História Forgotten Memories... - Capítulo 1


Escrita por: e NonameHell

Postado
Categorias Undertale
Personagens Alphys, Asgore Dreemurr, Asriel Dreemurr, Chara, Flowey, Frisk, Gerson, Grillby, Mettaton, Muffet, Napstablook, Papyrus, Personagens Originais, Sans, Toriel, Undyne, W. D. Gaster
Tags Chans
Visualizações 21
Palavras 1.110
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishoujo, Bishounen, Comédia, Drabble, Drabs, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Fluffy, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Shonen-Ai, Shoujo-Ai, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 1 - Olhos rubros.


Fanfic / Fanfiction Forgotten Memories... - Capítulo 1 - Olhos rubros.

 Estava um lindo dia lá fora, pássaros cantando, flores desabrochando. Era o primeiro dia de aula depois de quase um mês e meio de férias. 

Muitos estavam animados e outros completamente te tristes ou cheios de sono, não era atoa, afinal, era plena segunda-feira às 6:30 da manhã. Ninguém gosta de acordar cedo não é? Ainda mais adolescentes que nem se quer chegaram na faculdade. 

 Então, pouco a pouco os estudantes iam chegando, acompanhados ou sozinhos, com seus amigos ou irmãos. O importante é que eles estavam chegando. Havia um grupo de novatos naquele semestre. Vários humanos mas um único monstro, que se chamava Sans, Sans Skeleton. Um comediante de piadas ruins mas um ótimo amigo e irmão mais velho.

 O dia continuou, as aulas foram passando monótonamente. Sans, infelizmente, não conseguirá uma dupla pois a sala estava com um número ímpar de alunos. Ou seja, ninguém sentava ao seu lado, ele não tinha um colega de quarto, era apenas ele e o nada. Com o passar dos dias, Sans rapidamente foi fazendo amigos. Mas ele tinha uma sensação estranha, uma sensação que ele carregava desde a hora que levantava até a hora em que ia dormir, era uma sensação de observação. 

Por algum motivo ele se sentia observado... Um de seus amigos mais recentes foi um garoto chamado Asriel. Ele era filho único da família Dremmurr, até que ele era legal. E ele apenas se tornou amigo de Asriel por causa de Frisk, uma outra amiga sua. 

                                [•••] 

 Logo no início das férias, durante uma viagem de ônibus até sua casa com Frisk - Que também pegará aquele ônibus para casa- Sans avistou uma desconhecida na rua, mas o que lhe chamou atenção fora o fato de seus olhos serem vermelhos, os mais puros vermelhos escaralates que já havia visto em toda sua vida.

 Ele viu apenas de relance o rosto daquela jovem, no entanto, sentiu como se a conhece a tanto tempo, sentiu afeto por ela de certa forma. Foi uma sensação tão estranha mas confortante. Mesmo após tudo aquilo, Sans continuou dentro do ônibus, esperando com que seu ponto chegasse logo para que pudesse ir para casa. 

 A mente do garoto estava um pouco embaralhada. Quem era ela? Por que está sensação? O que foi aquilo? Ele se perguntava. Sans queria reencontrar aquela garota novamente, queria saber quem ela era. Pela primeira vez em anos ele sentiu como se sua memória tivesse sido reiniciada ou apagada. Querendo ou não, aquilo poderia ser o início de uma história. 

Uma história de amizade, ódio, aventura ou até mesmo amor. Por que afinal, até demônios podem amar. 


 - Enquanto isso com Sans -


 Durante todo o percurso do ônibus, o albino estava com o vermelho dos olhos daquela desconhecida em sua mente. Sem dar sinal de que ia se esquecer tão cedo. Quase meia hora após encontra-lá, Sans havia chegado em casa. Entrando lá, ele se depara com seu irmão Papyrus na cozinha, provavelmente cozinhando. Vamos apenas dizer que ele não era o melhor cozinheiro que se viu na vida mas, não se tinha do que reclamar.

 - Cheguei! - Exclama Sans, fechando a porta atrás de si. 

 - Oh, olá irmão! - Papyrus o comprimenta. 

 - Onde está o pai? -Questiona o mais velho. - Papai está no escritório dele resolvendo alguns assuntos. Poderia o chamar para comer? O almoço está pronto! 

 - Ah, claro. Daqui a pouco volto. - Diz Sans subindo as escadas, praticamente pulando de 2 em 2 degraus. Ele joga a mochila em um canto qualquer de seu quarto e vai até o escritório de seu pai. O famigerado, W.D Gaster. 

 Já na porta do escritório de seu pai, Sans respira fundo e então bate na porta.

 - Pai? Posso entrar?- Questiona Sans antes de abrir a porta. 

 - Ah sim, mas é claro meu filho. -Afirma Gaster arrumando a bagunça em cima de sua mesa, enquanto Sans abria a porta. 

 - Papyrus disse que o almoço está pronto. Ele pediu para o senhor descer para almoçar. - Já estou descendo. Só.vou terminar de resolver isso.

 - Ta certo então. -Diz Sans saindo e fechando a porta atrás de sí. O garoto volta para seu quarto e pega um conjunto casual de roupas.

 Era uma regata branca e uma calsa moletom preta. Junto a isso ele pegou uma cueca e foi para o banheiro tomar um banho. Poucos minutos depois ele sai do banheiro já trocado e vai para seu quarto, lá ele calça um par de meias e um tênis preto. Ele rapidamente vai para a cozinha onde pega seu almoço e se senta a mesa junto com Papyrus e Gaster. 

 - Então Sans. Como foi a escola hoje? - Gaster questiona, apenas para quebrar o silêncio durante o almoço. 

 - Normal... Eu acho... - Diz Sans sem muito interesse. Até aquele instante ele nem se quer havia tocado na comida, apenas "brincando" com ela com o garfo enquanto apoiava sua cabeça a seu braco. Que se apoiava com o cotovelo na mesa. 

 - Como assim acha? - Papyrus pergunta confuso. Sans suspira enquanto sorri de canto de boca.

 - Hoje, enquanto eu estava no ônibus... Eu vi uma garota que. Por algum motivo. Me chamou a atenção de uma forma que nem sei explicar. - Diz o garoto soltando o garfo e colocando suas costas no apoio de trás da cadeira. 

 - Hum. Isso é interessante, quem é a azarada? - Pergunta Gaster em tom de brincadeira, Sans ri curtamente.

 - Eu não faço a mínima ideia. Ela estava do lado de um ponto de ônibus que faço no meu percurso pra cá. 

 - E como era essa garota? - Papyrus pergunta ainda mais curioso. 

 - Cabelos castanhos claro, bochechas rosadas, pele clara e.... 

 - E? - Gaster aguardava a resposta de seu filho. 

 - Olhos tão vermelhos quanto os rubis mais lindos já vistos....- Papyrus abre um sorriso carinhoso, feliz pelo seu irmão. Enquanto Gaster "congelou". 

 - Olhos... Vermelhos?- Gaster questiona com desconfiança. 

 - Sim... - Diz Sans em um suspiro alegre. 

- Não vá ficar como uma garotinha apaixonada Sans, Nhahaha - Papyrus brinca um pouco com a situação.

- É claro que não vou ficar assim Papys, não sou como você e Mettaton.

O celular de Sans apita. Quebrando toda  conversa. O albino olha o celular, se levanta rapidamente e pega seu casaco na cadeira.

- Bem, tenho que ir, até! - Sans acelera o passo até a porta e vai embora, deixando os dois para trás. 

Ele havia marcado de se encontrar com Frisk e Asriel naquele momento. Tinha algo que Asriel precisava contar e precisava de ajuda com " eles ".


Notas Finais


Continua

(~ •-•)~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...