1. Spirit Fanfics >
  2. Forever >
  3. Capítulo Sete

História Forever - Capítulo 7


Escrita por:


Notas do Autor


u.u RETORNEEEEEEEEEEEI
era pra eu ter vindo antes, mas a burra pensou que não tinha capítulo pronto. Me desculpem hehe 👉👈
Beeeeeem, vamos ao capítulo <3 Boa leitura

Capítulo 7 - Capítulo Sete


Mordi os lábios, percebendo que minhas palavras impulsivas foram uma confissão de que esse lugar não me agradava nenhum pouco. Não tenho nada contra ninguém, na verdade, mas tenho muito contra essa Seleção. Sentei ao lado do príncipe, apreensiva. Ele me mandará embora, estou sentindo.

- A senhorita não gosta daqui, então?

- Eu gosto.

- Então se explique, por favor.

Suspirei.

- Estar aqui é um engano, eu não deveria estar vestindo essas roupas, nem andando no seu jardim, tem meninas realmente empolgadas com tudo isso, e eu aqui ocupando lugar de outra. Mas ao mesmo tempo é uma oportunidade de ajudar minha família.

- Está aqui pela sua família. – Concluiu, comigo concordando devagar.

- Pelo menos um mês aqui vai nos ajudar. Se quiser me mandar embora antes eu entendo.

Ele riu.

- Não vou mandar você embora.

- Não?

- Eu não tenho motivos para fazer isso. Você quer ajudar sua família, e eu sou o príncipe, vocês são meu povo, é meu dever ajudá-los.

- Nem pense que falando isso eu vou ter a imagem de príncipe atencioso de novo. – o alertei, mas ele apenas riu.

- Você é divertida, Gabe. Aliás, Gabe?

- É, pode me chamar assim, se quiser.

- É claro. – Sorri – Tenho uma proposta.

O olho, interessada.

- Que proposta?

- Eu deixo você ficar por mais tempo... Se aceitar ser minha amiga.

Uni as sobrancelhas, fazendo uma feição estranha. Esse príncipe só pode ser maluco.

- Pensei que estava atrás de uma noiva.

- Você quer ser minha noiva?

- Não!

Ele gargalhou.

- Vou te contar um segredo: Eu também não queria a seleção. Pelo menos não agora, já que eu sei que é uma tradição, só não estava preparado. Mas até que não é uma ideia ruim, sempre quis encontrar uma princesa, e amá-la do mesmo jeito que meus pais se amam. – Continuei a encara-lo – Você já amou alguém assim?

- Eu acho que não. Eu amo meu melhor amigo, mas não chega a ser romanticamente.

- Você tem um melhor amigo?

- Sim.

- Tenho inveja dele. – tapei a boca, rindo. – Pode rir, vai.

- Está bem, está bem. – Me ajeito no banco para ficar de frente para ele – Serei sua amiga. E posso lhe ajudar também, posso ser seus olhos lá dentro.

- Grande ideia. Eu não posso estar com todas ao mesmo tempo.

- Não é por nada, não, mas Ariana é uma pretendente maravilhosa.

- A senhorita Evans é encantadora. – Sorriu.

- É sim.

- E a senhorita Bannett, é uma boa pretendente?

- Sinceramente? É a melhor. Tem classe, viajou para vários países e tem uma rica cultura. A escolha mais decente.

Nós dois rimos como malucos. Nathaniel parecia estar leve, e animado por estar conversando comigo. Nós falamos sobre várias coisas, sobre meus pais, sobre sua irmã, sobre suas festas de aniversário, sobre minhas apresentações nos bares de Nancy, e ele me pareceu muito empolgado.

- Toca piano?

- Muito bem. – Fechei os olhos, convencida.

- Eu também toco, e muito bem. – Ele fez o mesmo que eu, o que me fez rir. – Como foi a tarde com a senhorita Evans?

- Foi ótima. Nos divertimos bastante.

- Fico feliz em saber. – Ele olhou para o céu – Bem... Você vai ficar?

- Charlotte irá dar aula amanhã, eu tenho que dormir. – Fiz bico.

- Lhe acompanho até o corredor. – Ele me estendeu o braço, aceito de bom grado e então nós voltamos para dentro do palácio.

 

[...]

 

Senhorita Charlotte nos dava aulas de como se portar a mesa, nos dividiu em grupos de cinco, para que ocupássemos mesas redondas, como se fosse uma festa do chá, só que de festa não havia nada. Eu fiquei junto a Ariana, Violette, Melody e, infelizmente, Priya. Violette é uma garota adorável, tanto ela quanto Ari me ajudavam, já que possuem mais etiqueta que eu.

- Muito bem, senhorita Bannett. – Charlotte falou ao passar por nossa mesa para nos avaliar. – Mas... – ela foi para trás de mim, puxando delicadamente meus ombros para que eu endireitasse o tronco. – Não deve ficar curvada. Postura, Gabriella.

Balancei a cabeça, Charlotte sorriu para as outras meninas à mesa e foi em direção a mesa que Iris estava com Li e mais outras três meninas.

- Você tá indo bem. – Melody diz.

- Bem mal. – Priya comenta. Um comentário desnecessário, se me permito falar.

- Priya!

- Ai, Melody, não faça a sonsa. – A morena revirou os olhos voltando a cutucar o bolo no prato.

Olhei para Ariana, que tinha os olhos arregalados encarando Melody, fiz o mesmo que ela, encarei a feição ofendida de Melody. Poucos dias, mas Priya me irritava profundamente.

- O que você quer dizer?

- Acha que eu não sei porque está aqui? Você vive enfiada no palácio e aproveita da sua amizade com a princesa Ambre para se aproximar de Nathaniel. Mas eu irei te falar uma coisa, Melody: precisa me vencer para casar com o príncipe, por que eu serei a princesa e você nunca mais pisará aqui.

Melody tinha a feição assustada. Priya arqueou uma sobrancelha para ela.

- Deviam contratar você como atriz também. É excelente atuando. Esse chá está ótimo, não acha, Violette? – Violette entreabriu a boca.

- Sim, claro.

Priya dava medo. É capaz de muita coisa para conseguir a coroa, passar por cima de nós principalmente. Fiquei calada, comendo um pedaço do bolo de chocolate maravilhoso. Acho que vou ficar aqui por causa da comida. Para compensar tudo que não comi durante meus dezoito anos.

- Acho que me atrasei hoje de novo. – Princesa Ambre entrou no salão. – Olá, garotas.

A agitação em nossa mesa parou, a princesa, junto de Charlotte, deu diversas dicas e conversou bastante, tentando dar atenção a todas. No final, ela se despediu e deixou o salão, dizendo voltar mais tarde com a rainha.

Já eu desci para o meu quarto, hoje pela manhã minhas cartas foram enviadas, Rosalya e Maya me fizeram um vestido maravilhoso, de cor azul, que eu estou usando, e hoje elas irão me ensinar a andar de salto alto. Quando entrei no quarto, elas arrumavam a cama e riam sobre alguma coisa.

- Imagine só, Maya. – Rosalya diz, rindo.

- Não consigo, desculpe.

- Do que falam? – pergunto.

- Senhorita Gabe, já voltou?

- A primeira aula do dia acabou. – Suspirei deixando os braços caírem preguiçosamente nas laterais do meu corpo.

- Terá mais aulas? – Maya quem pergunta.

- Vocês vão me ensinar a andar de salto, não é?

Elas se entreolharam sorrindo cúmplices, depois se voltando para mim. Rosa foi até o guarda-roupas e tirou um salto alto preto da parte de baixo.

- Pedimos para a senhorita. Logo vai estar andando elegantemente, como uma princesa.

Sorri amarelo.

- Calce, vamos, vamos! – Maya bateu palmas, animada.

Foi um tanto difícil, e depois de inúmeras quedas e tentativas eu estava melhorando.

- Com mais alguns treinos você andará igual uma dama.

- Espero. – Estiquei os braços para buscar equilíbrio, em vão, caí por cima de Maya, então nós duas caímos na cama. Rosalya começa a rir, mas foi prontamente me ajudar.

- Por hoje chega. – Ri, tirando os saltos dos meus pés. – A senhorita vai conseguir até o próximo sábado.

- Sábado?

- Oh, sim. O jornal.

Eu havia esquecido do jornal por uns instantes. Será a apresentação das garotas da Seleção, aparecer em rede nacional não é muito animador, mas irei enfrentar isso.

 

[...]

 

A noite do Jornal Parisiense chegou, e todas as garotas estavam empolgadas para isso. Cada uma teve um encontro com o príncipe, com a minha ajuda ele deu conta do recado e, para a alegria de muitas, hoje não terá eliminação, mas nossos encontros noturnos no jardim me fazerem ter um certo privilégio em saber, primeiramente, quem sairia. Para o meu azar, não será Priya. Ah, sim, tivemos um encontro, nós tomamos um chá juntos, algo bem simples, nossas eram conversas repletas de entrelinhas. Estávamos nos conhecendo melhor, chego a ter medo de nutrir algum sentimento por ele e não ser retribuída, é só olhar ao redor para perceber que não tenho chances contra as outras.

- Gabriella, seu lugar é atrás da Debrah, ok?

- Sim, senhorita. – Assenti para Charlotte.

- Pode ocupar seu lugar, o jornal começa em dez minutos. – Ela sorri. Charlotte não é tão má quanto pensei – Meninas, por favor! – ela saiu.

- Dá pra imaginar? Vamos aparecer no jornal. – Ariana segurou em meu antebraço.

- Tecnicamente já aparecemos.

- Nossas fotos apareceram, Gabe. Agora é ao vivo.

- Onde vai sentar?

- Troquei com a Violette. Sentarei ao seu lado.

- A Charlotte...

- Teve que aceitar. – Ergueu os ombros, com uma carinha inocente.

Ri da minha melhor amiga. Sim, isso mesmo. Ariana e eu somos melhores amigas, ela é incrível e muito gentil comigo, além de compartilharmos um senso de humor parecido e confidenciarmos alguns segredos, claro, vivemos grudadas.

- Vamos.

Nós nos juntamos às meninas, sentadas em cadeiras organizadas em filas. Mal acreditamos quando Peggy entrou no estúdio sorrindo para nós.

- Olá, meninas. É um imenso prazer estar à frente do jornal esse ano e poder cobrir a seleção. Estou ansiosa para conhecê-las

- Sempre quis conhecer a Peggy. – Ari comentou.

- Sempre a vejo na televisão. – Iris fala, ela estava na frente de Ari, ao lado da Debrah.

- Eu já conhecia Peggy. – Debrah diz. – Quando fiz uma viajem para cá acabei a encontrando no teatro.

- Peggy é uma jornalista muito boa. – Dessa vez fora Melody quem disse. De acordo com que eu entendi, Melody é amiga da princesa e vinha sempre ao palácio, foi irônico ela ter sido sorteada como representante de Paris. – Vai começar. – Ela se voltou para frente.

- Boa noite, queridos súditos! Estamos começando mais um Jornal Parisiense. Vamos às notícias.

O rei Francis deu as principais notícias do país, enquanto maioria de nós estávamos nervosas, podia ver que, vez ou outra, Nathaniel olhava para cada uma de suas candidatas.

- Excelente como sempre, Majestade. – Agora Peggy começava – Boa noite, povo francês. Dando continuidade ao Jornal, eu sou Peggy. Hoje teremos uma pessoa mais que especial conosco, comentando os acontecimentos do evento que parou e dividiu amigavelmente o nosso belo país: A Seleção: O príncipe Nathaniel McCullen, da França. Por favor, Alteza, nos diga como é ter todas essas belas moças em sua casa, aliás iremos conhecer já, já as nossas candidatas.

- Eu fico doido. – Eles riram – São tantas moças bonitas, educadas, cada uma com uma personalidade incrível. É confuso.

- Eu imagino que sim. Soubemos que houve encontros, e nossa equipe estava presente, vamos ver algumas imagens dos encontros do príncipe com as meninas.

Na tela apareceram Nathaniel e Ariana, no primeiro encontro. Logo em seguida as outras, inclusive eu mesma, nas imagens nós riamos sobre alguma coisa. Acho que nesse momento eu estava o contando que iria comer tudo que tinha direito enquanto estivesse ali.

- Uau, pelo visto foram muito divertidos. Nos conte, alguma o chamou mais atenção?

- Acho que ainda é cedo para falar sobre isso.

- Nós entendemos. – Peggy vira para nós – Que tal conhece-las agora. Aposto que o pessoal de casa quer isso. Por falar neles, meu Senhor, estou até espantada. Vocês são incríveis, pessoal dos fã-clubes. – Fã-clube? – Então, meninas! – a câmera virou para nós, sorri tímida. – Parabéns pela seleção. – Um coro de "obrigada" foi ouvido. – A equipe do jornal gravou o momento em que cada um chegou, o alvoroço foi contagiante. Vamos fazer assim: enquanto eu falo com vocês as cenas podiam passar ao fundo. Vamos lá... Li, da Ásia.

E assim foi, enquanto Peggy falava com as candidatas, as cenas da garota passava na tela ao fundo, e, claro, o príncipe sempre tinha um comentário sobre tal.

- Gabriella, da província de Nancy. – Ela veio para perto de mim – Por favor, nos conte o que está a achando dessa experiência.

- É diferente. Todos foram bastante receptivos e aqui é um lugar agradável.

- Saudades de casa?

- Muita.

- Como acha que é vista lá fora?

- Nem imagino. Mas irei dar o meu melhor aqui dentro.

- E talvez conquistar o príncipe? – sorri envergonhada. – Alteza, algo a falar da senhorita Gabriella?

- A senhorita Bannett é muito divertida. Nosso encontro, como puderam ver nas imagens, foi repleto de momentos descontraídos. Uma honra tê-la aqui. – Ele disse tudo encarando-me diretamente.

Uma sensação engraçada tomou conta de mim. Era como se ele quisesse dizer muito mais do que isso, eu tive vontade de sorrir, de rir, de sair dançando, mas me contive. Deus, o que eu tenho?


Notas Finais


Beijinhos, até logo <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...