1. Spirit Fanfics >
  2. From Zero >
  3. I'll be there

História From Zero - Capítulo 2


Escrita por:


Capítulo 2 - I'll be there


Wonho:

Você pode vir até aqui?

É meio urgente...

Hyungwon:

Chego em 15 minutos.

Hyungwon não podia evitar se sentir animado com a mensagem de seu amigo. Um mês tinha se passado desde que aquilo aconteceu e Wonho ainda não havia dito uma palavra. Talvez esse fosse o momento. Era uma noite de domingo, Hyungwon já estava de pijama, mas em menos de cinco minutos ele trocou de roupa e dirigiu para o apartamento de Wonho.

Suas mãos suavam e seu coração estava batendo tão rápido que ele começou a se perguntar se isso era normal. Respirando fundo ele parou na frente da porta de seu amigo. Estava com a mão no meio do caminho para bater na porta quando ela foi brutalmente aberta. Wonho agarrou seu pulso e o puxou para dentro, fechando a porta abruptamente.

"Que porr..." Hyungwon se interrompeu quando viu o olhar no rosto de Wonho.

Ele estava aterrorizado.

"Hyungwon..." ele choramingou.

"O que está acontecendo, Wonho? Porque você parece apavorado?"

Wonho olhou sobre o próprio ombro antes de se aproximar de Hyungwon e sussurrar:

"Ele apareceu na minha porta, Hyungwon. Eu juro, você precisa acreditar em mim. Eu não sei quem ele é, mesmo assim ele diz..."

Ele parou de falar e Hyungwon achou que ele ia começar a chorar.

"Ele? De quem você está falando?"

Wonho o olhou nos olhos pela a primeira vez em dias, e Hyungwon pôde ver o quanto Wonho queria que ele acreditasse no que ele estava dizendo.

"Meu filho, ele disse que veio do futuro."

Antes que Hyungwon pudesse soltar alguns palavrões ou até mesmo rir, um menino apareceu de dentro do apartamento.

"Papa, ele já está vindo?" Ele perguntou antes de notar Hyungwon.

Hyungwon apenas ficou parado lá, seus olhos se arregalando cada vez mais enquanto ele reconhecia os traços de Wonho no menino.

Então o garoto correu na sua direção e sem nem perceber, Hyungwon o puxou para seu colo. O menino o abraçou com braços e pernas. Ele podia sentir pequenos soluços em seu pescoço.

Wonho os olhou com curiosidade.

Hyungwon não entendia o que estava acontecendo, mas ter o menino em seus braços não parecia nada além de certo. Seu corpo sabia exatamente o que fazer para acalmar o garoto. Ele o abraçou e acariciou seus cabelos pretos.

"Ei, por que você está chorando, pequeno?" Sua voz suave fez o garotinho chorar ainda mais.

Wonho deu de ombros, derrotado.

"Ei, você pode ao menos me dizer seu nome?" Hyungwon tentou de novo.

Hyungwon sentiu as pequenas mãos o empurrando, então observou o rosto vermelho do menino enquanto o mesmo esfregava os olhos.

"Jong-Suk. Meu nome é Shin Jong-Suk."

Hyungwon sentiu algo estranho no estômago. Olhou para Wonho com uma mistura de tristeza e raiva. Wonho sabia sobre sua vontade de um dia ter um filho com esse nome, afinal era o nome de seu avô. Wonho não o olhou, ele sabia. Hyungwon decidiu dedicar sua atenção ao menino em seus braços.

Ele segurou um suspiro de surpresa. Jong-Suk tinha os olhos de Wonho, os mesmos olhinhos que Hyungwon tinha amado por toda a sua vida.

"E você é do futuro, né?"

O garoto assentiu.

"Que tal um chocolate quente enquanto você explica essa maluquice para mim?"

Jong-Suk assentiu novamente. Hyungwon retirou os sapatos sem soltar o menino então foi para a cozinha, onde sentou-o na bancada. O pequenino ainda tinha lágrimas nos olhos, então Hyungwon as limpou antes de lhe oferecer um sorriso.

"E você precisa parar de chorar agora, ok? Crianças que choram muito..."

"Fazem xixi na cama" Jong-Suk completou, fazendo os dois adultos olharem para ele. "Você sempre diz isso para mim." Ele explicou envergonhado.

Hyungwon e Wonho se olharam.

"Me desculpem, eu não queria assustar vocês." Sussurrou olhando para as próprias mãos sobre o colo.

"Se o que você diz é verdade," Hyungwon começou calmamente, chamando a atenção dos outros dois. "e você é realmente do futuro..." precisou respirar fundo "e filho do Wonho. Por que você está aqui?"

Hyungwon podia ver Wonho próximo dele e sentiu sua respiração contra sua pele quando ele falou.

"Você realmente está acreditando nisso, Hyungwon?" Se Hyungwon conhecia Wonho bem, e ele gostava de acreditar que sim, aquelas palavras eram de alguém assustado, não com raiva.

Ignorou o amigo e continuou encarando o garotinho que os observava com atenção.

"Chame os outros, eu preciso explicar isso para todos vocês. Será melhor se estiverem todos juntos."

"Outros?" Wonho questionou.

Jong-Suk o olhou como se fosse óbvio.

"Sim. Minhyuk, Kihyun, Changkyun, Shownu e Jooheon... Acho que ele não está mais de plantão."

Wonho apenas suspirou e pegou o celular para mandar mensagem para eles, Hyungwon sentiu seu próprio aparelho vibrando no bolso. As mensagens no grupo avisavam que logo todos chegariam.

Os barulhos que Wonho fazia ao preparar o chocolate quente logo encheram a cozinha e Hyungwon percebeu que ainda estava parado em frente ao garoto todo este tempo, como se estivesse o protegendo.

"Você quer ir para o sofá?" perguntou para ele que assentiu e ergueu os braços, pedindo ajuda para descer.

Hyungwon o ajudou a alcançar o chão e o observou ir direto para o sofá. Estava pronto para o seguir quando sentiu Wonho segurando seu pulso.

"Wonnie," ele sussurrou causando arrepios ao longo de toda a coluna de Hyungwon. "Eu sei que não estamos no nosso melhor momento agora, eu sinto muito por isso e eu prometo que vou consertar quando tudo isso acabar, mas eu realmente preciso de você agora. Eu não consigo fazer isso sozinho."

Cobriu a mão em seu pulso com a sua própria e olhou nos olhos de Wonho tentando dar seu melhor sorriso.

"Eu nunca deixaria você... com ou sem uma criança."

Hyungwon foi até o sofá pensando em como ele receberia um discurso gigantesco de Minhyuk mais tarde.

Jong-Suk estava sentado com as pernas cruzadas, Hyungwon o olhou mais atentamente. Ele usava calças jeans e uma camiseta azul escura que fazia seu cabelo ainda mais escuro e sua pele ainda mais clara. Olhando ao redor, Hyungwon viu uma pequena jaqueta que só poderia ser dele e um par de tênis pequenos estava perto da porta da frente. Wonho não tinha pantufas que servissem em Jong-Suk então ele estava andando apenas de meias. Sentando ao seu lado no sofá, Hyungwon chamou a atenção do pequeno.

"Você não está com frio?"

A criança balançou a cabeça para os lados, negando. Agora ele parecia estar triste e Hyungwon não gostava de o ver assim.

"O que houve, Jong-Suk?" Hyungwon tocou em seu braço. Olhinhos pretos o encararam. Tão tristes.

Jong-Suk olhou sobre o ombro, para a cozinha. Wonho ainda estava lá, alheio ao que estava acontecendo no cômodo ao lado.

"Papa não parece feliz. Ele não sorriu, nenhuma vezinha. Você acha que ele está bravo comigo?" Seus olhos encheram de lágrimas mais uma vez.

Hyungwon sentiu seu próprio coração se quebrando, então nem pensou antes de puxar Jong-Suk para perto e fazer carinho em seu rosto.

"Ele não está bravo com você, Jongie. Ele só está assustado, eu tenho certeza que logo ele estará sorrindo para você."

Sua fala teve o efeito oposto do que o pretendido. As lágrimas de Jong-Suk começaram a cair sem pausa. O coração de Hyungwon acelerou.

"Ei, o que foi? Jongie, por favor, não chore." Puxou a criança para seu colo e o abraçou, sentindo quando Jong-Suk passou os braços ao redor de seu pescoço e escondeu o rosto em seu ombro.

"V-você..." fungou "me chamou de 'Jongie'!" Chorou ainda mais.

Hyungwon não se mexeu por um segundo. Ele o chamou assim porque pareceu certo, mas agora quase conseguia se lembrar de chamar o garoto assim incontáveis vezes.

Passou a mão pelas costas de Jong-Suk, tentando o acalmar.

"Você fez a criança chorar," A voz de Wonho encheu a sala enquanto ele se aproximava do sofá, sentando-se ao lado de Hyungwon e puxando as pernas de Jong-Suk para seu colo. "Eu sabia que não podia confiar em você com meu filho." Brincou, mas isso fez Jong-Suk chorar mais ainda.

Hyungwon o olhou feio.

"Jongie, olhe o que seu papa trouxe para você. Se você não parar de chorar não conseguirá beber."

Jong-Suk respirou fundo e se afastou de Hyungwon. Wonho lhe alcançou uma xícara.

"Tenha cuidado, está quente." Wonho alertou. Os dois adultos observaram enquanto Jongie tomou o primeiro gole da bebida. "Você está se sentindo melhor?"

"Sim. Obrigada, papa" respondeu ainda olhando para a xícara. Hyungwon sorriu para ele, tentando o fazer ficar confortável. "Então, por que eu estou aqui, certo?" ele suspirou, respirou bem fundo e explicou: "Papa fez alguma coisa errada e no futuro isso fez um monte coisas ruins acontecerem" Jongie falou rapidamente e sem pausa, fazendo a cabeça dos adultos doerem.

Hyungwon e Wonho se encaram com os olhos arregalados, nenhum sabia o que dizer, mas Hyungwon viu o medo no rosto do outro. Buscou pela mão de Wonho e a apertou tentando passar um pouco de confiança.

"O que você quer dizer com 'alguma coisa errada', Jongie"? Hyungwon não soltou a mão de Wonho.

"Eu não posso contar para vocês," Jong-Suk disse cabisbaixo. "Se eu contar o que aconteceu eu posso acabar nem nascendo." Ele parecia próximo de chorar novamente, então Hyungwon se apressou para o acalmar.

"Está tudo bem, Jongie. Nos conte apenas o que você pode."

"Então vocês decidiram adotar?" A pergunta irônica de Kihyun assustou os três.

Não apenas Kihyun havia chego, mas todos os outros também. Todos os cinco parados na entrada da sala de estar, encarando aquela cena estranha. Shownu tinha uma chave do apartamento e tinha feito uso dela.

Jong-Suk sorriu quando pulou do colo de Hyungwon, deixando sua xícara na mesinha de centro e correndo para abraçar Kihyun.

"Oi, tio Kiki." disse enterrando o rosto na barriga de Kihyun.

"Ah... O que?" todo mundo parecia confuso, mas Kihyun principalmente.

Hyungwon se perguntou se essa tinha sido a cara que ele fez quando viu o menino. Jongie percebeu que nenhum daqueles homens o conhecia realmente, então ele soltou Kihyun e se afastou alguns passos.

"Me desculpem, eu não queria fazer vocês ficarem desconfortáveis" falou baixinho.

Hyungwon viu que Minhyuk o encarava com um grande ponto de interrogação no olhar, ele apenas gesticulou para a direção do menino, pedindo para o amigo fazer algo. Os outros estavam estáticos.

Minhyuk deu um passo à frente e se ajoelhou na frente de Jongie, sorrindo para ele.

"Por quê você não nos diz o seu nome?" sua voz era calma e Hyungwon agradeceu os deuses por terem feito seu melhor amigo um professor de pré-escola.

Jongie olhou para Hyungwon e Wonho, silenciosamente pedindo permissão. Os dois assentiram e observaram enquanto ele se curvava para os mais velhos.

"Olá, meu nome é Shin Jong-Suk. Prazer em conhecê-los... de novo."

Todos os cinco pares de olhos foram para os dois no sofá. Todos eles com milhões de perguntas.

"Então, vocês dois realmente decidiram adotar..." Kihyun olhou para suas mãos ainda unidas.

Hyungwon soltou a mão de Wonho, se sentindo desconfortável com a atenção.

"Não... Jongie é filho do Wonho..." ele se interrompeu, como poderia explicar isso?

"Eu sou do futuro" Jong-Suk chamou a atenção deles novamente.

Minhyuk ainda estava na sua frente então sorriu para a criança.

"Tenho certeza que você é." ele disse, fazendo Jong-Suksorrir, mas Hyungwon sabia que ele estava pensando que era uma piada.

"Que tal algumas explicações?" Changkyun falou pela primeira vez.

"Sentem-se" Hyungwon ofereceu, levantando-se e sendo seguido por Wonho.

O sofá não era grande o suficiente para todos eles, então apenas Jooheon, Minhyuk e Kihyun se sentaram nele. Changkyun foi para o chão entre as pernas de Kihyun e Shownu sentou contra o sofá entre Jooheon e Minhyuk. Wonho foi para a poltrona e Hyungwon buscou uma cadeira na cozinha para Jongie, a posicionando na frente de todos os adultos.

Hyungwon sentou-se no braço do sofá ao lado de Minhyuk e perto de Wonho. Jong-Suk pareceu gostar daquela distribuição.

"Porque o único que parece que sabe o que está acontecendo é a criança?" Shownu falou o que todos estavam pensando.

"Por que ele é" Wonho respondeu.

"E nós finalmente escutamos a voz do Wonho." Jooheon sussurrou, não tão baixo, e sentiu o cotovelo do namorado contra suas costelas.

"Cale a boca, Jooheon" Minhyuk o xingou.

"Então...?" Kihyun começou.

Hyungwon olhou para Jong-Suk, o garoto respirou profundamente enquanto encarava cada um deles.

"Eu sou Shin Jong-Suk, filho do Wonho, mas apenas daqui alguns anos," Wonho se movimentou na poltrona, Hyungwon tentou o ignorar. "Eu estou aqui, dez anos antes do meu próprio tempo, por que eu preciso consertar algo que o Papa fez e..."

A risada de Changkyun fez o menino parar. Todos olharam para o amigo mais novo.

"Desculpa..." ele riu mais um pouco. "É só que... 'papa'? Sério?"

Jooheon franziu as sobrancelhas.

"De tudo que ele disse, isso foi a única coisa que você escutou?" Jooheon fez Changkyun parar de rir.

"Desculpa."

"Está tudo bem, tio Changie." Jong-Suk sorriu para ele e Hyungwon pode ver o rosto de Changkyun corando.

"Tio Changie" ele repetiu para si mesmo envergonhado. Jongie o ignorou e continuou.

"Essa coisa que Papa fez errado... Eu vou consertar. Eu prometo para vocês. As coisas ruins não vão se repetir... elas não podem." ele olhou para baixo, para suas mãos e Hyungwon sabia que ele estava lembrando dessas coisas, ele sentia uma necessidade de abraçar o menino.

"O que são essas 'coisas ruins'?" Minhyuk perguntou suavemente. "Você pode nos contar?"

Jongie balançou a cabeça, negando.

"Se eu contar, outras coisas ruins podem acontecer... E eu não quero outras pessoas se machucando."

Wonho se mexeu na poltrona novamente. Hyungwon notou que ele estava se aproximando dele, manteve os olhos no garoto.

Seus olhos estavam tão tristes, quase como ele ainda pudesse sentir a dor.

Então Hyungwon percebeu que ele provavelmente podia sentir. Ele estava lá há o que? Uma ou duas horas? Quanto tempo ele e Wonho ficaram sozinhos? O menino tinha acabado de deixar o seu presente/futuro catastrófico. Não pela primeira vez, Hyungwon quis o abraçar.

"O que a gente pode fazer?" A voz de Shownu preencheu a sala. "Para te ajudar a consertar as coisas."

Jongie pensou por um segundo.

"Acho que o melhor que vocês podem fazer é viver suas vidas o mais normalmente possível. Se eu precisar de alguma coisa, vou pedir, mas eu preciso fazer isso sozinho. Isso foi o que ele disse." disse sem perceber.

"Quem disse isso?" Foi Hyungwon que perguntou, ele não sabia da existência de um "ele" nessa história.

"Ah" Jong-Suk percebeu que o que ele tinha feito. "A pessoa que me trouxe aqui."

"Vamos parar aqui, okay?" Kihyun disse chamando a atenção de todos. "Nós vamos realmente acreditar nessa merda?"

Jooheon deu um tapa atrás de sua cabeça.

"Não diga palavras feias na frente de crianças."

"Okay, me desculpe." Kihyun disse mal-humorado. "Mas é sério, pessoal. Isso parece muito estranho, não acham?" ele olhou para os outros em busca de apoio.

"Só porque é estranho não significa que é uma mentira, Kihyun." Minhyuk falou.

"Então vocês todos acreditam nele?"

Hyungwon foi o primeiro a dizer "sim", Minhyuk e Jooheon assentiram logo depois. Shownu disse um "sim" que poderia ter sido apenas uma respiração. Changkyun deu de ombros "Não vejo porque não".

Kihyun virou para Wonho, que estava parcialmente escondido atrás de Hyungwon.

"Wonho? O que você acha?"

Wonho se endireitou e olhou para o garoto que dizia ser seu filho. Então seus olhos foram diretamente para os de Hyungwon.

"Meu cérebro diz que não pode ser verdade, mas eu não sei..." olhou novamente para os olhos de Jong-Suk, tão parecidos com os seus. "Eu apenas sinto algo por ele, quando ele apareceu eu sabia que ele estava falando a verdade. É como se me coração soubesse quem ele é. Então... sim, eu acredito ele."

Kihyun suspirou.

"Certo, então nós temos um criança agora."

Jong-Suk sorriu quando os sete o olharam. Quando sua família o olhou.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...