1. Spirit Fanfics >
  2. Friendship >
  3. Capítulo único.

História Friendship - Capítulo 1


Escrita por: e ProjetoSS


Notas do Autor


E finalmente aqui está minha história do desafio realizado pelo Projeto Saint Seiya. Agradeço a @SerenityElian pela betagem da história. Te amo, coisa mais linda <3
Boa leitura!

Capítulo 1 - Capítulo único.


Seus olhos não se mantinham aberto e por essa razão não conseguia descrever onde se encontrava. Uma dor tomou todo o seu corpo o fazendo desmaiar novamente, via luzes e estava sendo levado para algum lugar. Tudo parou e sua vista ficou turva de novo, pode ouvir algumas pessoas falando ao seu redor.

─  Estamos o perdendo ─  falou a misteriosa voz. 

─  Aioros, vai ficar tudo bem! ─  disse a outra voz com um pouco de medo.

Aquela voz era familiar, mas não poderia ser dele. Passaram-se anos desde que não se falavam, porém ele estava ali ou era apenas sua imaginação? Ouviu passos e sentiu ser virado. Uma dor incômoda voltava em seu corpo, gostaria de gritar, mas não conseguia. Foi picado em seu braço e uma máscara foi colada em seu rosto, a fumaça em seu olfato o fez dormir aos poucos e fazendo com que a dor se esvaiasse de seu corpo.

O mundo se apagou em sua frente, com estranhos ao seu redor. Na escuridão de sua mente uma luz apareceu e o fez ver imagens. Os momentos com a sua esposa, Monique. Como a amava, aquela pisciana sempre o chamava de cúpido, como se fosse o mensageiro do amor. Ele ajudava todos os seus amigos com quaisquer que fosse o problema. Era romântica e sonhadora, ela era seu porto seguro. Aioros acreditava que ela era o seu amor e como cupido tinha que recarregar suas flechas sempre.

Tive uma briga feia com ela, por razão de seu meu amigo. Ela dizia que era teimosia, mas ele não via desse jeito. Saga tinha ido longe demais. Pudera ter tido escolha, mas não o fez. Ele estava escondendo segredo de todos em sua família, usava aquelas coisas por causa de sua ex-namorada que sempre o dizia que era a única forma de aliviar todo o estresse. Quando o encontrou pela primeira vez em um beco, completamente fora de si, falava coisas sem sentidos, seus olhos estavam vermelhos devido ao uso incessante da droga. Saga o fez prometer que não falaria nada para a família dele, mas ao passar do tempo foi ficando pior. 

Ele não pôde aguentar mais guarda aquela mentira e contou para todos, porém Saga dizia que era apenas ciúmes dele por razão de Aioros sempre amar a namorada do geminiano, apenas inventou essa história para que ela assustasse e ficasse longe de Saga. Todos acreditaram em Saga, exceto por Kanon, seu irmão mais novo. Realmente para ele, o mais velho parecia diferente. Estava mais agitado, mais nervoso e qualquer coisa o tirava do sério. Em um momento ele decidiu seguir Saga em suas saídas às caladas da noite. Até que o viu usando aquelas malditas drogas. Contou aos familiares e às escondidas com Aioros fez com que Saga fosse levado a uma clínica de reabilitação. Ainda se lembrava dos gritos dele aos ser levado. 

─  Me solte! ─   Ele gritava. ─  Aioros! Isso tudo é sua culpa! Maldito! Eu nunca irei perdoá-lo, jamais! ─  esbravejava com seus olhos tremendo de raiva. ─   MALDITO!

Aiolos tentou, mas sua presença não ajudava em seu tratamento. Passaram-se alguns meses e o amigo não melhorava em momento algum. O Sagitário tentou inúmeras vezes falar com Saga, mas  ele não aceitava a sua presença. Sempre dizendo que não queria ver sua cara. Os meses voaram e a família dos gêmeos decidiram se mudar e graças a isso não pôde mais vê-lo. Anos novamente passaram e ele falava com Kanon por telefone, às vezes. Não perguntava pelo ex-amigo, mas Kanon sempre dizia que ele estava bem. Porém, o geminiano nunca ia atrás dele e por causa disso ele decidiu fazer o mesmo e tocar sua vida. 

Despertou devagar, tudo em sua volta ainda era bem estranho. O cheiro de medicamentos, produtos de limpeza o fizeram perceber que encontrava-se em um hospital. Finalmente abriu os olhos e ver que estava em um quarto, deitado na maca, tentou se mexer, mas uma dor incômoda tomou sua cabeço o fazendo voltar a posição de antes. Ouviu a maçaneta da porta ser aberta e uma mulher passar por ela. 

─  Graças a Deus. ─   Sua esposa o abraçou em prantos. ─  Meu amor… Eu pensei que fosse perdê-lo!

─  Monique. ─  Aioros disse. ─  Meu anjo, ─   ela o olhou. ─  O que aconteceu? 

─  Eu… ─  Ela voltou a chorar novamente. ─   Não importa, meu amor. Você está bem agora.

Os minutos passaram, ela conversou com ele ajudando a fazer o efeito das medicinas passarem. Conseguiu responder as perguntas mais claramente, mas toda aquela conversa, ela parecia esconder algo. 

─  Monique, está tudo bem? ─   ele perguntou. 

─  Sim… Eu preciso ir. ─  disse se levantando. ─  Existe alguém que quer falar com você. ─  Beijou sua testa e sem mais delongas deixou o quarto com um sagitário confuso.

O que tinha de errado? Podia mexer-se, não perdeu membro algum.  E quem era que queria vê-lo? Se perguntou. Talvez mais parentes, afinal estava em uma cama de hospital, todos devem ter ficado preocupados. Aguardou e ouviu o som de algumas vozes vindo do lado de fora, a maçaneta foi mexida, mas a porta não aberta. Passaram-se mais alguns minutos e finalmente quem estava lá apareceu. Seus olhos se arregalaram pela figura em sua frente, mas porquê? O que ele estaria fazendo ali?

─  Olá, Aioros ─  Saga disse. 

─  Saga ─   disse  surpreso. ─   O que você está fazendo aqui? ─  perguntou incrédulo.

─  Vim vê-lo ─   disse baixo. 

Ele estava totalmente diferente de antes. O rosto parecia mais calmo, ainda assim algo o afligia. Os olhos completamente o oposto de anos atrás, suas íris esverdeadas pareciam mais vivas e não beirando a loucura. Seu semblante parecia gentil ao invés de ofensivo e finalmente os cabelos, não eram mais prateados, voltaram a cor normal, azuis-violeta. A postura era ereta e fechada, realmente um homem de negócios, seguiu os passos de seu pai, Aspros. 

─  Olha…  ─   O sagitário começou, mas aquele clima era um pouco desconfortável. ─    Eu…

─  Eu sei. ─  Ele declarou. Puxou uma cadeira e sentou ao lado de seu amigo. ─  Kanon me contou tudo. 

─  Ah, mas é claro ─  falou simplesmente. Ele engoliu seco e voltou a perguntar. ─  Como estão todos? Faz tempo que não falo com seu irmão. 

─  Está tudo bem. ─  ele falava com um pequeno sorriso. ─  Após minha melhora nós ficamos todos mais próximos, parecia de fato um milagre. 

─  E… A sua namorada? ─ questionou Aiolos.

─  Ex. ─   Saga respondeu. ─  Ela foi presa, eu acho. Não dava apenas para mim aquelas coisas, vendia para qualquer um.  ─ Revelou deixando Aioros surpreso. ─  Eu voltei para a faculdade e a terminei, trabalhei ao lado do meu pai e agora ele me quer cuidando das coisas em seu lugar. 

─  Parece que deu tudo certo no final. 

─  É. ─   Afirmou o geminiano. ─  Você acredita que eu me casei e tive um filho? ─  ele falou feliz. 

─  Jura? Vindo de você que sempre dizia que iria morrer sozinho? Eu não acredito! ─  Ele exclamou fazendo com que o geminiano sorrisse. 

─  Sim! Eu a conheci anos atrás em uma viagem a negócios, ela era diferente de tudo. Ainda é diferente e isso me faz me apaixonar mais ainda, mesmo que estejamos casados. ─  Ele o olhou e engoliu a bola que estava em sua garganta. ─  Eu…

─  Pode me dizer o que você está fazendo aqui, Saga? ─ Questionou. ─  Eu sempre tentei chegar perto, mas você me evitava. 

Ele se levantou. Uma hora teria que dizer, mas por tudo que o fez passar, todos brigaram com ele e apontaram o dedo dizendo que estava errado quanto ao estado de Saga. Mexeu em seus cabelos e virou-se para Aiolos. 

─  Vim me desculpar. ─ Confessou. 

─  E acha que só vir até aqui para se desculpar vai fazer com que tudo passe. Acha que não o conheço? é mais teimoso que eu mesmo. Não está aqui porque quer, está escrito em seus olhos… Eu… 

─  Você está certo. ─  Saga o interrompeu. ─  Não sou eu que queria estar aqui. Eu não queira. ─  Ele repetiu. 

─  Então oque faz aqui? ─  perguntou de imediato. 

─  Essa é a pergunta que eu te faço. ─  Rebateu. ─  O que você está fazendo em um hospital?! 

─  Eu não sei! ─   Gritou. ─   Eu não tenho a menor ideia do porque estou aqui e porque ouvi sua voz mais cedo e voltei a pensar em um ex-amigo. 

─  Você estava dirigindo e aconteceu um roubo a mão armada ao lado da rua que você passava, ─   ele começava. ─  Uma bala perdida o atingiu, você ficou esperando socorro e perdeu muito sangue. Foi difícil retirá-lo do carro! Porque não só o atingiu como também um caminhão que vinha contra você. O motorista também foi baleado e arrastou seu carro, você não foi imprensado graças ao motorista ter criado forças e parado o caminhão. 

─  O que...?

─  Você precisava de umas transfusão sanguínea já que tem tipo raro. Kanon não está na cidade e eu não iria ficar parada por razão de uma briga tola! Apenas descobri por meio de meu irmão que você estava aqui e precisava de ajuda… E que iria morrer…  ─  Completou baixo. 

─  Você veio até aqui porque não iria me deixar morrer? ─  perguntou. 

─  Sim ─  ele respondeu. ─ Eu não pensei bem, estou completamente envergonhado quanto ao passado e isso não pode ser mudado por mais que eu queria, mas perder meu amigo? Isso era demais… Eu não conseguia... Está bravo comigo? Dessa vez tudo bem! Eu sempre via como uma forma de me manter longe, mas agora que quase perdi um amigo, um irmão eu não posso mais deixar isso acontecer ─  disse. 

─ Está dizendo que simplesmente quer voltar a falar comigo? Como se nada tivesse acontecido? ─  Questionou olhando para baixo. 

─ Sim e não, mesmo que eu esteja completamente errado ou até mesmo que me odeie, não vou deixar que minha teimosia de criança me faça perder um amigo  ─  respondeu. 

Aioros parou para analisar toda aquela conversa com Saga. O geminiano encontrava-se preocupado com ele. Parou o que estava fazendo e veio no automático até sua presença e ainda o ajudou. Ele não parecia mais o mesmo de antes, estava feliz porque o mesmo estava vivo. Poderia ter recebido de qualquer um a transfusão, mas foi dele. Ele fez questão de o ajudar. 

─  Você é um idiota ─  disse cabisbaixo, mas com um pequeno sorriso em seus lábios.

─  Eu sei, nós dois somos… 

Logo após aquela conversa os dois amigos se perdoaram. A teimosia de ambos era grande, mas não maior que sua amizade. Saga se mudou para a cidade e pôde renovar seus laços com seu meu amigo e também com os outros. Aioros ficou extremamente feliz ao ver que não só ele teve uma vida boa, mas como também seu amigo teve.  
 

FIM.

 


Notas Finais


Obrigada por quem leu até aqui! Beijos <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...