História Fuck it, I Love You - Capítulo 12


Escrita por:

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Alexy, Castiel, Lynn, Lysandre, Rosalya
Tags Amor Doce, Amor Doce University Life, Castiel, Drama, Harem, Hentai, Lysandre, Romance, Yaoi
Visualizações 36
Palavras 2.566
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fantasia, Ficção Adolescente, Harem, Hentai, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


O próximo é o pov do Cass
Tô matando a saudade de escrever enquanto to de férias, espero que esteja bom

Capítulo 12 - Sophie



Mais uma semana se inicia. Estou empolgada. Meu primeiro mês foi tranquilo e, finalmente, meu pai vem me visitar na semana que vem - vamos comemorar meu aniversário em algum restaurante da cidade, só nós dois - parece que não o vejo há séculos.

Durante o almoço, percebo que Lysandre tenta evitar meu olhar de todas as formas possíveis. Decido sair da mesa assim que termino minha refeição e passar o tempo restante em um banco, debaixo de uma das árvores. Coloco meus fones de ouvido e avisto Castiel vindo em minha direção.

Ele beija meu rosto e se senta folgadamente ao meu lado, passando um braço pelo meu pescoço. 
- Nós temos alguns assuntos inacabados, baby... Foi muito frustrante ter que lidar sozinho com aquela ereção, depois de ter provado um pouquinho de você.
- Está livre na sexta?
- Uau, que direta! - Ladeia um sorriso.
- Hmm... Odeio joguinhos, rockstar. Se eu quero que você me foda até perder o fôlego, não vou ficar te enrolando. - Digo baixinho, colocando uma mecha de seus cabelos - que hoje estavam soltos: um tesão - atrás de sua orelha.
- Você não para de me surpreender, garota... - Ele beija meu pescoço, inspirando profundamente. - Amo seu perfume doce. Senti ele na minha camiseta o resto daquele dia, me fazendo lembrar o tempo todo dessa sua boca e do seu gosto...
- Acho que temos audiência. - Aperto sua coxa, chamando sua atenção. Um grupo de 7 garotas está muito próximo da gente, elas apontam e conversam entre si.
- Merda. Você já reparou que o universo tá tentando a todo custo interromper a gente?
- Hahaha, até o universo sabe que você é problema. - Me levanto. - Vou pra aula Cass, te vejo na sexta.

 

 

A semana passa voando e, quando vejo, já é sexta de novo. Não vou negar que estava ansiosa, hoje me encontro com Cass. Na verdade não tenho a mínima ideia do que vamos fazer, não nos vimos mais depois de segunda...

A tarde Alexy, Rosa e eu vamos dar uma volta no parque, aproveitando meu período livre. Tomávamos um sorvete, quando eu finalmente digo:
- Castiel e eu vamos sair hoje, ele me convidou segunda...
- E VOCÊ NOS CONTA ISSO AGORA? - Rosa grita pra todo o parque ouvir.
- Calma Rosalya, você quase me deixou surdo.
- Desculpa... Mas é tipo um encontro?
- Não faço a mínima ideia. Combinamos de nos ver hoje e só. Talvez ele só me leve pra sua casa pra gente fazer sexo selvagem a noite inteira. - Falo, provocando-a.
- Lynn, você é incrível, mas devia realmente procurar uns caras mais sérios pra ficar...
- Rosa, nós estamos no último ano da faculdade, a última coisa que queremos é seriedade. - Alexy me defende. Eu assinto.
- Ok, só tô falando o que eu penso... Vocês são livres pra foderem a população de toda a cidade se quiserem. Agora... preciso te contar uma coisa, sabe, antes de você sair com o Cass.
- Hm?
- Lysandre e Kate meio que não estão mais juntos. 
- O QUE? - Agora é a vez de Alexy gritar, enquanto eu fico paralisada.
- Leigh e eu fomos à fazenda ontem a noite e Lys nos contou... Aparentemente eles resolveram dar um tempo, sabe, pra pensarem melhor no futuro da relação, algo assim.
- Uau. - É só o que eu consigo falar. 

Um tempo depois, Rosa e Alexy vão embora e eu volto pro campus - hoje tenho aula até às 17h. 

Tento, em vão, me concentrar nas últimas aulas. Só consigo pensar no que Rosa me falou. Hoje vi Lysandre diversas vezes pelo campus e ele me ignorava completamente, isso é uma mensagem bem direta de que, apesar de não estar com Kate, talvez ele não queira me contatar. 

Na saída, nossos olhares se cruzam e, novamente, ele desvia e segue seu caminho depressa. Mensagem captada Lys...
- Sophie! - Cass vem em minha direção. - Pronta pra sair?
- O que? Agora? 
- Uhum...
- Mas eu... - Paro de falar quando ouço um barulho de música muito alto se aproximando. 
- O que... - Castiel se vira para o portão de entrada.

Uma limusine para na entrada, chamando a atenção de todos. Tem uma garota no teto com inúmeros balões coloridos. A música fica mais clara e consigo reconhecer "Welcome to the Jungle - Guns n' Roses"... não pode ser!
- SOPHIE LYNN! - Vejo Caroline saindo do carro com os balões e um megafone. UM MEGAFONE! Após ela, Finnick, Nate e Emma saem do carro e começam a vir em minha direção gritando feito loucos.

Os quatro tinham sido meus melhores companheiros durante as bebedeiras e loucuras da universidade. Estavam sempre dispostos a me animar a todo custo, junto com David, que tinha se dado muito bem com todos. O primeiro ano fora o mais difícil, mas eles tornaram tudo suportável.
- Você conhece essas pessoas? - Castiel parece perplexo.
- São meus amigos da universidade antiga... Especificamente, meus amigos de festas. - Digo, sorrindo.
- Com licença, precisamos da moça. - Finn diz, educadamente pra Castiel antes de me pegar nos ombros como se eu fosse um saco de batatas. - Você pode se juntar se quiser, amigo, é uma pequena comemoração de aniversário adiantada. 
- Vamos Cass? - falo, pendurada nas costas de Finnick. - Prometo que te trazemos de volta antes do seu toque de recolher e... AI, FINN -

Acabo de levar um tapa na bunda. Vejo uma faísca nos olhos de Castiel, que se estreitam (ciúmes, talvez?)
- Se decide ruivo, pegar ou largar. - Nate diz, enquanto pega minhas coisas do chão.
- Tudo bem, eu vou. 
Finn me coloca no chão e segue correndo para a limusine, com Nate em seu encalço. Não consigo parar de rir, estou muito feliz por terem vindo. Fico pra trás, esperando Cass.
- Ei, rockstar, acabamos de ter nossa foda interrompida de novo. - Começo a gargalhar.
- Espero que você valha a pena, ruiva. 
- Você não vai se arrepender. - dou uma piscadinha e pego sua mão, arrastando-o até a limusine.

Caroline me abraça forte e depois entramos todos. 
- E então? - Pergunto, curiosa.
- Alugamos uma pousada perto de um lago, com exclusividade e temos o lugar só pra gente até amanhã de manhã. Estoque ilimitado de bebidas.

 

Em duas horas de viagem Castiel se tornou o mais novo membro do nosso grupo, até parecia que conhecia todos há anos. 

Quando chegamos no local, fico maravilhada. É quase uma mansão, inteira de madeira, com um lago enorme no fundo. Parece ter sido tirada de uma revista ou algo assim. Descemos do carro e Castiel enlaça minha cintura enquanto andamos em direção à casa, Caroline e Emma me olham divertidamente e eu faço uma careta. 

Ao entrarmos, Nate liga o som no último e começa a distribuir as bebidas. Cass começa a dançar enquanto segura uma garrafa de uísque na mão e me chama para me juntar à ele. Logo, todos estamos dançando loucamente. 
Finn escolhe uma música lenta e Castiel me abraça por trás, com sua mão livre em minha cintura e o queixo apoiado em meu ombro, enquanto beija meu pescoço.
- O que exatamente você tinha planejado pra gente hoje? - Pergunto
- Humm... Ia te levar em um bar de Rock que gosto bastante.
- Sério? Como em um encontro?
- Claro, por que não? Você é uma ótima companhia. 
- Imaginei que você iria me levar direto pra sua casa, mais especificamente - sua cama.
- Hahaha, assim você me ofende, baby. Eu sou um gentleman... - Mordisca minha orelha.
- Claro... - Pressiono meu quadril contra ele e ele me aperta ainda mais pela cintura.
- HEY, VOCÊS DOIS, CORRAM AQUI, A PIZZA CHEGOU. - A voz de Nate nos interrompe.

Vamos até o fundo da casa, em uma área aberta com uma mesa redonda e nos sentamos pra comer. Durante a conversa, Emma me atualiza do que perdi: ela e Nate começaram a namorar há alguns meses. Nenhuma surpresa, qualquer pessoa enxergava que eles eram completamente apaixonados.

Depois de algumas horas a conversa ainda flui livremente, quando Finn tem a ideia de jogar "Eu Nunca".
- Ok, se você já fez, toma um shot. Se nunca fez, não toma nada. VALENDO.
- Cara, se eu beber mais vou vomitar. - Nate reclama.
- Cala a boca seu empata foda, todos vamos jogar. Emma, manda a primeira.
- Ok. Eu nunca beijei uma mulher. - Todos bebem. Emma e Carol haviam se beijado durante a semana de spring break, a universidade toda sabia disso.
- Ei, quando foi que a Lynn beijou uma mulher? Eu queria ter visto isso. - Finn diz, e Caroline dá uma cotovelada em suas costelas, me fazendo rir.
- Hmm, foi naquela balada gay que vocês se recusaram a ir. - Castiel me olha intrigado, parece estar se divertindo.
- Ok, eu vou. - Caroline se manifesta. - Eu nunca... fiz sexo em uma moto.

Só eu bebo, enquanto todos riem da minha expressão indignada. 
- Isso é injusto, vocês estão se uniram contra mim!
- Ei, você é a aniversariante! É claro que vamos nos juntar contra você. - Finn ri.
- Foi com o cara do clube de motoqueiros, não foi? Aquele com cara de serial killer. Porra, ele me dava medo. Mas conta pra gente Soph, o plot twist da transa.  - Emma ri descontroladamente.
- É Sophie, conta pra gente. - Castiel sorri.
- Foi um sexo incrível, se vocês querem saber, no meio do deserto e em cima de sua Harley Davidson. Pra minha alegria, o Colton tinha um piercing na língua que, vale ressaltar, fazia maravilhas la embaixo; mas esse não era o único piercing...
- NÃÃÃÃO! - Nate começa a rir e faz uma expressão de dor.
- Sim! Ele tinha um percing no pênis. - Castiel desata a rir, jogando a cabeça pra trás. - Apesar de estranho, era muito bom... Ele toca nos lugares certos lá dentro, sabem. 
- Deve doer pra caralho essa merda. - Finn diz, apavorado e as meninas riem.

Algumas revelações constrangedoras depois, decidimos ir nadar no lago. Pego um biquíni de uma das meninas emprestado, que não deixa quase nada pra imaginação. Os meninos colocam bermudas e Castiel fica só de cueca boxer. 

Nadamos e brincamos na água até as Carol e Emma, de propósito, levarem Finn e Nate pro quarto, me deixando sozinha com Castiel. Agradeço com um aceno discreto e elas fazem um sinal positivo com os polegares, sorrindo até os dentes.
- BOA TRANSA PRA VOCÊS! - Escutamos o grito de Finn e começamos a rir.
- Seus amigos são legais... - Castiel se aproxima.
- Uhum... Eles me ajudaram a não enlouquecer durante primeiros meses na universidade.

Rodeio meus braços em seu pescoço e o observo. Os cabelos molhados pra trás e seu rosto iluminado somente pelo luar o tornam ainda mais lindo.
- Finalmente baby, temos o resto da noite só pra gente. Se nossos planos forem interrompidos de novo, eu juro que mato o culpado. - Ele aperta minha bunda com as duas mãos, me pressionando contra seu membro duro. Seu corpo é quente, apesar da água fria, e me aquece com seu contato.

Em resposta, tomo sua boca com urgência enquanto o sinto estimulando meu clitoris por dentro do biquíni; com a outra mão, Cass tira a parte de cima, deixando meus mamilos duros expostos. Ele me ergue, fazendo com que eu enlace minhas pernas em suas costas, dando-o livre acesso para chupar meus seios. Ele os chupa com vontade e eu me agarro aos seus cabelos enquanto gemo seu nome.
- Você está deliciosa, Sophie... Mas quero chupar sua boceta com calma. Preciso de levar pra cama. - Eu assinto e saímos da água.

Nos enrolamos em toalhas e seguimos para o quarto. Castiel tranca a porta e fica completamente nu; eu faço o mesmo.
- Caralho... Você é muito gostosa...- ele fala com rouquidão enquanto seu olhar se demora em minhas pernas - Deita na cama, amor, com as pernas abertas pra mim.
 

Sorrio e faço o que ele pediu. Em questão de segundos, vejo seu rosto entre minhas pernas. Castiel começa a me lamber vorazmente, gemendo contra meu sexo. Enfia dois dedos, estimulando meu ponto G, e chupa meu clitoris ao mesmo tempo. Movo meus quadris instintivamente, querendo mais.
- Castiel... - Aperto seus cabelos e ele intensifiva ainda mais os movimentos - Eu vou gozar... Por favor!
- Goza na minha boca, baby, preciso te sentir.

Sinto a sensação se formando dentro de mim e tenho um orgasmo avassalador, gritando o nome de Castiel; o vejo sorrir enquanto fica em cima de mim para me beijar. O gosto do seu beijo se mistura com o gosto do meu sexo e isso me excita ainda mais.
- Agora eu vou te foder, Sophie. Do jeito que eu quero fazer há semanas... - Ele se enterra dentro de mim enquanto segura minhas mãos acima da minha cabeça. - Caralho... Você tá muito apertada, amor. - Sinto suas estocadas profundas e me contorço sob seu corpo. - Agora fica de 4 pra eu te comer... Quero gozar olhando pra essa sua bunda linda.

Com sua ajuda, me viro, sem tirá-lo de dentro de mim. Seu pau vai cada vez mais fundo, enquanto estimulo meu clitoris. Sinto meu interior se contrair a cada gemido grave que ele solta, apertando com força meu quadril e fazendo nossos corpos se chocarem com violência. Tenho certeza que no dia seguinte vou ter as marcas roxas de seus dedos em mim.
- Você tá me apertando, linda... Vai gozar de novo? Hm?
- S-sim...
- Então goza comigo, baby.

Depois de três estocadas longas, ouço sua respiração pesada e seu membro pulsando. Castiel crava suas unhas em meu quadril enquanto tenho outro orgasmo; sinto-o liberar todo o seu sêmen dentro de mim.

Me deito de lado na cama, tentando recuperar o fôlego e Castiel se senta, encostado na cabeceira, enquanto fuma um cigarro. Começo a rir.
- Você é uma daquelas pessoas que tem crise de riso depois do sexo? Eu sabia... Você é muito linda. Tinha que ter alguma coisa de errada. 
- Pelo menos eu não tô chorando... - Ele sorri e afasta alguns fios de cabelo grudados em meu rosto. - É que isso é muito Castiel... Fumar, relaxado na cama, imediatamente depois do sexo. É algo que eu te imaginava fazendo.
- Hmm... Ficava imaginando coisas que eu poderia fazer depois do sexo? 
- Você entendeu. - Me ajoelho em seu colo, o deixando entre minhas pernas; ele puxa meu queixo com os dedos, traga seu cigarro e solta lentamente a fumaça dentro da minha boca. Eu sei que acabamos de transar, mas esse gesto parece ainda mais íntimo do que o sexo que tivemos... Solto pelo nariz, enquanto Castiel me olha intensamente, explorando meu corpo com uma das mãos. 
- Você é perfeita, Sophie Lynn. - Sussurra, enquanto explora, com uma mão, meu pescoço e clavícula, descendo até meu mamilo. Com a outra, acaricia minha coxa. Apenas sorrio em resposta.

Pela primeira vez, fico sem jeito perto dele, porque consigo ver a sinceridade em suas palavras, em seus olhos.
 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...