História Forget The Blood - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias Kasper Schmeichel, Peter Schmeichel
Personagens Kasper Schmeichel, Personagens Originais, Peter Schmeichel
Tags Kasper Schmeichel, Peter Schmeichel, Rússia2018, Traição
Visualizações 31
Palavras 705
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


❤❤

Capítulo 9 - 008


O que acaba de acontecer? É somente o que eu penso quando Peter solta os meus lábios. O olho de forma fixa.

- O que foi isto? - a minha mente está em Kasper. O que raios eu acabei de fazer?

- Algo que desde que vi-te quis fazer mas que preferi esperar. - Peter diz com naturalidade. - Não querias?

O problema é que eu também queria. E quero. Oh raios.

Peter entende o meu silêncio como um sim, e volta a beijar-me. Desta vez com as suas mãos na minha cintura de maneira a prender-me no seu corpo. Coloco minhas mãos junto aos seus cabelos e puxa-os mais para mim.

O toque do meu telemóvel é o despertar da minha realidade. Afasto Peter e pego o aparelho que toca incessante.

- Oi.

A minha voz falha pois Peter aproveita que eu virei-lhe as costas e cola o seu corpo ao meu.

- Esta tudo bem amor?

A voz de Kasper faz-me sentir pior do que eu já estou.

- Sim, está. E tu, como estás?

- Com saudade. - ele fala de um jeito meigo o que provoca em mim um sentimento maior de culpa.

- Acredito. - reprimo um gemido pois Peter começa lentamente a alisar o contornos do meu corpo.

- Estás mesmo bem? Pareces estranha.

Talvez porque eu tenha acabado de trair o que quer que nos tenhamos com o teu próprio pai.

- Impressão tua. Desculpa, eu vou ter que desligar pois tenho que ir. - paro de falar quando Peter beija o meu pescoço. Ainda bem que não está muita gente na rua.

- Ir? - Kasper fala.

- Trabalhar. Vemos nos logo. Beijos.

Nem o deixo falar e desligo logo a chamada. Peter quando compreende que deixo de estar a falar, vira o meu corpo e beija-me novamente.

- Para Peter.

O afasto, com a respiração ofegante.

Ele humedece os lábios e olha-me. Respiro fundo.

- Eu, eu tenho que ir.

Praticamente corro até ao outro lado da estrada. Que caralhos aconteceu? Que merda eu fiz, e porque eu quero tanto isto?

Terceira pessoa

Kasper acaba de chegar com a restante seleção do dia de folga. Ele foi contrariado, pois o que mais queria era ter aproveitado o dia com a mulher que desde a primeira vez que ele a viu, sabia que era a tal. O tipico clichê mas que ele não ligava a isso.

Mal ele pisa no hotel, a intenção é ir até ao elevador e subir até ao andar do quarto dela. Do quarto que agora era deles, onde ele tem passado as noite desde há quase duas semanas. O pedido que ele quer fazer esta pronto e ele só espera uma resposta positiva.

O primeiro passo que dá em direção ao elevador é parado pelo seu pai.

- Onde vais com tanta pressa filho?

Kasper restringe ao máximo a vontade de soltar um suspiro alto.

- Tenho algo para resolver pai. É importante. - ele fala meio rápido.

- Até pode ser mas há dias que não falamos e eu nem vejo-te. Por isso, o teu assunto que espere pois vamos jantar.

Kasper deixa que a sua indignação saia e bufa mas acompanha o pai. O restaurante é uns metros mais à frente. Eles entram e sentam-se na mesa já reservada. Fazem o pedido ainda no completo silêncio entre os dois.

- Porque andas desaparecido filho?

Peter pergunta enquanto pega o copo à sua frente.

- Eu conheci uma mulher pai. Eu estou apaixonado.

Peter transparece a surpresa. Sorri ao mesmo tempo que o filho explica o que sente. Para ele é ótimo sentir que o seu menino, mesmo que já adulto descubra o amor.

- E ela retribui isso filho?

- Eu acho que sim pai. Nos temos dormido juntos todas as noites. Ela é incrível e tão meiga.

- Espero que ela não brinque contigo nem tenha a ideia de magoar-te.

- Eu também pai.

Os dois apreciam o prato por alguns minutos em silêncio.

- Mas tu também andas mais alegre pai. Desde que o divórcio com a mãe que não via esse sorriso.

- É por duas razões filho. Primeiro estou contente por ti. E depois, eu também encontrei alguém.


Notas Finais


Beijo ❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...