei as mãos até as costas do estrangeiro e as arranhei com força, ouvindo um gemido de dor sair de seus lábios, me fazendo sorrir sacana. Meus lábios foram até o pescoço do moreno e ali fizeram arte, distribui beijos molhados pelo local e chupões fortes por final, podendo sentir um sorriso se formar em seu rosto; Mark prendeu meu clitóris entre seus dedos e o puxou levemente, com cuidado, me fazendo gemer em seu ouvido. 

As estocadas do moreno não paravam, eram fundas e rápidas, minhas pernas já estavam moles por sua precisão em meu ponto de prazer. Bastou alguns estímulos em meu clitóris e mais algumas fodidas para que eu chegasse em meu ápice, deixando que meu gozo perolado se encontrasse com o pau de Mark, olhei para seus olhos com luxúria e ele sorriu sacana. 

Mark saiu de dentro de mim e ficou de joelhos na cama, me sentei nesta e tirei a camisinha de seu caralho, a enrolando e jogando no chão. Envolvi minha mão em seu pau e comecei a masturbar, levando a boca até sua cabecinha e a chupando com lentidão e estimulando com a língua, num misto de estímulos; a mão de Mark foi até meus fios e os envolveu, forçando minha cabeça para chupar mais seu pau. Senti seu caralho pulsar e suas veias engrossarem, não demorou para que o moreno gozasse em minha boca, engoli toda sua porra e ele me puxou pelos cabelos para ficar em sua altura, seus lábios se encontraram com o meu rapidamente e trocamos um beijo lento antes de deitarmor para dormir.

- Seus vizinhos vão reclamar, amor. - Me puxou para deitar a cabeça em seu peitoral e eu dei de ombros. Foder com Mark não tem coisa melhor que isso, uma multa vale a pena. 




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...