História Forever Young - Yoonkook - - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Yoonkook
Visualizações 162
Palavras 3.004
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Festa, Ficção Adolescente, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Me diz se num da vontade de guardar esses guri numa caixinha gente?

Então, isso não vai ser uma twoshot gente, vou fazer mais uns dois caps eu acho, nem sei se pode, mas to nem ai pq sou dessas e preciso de espaço para as tretas

Bjos, muito obrigada pelos fav's foi mais do que eu esperava

Quem nunca leu uma fanfic minha antes, seja bem vindo, ja te amo, vamos se amigar

Obs, para esclarecimento Kook achou melhor mentir para sair de casa do que os guri irem lá buscar ele, eu esqueci de colocar isso no cap, perdão

Capítulo 2 - Finalmente


Fanfic / Fanfiction Forever Young - Yoonkook - - Capítulo 2 - Finalmente

- Oi mãe, como a senhora está? 

 Me aproximei dela e dei um beijo em sua testa, minha mãe era uma mulher incrível, eu não gostava de mentir para ela, mas as vezes era necessário, eu não ia deixar de viver minha adolescência porque meu pai tinha um nome a zelar.

 - Eu estou preocupada com você, o que está havendo?

 - Mãe, aquilo foi um mal entendido, já esta tudo resolvido, não se preocupe esta bem? Cadê meu pai? 

 - Foi resolver algumas coisas na empresa.

 - A empresa como sempre, não sei como a senhora aguenta ter um marido tão distante assim.

 - Já me acostumei meu filho, e eu só quero um futuro bom pra você. 

 - É, mas nunca perguntam o que eu quero.

Isso foi mais baixo que um sussurro por mais que eu queira gritar isso pro mundo.

 - O que você disse?

 - Nada não, só vim pedir para a senhora se posso dormir fora hoje, as semanas de provas estão perto, então meu grupo de estudo resolveu se juntar pra gente estudar hoje e amanhã, a senhora sabe como é puxado, não posso dar bobeira, posso ir?

 - Claro, mas não durmam tarde, você sabe que sono é essencial e de nada vai adiantar estudar se não descansar a mente para o cérebro absorver tudo.

 - Pode deixar sargento. 

 Ela riu pra mim. 

 - Te amo filho. 

 - Te amo mãe.

 E queria não ter que mentir para você. 

Sai da casa e fui até a garagem pegar minha bicicleta, não importa se ela custou dezoito mil, eu não via a hora de poder dirigir, mas enquanto não posso eu exercito minhas pernas, e não é querendo me gabar, mas que pernas meus amigos, que pernas. 

 Eu iria até a casa de Yoongi que ainda faltava uns dias para poder pegar o carro, e Jin iria nos buscar, Jin era o mais velho de todos, maior de idade e habilitado, mas nunca bebia, ele preferia se entupir de comida e nos carregar para casa depois, ele sempre cuidava da gente e era o mais paciente, paciente até lhe negarem ou pegarem sua comida porque ai ele era o satanás na terra, ele é filho do nosso diretor, já terminou o ensino médio e já estava na faculdade, mas durante o dia ele era monitor em algumas aulas extracurriculares, mas foi na detenção que ele nos conheceu era ele que ficava de olho na gente, e nos juntou, e nunca mais nos largou, e sempre nos defende das cagadas que faziamos perante seu pai, pra ser sincero as vezes faziamos de propósito só para ficarmos juntos na detenção.

 Detenção, foi la que muitas coisas foram ditas, muitos sentimentos expostos, altas risadas, as piadas toscas do Jin, as danças engraçadas do Jhope; Jhope, a esperança do grupo, ele sempre animava a gente, sempre nos colocava pra cima fazendo de tudo pra gente ver o lado bom das coisas, sempre nos ouvia e dava conselhos, nem ele sabia o que tava fazendo da vida, mas colocava a nossa nos trilhos, e foi esse jeito meio sunshine dele que vez os olhos de Taehyung ou V brilharem, V nunca parava com ninguém, ninguém dava muito valor para ele, por isso ele ficava de mão em mão, mas Jhope mostrou que ele era mais que isso, que ele precisava de alguém que cuidasse dele, então um dia pegamos os dois se beijando atrás da quadra de esportes, e foi na sala da detenção que Jhope deu um anel de compromisso para V que chorou com o pedido de namoro na frente daqueles que o amavam da forma torta dele. 

 Quase passo direto da casa do Suga de tão perdido em pensamentos que eu estava, volto uns metros para trás e desço da bike e quando vou colocar o cadeado nela que dou o clique ele estava travado, tento mais uma vez e nada, nada, aperto tanto que quando vejo o quebrei, acho que o espírito do Namjoon baixou em mim não é possível, ando mais um pouco e antes de chegar a porta eu tropeço e quase me esborracho no chão, sim Namjoon havia baixado em mim, porque mais desastrado que aquele só ele mesmo, as vezes acho que os objetos vêem ele se aproximando e se jogam no chão, porque ele mal chega perto das coisas e elas quebram, já chegamos em um concensso que ele não irá dirigir, porque a pessoa que é capaz de romper um tendão do joelho batendo a mão nele é um perigo pra sociedade, sorte que temos um Jimin que quer ser médico e ama cuidar da gente, desde um ralado no joelho por conta dos tombos de skate até uma dor de estômago, não importa onde você está ou o que esta fazendo ele vai ir até você te mimar e cuidar, ele é o ser mais fofo do universo, parece um bolinho de arroz que da vontade de apertar e toda vez que sorri a vontade é de socar sua cara se tão neném que ele é, ele foi o primeiro a saber que eu gostava de meninos, e me disse que eu não deveria ter vergonha disso, a gente não escolhe essas coisas, e ele nunca falou isso pra ninguém, ninguém dos nossos amigos sabem, ele disse que quando eu me sentisse confortável eu mesmo contaria. 

 Um resumo de tudo, eu tinha os melhores amigos do mundo, e meu pai queria me afastar deles por conta das aparências. 

Inferno. 

 Antes mesmo que eu batesse a porta, Suga a abriu, usando apenas um short de moletom azul marinho que contrastava muito bem com sua pele branca, o short estava muito baixo deixando claro que ele não usava cueca.

 Como sempre. 

Cacete minha única vontade foi de tirar aquele short e vocês sabem o resto. 

 - Planeta terra chamando Jungkook?!

 - Ah desculpa. 

 - Você tá bem? Eu vi você um tempão ali fora falando sozinho e agora você paralisou ai na porta.

 Como não paralisar com o garoto que você sonha todo dia parado ali na sua frente mal usando uma roupa?

 - Não to, to bem, agora deixa eu entrar. 

Mas ele não se moveu na porta apenas ficou me olhando, e aquilo foi me dando um calor repentino. 

 - Você não vai sair da porta?

 - Desculpa, quem se perdeu em pensamentos agora foi eu. 

 Engoli em seco e passei por ele na porta, ele que mal se moveu, fazendo eu passar encostando nele e sentir seu cheiro de banho recém tomado, eu ja havia tocado nele diversas vezes, ja tinha decorado aquele cheio na cabeça porque diabos eu estava tão nervoso?

 - Vem vamos subir, vou trocar de roupa.

 É isso mesmo pessoal? Ele queria que eu ficasse no mesmo cômodo que ele enquanto ele trocava de roupa? Ele ta louco? 

 - Não tudo bem, vou ficar por aqui mesmo. 

 Eu mal consegui falar essas palavras, e ele percebeu, colocou as mãos no bolso que havia no short fazendo e mesmo descer mais um pouco pra baixo e eu me perdi naquilo esquecendo até mesmo como se respirava, cacete eu devia saber disfarçar porque ele tombou um pouco a cabeça pro lado, e sorriu sem mostrar os dentes se aproximando de mim, céus ele estava testando meu psicológico. 

 - Você está passando mal? Aqui ta meio abafado, no quarto tem ar condicionado, talvez você melhore, pode deitar na minha cama enquanto eu troco de roupa, não se preocupe, não vou fazer nada, ah não ser que peça, talvez queira um copo de água por exemplo eu venho aqui buscar, te dou tudo o que quiser, só melhore, temos um louco pra meter hoje. 

 Minha mente é muito suja, muito suja mesmo, e ele sabia disso, e falava baixo e completamente sugestivo, ele queria me enlouquecer.

 - Anda garoto. 

 Ele me puxou pela mão de uma vez fazendo meu corpo chocar com o dele, achei que ele ia me soltar, mas ele me segurou pela cintura, meu coração falhou uma batida quando ele levou sua mão até minha nuca e me puxou devagar deixando nossas bocas a centímetros de distância. 

- Você quer isso? 

 Não respondi, eu toquei seu lábio com minha lingua, esse contato foi suficiente para ele aumentar a pressão de sua mão na minha cintura e me puxar mais pra si. 

Quando minha lingua tocou na sua senti todo o meu corpo reagir, o jeito que ele sugava meu lábio fazia o meio das minhas pernas fisgar, ele começou a me empurrar sem desgrudar sua boca da minha, eu não sabia para onde estava indo e nem ligava só me concentrava naquela boca que me fazia querer coisas que nem eu sabia que queria, quando percebi estava sendo jogado na cama grande e macia dele, já havia deitado ali inúmeras vezes, mas ter Suga sentado no meu colo passando o dedão na própria boca era apenas um sonho, sentir sua mão no cós da minha calça provocando arrepios em lugares que nem sabia que podiam ser arrepiar era além da minha imaginação, ver ele abrir meu zíper enquanto olhava meu volume como se sua boca salivasse por aquilo era fora de cogitação, então ele deitou seu corpo sobre mim e encarou meu rosto. 

 - O que você esta esperando?

 Então ele sorriu e estalou a língua nos dentes, oh caralho de garoto lindo, então me beijou mais uma vez, mas agora era diferente, era mais pornográfico sei la, tinha mais tesão, desejo, vontade, será que ele queria isso tanto quanto eu? Sua pele estava quente, não resisti, passei as unhas devagar por suas costas quando sua língua brincou com minha orelha e antes que eu pudesse ver minha mão adentrou seu short fazendo um carinho o que fez ele morder com força meu pescoço meio que abafando um gemidinho que tentou escapar. 

 - Não brinca comigo garoto.

 - Mas o que eu mais quero agora é brincar. 

 Ele sorriu sacana e voltou a sentar no meu colo, respirei fundo quando suas mãos adentraram minha camisa arranhando minha barriga e apertando a lateral do meu corpo logo em seguida, mas meu fim foi quando senti ele rebolar devagar em mim, isso Min Yoongi, me mata! Mas como nem tudo na vida são flores, ouvimos batidas na porta. 

 - QUE PORRA! 

 - Eu achei que eles iam ligar antes de virem aqui.

 - Eu também. 

 Suga se moveu para alcançar o celular e viu que ele estava no silencioso, e que havia dez chamadas perdidas dos garotos. Jogou o celular na cama de novo e me puxou me fazendo ficar sentado na cama com ele ainda no meu colo e me beijou fundo mais uma vez ignorando as batidas e gritos na porta. 

 - Ah gente vai terminar isso, agora desce lá e fala para aqueles filhos do satanás que eu já vou. 

 Suga saiu do meu colo com um bico do tamanho do mundo, se ele tivesse uma arma pessoas iriam conhecer o paraíso mais cedo. 

Ajeitei meu cabelo, e minhas roupas enquanto Suga estava no banheiro, agradeci por minha camiseta ser comprida e esconder o problema que havia no meio das minhas pernas. 

 Abri a porta de uma vez e eles quase caíram em cima de mim, pareciam aquelas velhas fofoqueiras que escutam atrás da porta.

 - Você aqui? 

 - Não fode V, eu vivo aqui, Suga já vem, vamos pra fora, aqui ta muito quente. 

 Eles voltaram para trás, e quando eles já estavam em uma distância boa senti meu braço ser puxado e vi Jimin com um sorriso sincero no rosto. 

 - To muito feliz por você, vocês no caso.

 - Do que você ta falando?

 - Desse roxo no seu pescoço. 

 Caramba, eu ia ser zuado pra sempre. 

 - Finalmente vocês viram que foram feitos um pro outro. 

 - Você ta querendo dizer? 

 - Não fode Kook, só você não percebeu o jeito que ele te olhava, olhava não, secava, o ciúmes que ele tinha até da gente com você, ou a forma boba que ele agia toda vez que te via, ate a forma dele te abraçar era diferente, ele só estava esperando uma abertura sua, e vejo que você deu finalmente. 

 Eu não tive tempo de responder aquilo, quando vi Suga já estava ao meu lado com seu braço sobre meu ombro.

 - Vamos embora seus puto.

 Nos esprememos na camionete preta do Jin, e toda vez era uma briga, V no colo do Jhope e muitas risadas e reclamações porque Namjoon sempre ia no banco da frente mas ele era muito grande o que fazia ele ter que colocar o banco para trás, e sempre sobrava pro Jimin sentar ali atrás por ser o menor, ainda bem que nunca paramos em um blitz, ninguém ia caber embaixo do banco. 

 Passamos em uma lanchonete e pedimos a maior pizza que havia la com a maior porção de batatas fritas do lugar, sim sempre pediamos o maior possível, éramos em sete, mas Jin comia por três, era incrível a quantidade absurda de comida que ele conseguia colocar na boca e ainda falava e ria, e não achávamos nojento aquilo era fofo demais, ele parecia um esquilo escondendo nozes, esquilos escondem nozes? Céus porque essa duvida apareceu agora? Eu nem bebi ainda e já to viajando assim? 

Mas o problema não era viajar, o problema era viajar perto de uma bando de pau cu, pior ainda era se você estivesse com um pedaço de pizza na mão, porque ela seria roubada na maior cara de pau por V, Jin comia como uma draga, mas V amava roubar a comida dos outros, e quando olhei eles já havia devorado quase tudo, puta que pariu, um bando de inúteis sem educação, em relação a comida era o único momento que eu concordava com meu pai, precisava andar com gente culta. Só de raiva peguei a embalagem de batata toda pra mim e quando Jimin tentou pegar uma levou um tapa estralado que fez as pessoas ao lado olharem pra gente. 

 - Ai minha mão. 

 Ele fez um bico olhando pra marca vermelha na mão pequena dele, bem, olhando pra minha mmãoao quilo foi covardia, mas foda-se eu mal havia comida a pizza, enchi minha boca de batata e olhei pra ele.

 - Não faça essa cara de coitado que eu bato de novo, esse seu bico fofo não cola mais comigo.

 - Eu vou pagar a conta e sair de fininho fingindo que não conheço vocês.

 Jin se levantou da mesa como uma verdadeira dama, não fode, a gente sabe que você arrota na mesa garoto.

 Assim que ele saiu do caixa nós o seguimos lanchonete a fora, as pessoas que ficaram deviam estar mais aliviadas já que esse bando de animais haviam saido lá. 

Entramos no carro e mais uma enxurrada de palavrões e reclamações foi ouvida, isso nunca ia mudar? 

 - Kook? 

 - Sim Nam?

 - Colher gelada é bom.

 - Quê? Se bebeu escondido quando foi no banheiro?

 - Colher gelada é bom pro roxo que o Suga deixou no seu pescoço. 

 Para esse carro, não, num para não só deixa eu me jogar dele, caralho eu não sabia onde enfiar a cara e Suga só ria como se não fosse nada, V me olhou e fez aquela carinha tipica dele, bando de desgraçados. 

 - O que você acha disso Jin?

 Namjoon fingia entrevistar Jin. 

 Toscos.

 - Já estava na hora meu caro, só eles não viam o quanto queriam se comer. 

 - Eu estou aqui no carro, pode parar a palhaçada. 

 - É só o Suga deixar roxos em lugares que nós não vamos ver.

 - Chega, eu vou me jogar desse carro. 

 - Sossega o rabo ai que ninguém vai se jogar do meu carro, não quero meus pneus sujos de sangue. 

 Um príncipe esse garoto.

Entramos em um posto e reconheci ser onde Namjoon já havia trabalhado antes de entrar no colégio, não que ele precisasse disso, ele só gostava de ter seu próprio dinheiro. 

 Ele saiu do carro e entrou na conveniência, voltou logo depois com vários engradados de cerveja, agora entendi porque paramos aqui, Jin era o único maior de idade, mas era conhecido e todos iam ver que ele estava dirigindo, como Nam já trabalhou aqui... Gênios.

Não me pergunte como, mas quando vi a camionete de Jin estava bloqueando um túnel, havia luzes piscando, buzinas que não paravam, gente falando com suas cabeças para fora da janela enquanto nos estávamos parados na frente do carro e gritamos a todos os pulmões enquanto a música da CL que quase estourava os alto falantes do carro tocava.


HELLO BITCHES!


 Nos iríamos presos por isso? Não sei mas começamos a correr entre os carros, gritavamos coisas sem sentindo, vi alguém pixar um carro, e outro subir no capô do carro, quando olhei pro lado vi Suga tacar um copo de bebida em outro carro, parecíamos apenas rebeldes barra vândalos, mas no fundo só estávamos cansados de tanto os adultos cagarem regras em nossas vidas, Jin entendia isso, por isso o único são do lugar deixou a gente aprontar tudo isso.

Então vimos luzes azuis e vermelhas ao longe, nem era possível ouvir a sirene, mas sabíamos que estava na hora de ir, então começamos a correr de volta a camionete, mas Jin ja havia saido de lá e o começamos a disputar corrida com os carros, já estava cansado de correr quando me vi ficando pra trás, foi quando percebi que havia um carro muito próximo de mim, olhei para trás e tive a sensação de conhecer aquela pessoa, quando tentei ver melhor quem era fui puxado por Suga que me beijou na frente de todos e depois gritou em alto e bom som.

- EU TE AMO JEON JUNGKOOK!

Aquilo era o céu, não tive tempo de responder, fui puxado para a caçamba da camionete, olhei para trás e vi que o  carro estava parado no mesmo lugar, porque eu tinha a sensação de conhece-l


Notas Finais


Bolinhos perdoem os erros, ficar mais de oito horas por dia em pé numa loja ta me sugando, meu teclado não ta ajudando e tem hora que eu nem sei o que to escrevendo, se bestar troco ate os nomes, então tenham paciência, eu chego só querendo cama, mas tiro tempo pra escrever pra vocês quando chego em casa, desculpa o desabafo, Pri me abraça, sei que se sente assim também 💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...