1. Spirit Fanfics >
  2. Fuck it all >
  3. Era uma vez, Sanemi Shinazugawa

História Fuck it all - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Inhai.
Mais um capítulo desta... beldade, digamos assim.

Bom, não tenho muito o que dizer hoje. Só que vai "ter pancadaria" e mais prep time do Shinazugawa, além de um Iguro muito puto e uma Shinobu mais louca do que uma formiga depois de fumar um baseado.

─ Nenhum personagem me pertence;
─ É uma AU Universidade;
─ Oyakata-sama é professor;
─ Espero que gostem <3

Capítulo 2 - Era uma vez, Sanemi Shinazugawa




─ Sanemi, dá para você desembuchar de uma vez? - Shinobu se encontrava em um estado de espírito pesado.


Como assim seu amigo era famoso e ela não sabia? Estava incrédula com a coragem de Sanemi Shinazugawa. Já Uzui ainda estava digerindo toda aquela situação, tomando alguns copos de água e comendo alguns biscoitos servidos por Kyojuro por conta da casa. Por sinal, o Rengoku não conseguia parar de rir ao olhar para Obanai, este estava batendo a testa na parede e tentando entender o porquê daquele retardado de cabelo branco ter gritado aquilo perto de Shinobu Kocho. Claro, a culpa iria toda para a bebida.


─ Olha aqui, se tu contar isso para alguém que não seja amigo nosso eu te mato, sua desgraçada! - Dito isso, Shinazugawa desmaiou em cima da mesa - ou quase isso.


Sem se importar com seja lá o que tinha acontecido com o maior, Kocho começou a lhe dar murros nas costas. Ela era sua melhor amiga, tinha o ajudado a 'subir na vida' e não merece saber que o seu amigo está famoso? Ao passar os olhos pela sala, fez uma observação intrigante: Iguro estava agora sentado na cadeira, o rosto pálido e as veias saltadas. Ele estava puto com Sanemi.


─ Você me falou que não era pra contar para ninguem, e o que você faz? PORRA! - Em milésimos, o jovem estudante de C&T estava prestes a explodir, até Uzui bater em sua nuca.


─ Tá boom, o Sanemi é famosinho. O que caralhos a gente pode fazer? Matar ele? - Tengen olhava para Iguro com o seu típico sorriso malandro nos lábios.


Ninguém entendeu mas também não se questionou o porquê do Shinazugawa ter levantado repentinamente e ido até o banheiro em passos lentos e curtos. Ao chegar no recinto, ele lavou o seu rosto e se olhou no espelho. A cicatriz que tinha ganhado quando criança continuava por ali, firme e forte. Lembrava-se bem de como aconteceu: como qualquer criança o pequeno Sanemi queria atenção, sua mãe vivia ocupada e seus irmãos sempre o tiravam de qualquer que fosse a brincadeira.


Logo no dia do aniversário de seu irmão mais novo, Genya, ele foi até a cozinha e ficou perto de sua mãe. Fez diversas perguntas sobre como poderia ajuda-lá com a decoração mas nenhuma teve resposta. Ela não estava zangada nem triste, ou pelo menos era o que ele achava. Mesmo sem ter as respostas para seus questionamentos, ele continuo falando coisas que certamente poderiam ajudar na festa de seu pequeno e amado - mesmo que secretamente - irmão. Com a rapidez do vento, sua mãe fez um corte em seu rosto com a faca que usava para cortar os enfeites. A última coisa que ele viu antes de sair correndo com temor foi a expressão surpresa e as mãos trêmulas de sua genetriz.


Um arrepio percorreu todo o seu corpo ao se lembrar da cena. Tinha doído, mas não o suficiente para fazê-lo chorar; mas mesmo assim ele se sentia mau. Por que estava se lembrando daquilo? Provavelmente por conta da bebida. Ah se os drinks o ajudassem a esquecer essas coisas, mas eles trazem as lembranças a tona. Depois de que saiu de casa, não teve mais notícias de nenhum de seus irmãos e nem de sua mãe. Não sentia saudade, mas se sentia ainda mais esquecível.


XxX


Depois de muito choro de uma Shinobu bêbada em cima de um Kyojuro confuso, os amigos se despediram e estavam indo embora. A noite forá agitada demais para um dia de semana qualquer do primeiro mês do ano.


─ Sanemi, podemos conversar por um minuto? Prometo que já o libero para ir para a sua casa! - Um Rengoku muito entusiasmado se pronunciou, pegando o pulso do amigo e o puxando para um canto isolado.


Não deu tempo 'nem do Shinazugawa abrir os lábios para sequer recitar algo. O homem a sua frente, que antes estava com um grande e brilhante sorriso no rosto, havia sido abduzido. Aquele não era o Kyojuro. O rosto estava sério, sentia o pesar da aura do loiro. As mechas vermelhas até tomaram um tom mais chamativo de repente, o que o fez pensar sobre o quanto tinha bebido.


─ Algo esta acontecendo com você, não é muito difícil perceber. E eu não acho que seja o lance de "ser famoso". Anda, me conta! - Pegando a mão do maior, Rengoku insistiu em saber o que causava tanta mágoa no seu amigo.


─ Sabe, eu acho que deveria parar de beber. Essa merda só me prejudica... - Citou algo que para Rengoku já era um fato. ─ Me trouxe lembranças... Da família...


O tempo estava curto, mas não deu para ignorar o fato de que o carrancudo de nome Sanemi estava prestes a chorar. Não disseram mais nada, as palavras estavam acabadas. A única coisa que restou daquela conversa curta que os dois tiveram foi um abraço, terno e carinhoso. Depois disso, finalmente se despediram decentemente. O jovem de cabelos brancos entrou em seu carro, tendo como vista duas crianças e um gigante dormindo. Conter o sorriso foi difícil.


"Eles podem ser loucos, mas são os meus melhores amigos", pensou Sanemi, ligando o motor de seu carro e indo deixar seus amigos em suas moradias.






Notas Finais


Fufu~
Então gente, sinto muito pelo capítulo ter sido bem curto.

Até a próxima!
(Me perdoem por qualquer erro ortográfico)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...