História From nothing, everything has changed ... - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Ação, Kawaii, Shoujo, Yaoi
Visualizações 53
Palavras 2.953
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Ficção Adolescente, Hentai, Lemon, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


YEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE! VOLTEI, VOLTEI COM TUDOWWW! ( se meu notebook não der tiuti de dnv hehe) MAS OQ IMPORTA E QUE EU VOLTEIIII E QUE TEM UM CAP HJ YEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE
Mas e só para vcs n ficarem sem conteudo, e finalmente posso postar o especial de halloween! yeeeeee

Capítulo 18 - Acordando depois do pesadelo


Mas na hora que o chefão empurrou Tatsuma em direção ao fogo, ele o segurou pela gravata o levando junto para a MORTE. (2 kill kkk foi mal mas eu tinha que escrever isso)

-TATSUMA!- Yury grita desesperado, ele cai sentado em cima das pernas – não...

-Yury já... era – Jane diz chorando e coloca a mão no ombro de Yury – Meu Deus não – Marcio também começa a chorar, Yury olha para os capangas que riem de satisfação – Meu menininho... – ele se levanta – ele morreu e a culpa e de vocês – Yury começa a caminhar em direção dos caras, que olham assustado para ele – Vocês MATARAM meu menininho... MEU menininho – os homens pegam suas facas e correm e direção do Yury, que revida cada golpe dado pelos homens umas 20 vezes mais forte – MEU MENININHO MORREU! E A CULPA E DE VOCÊS! POR CAUSA DISSO VOU MATAR UM POR UM!- Quando Yury fala isso todos os capangas saem correndo – sinto muito Yury... – Marcio diz enquanto aperta o ombro de Yury – tudo bem...

Eles se viram e começam a caminhar para sair do parque, todos os três muito deprimidos.

*Tatsuma POV*

-Cof, cof *tossidas* - Como eu to vivo? Á a árvore e oca, olho em volta e a árvore começa a pegar fogo por dentro, preciso sair daqui – cof, cof *tossindo* - que falta de ar começo a acelerar minha respiração mas parece que isso só piora tudo, espera se eu estou vivo... –Há! – o chefão agarra minha perna e eu acabo tomando um susto e automaticamente chuto o rosto dele, fazendo-o cair em cima de um galho enorme que o atravessa – ih! – ele morreu? Acho que sim, mas eu tenho que resolver como eu vou cof, cof evitar minha morte!

Mas, como?! Passo as mãos nos bolsos – As facas! – olho para cima da árvore e vejo que tem uma brecha que eu posso sair! Tudo gira mas, eu tenho que me salvar! Encravo as facas na árvore e começo a escala-la com muita dificuldade me apoiando nos galhos soltos, quase caindo algumas vezes mas sempre que quase caio eu lembro dos meus amigos o que me da forças para continuar escalando.

Com dificuldade consigo chegar lá em cima, pisco algumas vezes minha vista esta turva e ardendo esfrego os olhos e olho para baixo e vejo que se eu não pular vou morrer queimado – e isso ou nada- fecho os olhos e pulo, caio rolando pelo chão me ralando todo, meus pulmões estão cheios de fumaça o que dificulta minha respiração, esta tudo embaçado ,minha cabeça dói muito e minha sinto minha respiração falhar mais ainda, levanto um pouco meu rosto e vejo Marcio, Jane e Yury, estendo minha mão em direção deles, que já estão bem longe...

*Yury Pov*

Suspiro triste, logo o menininho... Ele me protegeu... era para eu ter morrido não ele. Olho para o céu e Jane coloca a mão em meu ombro – Estamos todos tristes... eu intendo, você gosta muito dele, né?- eu respiro fundo e Marcio coloca a mão no meu outro ombro – Yury... como nos vamos contar pros pais dele?...

-ah... *suspiro* eu não sei... – minha voz sai roca, tudo perdeu graça para mim, tudo e sem cor... Sem ele eu não... –vamos logo- digo abaixando a cabeça e andando mais rápido – Yury... – ouço baixinho uma voz fraca – Hãm? – impossível, me viro rapidamente e vejo o menininho não chão – MENININHO!

*Tatsuma POV*

Yury, Jane e Marcio correm em minha direção, Yury se ajoelha e coloca minha cabeça em seu colo – Tatsuma, Tatsuma! – ele me sacode cuidadosamente, pisco lentamente e sinto suas lágrimas baterem em meu rosto, dou uma risadinha e coloco minha mão em seu rosto, minha respiração começa a parar lentamente – Tatsuma! Tatsuma- fico fraco – hé e a primeira vez que você me chama pelo nome... – fico fraco e desmaio... Yury estava chorando? E estranho velo assim... Logo no dia que ele volta, mas isso foi pelos meus amigos.

Eu morri? Abro lentamente os olhos e vejo uma luz forte em meu rosto – Mas que merda e essa – digo baixo, minha garganta dói, como se eu não falasse a anos, esfrego os olhos e percebo que estou em um hospital, me sento na cama e uma das enfermeira me olha e corre para o corredor – ele... ACORDOU! – a moça grita desesperada, hãm? Acordou? Como assim? – você esta com fome? – a enfermeira diz desesperada – Calma moça – digo tentando acalma-la – desculpe, *respira fundo* o senhor quer algo?

-Senhor? Não, não, não me chame assim me sinto velho! Me chame de Tatsuma, e sim e estou com fome, porque?

-Você estava em coma menino, inalou muita fumaça

-OQUE?! Em coma?!- começo a me desesperar – Q-quantos dia eu to aqui?

-calma, Tatsuma- ela diz tentando me acalmar, mas a tentativa e falha, agarro ela pelo jaleco e começo a balança-la -QUANTOS DIAS EU TO AQUI CARALHO!

-U-uma semana- solto a moça um pouco aliviado por não serem muitos dias como eu estava imaginando – meus amigos! Como eles estão?!

-Hmmm... – a moça pensa um pouco – Bom... não veio ninguém aqui?-pergunto ainda com um pouco de esperança - Que eu me lembre não, me desculpe...- suspiro, será que eles me abandonaram?

Me deito novamente na cama e me enrolo no lençol dos pés até a cabeça – sinto muito... você quer comer algo?

-Não... - digo friamente. Ouço os passos da moça saindo do quarto. Me sento novamente e começo a brincar com o caninho que liga o soro a minha mão, ouço passos rápidos como se estivesse correndo é a enfermeira que abre a porta rapidamente – eu errei! – ela grita e eu a olho assustado – errou no que mulher?!

-E-eu, e-ele , v-voce e o garoto que estava em coma certo?!

-calma moça respira – digo na tentativa de acalma-la, ela respira fundo– Bom, eu errei, tinha umas pessoas que viam aqui

-sério?

-Sim, uma senhora, um senhor, um jovem e um garotinho

-ah deve ser meus pais e meus irmãos*suspiro*

-Mas principalmente três jovens, uma de cabelos vermelhos que estava de Maria Chiquinha

-Jane!

-Um de cabelos marrons meio ondulados

-Marcio!

-E um que só foi embora hoje! E um loirinho

-Y-Yury... – meu rosto corou, e a enfermeira sorriu – ele não dorme faz dias e ficou com você desde que chegou no hospital, ele nunca saia do teu lado, na realidade eu achei bem fofo da parte dele hehehe – a moça me deu umas cotoveladinhas e eu ri – queria eu ter um namorado assim...

-E-ELE NÃO E MEU NAMORADO! Ele só e um conheci... ele e um amigo (Ou é FRIENDZONEEEEEEE ou ele AMAAAAAAAAAA o YURYYYY e naum sabe ou naum quer dizer ué) – sinto meu rosto corar mais ainda – Um amigo? Sei... pelo jeitinho como ele tava te tratando sei não hein

-Me tratando? Como? – me endireito na cama do hospital, ela e meio dura mas eu não ligo muito – Sei lá ele nunca saia do seu lado, não dormia ou comia eu achei fofo e ele ainda ficava brincando com seus cabelos que ficam no rosto – a enfermeira se sentou na cama, largando o bloco de notas, passo rapidamente as mãos na cabeça, e percebo que ainda estou de capuz (yeeee....) – Não se preocupe, não tiramos seu casaco, seu amiguinho não deixou hehehe- ela da uma risadinha maligna, estranha, ela me lembra muito Jane hehehe – Tenho outra boa noticia – a moça se levanta e sorri – você ganha alta hoje! Yeeee!

-E mesmo? Que bom, mas a senhora e muito animada hehehe

-Tenho que me manter assim para eu não dormir haha - ela se aproxima de mim e retira o soro do meu braço, me levanto da cama e meu corpo esta totalmente dolorido – você esta pálido

-Sou sempre assim

-E o seu cabelo, esta todo bagunçado

-Também o deixo sempre assim

-Que inveja...

-Do que moça?

-Suas pernas

-Ahhhhh! Pelo amor de Deus moça! A senhorita e linda! E eu não queria ter pernas poxa, sou sempre assediado... e eu sou um garoto e meio estranho, bom tirando que eu sou a estranheza em pessoa hehe – ri sem graça e a moça sorriu – obrigada garotinho

-Ow, garotinho? quer dizer que esta me chamando de baixinho e?

-Hahaha não, não – Ela me entrega minhas roupas (tirando o casaco que eu já estou vestindo) saio do quarto.

Me visto e saio para assinar os documentos. Despeço-me da enfermeira e saio do hospital. Yury... Onde será que ele mora? Suspiro – Na escola! – Começo a correr em direção a escola, mesmo sabendo que a aula já começou posso pedir a secretaria o endereço dele. Chego na escola e entro na secretaria com pressa – Olá, o que deseja?

-O endereço de um aluno, por favor

-Pra que? – Ih! O que eu falo? – para pegar... uma...coisa com ele

-Ok, quem é?

-Y-Yury Sato... – ela rapidamente digita no seu computador e anota em um papel, me entregando-o – Aqui, tenha um bom dia

-obrigada, tenha um bom dia também – saio da secretária correndo.

Chego em uma rua grande e bem iluminada –onde em qual Yury mora hein? – olho no papel -749... aqui – paro na frente de uma grande casa, não... impossível! Yury mora aqui?! A moça deve ter errado o endereço, mas nunca e tarde para tentar. Me aproximo da porta e toco a campainha, aguardo uns instantes e um mordomo atendeu a porta – em que eu posso lhe ajudar?

-Errr... eu procuro Yury, por acaso ele...

-Ah, sim senhor Yury esta em seu quarto, pode entrar o senhor é o?

-Tatsuma... – digo entrando envergonhado, olho para o lugar e é... LINDO! E tudo clássico, organizado e bonito – Penúltima porta a esquerda – ele diz apontando para a escada e eu o agradeço. Subo as escadas e dou de cara com uma moça, parece ser uma das empregadas – Bom dia, o senhor e o?

-Tatsuma

-bom dia Senhor Tatsuma – ela sai andando, eu me aproximo da porta abrindo-a lentamente e acendo a luz –pfff *segurando risada* - Yury, Marcio e Jane estão jogados na cama dormindo, todos os três tortos, Jane ronca alto pra caramba hehehe (Marcio esta deitado na beirada da cama e Jane esta com a cabeça em cima da barriga dele, Yury esta deitado no outro canto, entre os três o que esta menos torto e Yury haha) me aproximo dele e coloco minha mão em seu rosto fazendo carinho – Ahh... *suspiro* Yury – aproximo meu rosto e beijo sua testa – obrigada *sussurro* - me levantando novamente, e saio do quarto. –Ahhh... *suspiro* - olho pro lado e três crianças estão me observando – Daisy?

-Moço bonzinho – ela correu e me abraçou - como você esta? – pergunto dando um sorriso – bem! – os outros dois garotinhos me observam, e olho para eles que correm em minha direção – Oi, Oi quem e você moço? – os menininhos me perguntam animados – Hãm... eu...

-Esse foi o moço que achou o Barkley!

-Ahhhh foi você – o menino que parece um pouco mais velho disse – s-sim

-você vem com a gente – eles me agarram pelos braços e saem me puxando pelo corredor – Pr-pra onde você estão me levando? – eles abrem uma porta e entramos, e o quarto de um deles – Que fofo~ - eu digo boiando, e um quartinho azul Clarindo com desenhos de nuvens nas paredes e no teto a um céu estrelado, as crianças riem e me sentam – eu sou George sou o segundo mais velho tenho 8 anos – O garotinho loirinho diz sorrindo, ele parece ser um tanto orgulhoso hehe – Sou David o casula – o menorzinho se aproximou com um sorrisinho tímido – e eu sou a Daisy, você já me conhece eu sou a irmã do meio, nem mais velha que o George nem mais nova que o David, hehe!-e ela é a animada haha. Nós começamos a brincar – Meninos sabiam que o Yury-nii odeia ele – Daisy aponta para mim – porque? – os meninos me olham assustados e eu olho para ela confuso – Ué, quando fui buscar o Barkley eles se olharam feio e o Yury-nii ficou muito estressado – ela diz fechando os punhos e fazendo uma careta engraçada, eu começo a rir e os irmãos dela também – ei, ei vamos brincar - as crianças me seguram pelos pulsos e começam a me girar, eu começo a rir e brincar com eles de ciranda, cirandinha – ei, ei qual e o seu nome moço? – David pergunta ainda girando, ouço passos correndo -  meu nome é...

*BAAMMM!* A porta e escancarada com força – Tatsuma! – Yury exclama me puxando e me abraçando com força – Tatsuma, menininho, baixinho, meu... baixinho... – ele encosta a cabeça no meu ombro e me aperta com mais força, começo a corar e sinto meus pelos arrepiarem – isso que e odiar? – David pergunta e Daisy ri – acho que ele, não odeia mais o Tatsuma-chan, vamos deixar eles sozinhos – Daisy e George dizem e os três saem do quarto fechando a porta. Daisy abre um pouquinho da porta e sussurra pra mim – Boa sorte *sussurrando* - e fecha a porta novamente.

-Baixinho... eu senti sua falta – Yury diz baixo e sua respiração bate em meu pescoço me fazendo arrepiar, abraço ele – Yury... obrigada

-Por o que? Eu não consegui te proteger!

-Obrigada por ter ficado comigo no hospital – ele se ergue novamente e olha nos meus olhos – era o máximo que eu podia fazer – ele diz fazendo bico e corando, aiii que fofo! –Eu não pude te proteger – seus olhos enchem de lágrimas, Yury?! Chorando?! –Não chora – coloco minhas mãos no rosto dele, ele se aproxima de mim –Hm...Yury – ele se aproxima mais, e coloca suas mãos em meu rosto me apertando um pouco – fofo... – ele diz enquanto se aproximando mais, bem pertinho sinto sua respiração bater em minha boca e *BAAMM!* A porta e aberta por Jane e Marcio – Tats... Ops – Yury respira fundo com um certo ódio nos olhos, e os dois saem correndo – Eu... vou, ali – ele aponta para o corredor e eu rio, ele sai atrás de Jane e Marcio. Me sento na cama do David e fico observando o teto, ouço a porta abrir lentamente e me sento para ver quem é, sãos as crianças –Ah, oi

-Oi, Tatsuma-chan! – eles pulam na cama – ei, ei você e o Yury-nii estão namorando?! – Daisy pergunta arregalando os olhos e fazendo uma cara sacana – eu ia perguntar isso! – George diz rindo e David ri também – eu? Seu irmão? N-não! – começo a corar – olha... ele ta vermelho – Daisy cutuca minha bochecha e eu dou um sorriso sem graça – Que fofinho~ - David diz rindo – Parece que vocês se deram bem não – Yury diz encostado na porta – Yury-nii, Yury-Nii você não odeia mais ele? – Os três perguntam ao mesmo tempo – eu odiar ele? – Yury faz carão – sim! sim eu o odeio! – ele disse entrando e ficando em minha frente – sério?! –os três perguntaram com feições tristes – sim e total verdade, odeio tanto ele que... – Yury me olha e pula em cima de mim, me derrubando na cama ele sobe em cima de mim e segura meus pulsos – Que...

-Y-YURY! Me larga! – me debato tentando me soltar e ele ri – acha mesmo que vai se soltar tão fácil – os irmãozinhos deles começam a rir – YURYYY! ME SOLTAAA! – começo a fazer birra e a me debater - Ta bom, ta bom – ele senta do meu lado me soltando.

Ficamos mais um tempinho brincando com os irmãos dele – bom, acho melhor eu ir indo – me levanto da cama – Mas já? Nãaao – as crianças fazem bico – Já sim, eu tenho que ir em casa ainda não fui lá desde que sai do hospital

-Eu te acompanho – Yury se levanta também – até a porta ou até em casa?

-Você decide – ele faz uma cara de deboche – Se eu falar, ahhhh até a porta, tú não vai me ouvir e vai querer me levar em casa do mesmo jeito porque você *encosta o dedo em Yury* não me ouve!

-Ok, pode ser que eu seja um pouquinho insistente

-Um POUQUINHO?!- Dou uma cotovelada nele e saio do quarto. Desço as escadas e ele vem atrás de mim – Menininho~ deixa eu ir com vocêeee!... – ele fala birrento – Tá Yury, Tá bom! – ele comemora e sobe novamente as escadas correndo e rapidamente desce vestindo jaqueta – Vamos?

-Vamos ué- ele abre a porta e eu saio antes dele, me viro dando língua para o mesmo  que ri – TATSUMA- CHAN! TATSUMA-CHAAAN!

-Hãm? – me viro e as crianças aparecem – Porque vai embora?! – David diz triste – meus pais ainda não me viram, e não sabem que eu estou bem, entende? – me baixo e faço carinho nos cabelos dele. Me levanto – Tatsuma-chan volta mais vezes, Yury-nii fica de bom humor quando você esta aqui! – Daisy grita e eu rio, Yury faz cara feia para a garotinha que sai correndo enquanto eu caio na risada – Vamos logo, antes que falem mais alguma besteira – ele sai me puxando pelo pulso – Tchauuu – aceno para os irmãos dele que fazem o mesmo.

-Ei, ei vocês dois!

-Hãm? – me viro e Jane esta atrás da gente com Marcio – O que foi?

-Por causa do incidente do incêndio, o festival foi mudado para hoje, pois o incêndio afetou muitas coisas que só foram reconstituídas hoje- Jane diz enquanto digita algo no celular – Que bom – digo sorrindo – você vem comigo! – Jane me agarra pelo pulso – Yury vou rouba-lo de você rapidinho tchau

-Cuidado vocês dois hein! – Marcio diz rindo.

-JAANE p-pra onde nos estamos indo – ela continua me puxando enquanto corre – vamos comprar um Yukata para você!

-QUEEE?! Não precisa sua babaca!

-Precisa sim! O festival vai começar daqui a uma hora- Nossa já e tão tarde assim? Olho para o céu que já esta se pondo – Chegamos!

-ao ponto de ônibus certo! – Nos sentamos e ficamos esperando o ônibus que não demorou muito, embarcamos nele e fomos para o shopping.


Notas Finais


Espero que tenham gostadowwwwwww, desculpem pelos erros de portugues huehue


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...