História Forever In My Heart - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias ATEEZ
Personagens San, Wooyoung
Tags Ateez, Exército, San, Woosan, Wooyoung
Visualizações 16
Palavras 1.270
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Essa é a minha primeira fanfic... depois de muita insistência de amigas, eu resolvi continuar a história e postar, mas não estou muito segura quanto a isso. POKASPAOKSPK ):

Espero que gostem! A avaliação de vocês vai ser muito importante pra mim. <3

Capítulo 1 - Capítulo 1


"Parabéns pra você

Nesta data querida

Muitas felicidades

Muitos anos de vida"

            Era isso que meus pais cantarolavam com sorrisos falsos em seus lábios para o seu pequeno filho. Quanto a mim... Bom, eu era apenas uma criança boba que se encontrava extremamente feliz por causa de um mero bolo e algumas velas.  Vinte e seis de novembro....Um dia que, até então, era para ser lindo e cheio de alegria. Não estou dizendo que não foi, estava tudo perfeito. Na verdade, eu achava que estava. Afinal, o que uma criança poderia saber sobre a vida adulta, não é mesmo?

            Lembro-me até hoje o quanto eu estava assustado. Meu quarto era iluminado apenas pela luz do corredor que ousava em entrar por baixo da porta. E o meu cobertor, era a minha única proteção. Gritos preenchiam todo o interior da casa... meus pais estavam brigando. Nunca imaginei que um dia presenciaria aquilo, até ver.. Ou melhor, ouvir todas aquelas palavras grosseiras que meus pais trocavam um com o outro. Assim, o que era pra ter sido um dia feliz, acabou por se tornar o pior pesadelo que alguém poderia ter. O pesadelo que mudou completamente a minha vida.

            Vocês devem estar se perguntando o que aconteceu depois de toda essa confusão, certo? Bom, no começo, eu achava que tudo iria se resolver e que meus pais voltariam a sorrir, mas não era bem assim. Minha mãe decidiu nos abandonar e, quando eu digo abandonar, é pra valer. Ela foi morar no exterior, largando-me com o meu pai e todo o resto de nossa família. Na época eu não entendia o porquê de tudo aquilo, mas hoje, eu entendo perfeitamente bem. Enfim, isso não vem ao caso – pelo menos não agora –.

            Meu pai sempre me deu o amor que era necessário, principalmente depois que minha mãe se foi. Mas criar uma criança sozinha não era fácil e todo o estresse causado por conta de sua vida complicada, foi começando a tomar outras proporções. Eu era agredido quase todos os dias, principalmente quando ele bebia – o que me obrigava a ficar escondido –. Cheguei a dormir várias vezes fora de casa por medo de apanhar outra vez.

            Entre idas e vindas, o tempo foi se passando e eu fui crescendo. Porém, ao invés de me tornar uma pessoa madura e responsável, eu fui tomado pelo ódio e cresci de forma retógrada e rebelde. Neste maldito caminho que escolhi, amizades ruins surgiram no meu caminho e eu, imediatamente, fui enfluenciado. Eu poderia ter recusado. Não, eu DEVERIA ter recusado. Mas o que um garoto imaturo iria querer da vida? Eu só pensava em diversão. Achava que todas essas coisas ruins iria descontar, de alguma forma, todo o sofrimento que minha família tinha causado. Então, eu pensei que aquilo seria divertido e porque não tentar me libertar um pouco? Me libertar daquela escuridão que tinham me colocado... Eram esses tipos de pensamentos que corriam em minha mente e que, como consequência, me fizeram aceitar a “oferta” que me fizeram.

            Claro que no início foi tudo muito bom, eu poderia ter tudo aquilo que eu queria e com uma facilidade inacreditável. Daquela vez, eu tinha amigos, diversas festas com bebidas e cigarros, e claro, muito sexo. Mas nem tudo era como um mar de rosas, e eu acabava me metendo em problemas e o fato de ser popular me subia à cabeça, me deixando arrogante. O engraçado, era que tudo aquilo ainda era divertido.

            Os dias se passaram e aquelas pessoas que antes diziam serem meus amigos, foram me abandonando, alguns até foram presos, e eu... Bom, eu voltei a ficar sozinho, me afundando em toda aquela escuridão mais uma vez. Lógico que isso acarretou em mais problemas e eu passei a me entregar ainda mais às bebidas, tornando-me completamente dependente delas. Sabe aquele dilema de que bebemos para esquecer? Isso não é lá uma verdade. De fato, esquecemos de tudo enquanto estamos fora de si, mas ao ficarmos sóbrios, os pensamentos voltam a lhe atormentar.

            Vivi desse modo por muito tempo até que, por fim, decidi ir atrás de uma solução. Eu não queria mais ser daquele jeito, não queria que minha vida terminasse daquela forma. Foi assim que resolvi me alistar; sentia que eu devia grandes favores para com a nação coreana. Mas o mais engraçado é que o meu papel de bom moço não começou ali. Para ser sincero, eu continuei sendo problemático até mesmo no exército. Talvez esse seria um cargo que eu iria carregar para o resto de minha vida – pensava –.

            Lembro-me de todas as punições que recebi devido à todas as minhas confusões e socos trocados com outros soldados da base no qual eu estava exercendo meu serviço. Carrego até hoje cicatrizes por todo o meu corpo, causadas pelas más experiências que a vida me deu. Causei tantos problemas que fui obrigado a trocar de base militar, saindo da base de Chungcheong e sendo enviado para a base de Wonju. O local era conhecido por ter um dos capitães de tropa mais rigorosos de toda a Coreia, mas aquilo não me amedrontou. Pelo contrário, eu planejava o modo no qual eu iria enfrentar aquele indivíduo tão assustador de acordo com os comentários. Estava sendo um tolo? Sim, mas deixe-me continuar...

            Algumas semanas se passaram e logo chegou o dia em que eu iria encontrar o famoso “monstro”. Dia onze de janeiro de dois mil e dezenove... Uau, o tempo passou tão rápido, lembro-me como se fosse ontem.... Mas voltando ao assunto, fiz uma viagem tranquila até o local, mas ao chegar em minha nova base, com todo o meu jeito arrogante e descolado, chamou atenção de diversas pessoas que vieram me recepcionar, já que decidi por ignorar todos. É óbvio que aquilo acabou causando diversos comentários cochichados um para o outro, como: “o encrenqueiro chegou”, “esse é o causador de problemas”, mas nada de diferente do que eu já estava acostumado em ouvir.

— Sentido! – Uma voz não muito grossa ecoou pelo amplo espaço da base militar, fazendo-me virar em sua direção. No começo, não acreditei no que estava vendo. Seria aquele o famoso "monstro"? Eu não sabia, mas só passei a ter certeza quando li o nome bordado em seu uniforme. O rapaz era dono de uma voz não muito grossa e um corpo levemente musculoso. Eu poderia estar me enganando, mas o famoso capitão não tinha pinta de ser tudo aquilo que falavam. Enfim...

            Os dias se tornaram rotineiros, como de costume. Afinal, o que podíamos fazer dentro de uma base militar a não ser treinar mais e mais? O que mudou foi o fato das pessoas começarem a me conhecer melhor e até se acostumarem com o meu jeito de ser e agir; o que acabou causando certas amizades ali dentro. Isso fez com que tudo e todos fossem se tornando especiais para a minha pessoa. Porém, tinha uma coisa acontecendo e que me deixava completamente intrigado e com medo. E sabem o que é pior? Eu não sabia explicar o porquê.

            A vida às vezes coloca alguns desafios em nossos caminhos, e na maioria das vezes, escolhemos aquilo que julgamos ser o melhor para nós. Mas no final, acabamos por sofrer com as consequências. Para ser sincero, eu nunca imaginei que isso causaria uma enorme diferença em minha vida e que acabaria me levando até você.

But i don`t know...

Mas eu não sei...

Nae mamsoge eonjebuteo niga sangeonji

Quando você começou a viver em meu coração?

I don`t know

Eu não sei

Neoreul bomyeon seolleneun iyu

A razão pela qual meu coração vibra quando te vejo


Notas Finais


E aí, gostaram? Eu devo postar o segundo capítulo?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...