História Forevermore - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Bts, Jikook, Jimin, Jungkook, Kookmin, Magia
Visualizações 34
Palavras 2.666
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Fantasia, Ficção, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Err... humm.. eu ainda não revisei... mas boa leitura, espero que gostem ♥ T^T

Capítulo 8 - Capítulo 07 - Preciosos momentos


Seokjin guiou Jungkook por uma série de corredores escuros e frios. As paredes eram iluminadas por archotes de fogo falso, um luxo desnecessário considerando que vampiros enxergam até mesmo no mais denso breu.

- Suponho que não passaremos pela cidade. – Jungkook comentou durante o trajeto, admirando os pequenos arabescos desbotados do papel de parede antigo.

Seokjin lhe sorriu friamente.

- Não. Você não sairia vivo de lá, o sangue de Lilith nos deixa inquietos.

Emitindo um ruído de irritação, Jungkook revirou os olhos e assumiu uma expressão frustrada.

- Será que todos no submundo sabem sobre isso?

- Estranho seria se não soubessem.

O silêncio voltou a pairar entre eles, até que alcançaram um amplo salão ao fim do corredor. O piso era de mármore preto e uma abertura de vidro no teto exibia a lua cheia que iluminava todo o recinto. Havia uma portinhola de ferro que podia tapar a abertura, controlada por uma corrente que permanecia presa à parede. As paredes estavam repletas de pinturas sombrias, exibindo monstros saídos de pesadelos e vampiros grotescos, alimentando-se e banhando-se em sangue humano. O sorriso divertido de Seokjin ao observar o local entregava que tratava-se apenas de um sombrio teatral. Fora um piano de calda em um dos cantos e uma cristaleira repleta de taças brilhantes, o local estava vazio. Jungkook supôs que os vampiros davam belas festas ali, divertindo-se com suas presas.

Seokjin apontou para uma porta vermelha na outra extremidade do recinto.

- Por ali encontrará a saída, foi um prazer conhece-lo rapaz.

Jungkook o encarou por um momento. De perto seus olhos eram ainda mais assombrosos, num tom vivo de vermelho carmesim. Perguntava-se  como poderia ser interessante para um ser que vivia há séculos, apenas por ser filho de Lilith?

- Obrigado. – Agradeceu afinal, olhando para trás uma última vez. Era bom que Hoseok retornasse logo.

- Não se preocupe com seu amigo. – Seokjin lhe recomendou, encostando-se a parede com os braços cruzados. Seu perfume era muito doce, tornava-se intoxicante quando se movia ou mexia nos cabelos. – Suga nunca provou sangue de um faeri da corte, não conhece seus efeitos. Não poderia mata-lo nem mesmo se quisesse. Além disso, ele gosta de brincar.

- Hoseok também gosta, isso que me preocupa.

- Bem, deixe que se divirtam então.

Lhe apresentando mais um sorriso estonteante, o vampiro lhe acenou em despedida. Jungkook foi em direção à porta, atrás dela havia uma grossa cortina preta e em seguida uma escada de concreto em espiral, subindo para a escuridão. Perdeu a noção do tempo que passou subindo e tropeçando nos degraus até topar com a cabeça num par de portas de ferro presas no alto. Ao abrir deparou-se com o céu noturno e o ar livre, gélido e com cheiro de jasmim da noite. Saiu e constatou que as portas eram a entrada de um porão, nos fundos de uma mansão abandonada. Fechou-as com um som arrastado de ferro enferrujado e ao abrir novamente, como esperado, deparou-se apenas com uma escada de latão comida pelo tempo e um porão cheio de caixas e sacos de coisas velhas.  As entradas para Undercity eram fechadas para o mundo exterior. Hoseok só conseguiu entrar pois Jungkook fora sua âncora do lado de dentro. Teria problemas se precisasse voltar para busca-lo, rezava para que o amigo não o fizesse necessário.

Atravessou o jardim, este repleto de mato e com flores exuberantes misturadas às ervas daninhas e árvores enormes. Havia também grandes estátuas de anjos guerreiros, meras sombras cobertas pela era e escondidas no escuro da noite.

Ao alcançar o portão, Jungkook respirou fundo e passou a correr. Estava exausto, mas queria tanto encontrar Jimin! Será que ele estava mais calmo consigo? Teria de lhe explicar tudo o que fizera, e porque Hoseok não voltara consigo, porém em primeiro lugar o abraçaria bem forte!

Correu na direção do bosque, pensando apenas no calor do seu amado e na textura macia que tinham aqueles fios loiros em sua pele. Apertou os olhos por um instante e gemeu baixinho, pensando na saudade que tinha do cheiro de Jimin. O rapaz costumava usar um leite de rosas que recebia de presente da mãe, no entanto seu cheiro era único. Era cheiro de Jimin, com um toque do leite de rosas, mas levemente cítrico e masculino. Apertou os passos, adentrando a mata e afastando de qualquer jeito os galhos e plantas que estavam no caminho, este iluminado apenas pela enorme lua que brilhava no céu. Quase caiu uma vez e o fez novamente quando adentrou a clareira. Olhou ao redor, vendo apenas vagalumes brilhando sobre os dentes de leão. Apoiou-se sobre os joelhos, ofegante, abaixando a cabeça para descansar. Foi então que ouviu um som conhecido, como ar sendo subitamente sugado com força. Era o som de quando alguém saia ou entrava na terra dos faeri. Ouviu passos sobre a grama macia e ergueu-se para encontrar Jimin o observando, aproximando-se. Ele não parecia com medo, nem mesmo hesitante. Parecia ansioso. Seu cabelo estava levemente bagunçado e usava vestes da corte. Era tão belo que poderia facilmente ser considerado parte dela.

- Jimin... me desculpe... – Jungkook sussurrou sem jeito.

Tinha certeza que estava com uma aparência horrível, no entanto Jimin apenas negou com um sorriso e avançou para abraça-lo. Jimin envolveu Jungkook num aperto forte, tocando a nuca deste para que deitasse com o rosto em seu ombro. Aturdido por um momento, o feiticeiro simplesmente o fez e inspirou o ar com força, sentindo o aroma que tanto amava. Os dentes de leão que balançavam sob o vento pareceram parar, tudo pereceu parar ao seu redor. Enquanto isso, dentro de si acontecia uma anarquia de sentimentos. Seu coração pulava, exultando em alegria. Sua garganta doía, de repente comprimida em uma intensa vontade de chorar o estômago parecia vazio, como se estivesse em queda livre da lua à terra.

- Tudo bem. – Jimin lhe disse suavemente. – está tudo bem agora.

Jimin sabia que na verdade ainda havia muitas coisas a resolver, porém no momento queria apenas confortar Jungkook. O olhar dele parecia tão despedaçado desde o primeiro momento que o vira ao despertar, que seu próprio coração doía. Não conseguia imaginar como teria sido se estivesse em seu lugar, se Jungkook tivesse o deixado subitamente para nunca mais voltar. Por isso, apesar das vozes agonizando em sua mente, simplesmente apertou os olhos com força e apertou Jungkook com mais força ainda, sentindo o tormento passar por um instante, como se ele fosse sua âncora no mundo real.

O corpo de Jungkook sacolejou em soluços e o rapaz chorou, finalmente retribuindo ao abraço com igual intensidade.

- Me desculpe... – Murmurava entre os soluços, enterrando o rosto no pescoço de Jimin que praticamente o apoiava em pé no momento, mantendo-se forte. – me desculpe, eu simplesmente... não podia ficar sem ti, me desculpe....

- Tudo bem... – Jimin repetia baixinho. – Tudo bem, Jungkook...

Demorou até o feiticeiro se acalmar, a noite era fria mas o calor de ambos os aqueciam. Era um calor familiar, como o aconchego da cama após um longo dia de trabalho.

Assim que sua respiração se estabilizou, Jungkook se afastou um pouco e colou sua testa a de Jimin, fitando-o diretamente nos olhos azuis. Suas mãos o tocaram na face e seus lábios depositaram nele um beijo casto, bem na pontinha do nariz. Finalmente sorriu, e Jimin fez o mesmo.

- Vamos para casa? -Jungkook perguntou com sua voz ligeiramente fraca após o pranto.

Jimin assentiu, secando as lágrimas na face dele com a manga de sua blusa.

- Mas onde você estava? – Questionou enfim. – Cadê o Hobi?

- Ah... – O olhar de Jungkook foi para o chão, demonstrando frustração. Não sabia o que dizer a Jimin sem deixa-lo preocupado. – Hoseok vai voltar logo... ele quis fazer algo.

- Algo? – Franzindo o cenho, Jimin olhou para trás e pela primeira vez Jungkook notou a presença de outra pessoa ali.

Sentado sobre uma pedra em meio ao campo, havia um faeri os observando. Após um instante, Jungkook reparou que era apenas uma projeção mágica, pois o corpo dele era levemente translúcido, como uma sombra.

- Está tudo bem. – Ele disse à Jimin. – Ele vai ficar bem, se estivesse em perigo eu saberia. – Existia em seu tom de voz uma leve tristeza, mas estava convicto do que dizia.

Jimin então concordou e o rapaz lhe sorriu, acenando brevemente antes de desaparecer no ar.

- Quem era? – Jungkook perguntou. Estava mais calmo, porém suas mãos apertavam os ombros de Jimin com força incomum, como se temesse que ele fosse desaparecer também.

- Um amigo do Hobi. – Jimin respondeu, em dúvida se podia revelar a identidade do rei ou não. – Ele está bem mesmo?

- Sim, meu bem. – Suavizando seu aperto, Jungkook afagou os ombros de Jimin de forma a tentar tranquiliza-lo. – Ele me salvou, mas queria verificar algo antes de voltar. Você sabe como ele é, se mete em cada canto estranho e volta para contar uma história louca.

Jimin riu baixinho e fez que sim com a cabeça, Hoseok realmente vivia aprontando.

Jungkook o admirou encantado, como sempre, pela forma graciosa como os olhos dele se fechavam quando sorria. No entanto, repentinamente o sorriso se desfez, substituído por uma expressão de dor, ao mesmo tempo que ele levava uma mão a cabeça, abaixando-a com o cenho franzido.

- O que foi? – Jungkook perguntou com a voz carregada em preocupação.

- Ah... uma leve dor de cabeça. – Jimin forçou uma expressão calma, abaixando a mão para segurar a de Jungkook. – Vamos para casa então?

Com o coração incomumente apertado, Jungkook concordou e juntos passaram a caminhar para fora do bosque. A lua lhes iluminava o caminho e o mais novo insistia em ir na frente, limpando a área para que Jimin pudesse passar livremente.

- Me desculpe por não abrir um portal. – Explicou quando já deixavam as árvores para trás. – Estou com pouca energia e gostaria de reerguer as barreiras em volta de casa essa noite.

Jimin lhe assegurou que estava tudo bem e que só precisavam descansar. Ao passarem pelos portões de sua casa, evitou olha-la, pois sabia que não poderia voltar para lá. Jungkook segurou firmemente em sua mão enquanto caminhavam pelas sombras da cidade cujas ruas estavam quase vazias devido ao horário. Seria melhor os humanos não verem Jimin por algum tempo. Os Park eram relativamente conhecidos e não seria interessante espalharem boatos a respeito do filho falecido da família.

O silêncio pairou entre os dois durante o trajeto. Após a emoção de reencontrar Jungkook passar, o tormento de Jimin retornou de forma incomoda. Não era constante, mas as estranhas vozes e sussurros permaneciam ao seu redor como uma névoa, querendo retira-lo da realidade. Jungkook notara que havia algo errado, mas a postura evasiva de Jimin o fez guardar a preocupação para si. Queria tanto conversar com seu amado, mas aquele não era o momento. Ambos estavam exaustos, precisavam de descansar.

Ao chegarem à cabana de Jungkook, ele insistiu que Jimin apenas se acomodasse enquanto passava algum tempo no jardim reerguendo suas barreiras. Elas eram mantidas por quatro pedras energizadas nos quatro elementos ligadas entre si pela força mágica do próprio Jungkook. Visitou cada uma delas, tocando-as com a ponta dos dedos e sussurrando encantamentos protetores, defensivos e de alerta. Considerando que estava fraco devido aos dias exaustivos, o resultado não foi tão satisfatório. Retornaria a elas no dia seguinte.

Quando retornou a cabana, Jimin havia dado um jeito de fechar as janelas que haviam sido quebradas, rearranjando alguns pedaços da madeira e prendendo as cortinas por cima.

- Ei, bobinho, eu lhe disse para descansar. – Jungkook reclamou, interrompendo-o no processo de tentar encaixar a porta no lugar. Pegou em suas duas mãos e depositou beijinhos nelas. – Vá deitar, eu termino aqui.

- Ah, mas eu devo te ajudar. – Jimin protestou, enquanto Jungkook o puxava aos pouquinhos em direção a cama. A cabana possuía um cômodo só, sendo a cama separada do resto por uma cortina vermelha, a qual o feiticeiro abriu e gentilmente fez com que Jimin se sentasse.

- Sem mas. Deite aí, vou fazer um chá para sua dor de cabeça.

Jimin fez menção de levantar-se, mas foi impedido ao que Jungkook lhe segurou o rosto e depositou um selinho em seus lábios. Surpreso, caiu de volta na cama e encarou o mais novo com os olhos arregalados, este que lhe sorriu travesso e começou a preparar as coisas para o chá. Jimin tocou a boca com os dedos, sentindo-se quentinho por dentro e envergonhado ao mesmo tempo. Não que fosse a primeira vez que seus lábios tocavam os de Jungkook, mas também não haviam sido muitas. Ambos estavam conhecendo seus sentimentos e ainda não entendiam bem a relação que tinham, portanto, quando este contato surgia, Jimin ficava um tantinho confuso. Acanhado, não ousou levantar-se novamente e enrolou-se em uma das mantas da cama, observando com um bico enquanto Jungkook fazia o chá e consertava a porta para passarem a noite. De vez em quando ele olhava para si, checando se estava tudo bem, sorrindo de forma boba como se não pudesse acreditar em sua presença.

A cabana foi inundada pelo suave cheiro do chá de camomila sendo preparado, tal sensação fez com que Jimin relaxasse e seus olhos passassem a pender. Estava quase dormindo quando Jungkook se aproximou com uma xícara soltando fumaça e uma broa com mel por cima. Até então, Jimin não percebera que estava realmente com fome. Seus olhos reluziram, o que trouxe o maior sorriso de satisfação ao rosto de Jungkook. Este sentou ao lado de Jimin, entregando-lhe a xícara e repartindo a broa em pedaços para comerem aos poucos.

- Obrigado. – Jimin agradeceu baixinho, tomando golinhos do chá.

Jungkook simplesmente negou com cabeça, afinal não havia necessidade do outro lhe agradecer por nada. Estava tão feliz por simplesmente tê-lo ali consigo, que seu coração parecia querer explodir em mil pedacinhos. Sempre presara a companhia de Jimin como uma das melhores coisas de sua vida, mas agora tudo parecia diferente. Queria reparar em cada pequeno traço do rosto dele, as marquinhas em sua pele, a curva do nariz e o formato perfeito dos seus lábios. Sabia que devia ter o feito desde o começo, porém diferente de muitas pessoas, tivera uma segunda chance e não planejava desperdiça-la.

- Pare de me olhar assim. – O loirinho reclamou com a boca cheia e um bico, após um longo momento de silêncio onde Jungkook não tirou os olhos de si.

Este por sua vez riu baixinho, limpando com o polegar um farelo de broa que estava na bochecha de Jimin.

- Desculpe, você é adorável demais. – Respondeu, adorando ver o rubor subindo as bochechas fofas.

- Você que é. – Jimin respondeu, para a surpresa de Jungkook. – E isso aqui ‘tá bom demais! – Exclamou de repente, como quem quer mudar de assunto.

Jungkook riu e concordou, lembrando dos fracassos que tivera ao tentar aquela receita diversas vezes, apenas por saber que Jimin a apreciava muito. Quando acabaram de comer, Jungkook retirou a louça e rapidamente trocou de roupas enquanto Jimin se acomodava na cama. Quando voltou, após apagar as lâmpadas a óleo, Jimin lhe cedeu um espaço e ele se deitou. Ficaram de frente um para o outro, com poucos centímetros os separando e os pés entrelaçados, como de costume. Conversaram aos sussurros sobre o frio, sobre brigar com Hoseok quando ele voltasse e sobre replantar as flores do jardim. Foi um momento tão precioso, que ao fechar os olhos Jungkook quase pode acreditar que nada de ruim havia acontecido com Jimin, e que tudo estaria perfeito dali para frente. Enquanto isso, Jimin apenas desejava que tudo se resolvesse. Sabia que em breve teria de falar para Jungkook que havia algo errado consigo, mas queria adiar esse momento. Queria prolongar aquela inocente felicidade, afinal ele sofrera tanto quando esteve longe... Não pensaria nisso, pelo menos por algum tempo não pensaria em seus pais e não pensaria naquele imenso vazio que o queria de volta. 


Notas Finais


Sendo bem sincera com vocês, eu demorei tanto porque achei que não ia conseguir continuar a história. Eu tava com medo de começar a escrever e não sair nada satisfatório, além de ter passado por uma crise boba de escritora. Mas enfim, eu gostei um pouco... espero que tenham gostado. Esse cap. foi um pouco mais soft, os próximos talvez sejam menos T^T
Amo vocês, beijos ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...