1. Spirit Fanfics >
  2. Friends >
  3. Poderia ter sido diferente.

História Friends - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Olá anjos, turu poum? Trouxe essa OneShot que ultimamente vem tirando meu sono, espero que gostem.

Capítulo 1 - Poderia ter sido diferente.


 

 

— Yoon, tem mais algo lá dentro de casa? —  Taehyung me perguntou logo pegando a mala de minha mão pondo no porta-malas do carro.

— Acho que já pus tudo aqui. — cocei a nuca com a proximidade do rapaz. 

— Tem certeza? Se depender de você esqueceríamos tudo. — disse sorrindo me deixando indignado.

— Não fale isso como se fosse diferente de mim. — disse risonho tendo a gargalhada do platinado em direção a mim.

Olhinhos espremido conforme as laterais de sua boca emolduravam seu sorriso tão amado por mim me deixaram leve como uma pluma, sua mão foi de encontro com a boca tampando a mesma para que eu não tivesse o deslumbre de seu sorriso direcionado a mim... ou pelo menos eu pensava que era pra mim.

— Você esqueceu a armação da barraca Yoongi. — Youngjae falou pegando a embalagem e acertando minha nuca. — Vamos acampar, como você pode me esquecer a barraca cabeça de vento? —  Youngjae questionou se pondo ao lado de Taehyung e puxando sua cintura pra mais perto de si.

— Jae-ssi não pegue tão pesado com ele, sabe que não foi por mal. — Taehyung chegou mais perto dele e apoiou a cabeça no ombro do rapaz de cabelos negros.

— Caso eu não tivesse lembrado não seria por mal eu deixá-lo dormir encima de gravetos e pedras. — falou irônico.

— Não seria por mal eu esmurrar esse seu rostinho bonitinho. — falei me incomodando com a proximidade dos dois.

— Vai encarar? — Ele falou chegando mais perto de mim com os punhos levantados.

— Vem tranquilo. — falei entredentes.

— Parem vocês dois! — Taehyung exclamou se pondo entre nós e nos afastando enquanto negava com a cabeça. — Será que não dá pra vocês pararem com isso nem por um segundo? 

— Não. — respondemos em uníssono logo nos entreolhando e encarando um ao outro com desprezo.

— Vocês não tem jeito. — Taehyung tocou a testa sorrindo logo sendo chamado por sua mãe.

Iríamos em um acampamento junto com nossos colegas do curso de fotografia, segundo o professor seria bom para nós enturmarmos e capturarmos o melhor ângulo que a natureza tem a nos oferecer. Obviamente recusei de prontidão porém fui aliciado a ir por parte de Taehyung e sua mãe Hwasa. 

— Não esqueça de comer nos horários certos e beber muita água, sem contar no repelente para os insetos e protetor solar. — Hwasa disse de forma acelerada enquanto chacoalhava um dos ombros de seu filho e gesticulava.

— Calma mãe eu vou ficar bem, não sou mais uma criança. — Taehyung falou.

— Sabe que independente da idade você sempre vai seu meu bebê. — Hwasa sorriu e beijou a testa de seu filho.

— Mãe! — Taehyung sacudiu as mãos envergonhado com as bochechas ruborizadas.

— “Vai ser meu bebê independente da idade.” — repeti a frase de forma irônica ao rapaz que estreitou os olhos e estapeou meu braço.

— Você também sempre será meu bebezinho Yoon. — Hwasa disse sorridente e deu um selinho demorado na minha testa.

— Eu nunca reclamei disso diferente de certas pessoas. — sorri e joguei uma indireta para Taehyung que se prontificou a reclamar.

— Ei, eu nunc- — Foi interrompido por Youngjae.

— Sogrinha eu também existo caso não tenha percebido. — disse finalmente se pronunciando perto da mais velha que se limitou a olhá-lo de cima abaixo com desprezo.

— Cuide do meu filho por mim Yoongi. — retirou seu olhar do namorado de Taehyung e disse para mim.

Vi as orelhas de Youngjae ficarem vermelhas e seus olhares assassinos direcionados a mim como se meu corpo fosse pegar fogo. Diferente de Taehyung, eu e Hwasa partilhamos da mesma antipatia a Jae desde o início de seu namoro há dois anos atrás. Sempre soube que ele não era flor que se cheirasse, o único que parecia não percebia era Tae.

— Vamos logo senão vai ficar muito tarde. — disse pegando a chave do carro no meu bolso.

— Até parece que eu vou andar em um carro conduzido por você. — Youngjae disse debochando.

— Então fique aí, vamos Taehyung. — disse simplista abrindo a porta traseira para ele logo em seguida entrando no carro e dando-lhe partida.

Youngjae entrou no carro logo em seguida a contra gosto se sentando ao lado de Tae no banco de trás. Buzinei para a mãe de Taehyung que se despedia freneticamente e segui a rua colocando uma de minhas músicas preferidas no Rádio.

Vez ou outra olhava pelo retrovisor do carro e via os dois conversando enquanto se olhando apaixonadamente e rapidamente desviava o olhar frustrado e sem graça.

Infelizmente aqueles sorrisos apaixonados não eram direcionados a mim e o pior de tudo era que Taehyung nunca se apaixonaria por alguém como eu. Somos amigos. Só amigos há mais de 10 anos.

O conheci na escola quando tinha 7 anos, estava brincando de queimada e acabei por queimar acidentalmente um dos valentões da escola, teria apanhado se Taehyung não tivesse ficado de frente para o rapaz e o confrontasse. Desde aquele dia tomei uma admiração especial pelo moreno — agora platinado. 

Quando me tornei um adolescente e meus hormônios estavam a flor da pele passei a observa-lo de uma forma diferente e sinto que essa tal admiração não era nada mais nada menos do que uma forma de disfarçar o que eu realmente sentia pelo rapaz: Amor.

Infelizmente aceitei esse sentimento tarde demais quando ele já estava perdidamente apaixonado pelo embuste de Youngjae. Pensava que odiava o rapaz simplesmente por ele ter Taehyung pra si e ter tido a coragem que eu não tive mas percebi que ao poucos a máscara daquele ser tóxico ia caindo revelando sua verdade nua e crua.

Na frente de todos eles pareciam o casal perfeito mas eu sempre soube o que  Taehyung passava nas mãos daquele cara, pensei em denunciá-lo por agressão verbal e humilhação contra meu amigo mais sabia que ele não deporia a favor da minha versão. 

Decidi ignorar completamente os dois envoltos em seu próprio mundo e me foquei na estrada afinal estava escurecendo e eu queria evitar tornar esse dia triste para Taehyung. 

Percebi que ele estava impaciente batendo os pés apoio do banco atrás de mim.

— A gente já chegou? — perguntou.

— Estamos quase lá. — falei notando que musica do rádio se trocou para You Belong With Me da Taylor Swift.

Arregalei os olhos e rapidamente troquei a linha vendo Taehyung resmungar e chacoalhar meu ombro pedindo para que eu voltasse aquela música. Engoli o seco e pus a música tentando não focar naquela letra, tendo em vista que aquilo era praticamente impossível para mim.

 

Você está no telefone com sua namorada 

You're on the phone with your girlfriend 

 

Ela está chateada 

She's upset 

 

Ela está falando sobre algo que você disse 

She's going off about something that you said 

 

Porque ela não entende seu humor como eu 

'Cause she doesn't get your humor like I do 

 

Estou no meu quarto 

I'm in my room 

 

É uma típica terça à noite 

It's a typical Tuesday night 

 

Estou ouvindo o tipo de música que ela não gosta 

I'm listening to the kind of music she doesn't like 

 

E ela nunca conhecerá sua história como eu.

And she'll never know your story like I do'

 

Mas ela usa saias curtas 

But she wears short skirts 

 

Eu visto camisetas 

I wear T-shirts 

 

Ela é torcida 

She's cheer captain 

 

E eu estou na arquibancada 

And I'm on the bleachers 

 

Sonhando com o dia em que você acorda 

Dreaming about the day when you wake up 

 

E descubra que o que você está procurando está aqui o tempo todo

And find that what you're looking for has been here the whole time

 

Se você pode ver, sou eu quem te entende 

If you can see I'm the one who understands you 

 

Estive aqui o tempo todo, então por que você não pode ver 

Been here all along so why can't you see 

 

Seu lugar é comigo 

You belong with me 

 

Seu lugar é comigo

You belong with me

Andando pelas ruas com você e seu jeans desgastado 

Walkin' the streets with you and your worn-out jeans 

 

Não posso deixar de pensar que é assim que deve ser 

I can't help thinking this is how it ought to be 

 

Rindo em um banco do parque, pensando comigo mesmo 

Laughing on a park bench, thinking to myself 

 

Ei, não é tão fácil

Hey isn't this easy

E você tem um sorriso que pode iluminar toda a cidade 

And you've got a smile that could light up this whole town 

 

Eu não vejo isso há um tempo desde que ela te derrubou 

I haven't seen it in a while since she brought you down 

 

Você diz que está bem 

You say your fine 

 

Eu te conheço melhor que isso 

I know you better then that 

 

Ei, o que você está fazendo com uma garota assim

Hey what you doing with a girl like that

 

Taehyung cantava a letra de forma animada enquanto sorria e olhava pra mim, sorria sem graça pois tudo a letra da música era tudo o que eu queria lhe dizer naquele momento.

Ao chegarmos no acampamento Jordan’s Lakewood no qual todos nossos colegas de curso estavam sai do carro o mais rápido que pude para respirar um pouco melhor do lado de fora. A noite estava fria e com o céu estrelado, Vi Taehyung se afastar ao lado de Youngjae se dirigindo a fogueira principal onde todos estavam reunidos bebendo e festejando ao som de grandes caixas de som. 

Vi Taehyung sorridente em meio às nossas colegas representantes do Grêmio estudantil Liza e Jisoo e decidi não atrapalha-lo. Nunca fui fã de ficar em meio há um aglomerado de pessoas pois nunca me encaixei assim então decidi armar a barraca.

Já fiz parte grupo dos escoteiros mirins então armei a barraca sem nenhuma dificuldade em uma parte mais afastada do foco da festa, percebi que estava ficando muito tarde e sai rapidamente de lá para chamar Taehyung. Quando fui para fora e caminhei até a fogueira principal ouvindo o som da música me deixar praticamente surdo.

Olhei para Youngjae que se agarrava com Taehyung de forma despudorada enquanto se esfregava no rapaz. Por algum motivo me senti pior do que todas as outras vezes que já tinha presenciado uma cena como aquela. Fiquei sem reação, consegui sentir algo molhado e quente percorrer pelo meu rosto e toquei constatando serem lágrimas que ousavam cair sem minha permissão.

Me dei conta do que estava fazendo e sai correndo o mais rápido possível para algum lugar que me fizesse ficar calmo. Parei de correr perto de uma árvore me apoiando nela e respirando fundo olhando para o céu pontilhado de estrelas contemplando-as.

Deitei-me de costas para a grama e deixei que as lágrimas escorressem pelos cantos dos meus olhos. 

Estava quase dormindo quando ouvi uma movimentação estranha e pelo matagal e abri os olhos assustado vendo Taehyung fungar baixinho.

— Tae o que está fazendo aqui? — perguntei vendo o rapaz se assustar e enxugar suas lágrimas tentando disfarçar seu choro recente.

— N-nada. — falou de forma tímida.  Percebi que o canto inferior do seu lábio estava machucado e de lá saia sangue junto a um corte em sua bochecha.

— O que aconteceu com você? — perguntei chegando mais perto do rapaz constatando que perto de sua boca havia um hematoma.

— Não foi nada. — disse negando virando seu rosto para que eu não visse seu machucado.

— Quem fez isso? — perguntei, ao não obter resposta me levantei abruptamente vendo o rapaz ao meu lado arregalar os olhos.

— O que pensa que está fazendo? — ele segurou meu pulso e perguntou. 

— Se você não me disser eu mesmo vou atrás de quem fez isso com você. — disse determinado vendo ele negar veementemente.

— Youngjae me viu conversando com o Kai que tentava dar encima de mim, ele começou a bater no Kai enquanto os dois rolavam no chão. Eu tentei separar a briga então isso aconteceu. — Apontou para a bochecha e pude ver melhor o machucado.

— Aquele desgraçado! — exclamei furioso.

— Por favor não faça nada. — Taehyung pediu com os olhos cheios de lágrimas.

Sentei-me novamente e consolei o garoto puxando sua cintura pra mais perto de mim ouvindo ele gemer dolorido. Me afastei rapidamente e o rapaz contornou o estômago apertando a camiseta da blusa pra tentar descontar um pouco a dor.

Peguei a barra de sua blusa e tentei puxar vendo sua mão ir de encontro com a minha e negar com a cabeça, o olhei seriamente como se fosse um pedido mudo para que ele me deixasse o ajudar. Sua mão quente saiu de cima da minha então pude levantar sua blusa tento um vislumbre de vários hematomas por sua barriga e alguns cortes.

Arregalei os olhos e olhei para Taehyung que virou seu rosto com lágrimas nos olhos.

— Desde quando ele faz isso Taehyung? — Não obtive resposta — Desde quando? — repeti a frase logo ouvindo sua voz embargada.

— Eu não sou um b-bom garoto, en-então mereci i-isso. — falou me deixando perplexo.

— Ninguém merece passar por algo como isso. — disse baixo tentando controlar aquela forte carga emocional.

— Nunca vo-vou encontrar alguém que ame como e-ele. — falou choroso e decepcionado.

— O que ele sente por você não é amor Taehyung. — Falei.

— Então o que é amor? — perguntou — Ele pode não me amar mais eu amo e não sou forte o suficiente para deixá-lo. — admitiu me deixando boquiaberto.

— Taehyung eu- — tentei me pronunciar mas ele ignorou.

— Não diga nada, você não entende. — falou. — Você nunca entenderia. — o rapaz saiu correndo com o rosto banhado de lágrimas.

Tentei o alcançar o rapaz porém não obtive sucesso.

Depois daquele dia Taehyung e eu nos afastamos gradualmente assim como ele se afastou de tudo e todos. Fui há uma delegacia e estava pronto para registrar um boletim de ocorrência, sabia que poderia conseguir uma medida protetiva pois o exame de corpo de delito apontaria todos os danos ao corpo dele mais por algum motivo não o fiz. Pensei na reprovação que obteria do rapaz e fiquei com medo de cortar nossos laços por completo.

Se eu tivesse denunciado talvez ele estivesse aqui para contar a história, talvez ele viveria mais feliz, talvez ele não precisasse mais se rebaixar mas não, ele não está mais aqui.

Limpei a pedra e algumas folhas que estavam deixando seu túmulo bagunçado e retirei as flores que já se encontravam murchas e pus um buquê de narcisos, eram seus preferidos. 

Já fazia um ano desde que ele se foi. 

 

Em frente ao seu túmulo percebi que se tivesse feito alguma coisa poderíamos ter sido algo há mais do que só amigos.

 


Notas Finais


Não é normal seu namorado te restringir a algo nem que ele bata em você com a justificativa idiota de que isso é amor, porque não é.

Se você está em um ou conhece alguém que passa por um relacionamento abusivo denuncie, você não imagina o poder que uma denúncia pode fazer, você não imagina que sua denúncia possa salvar uma vida.

Espero que tenham gostado e até a próxima❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...