História Free Yourself. - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias A-HA, Bon Jovi, Bryan Adams, Duran Duran, Europe, Extreme, Guns N' Roses, Helloween, Red Hot Chili Peppers, Skid Row, Van Halen, Whitesnake
Personagens Anthony Kiedis, Bryan Adams, David Coverdale, Eddie Van Halen, Ingo Schwichtenberg, Jon Bon Jovi, Morten Harket, Nuno Bettencourt, Personagens Originais, Rachel Bolan, Steven Adler
Visualizações 5
Palavras 1.155
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá!, eu ainda não sei se manterei está fic, preciso de um feedback para saber se devo continuar ou não, não estou mendigando comentários ou favoritos, estou apenas querendo saber se devo ou não continuar com esta fic, então se puderem me dar este feedback, eu ficaria muito grata!

OBS: postei pelo celular, então peço desculpas se houver erros de formatação ou de digitação.

Capítulo 1 - Avery: um pouco de sua vida.


  Ninguém jamais disse que a vida é fácil e sempre maravilhosa, mas sempre achamos que não pode ser tão ruim assim, que basta saber tecer um caminho cheio de amigos alegres e tudo dará certo. Avery Creshweell, uma escritora iniciante, achava que era assim, que bastava sempre ver o lado bom da vida  e ter uma verdadeira amizade e tudo daria certo, mas com o tempo e com a maturidade ela percebeu que não é bem assim. Mesmo com apenas 21 anos ela já passou por bastante coisa e cada vez odeia mais ainda os seres humanos e seus atos. A única pessoa que ainda não traiu sua confiança é a sua amiga de infância, Destiny Splenct, que apesar do nome está mais perdida na vida do que cego em tiroteio.

     Avery mora sozinha deste seus 15 anos, teve que amadurecer cedo depois da morte de seus pais em um acidente automobilistico. Ela chegou a passar alguns meses com alguns parentes depois do fatídico acidente, mas não se sentia livre para realizar suas próprias escolhas e então se mudou, conseguiu um emprego em uma editora como secretária e em seguida começou a escrever pequenos pensamentos em um caderno, que logo percebeu que seria uma boa história. Avery não é uma escritora de best seller, escreve apenas pequenas historietas para o jornal, que nem sempre são impressos. Mas não é apenas isto que afligem todos os seus dias, há muitas mais coisas que a deixam de cabelo em pé diariamente.

      Destiny concorda em partes com sua melhor amiga, Avery, mas ela consegue ver que tudo que acontece com elas apenas as deixam mais fortes e mais experientes para encarar a vida. Mesmo não conseguindo se manter por mais que seis meses em um emprego, ela sempre estar sorrindo.

-A editora rejeitou meu livro, passei meses escrevendo e eles simplesmente me disseram que não é bom bastante, que preciso colocar mais vida e emoção, usar minhas experiências no livro. -Avery está sentada na varanda de seu apartamento, encarando o horizonte. -Se eu usar minhas experiências, as pessoas vão chorar e nem como livro auto-ajuda poderá ser titulado. -Avery olha para sua amiga, que está sentada no chão da sala comendo uma fatia de pizza.

-Poderia escrever um livro de auto-ajuda e dizer as pessoas para que nunca repita os seus atos. -Destiny saboreia sua pizza e nem ao menos nota que Avery  lançou uma almofada em sua direção.

-Você é uma péssima amiga, não sei como ainda abro a porta para você. -Avery se levanta e senta ao lado da amiga e pega uma fatia de pizza e enche de maionese. 

-Você me ama, eu sou seu Destiny. -Destiny faz sua piada registrada, sempre brincar com seu nome um tanto incomum.

-Você é o meu castigo, isto sim. - Avery se levanta e vai até a cozinhar pegar um copo de suco.

 -Mas voltando ao assunto, o que vai fazer sobre o livro? -Destiny vai até a pia da cozinha e lava as suas mãos.

-Eu nem sei o que vou fazer amanha, imagina o que fazer com algo que passei meses planejando. -Avery se escora na porta da geladeira fechada e toma alguns goles de seu suco.

-Não se apresse, relaxe e coloque  as ideias em ordens. -Destiny senta em cima do balcão da cozinja e observa sua amiga.

-Se me mandar meditar de novo ou algo do tipo, eu vou te empurrar escada abaixo. -Avery revira os olhos e dar as costas a amiga para lavar a louça.

-Que mau humor, está de TPM? -Destiny gargalha e logo segura o riso ao ver a cara nada feliz de Avery.

-TPM? Escrever livros paga meu salário, sem ele não pago o aluguel, a água, o condôminio e todas as outras contas. -Avery seca as mãos no pano de prato depois de lavar as louças sujas.

-Eu te ajudo a modificar o livro. Resume ele para mim e eu te ajudo. -Destiny pula do balcão e olha feliz para a amiga.

-Se minha amiga nem ao menos se interessou em saber do que se trata meu livro, nem quero pensar nos leitores. -Avery encosta suas costas na porta da geladeira e escorrega até o chão.

-Você sempre soube que ler não é o meu forte, então não me use como exemplo. -Destiny senta ao seu lado.

-Ah Destiny, por que tudo sempre tem que dar errado para mim? -Avery esconde o rosto entre suas mãos e solta todo o ar preso nos pulmões.

-Isto só vai lhe deixar mais forte e quando...- Avery interrompe a amiga, por que já sabe de cor e salteado os argumentos da amiga.

-Olha, eu preciso ir embora, me liga se precisar de qualquer coisa. -Destiny se levanta do chão e é seguida pela amiga até a porta.

     Sozinha, Avery se joga no sofá e encara o teto por longos minutos, sem nada pensar, apenas realmente observado o teto branco e sem graça. Minutos depois, ela resolve tomar um banho e ir dormir, não terá nenhuma solução para seu livro mesmo, pelo menos não neste momento.

                        ....

-Use suas experiências, der emoção aos personagens, der personalidade a eles. -O redator de Avery anota em uma folha de papel algumas coisas para ajudá-la a melhorar seu livro.

-Tente entender, se eu colocar minhas experiências neste livro, as pessoas vão se debulhar em lágrimas e eu serei processada por deixar toda uma cidade deprimida. -Avery brinca com um clips de papel em sua mão esquerda.

-Você sempre diz isto, mas nunca realmente conta sua história de vida. -O redator ergue seus olhos da folha de papel e encara a jovem.

-Isto condiz apenas a mim. Não quero e nem me sinto avontade de falar sobre minha vida pessoal em meu local de trabalho. -Rebate Avery sem retirar os olhos do clips de papel.

-Avery, não seja tão rude, talvez ajude a superar o que tanto lhe afeta se se abrir com alguém. - O redator entrega suas anotações a jovem.

-Minha vida, minhas escolhas. -Avery pega as anotações e sae da sala de redator.

      Avery não é rude, ela apenas tem opiniões fortes e que muitas vezes são mal compreendidas. Mas ela não se importa em ser tajada de mau humorada, desde criança sempre se importou apenas com suas opiniões, pois sempre entendeu que a vida é sua e ela age da maneira que bem entender, pois apenas ela sabe de suas lutas diárias e o que ou não melhor para ela. Mas ela nem sempre foi tão fechada e desconfiada assim, mas algumas pessoas, uma em especial, maguou duramente seu coração e por decisão própria resolveu não se abrir tão facilmente com as pessoas ao seu redor, nem mesmo sua melhor amiga, Destiny, sabe tudo sobre ela, o que frusta a amiga, mas ela entende a exclusão de Avery. Afinal, as experiências podem sim mudar a maneira que uma pessoa encara a vida.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...