1. Spirit Fanfics >
  2. Frozen Heart >
  3. Lust

História Frozen Heart - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Hi guys!!!
Como prometido, segue mais um capítulo quentinho pra vocês. Espero que gostem.

Tenham uma ótima leitura.

Capítulo 4 - Lust


Fanfic / Fanfiction Frozen Heart - Capítulo 4 - Lust

Chat Noir pousou na janela de Marinette por volta das oito horas naquela noite de domingo e encontrou a azulada sentada em frente ao computador, parecendo concentrada em algo que assistia. Sorriu e se aproximou silenciosamente, depositando um beijo no pescoço da amiga. 

- Oi Chat! Sabia que viria! – comentou a moça com um sorriso. Foi só então que ele reparou nela: vestia uma camisa social de um tecido tão fino que chegava a ser transparente, os fios negros azulados estavam presos em uma longa trança e uma mini saia colada vestia a parte inferior d e seu corpo.  

Ela se levantou ficando de frente para a luz, o que lhe informou que ela não usava nada embaixo da camisa. Admitia que aquilo o excitou, de certa forma, mas seus olhos brilhavam em um tom violeta que não combinava com a imagem que ele sempre teve dela. 

- V-você sa-sabia? – se amaldiçoou por gaguejar – Então estas roupas são propositais? Está tentando me seduzir, Princesa? – sorriu galante. 

- Talvez... – retribuiu o sorriso dele – A verdade é que estive pensando na proposta que me fez da última vez que esteve aqui e eu decidi aceitar. – Ele parecia confuso, então completou – Você disse que queria me ajudar a esquecer tudo o que aconteceu, e... – Fez um pequeno silêncio enquanto soltava o primeiro botão da camisa vermelha – eu quero que você transe comigo. – Continuou soltando os botões, um por um de forma lenta e torturante enquanto o herói tentava assimilar o que acabara de ouvir. 

- O-o quê? – não conseguia tirar os olhos dos dedos dela, até que chegaram ao último botão que mantinha a vestimenta fechada. 

- Quero fazer sexo com você, Chat Noir... – Murmurou sedutora, virando as costas para ele ao se levantar da cadeira, se aproximando mais do herói em seguida. – Quero que seja o primeiro homem dentro de mim. – Sussurrou no ouvido do garoto quando se aproximou ainda mais. Ela pousou a mão sobre o peitoral dele e o empurrou gentilmente até que estivesse sentado na cadeira em que estava alguns minutos antes. - Quero que me faça sua - Concluiu, ao se sentar em seu colo. 

- M-Mari... – O herói não sabia como reagir, nunca esperou aquele comportamento dela, mas logo começou a correr as mãos pela cintura da jovem, deixando-se levar pelos hormônios que imploravam para que satisfizesse cada desejo daquela garota – Precisamos trancar a porta, não seria legal se alguém nos interrompesse... 

- Não se preocupe... Não tem ninguém em casa. – mordiscou a orelha do uniforme dele, o que lançou uma corrente elétrica por seu corpo e o fez sentir seu membro pulsando sob a roupa de couro – É aniversário de casamento dos meus pais, então eu lhes reservei um jantar e um hotel para que pudessem aproveitar... – deu uma leve rebolada no colo dele, ao sentir a pressão sob o uniforme. 

- S-sério!? – gemeu – Então você planejou tudo direitinho, não foi? – ela esfregou seus sexos outra vez e ele suspirou, levando a boca à dela em um beijo repleto de desejo. Desceu os lábios pelo pescoço da azulada, enquanto apertava a cintura, e logo alcançou um dos mamilos rígidos e o pressionou entre os dentes enquanto apertava a nádega redondinha da garota que soltou um gemido baixo e arrastado, rebolando mais uma vez. 

O loiro grunhiu frustrado quando ela se levantou com um sorriso e pousou uma mão em seu peito enquanto a outra descia o zíper do uniforme de forma lenta e torturante. Ele se levantou para ajudar a se livrar do couro, descendo a cueca box junto do uniforme de herói. Naquele momento o rapaz usava apenas a máscara negra e as orelhas de suas roupas. Uma visão muito sexy, na opinião de Marinette. Ela sorriu e sentiu seu ventre se contorcer em desejo, o empurrando de volta para a cadeira sem muita delicadeza. Passou as pernas por trás dos apoios para os braços, tocando os pés no piso de madeira, de forma que estivesse sentada sobre o membro dele, mas que mantivesse o controle para que ele não a penetrasse... Ainda. 

Naquele momento o rapaz descobriu que além de um sutiã, naquela noite a garota também não usava uma calcinha e gemeu de excitação apenas ao se lembrar que ela premeditou tudo aquilo, seu pênis pulsou mais forte, pressionando o sexo molhado da moça.  

- Mas que pressa – ela murmurou mordiscando o pescoço do herói, lambendo seu rosto logo em seguida. – Temos a noite toda, gatinho. – Moveu o quadril lentamente sobre ele outra vez e sorriu quando ele gemeu seu nome. Ela sentiu a ponta do pênis dele se posicionar em sua entrada, pulsando cada vez mais forte, então elevou o corpo, rompendo o contato e se deliciando com a expressão do parceiro. 

- Isso já está virando uma sessão de tortura, Marinette – impulsionou seu quadril contra o dela, enquanto segurava sua cintura, impedindo que se movesse e a expressão de prazer que tomou o rosto dela foi impagável, assim como o gemido arrastado que escapou de seus lábios. Gostou daquilo. Já era hora de inverter a situação – Minha vez.

E sem mais avisos, segurou firmemente o quadril da garota, se erguendo com ela ainda em seu colo e os lábios colados em um beijo luxurioso. A sentou sobre a mesa e desceu os beijos por seu pescoço, abocanhando um mamilo e levando a mão ao sexo da moça, introduzindo o dedo médio na vagina molhada, movimentando lentamente e ouvindo o gemido manhoso da azulada em resposta aos seus toques. Ela passou as unhas pelas costas dele, movendo as coxas contra a mão dele, segurou seu rosto e tentou beija-lo, mas o garoto sorriu malicioso. 

- Não seja tão sedenta, Princesa. Agora é minha vez de explorar seu corpo... – gemeu baixinho quando ela puxou seu cabelo. Precisava admitir: ela sabia o que estava fazendo, mas queria ter a chance de brincar com ela também, então virou as costas e pegou o cinto do uniforme, voltando até ela com um sorriso. Tirou-a da mesa e se posicionou atrás dela, puxando uma mão de cada vez e atando-as juntas atrás das costas, vendou os olhos com a camisa dela e tirou a saia. Beijou o pescoço dela e a sentou sobre a mesa outra vez – Agora vai ficar mais divertido – sorriu mostrando as presas. 

Se posicionou diante dela, descendo as mãos do rosto ao ventre da garota que respirou fundo ao notar os sentidos apurados. Ele beijou seus lábios demoradamente, lambeu a orelha dela e mordiscou a clavícula, descendo os lábios até os mamilos dela e prendendo um deles entre as presas, deslizando a mão direita até sua virilha outra vez e inserindo dois dedos desta vez, iniciando um lento movimento de vai e vem enquanto passava a lamber o mamilos, apoiando o corpo da garota com a outra mão e sentindo-a rebolar contra seus dedos enquanto gemia manhosa. 

Passaram um tempo assim, ele apenas alternava a boca entre os mamilos e a velocidade e pressão que aplicava no sexo da azulada. Quando o ventre dela começou a contrair, pressionando mais seus dedos, ela gemeu seu nome arrastando as palavras, então ele deslizou a mão pelas costas dela e tirou a venda de seus olhos, enquanto tirava os dedos de dentro dela, simultaneamente, ouvindo-a suspirar com a respiração pesada. Olhando em seus olhos, lambeu os dedos que estavam dentro dela segundos antes, limpando os vestígios de seu gozo.

- C-Chat... – ela tremia, mas um sorriso não deixava seus lábios – Gatinho... Por favor, eu q-quero você... D-dentro de mim!  

- Isso é um pedido, Princesa? – ela concordou com um aceno de cabeça ao que ele respondeu descendo-a da mesa e virando-a de costas e a inclinando sobre o móvel, deixando a bunda arrebitada e o sexo encharcado exposto ao seu bel prazer. Se inclinou sobre ela, tocando o membro em sua entrada e sussurrou em seu ouvido – Cada pedido seu é uma ordem, gatinha. E se levantando, sem aviso algum, a penetrou profundamente, ouvindo o gemido arrastado e entrecortado dela, enquanto sua própria respiração se acelerava. - A-Ah! M-Mari...  

Se manteve parado enquanto ela se acostumava a ter alguém dentro de si, mas em breve ela começou a mover o quadril contra o dele, pedindo por mais, então começou a estocar lentamente, indo cada vez mais fundo dentro dela, e seus gemidos eram o estimulante mais poderoso que podia imaginar. Ele sentia seu pênis cada vez mais rígido e pulsante dentro dela. 

- C-Chat! Mais rápido, gatinho. – Gemeu baixinho – Mais forte! – moveu o quadril contra ele e o garoto a atendeu prontamente, socando seu pênis mais forte contra ela, indo mais fundo em sua intimidade. - A-Ah! A-a-as-sim... – ele moveu a mão esquerda até a trança dela, a puxando mais contra si e sentindo-se deslizar mais para dentro. Gemeu e deslizou a outra mão para a intimidade da garota, pressionando seu clitóris e se deliciando com o gemido baixo e arrastado dela. - Ga-gatinho... E-eu- eu vou gozar... – Ao ouvir aquelas palavras, seu membro pulsou mais forte, um arrepio desceu por sua espinha e ele sentiu que também estava chegando ao seu ápice. Intensificou as estocadas e cravou os dentes na curva entre o ombro e o pescoço da azulada, sabendo que deixaria uma marca profunda no local, mas não conseguindo conter os instintos. 

Ela gritou seu nome ao se derramar em seu membro e ele se aprofundou ainda mais em estocadas fortes e violentas, sentindo-a gozar uma segunda e terceira vez até que finalmente também se permitiu gozar, derramando seu sêmen dentro dela apertando sua cintura com seus braços e sentindo seus corpos tremerem. 

 

Soltou as mãos dela e a levantou em seus braços, caminhando com ela até sua cama e depositando-a gentilmente ali, deitou atrás dela e beijou seus cabelos. 

- Sabe... Nunca imaginei que minha primeira vez seria com você – sussurrou para ela, fechando os olhos. 

- Sério que foi sua primeira vez? – perguntou, ficando de frente para o rapaz – Não teria te pedido se soubesse disso... 

- É? E porque não? Queria alguém mais experiente?

- Não, não é isso. Eu só... Não queria tirar a escolha de você... Pensei que sendo o galanteador que é já tivesse uma enorme lista de conquistas. Nunca imaginei que seria sua primeira, assim como foi o meu... – o sorriso dela vacilou – Espero não ter te iludido, gatinho. 

- Como assim? – inclinou o corpo sobre o dela para olhar em seus olhos, não estava entendendo aquela conversa. 

- Você sabe... Só pedi que fosse meu primeiro porque achei que fosse experiente e desimpedido. Não quero um relacionamento, Chat Noir. Eu só queria transar. 

- O quê? Eu fui usado? – ele estava realmente indignado. Como não percebeu isso? As orelhas deitaram sobre sua cabeça, deixando claro sua decepção - E-eu pensei que tivéssemos algo... 

- E nós temos. Somos amigos, Chat. – O coração do loiro doeu ao ouvir aquelas palavras e se arrependeu de cada vez que já a havia usado com a garota. – Talvez possamos ser mais do que isso se concordar... 

- E o que sugere? – perguntou o rapaz com esperança. 

- Podemos ser amigos de foda, se estiver de acordo. Então transamos sempre que quiser, mas sem nenhum sentimento envolvido. 

- Claro... “Amigos de foda” – ele se levantou, sentindo o coração pesado. Precisava sair dali, urgentemente. – Eu tenho que ir. – Desceu as escadas sem esperar uma resposta, vestindo-se em tempo recorde e correndo para casa. 

Marinette não entendeu bem a reação do garoto, mas saiu da cama e juntou suas roupas, encontrando a cueca de Chat Noir entre suas coisas, recolheu tudo e foi tomar um banho, sentindo algo se revirar em seu interior, mas optando por ignorar. 

Voltou para cama depois de alguns minutos, ainda sentindo os efeitos do sexo, como se a pele dele ainda estivesse em contato com a dela. Dormiu alguns minutos depois com a Kwami a observando com olhos preocupados.


Notas Finais


Bem, por enquanto é isso.
Me contem o que acharam do hot.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...