História Fucked By Love - Capítulo 15


Escrita por:

Postado
Categorias 30 Seconds to Mars
Personagens Jared Leto, Personagens Originais, Shannon Leto, Tomo Milicevic
Visualizações 28
Palavras 1.189
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Festa, Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 15 - E Agora? (parte 2)


Heather chegou em casa, ainda sentindo a mente tumultuada demais de sentimentos conflituosos sobre Shannon.

Sim, ela sabia que talvez estivesse exagerando com tudo isso, apenas porque a sua melhor amiga, Jared e Constance tinham conhecimento sobre o que estava acontecendo entre os dois.

Mas para alguém que sempre teve medo de se entregar por completo e principalmente agora, depois de tudo o que aconteceu com Alec, era difícil não usar o fato de mais pessoas saberem, como uma maneira de autopreservação.

Ela queria muito não ser daquela maneira, porém era mais forte do que qualquer pontinha de coragem que existia dentro dela. E sabendo que sim, ela deveria e iria dar um fim ao seu acordo com Shannon, Heather soltou o suspiro mais frustrado que dera nos últimos tempos e se jogando no sofá.

Baby, que estava dormindo do outro lado do sofá, abriu os olhos e foi em direção a jovem. Enquanto a cachorrinha fazia festa por sua chegada, ela sorriu e começou a acariciar o pescoço dela.

— O que eu vou fazer agora, Baby? – Perguntou, olhando para a cachorrinha e se sentindo boba, por esperar que a cachorrinha tivesse a resposta que ela precisava. – Como se você pudesse arrumar a bagunça que eu fiz, não é? – Completou, colocando a cachorrinha no chão e seguindo para seu quarto.

Enquanto arrumava suas coisas para que pudesse tomar um banho, seu celular tocou. Por alguns segundos, ela pensou que poderia ser Shannon e quis não atender, porém ao olhar a tela do celular por alguns segundos, viu que era um número desconhecido que ligava.

— Alô?

— Olá, gostaria de falar com a senhorita Heather Wilson. – Uma mulher respondeu do outro lado da linha.

— Já está falando com ela. Quem é e o que deseja?

**

— Meu Deus, Hell! Para de andar dessa maneira, está me deixando tonta. – Clarice reclamou, observando a amiga andar em círculos pelo quarto, enquanto resmungava. – E com certeza não está deixando Skye feliz também. – Completou, quando a bebê começou a chorar em seu berço.

— Desculpa, Clarie. – Falou, finalmente parando de andar pelo quarto.

— Tudo bem. Agora você pode me explicar o que está acontecendo? – Pediu, enquanto tirava Skye do berço e aninhava com calma em seus braços. – O que aconteceu de tão sério, para você estar aqui a essa hora da manhã de um domingo, levando em consideração que é o único dia da semana que eu nunca consegui te tirar da cama, antes das três da tarde? É algo muito sério?

Por um instante, Heather deu um sorriso. Clarice a conhecia muito bem, melhor do que ela mesma se conhecia e por isso a jovem havia corrido para a casa da amiga assim que o dia amanheceu, já que não havia dormido nada na noite passada.

A ligação que ela havia recebido no início da noite passada conseguiu causar esse efeito nela, já que havia sido uma daquelas ligações. Aquelas que chegam para mudar o rumo de sua vida.

— Sim, mas ainda não aconteceu. – Explicou, tentando encontrar uma forma de contar aquilo para Clarice.

— Eu não estou entendendo, Hell. – Clarice falou com confusão, encarando a amiga em busca de uma resposta mais clara.

Dando um longo suspiro, Heather se sentou ao chão em frente a amiga e perguntou:

— Lembra quando saímos para almoçar, pouco tempo depois que você começou a trabalhar na produtora?

— Claro que me lembro! Fomos ao restaurante que seria o único lugar em que comeríamos, já que se tornou o nosso preferido e quando eu percebi que poderíamos ter uma linda amizade.

— E se lembra do que eu te contei aquele dia?

— Sobre sua família, sobre o cara com quem você estava saindo na época e porque você havia se mudado de Ohio para LA. – Clarice respondeu, ainda confusa com onde Heather queria chegar com aquela conversa. – O que isso tem a ver com o que está acontecendo ou ainda vai acontecer?

— Porque o motivo de eu ter me mudado para LA finalmente bateu a minha porta. Ou melhor, me ligou ontem à noite. – Começou a explicar e o entendimento surgiu no rosto de Clarice.

— Você está me dizendo que...

— A produtora que eu sempre quis trabalhar e eu pensei que nunca iria me ligar, acabou de me oferecer uma vaga como montadora. – Completou a fala da amiga, que sorriu e a abraçou de lado.

— Isso é incrível, Hell!! Meus parabéns! – Disse sorrindo. – Se você está com medo de aceitar e magoar Katie, eu tenho certeza de que ela irá aceitar, amiga.

— Não, eu quero aceitar, mas o problema não é isso.

— Então o que é?

— Eles me ofereceram essa vaga, mas não é aqui em Los Angeles. – Disse, sem coragem de encarar a amiga.

— Se não é aqui, é em New York?

— Não.

— Onde?

— Sidney. Eles acabaram de abrir uma sede lá e precisam de pessoal para trabalhar, então resolveram chamar todos que já tinham tentado uma vaga antes e conheciam o trabalho. – Contou, esperando pela reação de Clarice.

Ela não conseguia dizer uma palavra sequer, ainda estava tentando digerir aquela informação.

— Austrália? – Soltou por fim, enquanto colocava a bebê de volta ao berço e encarava Heather, que apenas assentiu. – Mas é tão longe da sua família, de mim, de Skye... oh, entendi.

— Entendeu o que?

— Você está pensando em aceitar, para fugir do que está sentindo por Shannon. – Concluiu, cruzando os braços e observando Heather arregalar os olhos.

— O que? – Praticamente gritou, logo tapando a boca e olhando na direção de Skye.

Quando teve certeza de que a bebê não havia acordado, tentou continuar a falar, mas foi interrompida por Clarice:

— Hell, por favor, não adianta mentir para mim. Você está apaixonada pelo meu cunhado, não é?

Ela conhecia Heather há quase três anos e sabia muito bem, quando a amiga queria fugir de algo que a tirava de sua zona de conforto. E daquela vez ela não poderia deixar que ela fugisse de alguém que talvez pudesse finalmente, lhe fazer bem completamente.

Heather deu um longo suspiro e abraçou a amiga, antes de começar a falar:

— Talvez seja melhor assim, Clarie. Seu cunhado é uma pessoa muito legal e merece alguém que se entregue totalmente para ele, que possa corresponder com a mesma intensidade os sentimentos dele.

— Você também merece, Heather! E eu tenho certeza que é com ele. – Falou, voltando a encarar a amiga, que tentava esconder as lagrimas que queriam deixar seus olhos, finalmente notando o que estava acontecendo. – Você não veio aqui para que eu te ajudasse a decidir, não é?

— Eu preciso dessa experiencia e desse tempo também, Clarie. – Sorriu de maneira triste, abraçando a amiga novamente.

— Quanto tempo?

— Dois anos no mínimo. – Respondeu e Clarice fez um pequeno “O” com a boca e começou a chorar, agarrada em Heather. – Não chora, amiga! Vou morrer de saudades de você e de Skye durante esse tempo, mas preciso fazer isso.

— Eu sei, Hell. Eu sei. – Clarice suspirou, limpando as lagrimas. – Você vai contar para ele, não vai?

Heather não disse nada, apenas assentiu e sorriu. Então as duas voltaram a conversar sobre assuntos menos dolorosos, para esquecer por algum tempo de que, em breve, se separariam.


Notas Finais


Música do capitulo: Keep It Simple - Tove Lo: https://www.youtube.com/watch?v=KVeZkfpVaRA


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...