História Fuego do Amor - Capítulo 30


Escrita por:

Postado
Categorias MasterChef Brasil
Personagens Ana Paula Padrão, Erick Jacquin, Henrique Fogaça, Paola Carosella
Tags Farosella, Fogasella
Visualizações 372
Palavras 1.797
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 30 - Estamos bem?


Ao ouvir a voz de Paola, Fogaça olhou para trás presenciando ela de braços cruzados e olhar sério. Ele queria ter contado para ela o que aconteceu com Rebecca naquele mesmo dia, mais cedo, mas Paola havia o dispensado.

Ana se retirou de fininho para ambos conversarem.

- Paola... eu ia te contar, mas você disse que estava com dor de cabeça.. — Ele se explicou.

Ela olhava para o chão e Fogaça via decepção na cara dela. Via tristeza. Fogaça se aproximou mas Paola se afastou.

- Podemos conversar? — Fogaça pediu.

Ela nada falou, apenas fez o gesto de sim com a cabeça e andando até seu camarim. Fogaça aproveitou e a seguiu. Ele olhou para o bumbum de Paola a sua frente que rebolava. E olhou para o corpo daquela mulher e pensou o quanto ela era linda e percebeu que nenhuma mulher que ele já havia ficado chega aos pés da Argentina.

Ao chegarem no camarim, Paola o abriu e deu passagem para Fogaça entrar, e assim ele fez.

- Pode falar. — Paola se sentou no sofá que havia ali e pegou seu celular olhando algumas mensagens.

- Você pode deixar pra ver seu celular outra hora?

- Estou respondendo o Jason. Ele volta hoje. — Ela disse ainda olhando para a tela do aparelho.

Fogaça ficou desconcertado com aquela notícia mas tentou não se abater. 

- Ele vai no jantar com você? — Fogaça perguntou levando uma mão na sua barba e se aproximando para sentar do lado dela.

- Provavelmente. Mas você vai me contar sobre Rebecca ou perguntar de Jason?

Fogaça revirou os olhos com aquela pergunta e bufou.

- Bem.. Sabe quando brigamos depois que sai da sua casa quando o fulano tava lá? — Paola assentiu olhando para ele. — Então, eu saí de lá muito puto e fui direto pra casa.. Mas quando eu cheguei lá, recebi mensagem do pessoal da banda falando que eles tavam se reunindo.. — Fumando né? Você tava drogado aquele dia, Fogaça? — Paola perguntou. — Não, aquele dia fiquei só no cigarro mesmo.. — Fogaça respondeu. — Dai fomos pra essa tal festa e lá reencontrei a Rebecca e ficamos. Foi só isso, Paola. Te juro. — Ele pegou o rosto de Paola para ela olhar nos seus olhos.

Paola viu nos olhos dele que não havia mentira ali. E sorriu por dentro. 

- Ok. — Disse ela retirando as mãos dele dali.

- Você acredita em mim? — Henrique perguntou aflito.

- Sim. — E então ele a abraçou. Um abraço forte que não havia malícia. Era como se Fogaça havia tirado um peso de suas costas. Odiava mentir para Carosella. Ela não se afastou nem impediu o abraço, apenas queria sentir Fogaça de uma maneira carinhosa. Paola deitou sua cabeça nos ombros de Henrique e então ele começou a acariciar os cabelos de Paola a fazendo fechar os olhos. Paola sorriu.

- Eu poderia ficar assim com você pro resto da vida. — Ela soltou sua voz num tom baixo.

- Paola, você é tão importante na minha vida. E sim, eu também ficaria assim abraçado com você pro resto da vida também. — Ele a olhou nos olhos. — Apesar de preferir fazer outra coisa com você. — O tom de voz dele mudou. A sua rouquidão estava presente e ele falou para provocá-la.

Paola gargalhou se desvinculando de Fogaça o fazendo rir com sua adorável gargalhada.

- Vou indo, Henrique. — Ela disse se levantando dali.

- Tudo bem.. Até mais tarde então. — Ele se despediu saindo do camarim primeiro.

Paola olhou para a região da porta. Como ela poderia sentir tanto ciúmes de Fogaça? Como ela odiava tanto qualquer aproximação dele com outra mulher? Ela sabia a resposta para essas perguntas: Porque ela o ama. O ama demais.

 

4 horas depois..

Na casa de Paola Carosella

 

Jason havia embarcado pelo que sei da ultima mensagem que recebi dele. Ele disse que não precisava de buscá-lo no aeroporto, me aliviei, pois estava cansada e queria descansar naquelas horas antes do jantar. Fran estava na casa de uma amiguinha da escola do mesmo prédio e iria buscá-la amanhã de manhã. Era apenas algumas horas sem minha pequena mas que já sentia falta daquele serzinho de luz.

Meu celular apitou. Era uma mensagem. E vi na tela que era Jason.

"Já estou em solo brasileiro e daqui a pouco junto com a mulher que amo."

Sorri de lado. E resolvi responder.

"Saudades, te amo.

Eu amo Jason. É de uma forma diferente do que o amor que sinto por Henrique mas é amor. E vi que o tatuado estava online no aplicativo e resolvi mandar uma mensagem para ele. Não sabia se era boa ideia mas mesmo assim o fiz.

"Ansioso pro jantar?"

A resposta veio quase que na mesma hora. Parecia que Henrique só ficava online naquele aplicativo para conversar comigo. Era isso que parecia.

"Ansioso para ver você."

"Henrique... sabemos que vai estar Carine e Jason lá. E agora sua mais nova admiradora, Rebecca."

"Mas eu só quero uma. E ela não foi citada na sua mensagem."

Sorri.

"E quem seria?"

Vi que o gravando áudio apareceu abaixo de seu nome. E então quando eu recebi seu áudio, coloquei para reproduzir.

Ah porra, cê conhece ela. Ela num é brasileira e... "Fogaça vem cá me ajudar a escolher com qual vestido eu vou, amor." E o áudio havia acabado.

Era a voz de Carine. 

Então resolvi respondê-lo também em audio.

"Ah, essa tal mulher me parece brasileira.. é ela que interrompeu nosso áudio né? 

Ele digitou e eu havia imaginado o quanto ele estava nervoso.

"Não é ela.. hoje a noite irei te mostrar quem é.."

"Fogaça... se comporte."

"Irei tentar"

A minha campainha tocou e fui atender pois hoje a Maria não viria já que Fran não esta. Deixei o celular no canto da cama e fui. Provavelmente era Jason. Olhei no olho biônico e acertei. Abri. Ele sorriu ao me ver e eu retribui o sorriso o abraçando em seguida.

- Oi my love. — Disse ele.

- Oi. Você volta ainda hoje? — Paola perguntou.

- Sim. Tenho um trabalho importante na Espanha amanhã.

- Vem, sente-se. Quer alguma coisa? — Ela perguntou o levando para ajeitar as malas.

- Quero você. — Disse ele a abraçando por trás. Paola se surpreendeu e não sabia qual desculpa mais dar para o homem. Ela se sentia suja por trair um homem tão generoso e bom.

- Vá tomar um banho. E hoje temos um jantar para ir. — Paola disse se desvinculando dos braços do homem.

- Tudo bem. — Ele disse dando um selinho na mulher.

 

Na casa de Henrique Fogaça..

 

Passaram-se algumas horas, e Henrique e Carine já começaram a arrumar. João achava esses jantares de adultos chatos e preferia ficar jogando video game.

Carine vestia um vestido acima dos joelhos na cor branca um pouco decotado na parte da frente. 

- Ta decotado demais, Carine. — Fogaça disse.

- Ta com ciúmes amor? — Ela o olhou mordendo os lábios encarando Henrique para o beijar em seguida.

- Não é isso, apenas acho que não é uma situação adequada pra usar decote. — Fogaça disse perto dos lábios de Carine depois que haviam se beijado. 

- Deixa de ser bobo. — Ela disse indo para o banheiro fazer sua tatuagem.

Henrique usava uma roupa social e sapatos. Estava charmoso com aquela roupa.

- Ta bonitão hein pai? — João apareceu de repente sentando na cama do quarto de Fogaça.

- Valeu filho. — Fogaça respondeu com um sorriso no rosto bagunçando o cabelo do menino o fazendo rir.

Carine voltou e João se segurou para não rir da mulher. Ele não achava o vestido dela bonito.

- Num acha que esse vestido ta justo demais em você, Carine? — João se deitou na cama a olhando com desprezo.

- E o que você sabe de roupa de mulher, João? — Carine perguntou.

João riu e Fogaça preferiu sair para terminar de se arrumar. Ele sabia que aqueles dois nunca iriam se dar bem depois de todas as tentativas.

- Que eu saiba, esse vestido fica bom em mulher magra. — João ria. — E você não é magra, senhorita Peppa.

- Do que você me chamou? — Ela disse enfurecida.

- Peppaaaaa! — João saiu dali correndo e morrendo de rir do apelido que os fãs da Paola deram para a mulher.

Carine terminou de se arrumar e gritou Henrique para irem logo para em seguida saírem dali de carro.

 

Henrique Fogaça

 

Acompanhava a ida até a casa de Rebecca pelo GPS do meu celular pois nunca havia ido para lá. Já estava-mos na metade do caminho segundo o aplicativo.

- De onde você conhece essa Rebecca? — Carine perguntou. 

- Ela divulgava a marca Podepa e acabou ficando amiga do pessoal da banda. — Respondeu direto.

- Hm.. ela é bonita? 

Tossi na hora. Será que Carine estava desconfiada de alguma coisa?

- Que merda de pergunta é essa, Carine? — Fogaça perguntou irritado. A mulher disse olhando as unhas. — Nada, só quero saber, ué.

- Lá você vai ver... — Fogaça respondeu.

- Eu perguntei se você acha.. 

- Sim, ela é bonita. Que chatisse, porra! — Fogaça respondeu estacionando o carro pois havia chegado.

- Não precisa se irritar, amor. Foi só uma pergunta.. — Ela disse acariciando os braços do homem.

- Ás vezes você me irrita, Carine. Me irrita.

Descemos do carro e fomos tocar a campainha. Vi que a casa de Rebecca era bem bonita. Tinha uma varanda com plantas bem cuidadas, a casa era com certeza feita por um arquiteto. Baixa, branca com cinza e janelas de vidro. Um casão. Vi que já havia uma movimentação no local e o portão se abriu. Era Rebecca.

- E ai? — Fogaça foi dando dois beijos em seu rosto a cumprimentando. — Essa é a minha namorada, Carine.

- Prazer Carine. Que linda! — Rebecca disse na ironia no qual não foi percebido pela loira. Fogaça suspirou aliviado.

- Ah obrigada. — Carine respondeu. — Ela é linda, amor. — Carine olhou para Fogaça e ele ficou sem jeito com aquilo e apenas sorriu.

Rebecca ria sem entender.

- Fiquem a vontade. — Podem se sentar. — Ela apontou para a sala em que havia alguns petiscos para antes do jantar.

- Fogacitooooo! — Ana Paula saiu da cozinha abrindo os braços para abraçar o amigo.

- Aninha! — Fogaça a abraçou. Carine observava a cena dos amigos.

- Oi Carine, tudo bem? — Ana Paula perguntou a loira.

- Tudo e você? 

- Tudo ótimo. 

Ana sorriu.

- Paola vem, Fogaça? — Ana perguntou sem pensar se arrependendo. 

Carine olhou para mim com fúria em seus olhos. Eu olhei para Ana a repreendendo e ela logo entendeu.

- Acho que vem. — Fogaça disfarçou pegando uma bebida que estava na mesinha e encheu sua taça.

- Ela vem mesmo. — Ana respondeu olhando para Paola que estava radiante e Jason ao seu lado.


Notas Finais


Curiosos, eu sei que vocês estão curiosos sobre esse jantar, rsrsrsrrs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...