História Friends in a tragedy - Wenseulrene (Red Velvet) - Capítulo 28


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Red Velvet
Personagens Irene, Jeon Jungkook (Jungkook), Joy, Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Seulgi, Wendy, Yeri
Tags Apocalipse, Apocalypse, Bangtan Boys (BTS), Irene, Joy, Lesbian, Red Velvet, Seul-gi, Taehyung, Threessome, Wendy, Wenseulrene, Yeri
Visualizações 39
Palavras 2.202
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Harem, Hentai, LGBT, Mistério, Orange, Romance e Novela, Sci-Fi, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Chegay
Gente, como eu já terminei de escrever a fic, vou passar a postar capítulos todos os dias, espero que gostem ❤

Capítulo 28 - Vocês topam?


Fanfic / Fanfiction Friends in a tragedy - Wenseulrene (Red Velvet) - Capítulo 28 - Vocês topam?

5 meses de ar impuro.


Era bem tarde da noite quando eu, Irene e Wendy estávamos organizando o nosso quarto antes de ir para uma reunião marcada por Joy.

Nos últimos dias havíamos discutido bastante sobre aquela chuva ácida e sua possível causa, que apesar de ter matado os nossos inimigos, nos deixou muito assustados.

— Então é isso que vocês fazem sempre que acontece algum problema ou algo estranho? Se reúnem pra criar teorias? — Wendy perguntou enquanto dobrava os nossos lençóis.

— Quase isso. — Respondi, recolhendo algumas embalagens de bolachas e salgadinhos que tínhamos deixado espalhados pelo chão — Muitas vezes é só para saber as opções que temos para ir a diante após um acontecimento como esse e seguir a mais plausível.

— Preciso me acostumar com tudo isso. — Wendy deu um leve sorriso, lançando um olhar para Irene logo após — E você, não vai fazer nada?

Irene estava debruçada pelo chão em posição fetal enquanto abraçava sua barriga. Todo aquele drama era por causa do símbolo dos Intocáveis, a barra de porcentagem, que tanto ela como Wendy haviam feito no dia anterior.

Como já devem ter previsto, no dia em que as duas resolveram ajudar a gangue contra o ataque dos Iluminados, as mesmas aceitaram fazer parte da gangue. Apesar de não concordarem com certos ideais e Wendy ainda não gostar muito de Joy, aceitaram aquilo para aprenderem a se defender e a defender todos nós durante um momento como aquele, que não foi nada fácil.

Até que elas iam muito bem nos treinos e quase nunca batiam de frente com Joy, a de cabelos vermelhos também estava fazendo o que estava no seu alcance para não tratá-la com indiferença. Apesar de todas as características que as afastavam, nós estávamos passando por um momento que a coisa mais certa a fazer era nos unir e lutar por cada um de nós, como uma equipe.

— Está doendo muito! — Irene fez um bico enquanto levantava sua blusa para ver como estava a cicatrização do ferimento — Eu não me lembro de concordar com isso não!

— É só um machucadinho de nada. — Disse Wendy, rindo de todo o drama de Irene — Nem sangrando está!

— Aish! Você é uma chata. — Irene se levantou do chão para poder nos ajudar — A propósito, por que estamos fazendo essa faxina mesmo?

— Bem... — Wendy cerrou os lábios — Eu não duvido que não vamos passar muito tempo aqui.

— Por que? — Irene perguntou.

— Joy anda muito estranha e preocupada com tudo que aconteceu. — Respondi por Wendy — Ela tem medo que os outros da gangue se toquem que aquela parte que veio nos atacar está demorando muito a voltar e venham até nós... Tenho quase certeza que vamos ter que procurar outro lugar.

— Aish... Eu não aguento mais mudanças. — Irene reclamou.

— Talvez seja pior. — Wendy comentou sozinha.

— Como assim? — Eu e Irene perguntamos em um unísono.

— Bem... — Ela estalou a língua — Deixa pra lá...

Eu e Irene sabíamos muito bem o que Wendy queria dizer, mas preferimos não insistir por ter medo do que sairia de seus lábios logo em seguida.

O que a loira queria dizer era que era bem provável que Joy decidisse colocar o grande plano em ação, aquele que nós iríamos fugir da cidade.

Eu tinha muito medo desse dia chegar, só não sabia que iria chegar tão rápido. Se fôssemos mesmo sair da cidade, isso poderia durar dias, fora que não sabíamos o que nos esperava na fronteira.

Se já não bastasse, ainda tínhamos os Esquecidos para nós atrapalhar e a chuva ácida também. Seria uma grande jornada cheia de obstáculos e nós não éramos nem tão bons assim para lidar contra eles. Não conseguimos nem mesmo derrotar os Iluminados.

De uma coisa eu tinha certeza, no meu interior eu torcia para que Joy decidisse outra coisa, qualquer uma, que não fosse sair da cidade. Entretanto, eu sabia muito bem que se esse plano desse certo, nós teríamos uma vida melhor.

O meu medo mesmo era que nem todos de nós conseguissem passar a fronteira para desfrutar disso.



[...]



Mais uma vez estávamos reunidos no banheiro do segundo andar para uma reunião. O clima estava um tanto pesado e ninguém estava com ânimo nem para fazer brincadeiras irônicas, como Wendy e Joy quase sempre faziam.

Pelo menos eu não ia ter que matar alguém, olhando por esse lado.

Assim que eu e minhas namoradas chegamos no banheiro, todos já estavam lá, inclusive Taehyung com o seu braço enfaixado. Eu fui até o mesmo antes da reunião começar para ver como ele estava.

— Hey. — Falei baixo pra ele, ficando ao seu lado — Como está o ombro?

— Sendo sincero, muito bem. — Ele respondeu — Acho que na próxima semana já posso voltar a treinar.

Lembro como se fosse ontem o dia do conflito com os Iluminados. Taehyung passou praticamente 70% da confusão desmaiado e não teve a oportunidade nem de ver a chuva ácida, apenas ouviu nossos relatos.

Não tivemos tanto tempo de conversar sobre a chuva assim que a luta terminou, nós imediatamente corremos pra dentro do shopping para dar um jeito em Taehyung. Não sabíamos muito o que fazer por não termos experiência alguma na área da saúde, mas segundo Wendy, que foi quem fez o curativo em Taehyung, ele teve muita sorte da bala ter atravessado. Sua irmã sabia bem como lidar com ferimentos, recebendo a ajuda de Yoongi, que tinha mais estômago que qualquer um alí, os dois agiam muito bem para serem os "médicos" da gangue.

— Nada de voltar semana que vem. — Wendy se meteu na nossa conversa — Você precisa descansar mais um tempo, quer que o ferimento abra?

— Aish! Não me faz imaginar isso! — O garoto fez uma careta para a sua irmã.

— Acho bom você imaginar, porque é o que vai acontecer se você não tomar cuidado com esse braço. — Disse ela.

Wendy era a irmã do tipo briguenta e protetora, só que parecia que essas características se dobravam quando se relacionava a Taehyung. Yeri era a irmã mais nova, sim, mas Wendy sempre teve um instinto mais que materno com o de cabelos azuis.

Talvez pelo fato de ele ter tido mais apego aos pais falecidos que Yeri.

De tanto pensar na situação que estávamos no momento e de como estaríamos daqui há um tempo, eu esquecia das nossas vidas antes de tudo isso. Quase era capaz de esquecer do meu pai, da minha madrasta, da minha escola e do meu amor por desenhar. Admito que muitas coisas que aconteceram eu preferia esquecer, mas certas coisas eu ficava abismada ao lembrar que só faziam 5 meses que tinham acontecido.

Como no dia que saí do armário.

Era engraçado, parecia que faziam 2 anos, não apenas 5 meses. Pelo visto, esse tempo me fez amadurecer e mudar bastante, era um fato que eu não queria voltar para antes de tudo isso nem a pau. Apesar de difícil, a minha vida no momento era bem mais cheia de desafios e isso me fazia sempre esperar pelo dia seguinte para ver o que iria acontecer.

— Então, pessoas. — Joy começou a falar, me tirando do meu devaneio e me fazendo prestar atenção em si — Como sabem, há alguns dias atrás uma chuva matou os Iluminados bem na frente dos nossos olhos...

— Só não dos meus. — Taehyung disse baixinho, o que me fez rir discretamente.

— Eu sei que alguns de vocês não tiveram estômago para ver o que aconteceu, mas infelizmente tenho que dizer que talvez, a partir de agora, coisas bem piores aconteçam e é preciso que estejam preparados. — Disse ela.

— Alguém sabe dizer o que diabos foi aquilo? — Jungkook perguntou — Por que as autoridades não estão mais nos alertando sobre o que está acontecendo e sobre o que devemos ter cuidado? Já faz muito tempo que eles não mandam mensagens de voz...

— Não que eu tenha certeza, mas talvez eles tenham visto que não tem solução pra nós e decidiram deixar que tudo mortal aqui, bem... — Wendy fez uma pausa — Nos mate.

— Eu discordo. — Disse Yoongi — Como ficaria a reputação deles? Tenho certeza que muita gente lá fora tinha parentes aqui, eles certamente devem estar protestando e correndo atrás de uma salvação para nós.

— Bem, não temos certeza disso... Já que como sabe, todos os nossos meios de comunicação foram cortados. — Wendy retrucou, seu tom de voz era neutro, nada ameaçador, assim como o de Yoongi.

— Eu sei muito bem como são as pessoas... Devem estar subindo hashtags e criticando o governo por nós, acredite, é pra isso que existem redes sociais. — Disse Yoongi.

— Não importa o que as pessoas estão fazendo ou deixando de fazer lá fora. — Seokjin se intrometeu — Nossa situação está a mesma, senão pior. Eu não duvido que o governo tenha simplesmente cercado toda a área afetada e deixarem os fatores, como os Esquecidos e a chuva, nos matarem.

— É, eu também não duvido. — Também decidi falar — Isso foi a coisa que pensei desde o começo. Pensem comigo, para limpar o ar, reabastecer os estabelecimentos, reconstruir os metrôs, reembolsar pessoas que tiveram seus bens e familiares tirados... Tudo isso leva dinheiro e, certamente, o governo preferiria ignorar nossa situação e a investir tempo e dinheiro em nós.

— Não importa o que está acontecendo lá fora. — Joy elevou sua voz, o que fez todos nós ficarmos em silêncio — A real é, aqui está um pesadelo e não dá pra viver do jeito que tá... Estamos perdendo a nossa sanidade.

— Então que planos você tem pra nós? — Irene perguntou.

— Como sabem. — Joy respirou fundo — Temos um plano final, um plano que consiste em fugir dessa cidade e reconstruir nossas vidas lá fora, custe o que custar. — Ela fez uma pausa — Mas quero que saibam que muitas coisas podem acontecer se vocês toparem.

— Como o quê? — Ouvi Jimin perguntar.

— Bem, caso toparem, muitos ou todos podem morrer, policiais podem nos matar se chegarmos perto da fronteira, Esquecidos podem correr atrás de nós e podemos passar fome e sede lá fora facilmente. — Disse ela — Entretanto, quem decidir ficar, também irá passar por tudo isso, mas o processo vai ser bem mais demorado do que quem decidir agir.

Pela entonação de Joy, era nítido que ela não iria obrigar ninguém a seguir o plano, mas seguiria nem que fosse sozinha. Abaixo dos seus olhos haviam olheiras enormes e ela nem estava usando o mesmo batom vermelho como de costume, aquele era um sinal de que tudo estava desgastando ela e ela já não estava mais aguentando. Ela queria dar um jeito nisso.

Eu admito que estava com medo e só de ouvir que teríamos de seguir aquele plano o meu estômago embrulhava. Todavia, era certo que os fatores externos iriam nos matar se optassemos por ficar, a fome uma hora iria chegar, os Esquecidos uma hora iriam invadir, os Iluminados uma hora iriam buscar vingança e uma hora iríamos enlouquecer.

Naquele momento, com aquela reflexão, eu decidi que queria seguir o plano. Eu preferia estar correndo em direção a algo que eu não tinha certeza se era bom ou ruim do que esperar o ruim vir até mim, era uma questão de vida ou morte.

— Eu topo fazer parte do plano. — Levantei minha mão em meio àquele silêncio opressor, atraindo vários olhares para mim.

Joy e Jin me olharam como se não esperassem aquela iniciativa de mim. Eles sabiam que eu iria aceitar se minhas namoradas aceitassem, mas não faziam ideia que eu teria coragem de topar assim de primeira.

A reação que tive de Jin alguns segundos após levantar minha mão, foi um sorriso orgulhoso. Foi como se eu estivesse provando minha coragem e minha lealdade àquele grupo de pessoas naquele momento, deixando claro que eu estaria disposta a dar minha vida para proteger a deles.

— Eu também topo. — Jin levantou sua mão, espantando Joy que estava ao seu lado.

— Sendo assim, eu e Irene topamos. — Disse Wendy, tanto ela como Irene abriram um sorriso naquela hora.

— Eu também, eu que não vou ficar aqui esperando aqueles Iluminados virem aqui e arregaçarem o meu cu. — Disse Taehyung.

Foi questão de tempo para que Hoseok também topasse, logo Yeri, Namjoon, Jimin, Jungkook e Yoongi. Todos toparam deixar aquela inerte para trás e correr em direção de algo que mais se parecia com uma vida melhor.

Joy ficou orgulhosa com o fato de todos terem aceitado tão facilmente. Provavelmente ela já tinha tido a conversa sobre o grande plano com eles e muitos não tinham aceitado, mas agora estávamos unidos e cientes de que seria pior se ficássemos alí. Nunca saberíamos se daria certo se não tentássemos.

— Então... — Disse Joy, com uma feição animada — Vamos pegar toda a comida que pudermos, pois vamos embora em uma semana.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...