História Fugitiva! ( Zabdiel de Jesus) - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias CNCO
Personagens Christopher Vélez, Erick Brian Colón, Joel Pimentel, Personagens Originais, Richard Camacho, Zabdiel De Jesús
Tags Amor, Bandidos, Confusão, Martina, Quadrilha, Zabdiel
Visualizações 16
Palavras 1.818
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Violência
Avisos: Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Sério eu tô mal... Mas qui estou!

Capítulo 9 - Ninguém nunca vai tocar em você...


Fanfic / Fanfiction Fugitiva! ( Zabdiel de Jesus) - Capítulo 9 - Ninguém nunca vai tocar em você...


Eu contei toda a história para Paula... Ela sorriu horrores, e disse que as vezes sentia saudades das loucuras do primo.


- Eu e ele já fomos bem próximos, mas ele mudou derrepente. Falou meio desapontada


- E o que aconteceu? Se quiser fala sou toda ouvidos. Falei


- Acredite, eu também não sei... Um certo dia ele chegou em mim e falou que tinha um emprego e que talvez não poderia mais ser quem era antes. Eu perguntei que emprego maluco era esse e ele só disse que ia ter que viajar pra vários lugares. Falou meio cabisbaixa


- Poxa, sinto muito. Falei.- Eu perguntei sobre o trabalho dele uma vez, mas ele nem comentou muito.



- É... Ele ficou muito diferente. Já não atendia minha ligações, nunca estava em casa e se tornou muito vingativo.


- Eu... Briguei com ele hoje!. Falei meio sem jeito


- Como assim? Já estão brigando?. Falou segurando um riso


- Meio que a culpa foi minha, eu Estraguei nossa noite de ontem. Dei de ombros


- Passaram a noite juntos? AAAAAAAAAAAA. gritou estérica


- Xiu. Sorri.- também não precisa tanto alvoroço. Falei corada


- Eu shippo, só não quero que ninguém sai machucado. Aliás eu nunca vi Zabdiel se relacionar com ninguém.


- Mas só é pegação, não tem nada sério. Nem quero que tenha


- Ué você não gosta dele?. Falou  estranhando


- Bom... Ele é legal,bonito, cheiroso e irritante, mas não dá. Eu não posso me relacionar agora. Acho que não tô preparada. E eu creio que ele também não seja de querer relacionamento sério.



- Talvez você possa o mudar. Deu de ombros


- não sei... Mudei de assunto.- vamo tomar um sorvete?. Falei levantando


- Tudo bem. Se levantou e fomos.


...



A Paula veio me deixar em casa depois do sorvete... Eu confesso que ainda estou meio extasiada em saber que ela era prima do Zabdiel, é muita coincidência! Mas tudo bem talvez isso seja bom.


   Já era tardinha e eu precisava me preparar para meu primeiro dia no emprego novo. Estava meio nervosa, afinal eu tô correndo risco. Mas é meu grande sonho, não posso deixar essa chance passar bem diante dos meus olhos.


   Tomei um banho e me vesti... Uma vestido longo de alças e que valorizava a cintura. Deixei meus cabelos soltos( cabelo curto não tem muito o que fazer) e fiz uma maquiagem básica e calçei uma rasteira.


   Comi algo qualquer que havia na geladeira e chamei o uber.



Em menos de 20 minutos estava lá.


- Boa noite Tina!. Falou o Rapaz da recepção


- Há, Boa noite. Olhei seu crachá.- William!. Sorri


- O chefe pediu pra eu te entregar isso aqui. Me deu alguns papéis.- E isso aqui. Deu meu crachá


- O que são esses papéis?. Falei


- São as músicas que o público escolheu pra hoje, como você chegou cedo. Pode ir dando uma aquecida e ensaiar um pouco 


- An, Ok. Falei analisando os papéis.



Tinha várias músicas boas que eu conhecia ali ( por Deus) 


- Mas uma coisa Tina. Se você não souber alguma música, leva pra casa pra ensaiar e em outro dia você cantar.


- Menos mal. Rimos. - agora eu vou indo pra ensaiar. Disse



- Ok.


Fui até a sala de ensaios e fiquei boba ao ver tantos instrumentos musicais. Tinha: Piano,violão, Baixo, Bateria, guitarra entre outros.


   Eu olhei alguns mais de perto e depois vi o aparelho de som... Tinha um microfone já preparado e os CDs com identificação das músicas que eu iria cantar hoje. Tô me sentindo muito importante ( risos)

   Bom... Coloquei a primeira música da noite que era " Devulve me corazón ( Sebastian Yatra)"  fui ensaiando,pegando tom e revisando a letra. Depois fui fazendo isso com quantas consegui, antes da hora de ir para o palco.


- Tina!. Disse o Porteiro novamente.- Está na hora de entrar.


-  An, eu só vou recolher as letras das músicas e já vou. Falei fazendo o que disse.



- Vou te esperar. Falou William



Eu recolhi tudo e fui acompanhada de William até a porta para o palco. Ele era muito gentil, por mais funcionários assim no mundo. Me desejou sorte e saiu.

  Eu dei umas espiadinhas pra ver quanta gente tinha nesse restaurante. E tinha bastante!

    Respirei e tomei um pouco de água... Até que ouvi meu nome sendo chamado e a plateia inteira batendo palmas, novamente veio aquela sensação de estar no lugar certo!


- Boa noite a todo. Disse no microfone. - Espero que gostem das música de hoje, pois eu gostei muito. Falei sorrindo e ouvi o toque da primeira música começar.



...



FOI INCRÍVEL!!!, Eu realmente me senti em um show com milhares de pessoas. Eles cantaram comigo, tinha luzes coloridas e alguns idiotas até jogaram umas piadinhas. Mas foi a melhor sensação que já senti em minha vida! Em todo tempo que passei na faculdade me sentia perdida e inútil ali, mas aqui... Aqui eu me sinto no céu!


   Enquanto recolhia minha coisas, William veio até mim sorridente e me entregou algumas folhas.


- Aqui, suas músicas pra amanhã. Você pode ensaiar com mais calma. Falou amável


- Obrigada William!. Falei sorrindo


- Aliás, parabéns pelo show... Durante todo o tempo em que trabalho aqui nuca vi a plateia ficar de pé pra alguém.



- An, eu só faço o que amo... E tento me esforçar!


- Está indo pelo caminho certo!. Disse.- Agora preciso ir, precisa de mais alguma coisa? Posso chamar um táxi pra você.


- Se não for incômodo. Dei do ombros


- Claro que não, vamos?. Falou 


- Vamos. 


Ele chamou o táxi e eu o agradeci com um abraço ( isso é estranho pois eu não costumo abraçar) Só que hoje eu estava feliz então, vale tudo.


   Entrei e me acomodei no banco, olhei as ruas pela janela e senti um olhar em mim que me deixou desconfortável.


- Boa noite Moça!. Falou o cara que estava dirigindo


- An, Boa. Disse nervosa



Ele estava indo muito devagar e entrou em uma rua escura e que não era na direção da minha casa.


- Desculpa, mas esse não foi o endereço que lhe entreguei


- Eu sei... É que eu quero ter mais tempo com você. Tentou se aproximar



Era um velho nojento... Cheio de pelos e que tinha idade pra ser meu avô. Um desespero total me cercou... por favor Deus, não me deixa ser abusada.



- Se afasta de mim por favor!. Falei com a voz tremula 



- Você é uma gracinha... Falou rindo


- Se você não se afastar eu vou gritar. Ameacei


Ele deu uma risada e se aproximou mais...



- Tente!, Duvido alguém ouvir. Me agarrou



Aquela rua era totalmente deserta e escura... Entrei em pânico ao sentir aquele velho me tocando.


- SOCORRO! ALGUÉM ME AJUDA. gritei me debatendo 



- Xiu... Cala a boca princesa ou você vai levar um tapa. Ele disse



- SOCORRO!. Gritei já chorando



Ninguém aparecia e eu estava desesperada... Aquele velho estava me machucando.


- Tira a roupa. Ele falou autoritario.


- Nunca!. Enfrentei e senti meu lado direito do rosto queimando, ele tinha me dado um tapa.


- Tira a porra da Roupa agora. Falou mais bravo.


Eu gritei mais uma vez... E dessa vez, para minha surpresa uma luz foi acendida bem em frente onde estávamos, era uma casa( mansão) muito grande e bonita.

   E uma voz ecoou...



- Deixa ela em paz seu verme!. Falou firme


- Não, se meta!. Falou o velho



Em dois tempos vi uma bala ser atirada e acerta bem na cabeça do velho que caiu... Fiquei paralisada com tal ato e meu desespero só aumentou.

Estava sozinha na rua as 01:00 da manhã e enfrente da casa de um possível assassino.


   Mas me surpreende ao ver quem era o senhor das trevas...



- Zabdiel!?. Falei entre lágrimas


Ele não disse nada, apenas me abraçou...


- Tá tudo bem agora!.  Falou passando as mãos em meu cabelo.


- O quê aconteceu aqui?. Falei assustada



- Vem... Vamos pra dentro. Me puxou



Eu não recuei... Estava ainda assustada e precisava de uma explicação. Nós entramos naquela casa enorme e eu fiquei maravilhada com a delicadeza da decoração daquele lugar. Será que tudo isso é do Zabdiel?



- Vou preparar uma água com açúcar pra você, deve estar nervosa. Adivinhou


Eu fiquei em silêncio... Não sabia o que  falar. Que tiro foi aquele? Como o Zabdiel apareceu do nada? E por que estávamos naquela casa?. Sentei-me no sofá enorme e deixei as lágrimas caírem.



- Aqui está!. Me entregou


Eu tomei a água é continuei em silêncio. Zabdiel estava em pé olhando a janela que tinha vista pra rua, o corpo do Velho estava lá ainda. Ele pegou uma lanterna, apagou a luz e saiu...


Corri pra janela pra ver o que ele iria fazer. Ele estava retirando o corpo de lá e entrou no matagal que tinha bem em frente. Fiquei assustada, será que ele que matou o homem?


...


Estava deitada no sofá,morrendo de frio e medo. Já fazia mais ou menos uma hora e meia que ele tinha saído. Ouvi o barulho da maçaneta da porta e ele apareceu. Olhei pra janela e nem o carro nem o corpo estavam lá.


- Desculpe a Demora. Falou sentando ao meu lado


- An, Zabdiel... O que foi aquilo?. 


- Eu te salvei daquele velho escroto. Falou colocando um pouco de tequila no copo.


- Vo,vo,você matou aquele homem?. Gaguejei


Ele deu um gole na bebida e me abraçou do nada. Eu assustada não retribui o abraço.


- Você não deve sair essa hora do trabalho!. Falou me olhando


- Mas eu preciso sair essa hora, é a hora que o restaurante fecha. Falei


- Ok... Então eu vou te buscar todos os dias. Falou, dando mais um gole



- Estou com medo!. Disse me encolhendo



Ele se aproximou de mim e falou no meu ouvido.


- Medo de mim?, Desculpa não queria que você visse aqui-lo. Sussurrou


Meu corpo todo arrepiou, Será que ele já esqueceu que brigamos hoje de manhã? Mas se tiver esquecido eu não vou achar Ruin.

  Ele foi se aproximando de mim e me beijou lentamente... Eu queria corre de medo, mas também queria ficar perto dele.

    Afinal, ele mata pessoas! Mas pensando por outro lado, estarei protegida aqui

   O beijo dele era super calmo e molhado, sem pressão. Eu gostava disse, do mesmo jeito que ele era irritante e imaturo, ele é misterioso e sedutor. Isso estava me deixando Maluca.

   Ele me fez deitar por cima dele, naquele sofá sem parar o beijo. Mas eu parei, por que não queria que acontecesse mais que isso. Apoiei minha cabeça no peito dele, que em nenhum momento disse uma palavra se quer. E fechei os olhos... Quando estava quase dormindo senti seu cafuné no meu cabelo.


- Obrigado, por me salvar!. Falei baixo pelo sono


- Ninguém nunca vai tocar em você, contra sua vontade enquanto eu estiver na terra. Falou



Naquele momento eu não precisava mais de nada, foi minha deixa pra me aconchegar naquele peito e dormi...





Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...