História Friamente Valente - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Frozen - Uma Aventura Congelante, Valente
Personagens Angus, Anna, Elsa, Kristoff, Mérida, Olaf, Rainha Elinor, Rei Fergus, Sven
Tags Brave, Conto De Fadas, Elsa, Elza, Frozen, Merida, Merielsa, Olaf, Princesa Anna, Romance, Valente
Visualizações 73
Palavras 2.780
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Aventura, Crossover, Famí­lia, LGBT, Literatura Feminina, Magia, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Então estamos diante do nosso último capítulo, foi muito bom escrever essa história, espero que tenham gostado de ler. Obrigada a todos que acompanharam e comentaram, significa muito pra mim ❤
Então boa leitura para vocês e até a próxima ❤

Capítulo 7 - Quase Felizes Para Sempre


A manhã mal começa e já é cansativa para Elsa, assim que levanta de sua cama e se lembra da noite anterior, seu peito aperta. Ela olha ao redor do quarto e como se combinasse com o seu humor, está tudo congelado. Ela se lembra de outras vezes que congelou coisas sem perceber, mas essa parecia a mais dolorosa das causas, pelo menos agora.

(Música A Banda Mais Bonita da Cidade - Boa Pessoa)

*Voz de Elsa

Se você dormiu bem

Se você comeu bem

Se você quer o bem

De uma boa pessoa

Nessas manhãs de frio

Quando a geada pinta a grama

E o azul do céu é de uma beleza que caçoa

Quando o nada, nada te faria tirar o pijama

Não fosse o vento que vai lá fora

É a voz do teu amor que chama agora 


Enquanto isso no quarto de Mérida, tudo o que a ruiva poderia sentir era arrependimento. Se comportou como uma criança na noite passada, ela pensou que resolveria as coisas se trancando no quarto? Conversar sempre foi a melhor opção, ser estúpida não estava em seus planos -

*Voz de Mérida

Se você dormiu bem

Se você comeu bem

Se você quer o bem

De uma boa pessoa

Quando o nada, nada te faria tirar o pijama

Não fosse o vento que vai lá fora

É a voz do teu amor que chama agora


Mérida toma a decisão de ir até o seu amor verdadeiro, então abre a porta e o que encontra do outro lado é a melhor coisa que poderia -

-E você vem. - ela continua a música.

-E você vem. - Elsa a acompanha para no final dar um passo à frente e abraçar a ruiva.

O momento parecia perfeito de várias maneiras, as duas tinham seus olhos fechados e pesos enormes tirados de suas costas. O amor pode parecer difícil em certas situações e o pior disso é que não se há um manual de como amar, de como resolver os problemas do amor.

Quando tudo parecia resolvido e suas almas pareciam limpas e seus corpos confortáveis na companhia um do outro, as duas moças escutaram um som forte de porta abrindo. Elsa já sabia do que se tratava, alguém já havia a informado nos corredores sobre a volta dos homens que foram conferir a história de Mérida.

-Eu te amo. - a loira diz antes de se afastar do abraço - Eu prometi que te deixaria ir se sua história fosse confirmada. Você está livre para ir, princesa Mérida.

Elsa se afastou rápido antes que suas lágrimas fossem visíveis. A ruiva queria dizer algo, mas a outra já estava longe o suficiente.

Junto com os homens de Elsa, Mérida reconheceu alguns dos guardas de seu pai, provavelmente para garantir sua segurança. A ruiva acompanhou os homens para fora do castelo, Angus estava devidamente ao seu lado e não parecia totalmente satisfeito com a despedida. Antes de sair Anna veio os ver, Olaf lhe deu um abraço e até Sven e Kristoff pareciam sentidos com a sua partida. Mas Elsa não apareceu, certo momento Mérida pensou vê-la na janela de seu quarto, mas era mais provável que sua mente estivesse criando algo para se sentir menos rejeitada. Ela não entendia, se sentiu tão ofendida quando Elsa a pediu que ficasse, mas agora que a loira a deixou ir, parecia tão mais dolorido.

Mérida recuperou suas armas e seguiu os homens a cavalo, depois fizeram o caminho a barco. Foram quatro longos dias de viagem, quatro dias em que a ruiva se sentiu sozinha e desamparada. Quando finalmente chegou ao reino, se apressou em abraçar seus pais. A princesa que sempre foi tão forte e independente, se sentia vulnerável e chorosa.

Fergus e Elinor prometeram que evitariam a retaliação ao reino de Elsa, a pedido de sua filha, os dois deixaram que o mal entendido passasse sem devolver com violência. Dias se passaram e era notável o desconforto de Mérida em certas ocasiões, ela não saía para cavalgar ou brigava com os irmãos pela sobremesa.

-Filha, como se sente? - Elinor diz entrando no quarto da primogênita - Só comeu metade do seu jantar, isso é realmente preocupante.

-Apenas sem fome. - a mais nova disse observando a lareira.

-Não minta para mim, sei que algo está acontecendo desde que voltou do reino do leste. - a rainha diz saiba - E se bem conheço esses sintomas… - ela faz uma pausa com medo de falar algo errado - Está apaixonada?

Eleanor finalmente conseguiu a atenção da filha para si e não pôde acreditar ver seus olhos brilharem. Durante muito tempo a rainha tentou convencer a filha de que era importante ter alguém para amar e finalmente a garota havia se dado conta disso.

-Quem é? - a mais velha disse animada.

-Não importa mais, tenho motivos para achar que não é recíproco. - Mérida diz triste.

-E quais motivos seriam esses?

-Ela me deixou.

Um longo tempo se passa em silêncio antes de Elinor ajeitar os pensamentos e voltar a falar.

-Ela te deixou seguir o seu sangue, filha. - a rainha diz - Ela abriu mão de seu amor para que você seguisse seu destino, é uma grande prova de amor.

-Você acha?

-Claro que sim, seja lá quem ela for, te deixou livre para tomar sua decisão. Estou errada?

Mérida pensou por um tempo, sua mãe estava certa. Elsa disse que a amava e mesmo assim a deixou ir, porque seu amor nunca foi prisão, amor é liberdade, a liberdade que Mérida sempre perseguiu.

-Está certa, mamãe. - a garota sorri e abraça sua mãe.

-Então, será que teremos um casamento? - a mulher diz animada.

-Não seja tão cheia de expectativas. - a ruiva diz fazendo uma careta divertida - Mas terão uma linda história de amor verdadeiro.

-Se você estiver feliz com isso, é o que basta para mim. - Elinor diz acariciando os cabelos volumosos da filha.

Mérida já havia tomado uma decisão quando sua mãe saiu do quarto, mal podia esperar para amanhecer.

*Voz de Mérida

(A Banda Mais Bonita da Cidade - Inverno) *com algumas alterações

Ando a passos largos pela casa

Lembro que um dia estive lá

No inverno dentro da sua cabeça

Sinto sua temperatura baixa

O calor que era te esquentar

O sol com seu olhar cinza de pedra

E agora que tocou a nossa música

Eu tenho que tirar você para dançar

O nosso amor anunciou a outra estação da nossa vida

*4 Dias Atrás

Elsa não se sentia confortável em seu próprio reino, sabia que havia feito a decisão correta em deixar Mérida livre, a garota nunca perdoaria alguém que tentasse cortar suas asas. Mas mesmo que soubesse que era o certo, Elsa não conseguia se sentir menos triste com a partida da ruiva, se lembrar de toda a alegria e aprendizado que Mérida proporcionou a ela desde que chegou a fazia questionar sua decisão.

Sem perceber Elsa estava fazendo o que mais sabia fazer, se esconder. Ela estava se afastando do reino, se afastando dos amigos e da irmã, apenas estava fora do quarto para comer e resolver assuntos reais. Se sentiu mal quando percebeu isso, não queria que Anna sofresse mais uma vez com o distanciamento.

*Voz de Elsa

(A Banda Mais Bonita da Cidade - Inverno) *com algumas alterações

No porta jóias que deixou

Ainda sinto o seu suspirar

E sua imagem me persegue agora

O semblante feliz do teu rosto

Imortalizado sem querer

Ficou no fundo falso da memória

E agora não importa mais se chove aqui

Eu tenho que tirar você para dançar

O nosso amor anunciou a outra estação da nossa vida

***

Mérida se preparava para sua segunda jornada, em menos de um mês. Não sabia o que faria de seu amor com Elsa, mas sabia que precisava conversar com ela pelo menos, o que fariam depois seria decisão das duas.

-Mérida e sua mania de viajar cedo. - Fergus diz se aproximando da filha e depois se dirige à sua esposa - Por que estamos deixando ela voltar ao reino em que queriam a matar mesmo?

-Foi um mal entendido, papai. - a garota diz pela milésima vez.

Quando se prepara para começar a cavalgar, Mérida escuta um som alto de vários cavalos se aproximando. Fergus também escuta e prepara seus homens para um possível ataque. O reino inteiro aguarda os invasores em posição defensiva. Mas quando o primeiro cavalo aparece, Mérida reconhece imediatamente aquelas roupas, aqueles guardas, eram do reino de Elsa e logo atrás uma carruagem trazia a própria Elsa. A ruiva sentiu seu corpo inteiro gelar de um jeito bom, o jeito que só uma pessoa conseguia fazer.

Ao ver a filha correndo em direção à carruagem, Fergus se desarmou e pediu que seus homens fizessem o mesmo. A ruiva se atirou nos braços de Elsa assim que ela desce da carruagem, sem cerimônias.

-Estão todos olhando. - a mais velha sussurra dando um sorriso sem graça.

-Te incomoda? - Mérida quis saber da amada que acenou negativamente com a cabeça.

As duas só se separaram quando escutaram Fergus se aproximar e pigarrear em frente a elas. Elinor também estava com toda sua graça e delicadeza as observando cheia de expectativas.

-Eu sou a rainha Elsa de Arendelle. - a mais velha se apresenta formalmente - Gostaria de conversar com o rei.

Todos a encararam confusas, até Mérida que não fazia a menor ideia do que a rainha estava fazendo.

Fergus, Elinor e Mérida se dirigiram para dentro do castelo sendo acompanhados por Elsa e sentaram em seus respectivos tronos, prontos para escutar o que a rainha tinha a dizer.

-Eu quero propôr uma aliança. - a loira diz - Sei que até agora nossos reinos viveram sem saber a existência um do outro e que uma relação entre eles supostamente não faria sentido. Mas uma aliança seria útil devido à atual situação.

-E que situação seria essa? - Fergus estranhou a conversa.

Elsa olhou nervosa para o rei, depois para a rainha e depois para Mérida que parecia extremamente confortável no seu trono, quem dera que a ruiva se sentisse bem assim no reino de gelo, ela pensou.

-A situação é que Elsa está pedindo a mão da nossa filha em casamento. - Elinor deduziu, recebendo o olhar de todos na sala - Ter nosso reino como aliado tornaria isso mais simples.

-E agilizaria a construção de uma rota direta entre nossos reinos. - a loira disse com suas adoráveis bochechas vermelhas - Tendo uma rota direta, ao invés de quatro dias de viagem, teríamos que viajar apenas um.

Fergus foi pego de surpresa com aquilo, em qualquer outra situação o reino de gelo não se associaria a um povo tão mais "primitivo". Estranhou também o fato de Mérida estar tão focada na loira à sua frente que nem prestava atenção nas reações dos pais, seu bebê estava apaixonado e ele não percebeu.

-E… digamos que eu e Elinor fiquemos velhos demais para reinar, Mérida estará livre para assumir o reino? - o homem perguntou cuidadoso.

-Ela sempre estará livre para fazer o que quiser. - Elsa garantiu - Mas antes de aceitar minha proposta, estou pedindo a vocês a benção para casar com sua filha.

Mérida encarou os pais com expectativa, Elinor reparou o movimento da filha, como se torcesse para que eles abençoassem.

-Tem nossa benção. - Elinor falou pelos dois, mas Fergus concordava plenamente.

A rainha de gelo se aproximou do trono de Mérida, ajoelhando à sua frente e segurando delicadamente sua mão.

-Mérida, princesa do povo das Terras Altas, você aceita se casar comigo?

A ruiva nunca pensou que estaria passando por aquilo, em momento nenhum da sua vida se sentiu apta para um casamento, mas foi só Elsa aparecer e sua cabeça mudou completamente sobre o assunto, atualmente o que ela mais queria era se casar com a loira a sua frente. Mérida se ajoelhou à frente da outra e beijou sua testa antes de dizer um sonoro "sim".

Elsa sorriu como se seu maior sonho estivesse sendo realizado, ela tocou o dedo de Mérida fazendo ali se formar um delicado anel de cristais de gelo. Não poderia ser diferente.


A construção da rota direta foi feita, os homens de Fergus haviam trabalhado duro naquilo e os de Elsa igualmente, todos estavam ansiosos para o dia em que ficaria pronto, até porque seria o dia do casamento. Elsa e Mérida não se viam a quase um mês, que foi o tempo que demorou para ser construída a linha direta de um reino para outro. A construção limitou em apenas doze horas a viagem de um reino para outro, atravessar o rio de barco era complicado e cheio de imprevistos, enquanto através da "ponte", a garantia de uma boa viagem era maior.

Elsa estava suando frio, o que não era tão estranho para ela, mas não era agradável quando seu suor congelava na pele, por isso tentou se manter calma. Durante muito tempo havia planejado aquilo, escolheu seu vestido e suas palavras cuidadosamente, escolheu seus cavalos mais bonitos e pediu que construíssem a carruagem mais detalhista. Agora havia chegado o momento de provar que foi a decisão certa.

O reino estava vazio quando a loira saiu dele em seu vestido e carruagem brancos, todas as pessoas estariam no lugar da cerimônia, ou seja, no meio da rota direta. Ao invés de Elsa viajar 12 horas para chegar às terras altas ou Mérida viajar 12 horas para chegar ao reino de gelo, ambas decidiram que seria mais plausível que cada uma viajasse apenas 6 horas e o casamento fosse feito no meio da mais recente contrução de ambos os reinos.

Seis horas nunca passaram tão devagar, mas Elsa finalmente chegou. Foi recebida com gritos e ovações pelos súditos, tanto do povo do reino das terras altas quanto do seu próprio povo, que agora eram praticamente um só. Sua irmã também estava lá, Anna era com certeza a pessoa mais animada ali tirando a própria noiva. Seus fiéis amigos também estavam no altar, esperando o início da cerimônia. Alguns minutos se passaram e Elsa se preocupou com a ausência de Mérida e seus pais, teriam eles desistido do casamento?

Quando esse pensamento passou pela sua cabeça, ela escutou cascos de cavalo batendo forte contra o chão, alguém estava com pressa. Pouco tempo depois e os cabelos ruivos de Mérida eram visíveis na neblina, ela estava montada em Angus, sem preocupação alguma sobre o vestido branco que usava. A garota parou em frente ao altar e desceu do animal com o seu sorriso mais bonito e seu vestido meio amassado, Elsa sorriu com a cena e minutos depois em carruagens atrás estavam Elinor e Fergus.

O rei havia treinado tanto para levar a filha até o altar e nada saiu como o combinado. A garota havia simplesmente se atirado em frente a eles e chegado antes.

-Está entregue. - Fergus deu de ombros sorrindo, até porque tudo o que importava era a felicidade de sua filha.

Mérida segurou uma das mãos frias de Elsa e elas se aproximaram do padre. Mal estavam atentas ao que era dito, ao invés disso se olhavam com amor e saudades, queriam se lembrar de nunca mais ficar tanto tempo longe. A única parte que ambas escutaram foi "pode beijar a noiva".

Se estavam nervosas? Claro. O beijo de amor verdadeiro sempre foi uma história contada para Elsa e a deixava ansiosa torná-lo real agora. Já para Mérida o único beijo de amor verdadeiro que conhecia era quando caía de cara no chão em alguma aventura. As duas se aproximaram devagar e encostaram as testas delicadamente.

-Eu espero que não congele meus lábios. - a ruiva disse descontraindo.

Elsa sorriu e foi pega de surpresa quando Mérida juntou seus lábios. No início ficaram apenas naquela posição, Elsa com os olhos abertos com o susto, mas logo a sensação se tornou mágica como deveria ser e a loira se entregou, tirando palmas e ovações de todos os presentes.

Eu diria que elas foram felizes para sempre, mas digo a vocês que não foram, até porque o "sempre" das duas ainda está acontecendo.

Mérida nunca se sentiu tão realizada, quando não estava com a esposa, estava pensando nela e quando pensava nela se sentia flutuando. E o que mais ela quereria além de um amor que a fizesse sentir livre?

Elsa era ocupada, suas obrigações como rainha eram cansativas, mas sempre estava disposta a viajar algumas horas até as terras altas, ou esperar a chegada Mérida, raramente dormiam separadas e quando isso acontecia, se viam pela manhã. Além de se sentir incrivelmente bem na presença de sua esposa, havia ganhado três companhias extras no castelo: Harris, Hubert e Hamish. Os garotos eram uma bagunça sempre que visitavam o reino, mas eram também uma ótima companhia para Olaf e uma bela distração quando ela precisava "fugir" de algumas obrigações.

-Achei que não viria. - Mérida disse descendo de uma das árvores na floresta.

-Agradeça aos seus irmãos por mim. - Elsa diz sorrindo e se aproximando da ruiva para lhe dar um beijo de amor verdadeiro, em meio aos muitos que elas trocaram e ainda trocariam ao longo da vida.


Notas Finais


Então, gostaram? Espero que o "felizes para sempre" esteja à altura. Até a próxima história ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...