1. Spirit Fanfics >
  2. Forever >
  3. Capítulo 16

História Forever - Capítulo 16


Escrita por:


Notas do Autor


Espero que gostem

Boa leitura

Capítulo 16 - Capítulo 16


Fanfic / Fanfiction Forever - Capítulo 16 - Capítulo 16

               Carole Edwards

Mãe- Hora de acordar, querida - uma voz diz, ao longe.

É a voz da minha mãe, bem perto agora. Do meu lado.

Respiro fundo e o mundo começa a entrar em foco, mas minha cabeça está confusa. Pisco ao ver o rosto da minha mãe, meu pai ao seu lado.

Estou viva. Consegui.

Pai— Como você está se sentindo?— meu pai pergunta e eu respondo com um grunhido sonolento, sorrindo para os dois.

Ouço alguém bater à porta e Yenny entra, empurrando uma cadeira de rodas para me levar para o meu quarto. Para a minha
cama. Obrigada, Senhor.

Meu pai me ajuda sair da cama e sentar na cadeira de rodas. Não sei qual analgésico me deram, mas ele é forte. Não consigo sentir o meu rosto, muito menos a dor do acesso do tubo.

Mãe — Nós vamos passar aqui mais tarde pra ver como você está — ela fala e eu faço um sinal de joinha para os dois.- durma um pouco querida- diz dando um beijo em minha testa .

Yenny empurra minha cadeira até o elevador. É praticamente impossível manter os olhos abertos, minhas pálpebras parecem mais pesadas que dois sacos de batatas.

A porta do elevador se abre e Yenny me leva até o meu quarto, depois travando as rodas dacadeira.

Yenny— Sua pele e a sonda parecem bem melhores. Você já vai estar de volta à vida normal hoje à tarde.

Ela me ajuda a me acomodar na cama, meus braços e pernas parecendo chumbo. Ela ajeita meus travesseiros e me deita com cuidado, me cobrindo em seguida.
Relaxo na cama, sonolenta, os analgésicos e a cirurgia me derrubando de vez.
Ela beija a minha testa e sai, fechando a porta devagar. Eu me ajeitei no travesseiro, me enrolando. Olho para a mesinha ao meu lado e meus olhos começam a fechar bem devag... Espera. Eu me sento e pego uma caixa de presente amarrada com uma fita vermelha.

Puxo a fita e abro a caixa , dentro a um pequeno ursinho panda de pelúcia .
Sorrio e coloco o ursinho ao lado com cuidado olhando  ao redor à procura do meu celular.

Quando o encontro, faço um esforço para conseguir enxergar a tela e encontrar o número de Christopher. Aperto o símbolo de ligação, ouço o barulho da chamada e fecho os olhos no momento em que ela cai na caixa-postal. Tomo um susto ao ouvir ao ouvir o bip , e desligo.

Eu me enrolo na cama, puxando a coberta para mais perto do corpo, e agarro meu
panda novo, e alguns segundos ali eu acabo pegando no sono.

[...]

Meu celular começa a vibrar, me despertando do sono profundo do pós-operatório. Rolo para o lado, sentindo os olhos um pouco menos pesados, e vejo Austin me ligando no
FaceTime. Fico olhando para a tela quando finalmente consigo apertar o botão verde, e o rosto dele aparece.

Austin— Você está viva!

Sorrio, esfregando os olhos e sentando. Continuo sonolenta, mas o efeito das drogas já passou o suficiente para eu sentir a cabeça menos aérea. Mas espera , como ele sabe da cirurgia?

Carole— Oi. Estou viva , mas como sabe ?

Austin - Christopher me disse , ele estava muito preocupado com vc -eu não pode evitar sorrir - E esse sorrisinho aí? Vc gostando dele né- diz com os olhos semifechados

Carole - Austin não fale besteiras - digo o fazendo rir

Austin- Caro , eu te conheço- Eu ri

Carole - Cala a boca Austin - Ele ri

Austin - Tbm queria te informar que minhas férias em Cabo acabaram mais cedo - diz triste- Tenho que ir ao médico, estou voltando hoje - diz serio

Carole - Oque aconteceu ?

Austin- Garganta inflamada, febre , e outras coisas - Eu mordo o lábio nervosa

Carole - Bom , tbm vcs não iam ficar por mais muito tempo aí- digo e ele ri

Austin - É - Ele sorri

Carole - chega quando ?

Austin- Amanhã- Eu assenti

Carole - Boa viagem - Ele sorriu

Austin - Obrigado , e boa sorte com o Vélez - Ele ri

Carole - A vai se fuder - digo desligando a chamada .

Checo as minhas mensagens. Haviam duas da minha mãe. Quatro do meu pai. Todos querendo saber como estou.

Não há nenhuma do Christopher .
Meu coração despenca no meu peito.

Respiro fundo e tusso, sentindo uma dor onde a infecção estava. Ai. Me alongo um pouco. A dor definitivamente continua lá, mas muito menor.

Respondo rapidamente as mensagens dos meus pais, falando que eu estava bem e que não precisavam se preocupar. Já estava praticamente anoitecendo e não quero preocupar eles.
Depois de tudo volto a dormir pois ainda estava em efeito de anestesia, vou estar 100% só amanhã de manhã.

Continua  . ...


Notas Finais


Espero que tenham gostado

Desculpem os erros ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...