1. Spirit Fanfics >
  2. Frankenstein (Yoonmin) >
  3. As tarefas

História Frankenstein (Yoonmin) - Capítulo 7


Escrita por:


Notas do Autor


Esse capítulo ficou muito fluffy, meu Deus, eu não sabia que era capaz de escrever coisas tão fofas sjsjsjs
Espero que gostem e que essa fanfic esteja deixando o coração de vocês quentinho, assim como deixa o meu. Iti, não quero que ela acabe nunca, então se preparem para ler uns 100 capítulos hehe
Boa leitura, meus ursinhos panda (tô muito fofa hoje, credo) e até as notas finais.

Capítulo 7 - As tarefas


O almoço ocorreu sem maiores acontecimentos. Algumas novidades daqui e dali foram trocadas e no fim, todos se divertiram muito. Quando o relógio marcou cinco da tarde, o casal se retirou com Hoseok e os três retornaram para casa. Quando estavam prestes a entrar, Taehyung os abordou.

 

— Boa tarde, vizinhos. Nossa, o Hoseok está diferente! - ele se aproximou do muro que dividia as casas e sorriu.

 

Sim, estou. Inclusive os meus sentimentos também estão… - comentou secamente e exibiu um sorriso debochado, o que fez Yoongi corar de vergonha.

 

Taehyung arregalou os olhos, o que tinha feito de errado, afinal? Havia cuidado desse robozinho com todo o carinho que vibrava em seu coração e havia se afeiçoado a ele de uma maneira única e especial. Não lhe passou pela cabeça que ele poderia estar com ciúmes dele com o namorado, Jungkook, pois, ao seu ver, a relação entre eles era amigável demais para permitir qualquer envolvimento mais íntimo.

 

— Não ligue para ele, Tae, é a puberdade - Suga interveio.

 

— Não fale assim com o Tae, Hoseok. Ele nos ajudou muito quando precisamos! - Jimin exclamou imperativamente, dirigindo ao filho um olhar repreensivo e insatisfeito.

 

Tá, pai. Perdão, Tae… - ele olhou para o vizinho e esboçou um sorriso sutil.

 

— Tudo bem… se quiser, podemos conversar mais tarde, Hoseok.

 

Ok… pode ser - deu de ombros.

 

Após encerrarem a conversa, os três se despediram do amigável vizinho e adentraram a casa. Min e Park ainda precisavam conversar com o filho sobre o projeto que seria apresentado na segunda-feira.

 

— Filho… preciso falar uma coisa. Você tem consciência de que foi criado para um propósito específico, certo? - Suga se sentou no sofá, ficando de frente para o filho, e Jimin se sentou ao seu lado.

 

Sim, pai, mas o que tem isso?

 

— Bem… o professor de robótica entregou você a nós para que ensinássemos algumas funções a você, mostrando-as para a sala toda na segunda-feira. 

 

Hobi pareceu confuso, ele uniu as sobrancelhas.

 

Sério? Então eu não devia agir como ajo?

 

— Não exatamente, filho. Você só precisa aprender algumas tarefas de casa para nós mostrarmos para a turma na segunda.

 

— É, filho. Você consegue aprender qualquer coisa, vai ser ficha pra você! - o loiro completou, mirando com ansiedade o semblante do jovem.

 

Certo, eu posso fazer isso, afinal, vocês já fizeram tanto por mim! É o mínimo.

 

O casal esboçou um sorriso alegre e agradecido. Convencê-lo havia sido mais fácil do que eles imaginavam. 

 

— Ainda temos um dia antes da apresentação, então amanhã vamos ensinar as coisas que você precisa saber, como varrer a casa, tirar pó dos móveis e cozinhar - Park prosseguiu.

 

Ok, pais. Entendi! Sem problemas.


 

( . . . )


 

No dia seguinte, Suga e Jimin começaram a ensinar Hoseok a executar os afazeres domésticos requeridos pelo professor. 

 

— Primeiro, você segura a vassoura pelo cabo e faz assim - Suga fez movimentos de vai e vem com a vassoura, empurrando a sujeira até a pá que Jimin segurava.

 

Certo. Preciso levar a sujeira até a pá, é isso?

 

— Isso mesmo! - o loiro sorriu. Hoseok aprendia rápido e isso era bem vantajoso.

 

O robô pegou a vassoura e imitou o pai, levando os resíduos até a pá e jogando-os no lixo em seguida. Ele repetiu o procedimento pela sala toda até o chão se encontrar totalmente isento de sujeira. Jimin bateu palmas e olhou na direção de Yoongi.

 

— Ele é incrível! Não tem nenhuma única sujeira nesse chão. Não esperava menos.

 

— Não mesmo, Jimin. Tinha que ser o meu filho - ele sorriu de modo convencido. Provocar Park era um de seus hobbies.

 

O loiro revirou os olhos.

 

— Primeiro, ele é o nosso filho. E segundo, ele herdou a inteligência de mim, é bem óbvio - riu.

 

Parem de brigar, por favor! O que tenho que fazer agora? - a voz de Jung se fez presente e os dois voltaram os olhos para ele.

 

— Vou te ensinar a fazer a comida e Jimin, a tirar o pó. Vamos até a cozinha.

 

Os dois seguiram o moreno até a cozinha, o loiro se sentou numa das banquetas da ilha de mármore e o robô, por outro lado, acompanhou Suga até a extensa pia da cozinha.

 

— Hoje faremos cupcakes.

 

Eu amo doces! Estou bem ansioso - um sorriso de orelha a orelha enfeitou a sua linda face.

 

O moreno riu.

 

— Certo. Aqui temos uma batedeira, - ele pegou a batedeira touch e clicou no botão - vamos adicionar primeiro os ingredientes líquidos e depois os sólidos. Eu vou quebrar um ovo nessa tigela e você quebra o outro.

 

E então, Yoongi bateu suavemente a casca branca contra o mármore da pia, despejando a gema numa vasilha e a clara noutra. Hobi fez o mesmo e não derrubou nenhuma casca no pote.

 

Consegui! - comemorou satisfeito.

 

— Isso mesmo, filho! Agora, a gente despeja as gemas na batedeira junto com a manteiga, com o açúcar e com a baunilha - Min acrescentou a manteiga e Hoseok, a baunilha e o açúcar cristal.

 

Jimin sorriu com doçura, orgulhoso do filho e do parceiro. Aquela cena era adorável e ele não conseguia parar de admirá-los e de pensar no quão sortudo era por tê-los.

 

Yoongi ligou a batedeira e os líquidos foram aos poucos se misturando, transformando-se numa mistura homogênea amarelo pastel. 

 

Assim? - Hobi perguntou, virando suavemente o pote da batedeira na direção do pai - Já posso desligar?

 

— Sim, agora vamos colocar a farinha, o fermento e o bicarbonato de sódio. 

 

Suga acrescentou o fermento e o bicarbonato enquanto o filho despejava cuidadosamente a xícara de farinha no recipiente preto. O robô ligou novamente a batedeira e os dois assistiram os líquidos se fundirem com os sólidos. No fim, a massa ficou lisinha e bem bonita.

 

Nossa, nem acredito que deu certo!

 

— Agora vamos levar ao forno e depois vamos rechear com um doce de leite que tenho aqui na geladeira, que tal?

 

Ótima ideia, appa Suga!

 

O adolescente ajudou o moreno a colocar as forminhas de metal no forno e os três ficaram palestrando alegremente enquanto as massas não adquiriam uma consistência macia e fofinha. Em menos de 20 minutos, os bolinhos estavam prontos e eles puderam retirá-los de dentro do forno.

 

— Uau, vejo que eu tenho dois chefs em casa. Sou mesmo um homem de sorte! - o loiro piscou brincalhão. O delicioso aroma daqueles bolinhos invadiu as suas narinas - Que cheiro bom. - ele sorriu, se segurando para não roubar um dos bolinhos antes de estarem prontos - Vai ter ganache por cima? 

 

Hoseok riu. 

 

Pai, você parece uma criança falando desse jeito - disse com bom-humor.

 

— Não pude evitar, Hobi. Eu estou doido pra colocar um desses bolinhos cheios de cobertura e de recheio inteiro na boca e fazer a maior sujeira - os seus olhos brilharam, divertidos e carinhosos.

 

Então vai ter que esperar, pai. Ainda precisamos fazer a ganache e rechear! 

 

— É, pode esperar, senhor Jimin! Vamos rechear antes - Suga o provocou com visível bom-humor.

 

O moreno e o robô começaram a rechear os cupcakes com o doce de leite, depois derreteram o chocolate meio amargo com um pouco de creme de leite e cobriram todos os bolinhos.

 

Yoongi pegou um dos bolinhos e esfregou inesperadamente no rosto e nos cabelos de Park, que grunhiu de raiva.

 

— O que você fez? - lançou-lhe um olhar furioso, mas logo começou a gargalhar - Agora você vai ver! - ele se levantou do banquinho no qual estava sentado e pegou um dos bolinhos da bandeja, esfregando-o no rosto de Yoongi e também no de Hobi. Ele não conseguia parar de rir.

 

Ei! - Hoseok fez uma careta e depois passou o dedo indicador pela face, pegando um pouco da ganache com os dedos e levando-os até a boca - Hmm, que sabor bom.

 

Min não conseguiu conter o riso.

 

— Ei, Jimin! Agora também estou sujo de chocolate. - ele pegou um cupcake e mordeu um pedaço - Ficou bom mesmo.

 

— Você que começou, Yoonie - ele fez o mesmo que Yoongi e pegou um cupcake, dando uma grande mordida, apreciando o sabor indescritível da baunilha combinada com o doce de leite e com o chocolate meio amargo.

 

— Tá, é verdade… então eu posso terminar isso também.

 

O moreno pegou o restante da ganache que jazia num pote de vidro e a espalhou pela face do loiro com o auxílio da colher de silicone.

 

— Para, para! - debateu-se inutilmente, porquanto Yoongi continuava espalhando o chocolate pelo seu rosto e cabelo, deixando-os melados.

 

Hoseok gargalhava diante da cena. Ele chegou a chorar de tanto rir, tinha os melhores pais do mundo, estava certo disso. Foi então que o ruivo pegou o pote de doce de leite e se aproximou discretamente de Suga, que estava virado de costas para ele, distraído com Park. Virou, então, o pote sobre a cabeça do moreno, sujando todos os seus cabelos com o doce de leite.

 

— Ei, seu pestinha! - Min começou a perseguir o filho pela casa. Hoseok ria enquanto tentava fugir de seu pai.

 

Park começou a rir tanto que sentiu a barriga doer. 

 

— Obrigado por me defender, filhinho. Você me entende! Foge desse doido.

 

Infelizmente, Hobi era mais ágil, o que já era de se esperar já que ele era exímio em tudo, inclusive nisso. Para tentar alcançá-lo, Min impulsionou o corpo para frente e saltou sobre o robô, fazendo com que ambos rolassem no chão da sala.

 

Jimin quase caiu do banco de tanto gargalhar.

 

— Peguei você!

 

Ah, pai, mas isso não quer dizer nada. Sou bem mais rápido do que você…


 

( . . . )


 

Na manhã seguinte, o casal acordou cedo, afinal havia chegado o dia da apresentação do tão esperado projeto. Min Yoongi colocou uma camiseta rosa salmão e uma calça jeans escura, completando o visual com uma correntinha no pulso e com um pouco de gel nos cabelos negros.

 

Jimin assobiou ao vê-lo tão bem vestido e se aproximou mais dele, colocando uma mão em cada ombro seu e massageando-os em sequência. Yoon envolveu a sua cintura com as mãos e beijou com carinho os seus lábios fartos e com sabor de cereja.

 

— Que gatinho! - disse de um modo malicioso e esboçou um sorriso sedutor - Vou me arrumar também.

 

— O único gatinho aqui é você, Minnie… - sorriu, encantado com a beleza alheia, e piscou - ok, eu te espero.

 

Park se dirigiu até o closet e saiu de lá vestindo uma camiseta polo azul-claro com a gola vermelha e uma calça jeans preta rasgada em ambos os joelhos. Ao terminarem de se arrumar, os dois foram até o quarto de Jung, que dormia profundamente.

 

— Filho, acorde… - Min sussurrou num tom manso enquanto balançava sutilmente os seus ombros de metal.

 

Aos poucos, Hobi foi abrindo os olhos. Ele se sentou na cama e se espreguiçou, encarando os pais com um olhar sonolento. 

 

Vou me arrumar. Estarei pronto em dez minutos.

 

Quando os pais deixaram o seu quarto, a preocupação tomou conta de seu ser. Será que ele conseguiria executar adequadamente aquelas tarefas na frente de inúmeras pessoas que ele mal conhecia? Se ele fizesse alguma coisa errada, Park e Min poderiam reprovar e a culpa seria toda sua. 

 

Um calafrio percorreu as suas estruturas de metal e teve medo, pois sabia que não era como os outros.

 


Notas Finais


O que acharam desse capítulo? Deixem os seus comentários de amor e as suas críticas construtivas, que serão bem aceitas. Até a próxima, bolinhos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...