1. Spirit Fanfics >
  2. Forever Yours - Edward Cullen >
  3. Cada vez mais perdia

História Forever Yours - Edward Cullen - Capítulo 4



Notas do Autor


Mais rolos dessa família misteriosa para vocês ficarem perdidinhas kkkk eu sei eu sou má kkkk, mas reparem que esta família é pra lá de estranha. Estou até achando que eles são um clã de vampiros. Kkkkkk
Divirtam-se.

Capítulo 4 - Cada vez mais perdia


Fanfic / Fanfiction Forever Yours - Edward Cullen - Capítulo 4 - Cada vez mais perdia

{Lila}

Eu fiquei sem reação, e se sem querer eu falasse algo que não devesse e acabasse destruindo toda farsa montada?

— Bree o que você tanto quer com meu irmão? Que eu saiba ele é marido da sua prima não seu. – Rose foi quem disse algo antes que meu cérebro conseguisse processar direito alguma informação.

— Não precisa ser tão hostil Rose, eu só queria o conselho dele em um negócio que pretendo fazer. – Rosalie a olhou cheia de desconfiança e a única coisa que eu fazia era tentar entender algo ali.

— Sei...

— Lila prima, eu estava com tantas saudades suas. – a prima de Lila Cullen disse andando até mim, ignorando a atitude de Rose.

— Ah... Oi querida, eu também senti a sua falta. – falei tentando parecer natural.

Pelo menos ela não me abraçou, apenas beijou minha face.

— Como você está? Faz tanto tempo que não nos vemos, você...

— A Bree não exagera! Lila só ficou fora dois meses. – Rose a cortou.

É ela realmente não gostava da prima de sua cunhada.

— Edward não vai chegar agora Bree, mas se quiser o espere. – falei e no mesmo instante me arrependi lembrando que ela poderia me colocar em maus lençóis se me perguntasse algo que eu não soubesse responder.

Então ela me olhou como se eu fosse um ET.

Será que eu havia dito algo errado?

— O que aconteceu com você? Onde está minha priminha toda ciumenta? – ela perguntou sorrindo.

Merda! Certas atitudes de Lila Cullen ainda iriam me ferrar.

— Tirou férias. – respondi torcendo para que ela não estranhasse mais.

Pelo menos com Emmett, eu não fui obrigada a lidar pela manhã, nem mesmo no café cheguei a vê-lo.

Se Bree aceitou o que eu disse ou não ela não fez nenhum comentário o que foi um alivio para mim.

Rose, ela e eu passamos a tarde inteira juntas e ela foi um doce comigo e isso me fez perguntar o porquê Rose era sempre tão hostil com ela.

Com medo de cometer algum deslize, depois de um tempo, eu disse que estava com uma forte dor de cabeça e precisava descansar um pouco, assim as deixei só e subi para o quarto.

Mais uma vez eu fiquei remexendo nas coisas da defunta tentando encontrar qualquer informação útil que eu pudesse usar para não me enrolar tanto cada vez que me faziam alguma pergunta, mas não tinha nada que pudesse ajudar muito, nenhuma informação sobre a tal Bree.

— Como eu queria que essa defunta tivesse um diário. – murmurei comigo mesma.

Peguei um livro qualquer para ler e passar o tempo até a hora do jantar, mas acabei adormecendo.

Quando acordei já estava escuro lá fora e eu não estava no sofá onde deitei para ler, eu estava na cama. Mas como fui parar ali?

Vi a pasta de Edward no quarto então imaginei que talvez tivesse sido ele a me colocar ali.

Um sorriso bobo surgiu em meus lábios imaginando-me em seus braços, mas ao mesmo tempo me senti frustrada por não ter notado isso e uma idiota por está pensando nisso.

Tentando não pirar no meio da minha confusão mental eu fui para o banho onde demorei longos minutos antes de sair e ir até o closet pensado sobre o que vestir.

Eu não queria nada da defunta, mas pelo visto seria obrigada a usar.

Consternada, escolhi um vestido de seda verde escuro de alças finas, nem muito longo nem muito curto, mas na medida certa.

Sem saber muito o que fazer com o cabelo o deixei solto mesmo caindo de lado, lembrei das fotos que vi nos álbuns lá ela sempre estava elegante com uma jóia bonita, salto e uma maquiagem discreta e ao mesmo tempo chamativa.

Então fui até sua caixa de jóia peguei um colar de ouro branco e brincos do mesmo material, fui até seu closet e escolhi um sapato Scarpin preto, salto 15, parei na frente do espelho e passei um pouco de batom vermelho tentando ser o mais discreta.

Quando saí do quarto meu único pensamento era tentar incorporar Lila Cullen o máximo possível, mas e se eu fraquejasse? Não, isso não poderia acontecer.

— Lila. – escutei uma voz grave me chamar.

Era Emmett.

— Hey Emmett. – falei tentando soar casual.

— Você está linda mana. – ele me elogiou me olhando de cima abaixo.

— Obrigada. – eu disse meio constrangida por sua analise, mas talvez Emmett fosse acostumado a fazer isso com a irmã.

— Posso te pedir uma coisa? - ele perguntou me pegando de surpresa.

— C-claro. – respondi temendo o que poderia vir.

— Não entre no jogo de Alice, Rose me falou o que ela disse para você e você sabe como Alice é, ela te detesta.

Assenti.

Emmett pegou meu braço e nos conduziu até a sala de jantar onde todos estavam.

Edward assim que me viu levantou e tomou seu lugar ao meu lado, achei que ele beijaria minha testa como mais cedo, no entanto ele me deu um selinho nos lábios o que fez meu coração perder o compasso.

Senti que estávamos sendo analisados e isso me deixou desconfortável, Bree parecia seguir cada movimento nosso.

— Está linda amor. – Edward disse com um sorriso encantador nos lábios.

— Obrigada. – falei me sentindo corar.

— Estou apenas sendo sincero. – ele disse puxando a cadeira para mim.

O jantar foi relativamente tranqüilo até dado momento. Esme e Carlisle estavam fazendo um ou outro comentário banal sobre o dia deles e Jasper começou a fazer algumas brincadeirinhas tentando me fazer sorrir mais e consequentemente estava atraíndo mais minha atenção para si o que fez Alice começar a soltar seu veneno.

— Quem a vê assim toda derretida para meu marido pensa que seu marido é ele e não Edward, Lila. – olhei para ela tentando entender suas palavras, eu não estava fazendo nada demais.

— Alice não começa, deixe minha irmã em paz. – Emmett falou em minha defesa.

— Você também se incomodaria se fosse sua mulher Emmett. – ela disse rancorosa.

— Não, eu não me incomodaria porque eles não estão fazendo nada demais.

— Claro, claro. Eu me esqueci que para todos Lila é uma santa. – “minha” cunhada resmungou.

— Não é nada disso Alice, nós só não vemos maldade onde não tem. – desta vez foi Edward quem se pronunciou. — Agora deixe minha mulher em paz.

Ela se calou imediatamente com a ordem dele, o que me fez respirar aliviada.

— Querem sobremesa? - a mãe de Edward perguntou tentando aliviar o clima.

— Claro querida. – Carlisle falou e ela se levantou para pegar mesmo tendo empregados que poderia fazer isso para ela.

Esme estava quase na porta quando de repente arfou e parou colocando a mão no peito.

— Mamãe o que há? - Rose perguntou preocupada já se levantando e ido em direção à mãe.

— Não é nada querida, apenas meu velho coração dando sinal de vida. – ela respondeu sorrindo para a filha, mas era visível que ela não se sentia tão bem assim.

— Vou buscar a sobremesa. – Rose disse, mas eu achei melhor eu ir.

-— Não Rose. Fique, eu vou buscar. – falei já indo em direção a cozinha.

Os empregados pareceram estranhar minha presença na cozinha para buscar a sobremesa. E me olharam com cara de espanto. Será que Lila Cullen era tão dondoca assim? 

Com o tempo Esme melhorou e ninguém disse mais nada, acho que não querendo deixá-la nervosa. E se ela passasse mal outra vez? Nenhum de nós quis arriscar.

No fim do jantar Rose me puxou para um canto mais afastado enquanto os demais foram para a sala.

— Lila, por favor, acorde mulher! - a loira exclamou assim que ninguém podia nos ouvir.

 — O que foi que eu fiz? - perguntei confusa.

Será que eu tinha cometido algum erro sem querer?

— Lila você viu como Bree se agarrou ao braço de Edward ao sairmos da sala de jantar?

Por que ela estava me perguntando isso?

— Sim, qual o problema? - eu estava ficando completamente perdida. E se eu estivesse dando um tiro no meu próprio pé?

— Lila por isso Bree perguntou onde foi parar a prima ciumenta dela, você sempre detestou vê-la tão próxima a Edward, você sempre foi uma mulher muito ciumenta, possessiva, nunca se incomodou em beijar seu marido em público. O que aconteceu com você em Milão? - Rose perguntou estranhando meus atos, no fim eu não estava conseguindo agir como a defunta.

Oh droga!

— Acho que ainda estou meio atordoada da viajem Rose, é isso, mas vou consertar as coisas. – dei o meu melhor sorriso a ela e saí de perto.

Sim, eu precisava consertar a minha estupidez. Mas como?

Quando cheguei onde todos estavam vi Bree praticamente se jogando sobre Edward no sofá e pela expressão do mesmo isso o estava incomodando.

Tomei fôlego e em uma atitude descabida, para minha mente pelo menos, caminhei até eles e de acordo com os comentários feitos pela família sobre as atitudes da esposa de Edward sentei em seu colo e enlacei seu pescoço com meus braços antes de tocar seus lábios com os meus.

Fechei os olhos tentando esquecer todos ali e me entregar ao ato, um magnetismo se passou em minha pele e senti-me arrepiar.

O beijo começou calmo e foi se transformando em algo cada vez mais intenso, as mãos de Edward rodearam minha cintura deixando tudo mais intimo, não houve língua é claro.

Não era algo para ele mesmo que para mim fosse, era apenas parte do teatro arquitetado por ele e eu precisava me lembrar disso.

Quando nos afastamos ao final do beijo não pude deixar de escutar o comentário de Jasper.

— Essa é a Lila que eu conheço.

Edward avaliava-me como se buscasse alguma resposta para o meu comportamento e assim eu senti a vergonha me tomar, porém mantive a pose na frente dos demais imaginando o que ele poderia estar pensando ao meu respeito depois de tal atitude.

— Nossa! O que te deu para agir assim? - Bree questionou.

— Qual o problema? Ele é meu marido, não é mesmo? - falei sorrindo falsamente.

Pelo canto do olho vi Rose aprovar minha atitude com Emmett.

Eu fiquei mais algum tempo no colo de Edward, onde por um lado eu me sentia completamente desconfortável pela nossa situação e por outro eu até estava gostando de sentir seus braços ao meu redor, mas eu sabia que isso não era certo e que ele ainda sofria com a morte da esposa, então me afastei um pouco enquanto ele falava com Jasper da empresa.

Fiquei em um canto conversando com Esme, que sempre era um doce comigo, sempre lembrando a mim mesma que por ela, eu tinha que seguir com a farsa mesmo que tudo parecesse pesado demais e o fato de ela passar mal mais cedo só reafirmou isso.

— Onde está seu marido querida? - a mãe de Edward perguntou quando não o viu mais por perto.

Eu não tinha a menor ideia de onde ele poderia estar.

— Não sei, vou procurá-lo. – eu disse me levantando.

(...)

Eu busquei Edward pela casa toda na parte de cima e na cozinha também, mas ele não estava e a noite estando fria como estava ele não devia ter ido para fora, era mais provável que estivesse no escritório.

Por que não pensei em ir até lá primeiro? Bree queria falar de negócios, não é?

— Edward o que você está fazendo não é certo. – eu ouvi Bree dizer a ele.

— Isso quem decide sou eu. – ele respondeu um tanto brusco.

— Mas...

— Mas nada Bree, alguém pode ouvir. – Edward a cortou.

 — Ouvir o que Edward? - perguntei entrando no escritório mesmo sem ser convidada.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...