História From Hard to Harder - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias EXO, Lu Han
Personagens Lay, Lu Han, Suho, Xiumin
Tags Bottom!xiumin, Exo, Luhan, Lumin, Metion!sulay, Smut, Top!luhan, Xiuhan, Xiumin
Visualizações 264
Palavras 3.365
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eu quero muito agradecer a todos que deram confiança a história. 40 favoritos em menos de uma semana? Eu tô tipo: "O que está acontecendo?".
Espero não decepcionar ninguém.
Ok, vamos acompanhar a grande jornada do nosso amado Lu Han em busca de seu grande sonho, aquele que ele tem há 5 segundos.

Capítulo 2 - Chinês Pervertido E Coreano Bundudo Espertinho


Primeiramente escreveu um email apresentativo se mostrando interessado na… Entrevista de emprego (?), e em pouco tempo recebeu uma resposta lhe dizendo onde seria feita a seleção para os atores. Depois disso, como o perfeito profissional que era, se dedicou a estudar um pouco mais sobre a empresa que acabara de se candidatar.

Só fez unicamente para conhecer mais a empresa, ok? Mesmo que vez ou outra tenha acabado se esquecendo disso... Mas era porque estava um pouco fascinado pelo trabalho dos seus futuros colegas, sabe?

Ok que sem querer o mouse clicou num vídeo bem interessante chamado “Chinês Safado Gulosos Por Seus Próprios Dedos” e Lu Han sem querer acabou se distraindo vendo a perfeita habilidade de atuação que aquele homem lindo tinha. Mas acontece, não é? Não tem nada de mais admirar o trabalho de alguém, mesmo que sua admiração tenha levado a um pequeno probleminha entre suas pernas e depois sua mão massageando esse pequeno probleminha para ele acabar.

Dessa vez nem mesmo tampou a câmera do notebook como sempre fazia ao… Bem, descabelar o palhaço. Afinal, logo iria realizar seu sonho de ser um ator de filme pornô, então não precisava ter medo de repente alguém hackear a webcam e espalhar suas imagens de quanto homenageou Lay por sua bela performance diante as câmeras [como sempre].

Após pesquisa feita e muitos aprendizados depois — talvez devesse agradecer ao Lay por lhe ensinar bastante —, limpou as mãos, desligou o computador e foi dormir, sonhando em como seria o grande dia. E quando esse chegou, nosso amado chinês não conseguiu tirar o sorriso do rosto do momento em que acordou até a hora que saiu do serviço de manhã, indo diretamente para o prédio dito como do PornHub.

Com um suspiro de determinação, subiu as escadas e foi rumo a porta, que se abriram para ele como se quisessem lhe apresentar um mundo novo.

Se apresentou na recepção e disse o que veio fazer ali, sendo recebido por um sorriso amável da recepcionista que lhe indicou onde seriam as audições. E naquele instante foi quando um pequeno nervosismo o abateu ao atravessar a porta e ver dez candidatos e candidatas sentados nas cadeiras de espera, todos de frente para um cenário em que havia móveis simulando um quarto.

— Vai, Lu Han! Você consegue, cara — Disse para si mesmo ao erguer a cabeça, estufar o peito e se colocar dentro da sala de uma vez, fechando a porta atrás de si com confiança — Sua mãe sempre disse que você era especial, então mostre isso. Não se deixe abater, mano — Se incentivou com a voz bem baixa, ganhando um olhar esquisito de uma garota que o viu falando com si mesmo como se fosse um maluco.

Algumas pessoas chegaram e começaram a organizar mais o lugar, mas apenas meia hora depois é que um homem baixinho de terno engomado adentrou pela porta dupla com um ar sério como se fosse um grande CEO de uma empresa multinacional. O sujeito passou reto pelos participantes e foi conversar com uma das pessoas uniformizadas — duas pessoas para ser mais exato, um homem e uma mulher —, que agora colocava uma cadeira, aquelas parecida com a de diretor de cinema, no centro do lugar e de frente para o cenário.

Como o belo profissional que era, Lu Han passou a estudar aquele que parecia ser quem o avaliaria, o observando dos pés a cabeça para ver qual era daquele cara. Mas parece que acabou exagerando ao olhar para algumas partes que não deveria — o que ninguém podia culpá-lo, afinal a culpa era de quem criava as calças sociais e fazia qualquer corpo dentro delas acabar tendo uma bela parte avantajada. Quando seus olhos desgrudaram da bunda do homem e subiram para o rosto dele, Lu Han acabou por ficar todo corado ao perceber que o individuo notou sua secada pra cima dele e agora o encarava de volta, a expressão neutra e sem mostrar qualquer reação além disso.

Imediatamente o chinês desviou o olhar para tentar disfarçar, passando a virar a cabeça de um lado para o outro bem “sutilmente” para fingir que estava só observando o local e pá. Ao fazer isso, não percebeu quando o homem passou por cada um dos participantes a fim de avaliá-los mais de perto, vendo-lhes o rosto; o que o fez se assustar quando de repente ele estava a sua frente, a cabeça um pouco pendida para o lado. E assim uma pequena vergonha atingiu Lu Han quando o sujeito o olhou de cima a baixo e depois sorriu maliciosamente antes de morder o lábio inferior em tentação.

Mas ninguém pareceu ter recebido a mesma reação, então ele pensou que isso era um bom sinal, né? A vergonha foi pra puta que pariu e logo já estava todo confiante mais uma vez, um sorriso idiota fazendo suas bochechas ficarem bem altas e protuberantes.

— Boa a tarde — O homem disse àqueles que aguardavam, depois de olhá-los um por um — Agradeço a presença de todos aqui. Meu nome é Kim Minseok e eu irei avaliá-los hoje.  — Se apresentou polidamente, exatamente como um profissional responsável, algo que surpreendeu Lu Han logo que esse não esperava por toda essa formalidade… Mas também desde que entrou no prédio só teve isso — Eu irei chamar um por um para fazer a avaliação. Por favor, não fiquem nervosos.

E assim Lu Han ficou nervoso.

A primeira pessoa foi chamada assim que o tal Minseok pegou uma prancheta e foi se sentar na cadeira. Uma moça no primeiro banco se levantou e foi até o avaliador, os dois trocaram algumas palavras e então Minseok chamou com o dedo indicador o homem uniformizado, que guiou a garota até o cenário.

Foi desse jeito mesmo, com todos os presentes no local e tudo.

Assim que eles começaram a encenar um típico momento de briga de casal que levaria ao sexo, Lu Han sentiu suas bochechas arderem em vergonha conforme assistia. Não só por estar olhando tão de perto uma cena daquelas, mas por se lembrar que logo seria ele ali. Aparentemente não era o único, pois dois homens não aguentaram quando a moça começou a pagar um boquete no cara e foram embora, não recebendo nem mesmo uma virada de rosto de Minseok, esse totalmente concentrado no que fazia.

Pacientemente cada pessoa foi avaliada, cada uma com um enredo diferente e com coisas que iam de handjob a 69 de pé. Até que de repente Lu Han ouviu seu nome ser chamado pelo avaliador, e foi aí que seu cu trancou de uma forma que não passava nem WiFi.

— Sr. Lu — Repetiu Minseok, virando um pouco o corpo para trás a fim de ver se alguém tinha se movido.

Agora não tinha mais volta, ele tinha que encarar isso.

“Han, se você consegue superar o final de Naruto, você consegue enfrentar isso”, disse mentalmente para si mesmo enquanto se levantava e fazia seu caminho até Minseok, os olhos encarando o chão devido ao medo. Só quando parou em frente ao seu entrevistador (?), o corpo todo tenso e as mãos unidas em frente a própria pélvis, é que respirou fundo e direcionou o olhar para o homem sentado na cadeira, se deparando com a mesma expressão de quando ele o viu mais cedo.  

— O você prefere? — Minseok perguntou, mais uma vez olhando o chinês de cima a baixo.

Lu Han ficou lá parado com cara de tonto tentando entender o que exatamente o outro quis dizer com aquilo. A pergunta era bem vaga e poderia ser sobre qualquer coisa, mas ele tentou focar em algo relacionado ao pornô, já que, né, ali não era uma empresa de junk food.

— D-Desculpa, eu n-não entendi a pergunta — Gaguejou ao receber uma sobrancelha levantada do avaliador, que aguardava pacientemente sua resposta com os olhos diretamente em si, o que não estava ajudando em nada.

— Gosta de homens ou de mulheres? — Reformulou a pergunta, umedecendo os lábios de um jeito um tanto quando sedutor pela forma que ele olhava o chinês como se esse fosse um bolo que adoraria comer até o último pedaço.

“Talvez todo mundo dessa indústria tenha esse ar pornográfico em si. “

— B-Bem… — Murmurou pensativo, ainda muito nervoso por estar parado na frente de uma pessoa com presença forte — Dos dois… Eu acho...

— ‘Cê acha? — Riu debochado, finalmente desviando o olhar do chinês para olhar para trás sabe-se lá o motivo — Então eu irei escolher para você — Falou direcionando a atenção para o homem a sua frente, um sorriso um tanto quanto sádico desenhado entre os lábios.

Por algum motivo o chinês começou a achar que aquele safado desgraçado estava querendo zoar com a sua cara, pois não lembrava  de ver os outros candidatos sofrerem a mesma coisa que ele estava. Ou talvez seja porque os outros não eram tão tontos quanto ele.

Vai saber.

— Hm… Eu quero muito ver como você seria atuando com um homem — Decidiu Minseok, apontando o dedo para o homem uniformizado parado a alguns metros ao lado da mulher e o chamou com um o movimento de mão — Vá para a cama e já pode começar — Mandou, indicando com a cabeça o cenário.

Ok, fodeu tudo.

Primeiro que realmente não pensou que iria fazer com o homem, logo que todos os outros caras fizeram com a mulher. E como assim ele não recebeu um pequeno roteiro do que fazer? O que ele deveria fazer? Como ele deveria fazer? Ele deveria fazer algo?

— Sr. Lu? — Chamou Minseok durante o mental breakdown de Lu Han, recebendo uma expressão quase de “Socorro” do candidato paralisado.

Se estava na lama, então pelo menos ia tentar usar ela como tratamento de pele. Sem sequer pensar, Lu Han foi até a cama, tirou a roupa bem rapidamente e se colocou de quatro, a bunda empinada para o entrevistador sem qualquer vergonha… Mentira, estava com uma puta vergonha e o rosto totalmente corado provava isso, mas vamos fingir que ele era cara de pau só para fazê-lo se sentir um pouco melhor.

— Sr. Lu, o que você está fazendo? — Indagou o entrevistador em meio as risadas altas preenchendo todo o local, fazendo Lu Han fechar os olhos em constrangimento. Mesmo naquela situação, Minseok não parecia estar rindo dele, a voz séria como antes — Por favor, sente-se na cama — Pediu, sendo atendido imediatamente pelo chinês, que agora foi obrigado a ver os outros candidatos se divertindo com sua desgraça na maior cara dura.

Bem, pelo menos o entrevistador não estava rindo. Na verdade ele até se virou para trás e pediu silêncio na sala com uma voz bem firme e autoritária, assustando as pessoas se contorcendo de rir nos bancos de espera.

 — Faça sua própria história e guie nosso ator, Sr. Lu — Disse Minseok ao retornar sua atenção para o chinês,  que só não colocava sua mão no rosto por achar que estaria se humilhando mais ainda. Lu Han estava bem no estado “Tá ok, tá tudo bem. Isso não é nada, fique de cabeça erguida, garotão” — Não precisa ficar nervoso — Tentou incentivar o candidato, o rosto assumindo uma forma quase amável como se ele não fosse um dos maiores motivos para o outro estar daquele jeito.

Tomando um super tônico de coragem, Lu Han estufou o peito pela segunda vez naquele dia e fingiu confiança — parece que ele esqueceu que estar de bingulin de fora na frente de um bando de estranhos não passava muito a imagem que queria, mas se ele não tá ligando pra isso, quem deveria? —, se levantando e indo até o cara uniformizado parado próximo da mesa de cabeceira.

— Ajoelhe-se e assopre como se fosse uma flauta, bebê — Mandou com a maior marra de badboy, segurando o queixo do homem e fazendo a cabeça dele balançar de um lado para o outro gentilmente. Atônito, o ator olhou para Minseok com cara de idiota, mas de imediato Lu Han trouxe o olhar dele de volta para si — Não permito distrações — Mordeu o lábio inferior, imitando como Minseok tinha feito antes consigo, só que de um jeito bem esquisito que parecia que ele estava a ter um derrame  — Agora vamos logo e me deixe mais duro do que Nokia Tijolão — Por sorte os outros candidatos estavam se segurando para não rirem, do contrário Lu Han teria voltado a estado de nervosismo e não teria colocado as mãos sobre os ombros do homem e o feito se ajoelhar diante de si.

Como um bom profissional — e agora não é sarcasmo —, o ator de verdade ali pegou no pênis do chinês sem hesitar e tentou várias e várias vezes deixá-lo duro, usando as mãos e a boca. Mas parece que o amiguinho de Lu Han não estava querendo colaborar com sua audição.

O coitado do chinês estava tão tenso diante daquela situação, ainda que tentasse esconder com sua atitude de confiante no que fazia — de péssima forma, só querendo frisar —, que simplesmente não ia de forma alguma. Tentou pensar na mulher mais sexy que conhecia, tentou passar em sua mente o vídeo do seu futuro companheiro de trabalho que assistiu durante suas pesquisas, tentou até mesmo pensar na última vez que recebeu um boquete — o que, infelizmente para si, já fazia um bom tempo —, mas simplesmente não ia.

“Vamos, Xiao Lu, você consegue se levantar, cara. Você não estava como um cepo de madeira ontem? Então vamos, cara”, pediu mentalmente ao seu companheiro fiel e mesmo assim não deu.

— Ok, pode parar — Mandou Minseok depois de longos minutos, fazendo Lu Han fechar os olhos em frustração — Por favor, se vista e volte para o seu assento — Pediu com um gesto de mão.

Só para piorar sua situação, o ator que ficou uns dez minutos tentando fazer seu pau enrijecer se levantou — algo que a Minhoca Rei deixou a desejar — e deu um tapinha em seu ombro como se tentasse reconfortá-lo. “Eu acabei de receber a pena de um ator pornô...”, se martirizava enquanto vestia as roupas, querendo mais do que tudo enterrar sua cabeça num buraco e nunca mais olhar na cara de alguém.

Lu Han não conseguia nem mesmo encarar os outros candidatos, que riam de forma discreta para não receberem outra bronca do entrevistador. Ele retornou ao banco que estava durante a espera e escondeu seu rosto entre as mãos, totalmente acabado depois disso tudo.

Minseok então chamou um por um em um canto — pela mesma ordem de antes: de quem chegou primeiro — e começou a conversar seriamente com os candidatos em particular. Dos que estavam ali, apenas três pessoas saíram felizes pela porta.

O chinês foi o último a ser chamado, e quando isso aconteceu, ele não queria nem ver. Respirou fundo, tão fundo que ficou com barriguinha, e foi até Minseok, o rabo entre as pernas e a cara de cachorrinho abandonado — antes fosse pra causar pena, era apenas porque estava chateado mesmo.

— Desculpe informar-lhe, Sr. Lu Han, mas você não tem o perfil que procuramos — Disse de forma direta, a prancheta de encontro ao peito e um ar sério de um profissional competente.

Lu Han não teve reação.

Mesmo depois que saiu automaticamente da sala — seu corpo andando sozinho, pois sua consciência tirou uma pequena folga —, ele continuou com a cara de desacreditado, a boca um pouco aberta e os olhos quase não piscando.

— Eu falhei até pra ser ator pornô — Murmurou pra si mesmo, parado na saída do prédio, o rosto em completo branco.

Ah, mas ele não ia deixar assim. Nem fodendo que ele aceitaria ser negado até pra ser ator pornô! Ator de Hollywood, novela, teatro e de personagem de programa infantil ele entendia. Mas pornô?!

Não que ele fosse expert, mas tinha muitos, mas muitos atores bem piores que ele nesse meio e estavam lá incrivelmente bem. Como ele, Lu Han, não conseguiu?

Nem fo-den-do.

E foi por isso que Lu Han se colocou posto na saída do prédio do PornHub e esperou pacientemente — e bota paciência nisso — por Kim Minseok.

Às exatas 18h10 da noite, o homem baixinho de cabelo loiro deixou a empresa como normalmente fazia com seu carro e quase atropelou um maluco que correu as escadas e se jogou na frente do veículo como se não tivesse amor à  vida.

— Oh cacete! — Gritou Minseok antes de buzinar, o cenho franzido em irritação — Se você quer se matar, vai pular de uma ponte, caralho — Disse saindo do carro apressadamente, passando a verificar se o capô tinha sido amassado pelo homem jogado no chão.

— Me dê uma segunda chance — Lu Han falou assim que se levantou, as palmas das mãos vermelhas por irem de encontro ao asfalto e a roupa um pouco suja pelo mesmo motivo. Estava bem ofegante pela corrida e no momento com dor pela doidice que acabou de fazer, mas foda-se tudo isso e vamos focar na determinação do rapaz.

— Mas hein? — Minseok questionou em branco, uma mão indo parar na cintura.

— Me dê uma segunda chance para a audição — Repetiu o chinês, se recompondo melhor e ficando com a postura confiante, ereto e peito estufado como um soldado do exército.

Minseok suspirou pesadamente, desviando o olhar do outro como se estivesse a pensar por alguns segundos, antes de retornar para o homem de expressão desesperada — algo que não conseguiu esconder nem com suas incríveis habilidades de ator com mais talento que Leonardo DiCaprio.

— Han… Eu posso te chamar de Han, não é? — Disse Minseok, e antes que Lu Han pudesse falar que não, esse continuou — Desculpa, mano, mas você é péssimo.

Um monstro desse merece perdão?

— Qualé, cara! — O chinês insistiu, a cara de dar dó de tamanha era sua infelicidade — Eu faço qualquer coisa! Só me dá mais uma chance, por favor! — Implorou, a ideia de se ajoelhar passando por sua cabeça por alguns minutos, mas para o bem da sua dignidade…

Que dignidade?

É, ele se ajoelhou.

— Ei, levanta… Levanta, por favor — Pediu Minseok, agachando-se um pouco para puxar o outro pelo braço e ajudá-lo a ficar de pé.

O tom que ele usou até que foi gentil, mas para Lu Han era de pena e não por gentileza. Mas e daí? Se ele conseguisse ser ator de filme [pornô] por pena, que seja. Não tem aquela frase da pessoa, cujo nome ele esqueceu, que fala: “Você não se orgulhará de tudo que fez na vida”? Bem, essa parte da vida ele podia muito bem fingir que nunca aconteceu, principalmente para contar aos netos.

— Olha, eu vou te dar outra chance, ok? — Disse Minseok seriamente, criando um grande sorriso de orelha a orelha no rosto do chinês, que quase não conseguia segurar a vontade de abraçar aquele cara, pegá-lo no colo e girá-lo no ar de tão feliz que estava — Já que você estava tão nervoso por fazer aquilo na frente de todos, será algo particular. Só eu e você. — Explicou, o jeito como ele falava parecendo para Lu Han um pouquinho diferente do profissionalismo e mais para um flerte, mas talvez fosse por causa daquela forma que Minseok o estava olhando, novamente como se quisesse comê-lo vivo.

“Acho que quando eu começar a atuar, ficarei com esse mesmo tipo de atitude sem perceber”

— Ok? — Perguntou Minseok para ter certeza, um sorriso sacana surgindo ao redor de seus lábios.

Mas Lu Han mandou esse pequeno detalhe para a casa do caralho e focou em sua segunda oportunidade de provar o quanto ele era ótimo na cama…

Ok, não soou muito bem isso, mas é por aí. Ele ia mostrar suas habilidades, provar do que era capaz e gozar — literalmente e figurativamente? — na cara de todos.

— Ok!

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...