1. Spirit Fanfics >
  2. Full House - House of M >
  3. O médico e o namorado da Luna

História Full House - House of M - Capítulo 4


Escrita por:


Capítulo 4 - O médico e o namorado da Luna


Fanfic / Fanfiction Full House - House of M - Capítulo 4 - O médico e o namorado da Luna

POV - Luna 

Chega uma hora que a gente precisa urgentemente de algo que nos faça esquecer os problemas. Não que essa fosse a minha intenção nada disso. 

Eu sei que já se passaram duas semanas desde que entrei para a escola nova com meus primos esquisitos, que agora até que estavam mais conformados e não arranjavam tanta confusão como a princípio. Nessas duas semanas, comecei a trocar mensagens com a minha mãe via WhatsApp, coisa que a gente não fazia, já que eu estava com raiva por ela e o pai estarem prestes a se divorciar. Foi numa dessas que ela me disse algo parecido com.

" O amor é uma loteria, Luna. Não pega todo mundo. " Frase essa que não fez sentido nenhum pra mim por um tempo até... Até eu entrar no ginásio do primeiro ano por acidente e conhecer o Zack. 

Na verdade foi tudo muito rápido. Eu estava noiando no meio da quadra, afinal nunca havia visto algo tão legal quanto o primeiro ano, daí uma das meninas atirou uma bola de canhão em minha direção e eu tive certeza de que iria morrer com aquela bolada - ou pelo menos perder boa parte dos dentes - mas então ele apareceu. Como se fosse um anjo, sabe? Daqueles filmes bem clichês e segurou a bola bem a tempo, antes que a mesma me acertasse. Cá entre nós, eu não sou muito a favor de educação física.

- Você tá legal? - Esse era aquele momento icônico dos filmes em que se fica paralisada encarando o Crush feito uma pateta. - Ei, garota!

- O-oi! Tô sim. - Mano, ele era um típico alemão de olhos claros e cachos loiros e mesmo tendo lá minhas implicâncias com os Alemães, mano... Que garoto lindo!

- Que bom. Você parece meio perdida. É seu primeiro dia no ginásio?

Sim e não. Mas o que era uma mentirinha perto da chance de ficar mais alguns segundos com ele, não? Talvez eu perdesse uma aula ou duas, mas e daí? Não é como se ele fosse me chamar pra sair.

- Então ele te chamou pra sair? - Minha tia interrompeu a narração e eu concordei. Okay, as coisas talvez tenham saído um pouquinho do controle depois de eu ter dito qie aquele era meu primeiro ano no ginásio, emboea ainda faltasse um pouquinho para isso acontecer. - Não te passou pela cabeça que contar a verdade sobre não estar no primeiro ano fosse bem melhor?

- Você entenderia se visse os olhos dele. - Lorna revirou os olhos para o que eu disse e eu apenas me joguei na cama sorridente. - Agora eu preciso fazer alguma coisa, ele quer sair comigo hoje a noite.

- Isso tem todos os ingredientes para dar errado. - Ela suspirou. - Mas vou te ajudar.

POV - Billy

Chega uma hora na nossa vida em que a escola é a única coisa que nos separa da plena felicidade. E por esse motivo, eu e Tommy bolamos um plano para faltar hoje.

- E isso vai funcionar? 

- A tia Lorna disse que sim, agora fica quieto. - Disse enquanto passava o secador de cabelo no rosto do meu irmão a fim de que a gente ficasse quente o suficiente para a mamãe pensar que estávamos doentes. - Ela tá vindo! 

Corri para a cama e me cobri até a cabeça, enquanto minha mãe entrava no quarto desconfiada.

- Pensei que já estivessem de pé. - Reclamou ela e eu forcei uma tosse, né só pra incrementar na atuação. - Ah, não me digam que ficaram doentes logo agora?

- Foi culpa do Billy, mamãe ele deixou a janela aberta. - Mas também não precisava de o miserável colocar a culpa em mim.

Ela se sentou ao lado do mesmo e colocou a mão na testa dele e pela expressão, meu plano havia funcionado. Já podemos riscar a escola da lista de afazeres de hoje?

POV - Wanda

Se eles acham mesmo que podem me enganar com esse truque, estão muito enganados. Qual é, eu mesma fazia isso quando não queria ir pra escola. Okay, talvez eu não devesse dizer isso, mas é a verdade mesmo... Mas se eles querem jogar assim...

- Certo, eu acho melhor levar vocês ao médico. - Os dois se entreolharam com os olhos arregalados. Ponto pra mim. Eles não contavam com a minha astúcia. Me levantei, disfarçando ao máximo a vontade de rir. - Se arrumem, eu volto logo.

- Mãe, espera aí! - Fechei a porta antes que protestassem, mas não antes de pegar o secador de cabelo, porque eu não era nenhuma trouxa né?!

Desci para a sala e joguei o secador em cima da retardada da minha irmã, que protestou, mas não disse mais nada. Ela parecia concentrada demais assistindo o clube das Winx e isso sim, talvez fosse um avanço. Me joguei ao lado dela, esperando os meninos.

- E aí, como estão os meus sobrinhos do coração?

- Deixe de se fazer de sonsa, eu sei que ajudou eles a armarem pra faltar aula.

- E daí, quem nunca fez isso? - Reclamou.

Quem nunca né? Na verdade eu me lembro vagamente de ter feito o Pietro fingir que estava doente para não ir para a escola, por motivos de que eu não havia feito o dever de casa e a mamãe e o papai não me deixariam atravessar a cidade sozinha para ir para escola. Chamo isso de estratégia.

Mas voltando à narrativa, talvez fosse exagero jogar sujo com os meninos fingindo realmente acreditar que eles estavam doentes e levá-los ao médico. Na verdade o plano era fazê-los me contar a verdade.

POV - Luna

Me aproveitando do fato de que ninguém exceto eu e a tia Lorna estávamos em casa, já que o vovô estava no clube, a Tia Wanda levou os meninos ao médico e o meu pai sumiu, ficaria fácil a parte de sair sem que ninguém notasse para encontrar com o Zack.

Se era cedo demais para isso? Definitivamente não e talvez fosse mesmo bom eu me distrair com algo e esquecer que tudo estava uma zona na minha vida e tudo o que precisava fazer, segundo a tia Lorna era chegar antes das quatro e nada pareceria suspeito.

- Oi, Luna! - E lá estava ele, na moral eu passaria uma eternidade apenas olhando para ele se não sentisse sono e fome às vezes. Havíamos marcado de nos encontramos na escola já que eu não conhecia muito a cidade e mais alguns colegas do primeiro ano iriam com a gente, o que talvez fosse bom... 

Zack me apresentou a galera, que atravessaria a cidade com a gente e depois seguiria para outro lado. Aquilo me deixou um pouco nervosa, mas não disse muita coisa. Na verdade estava sendo demais passar um tempo fora de cass, com gente da minha idade, bem gente um pouquinho mais velha, mas enfim... E a cidade era realmente muito linda, deu pra tirar várias selfies das quais duas eu enviei para a mamãe e claro que não diria onde estava ou ela ia surtar. E sobre surtar...

Cassete já são quase três e meia!

- Luna, eu adoraria de verdade passar mais tempo com você. - E cassete, o Zack é muito lindo e, legal e gentil e... Muitas outras coisas. - A gente pode se ver outro dia?

- Eu não sei. Mas vou fazer o possível. - Sorri. Na boa, eu estava nas nuvens...

POV - Tommy

Eu avisei desde o começo que isso não daria certo e agora? Agora estamos nós no consultório do tal médico e a única coisa em que eu conseguia prestar atenção era na agulha enorme que havia na prateleira. Já a mamãe parecia bem plena, observando enquanto o médico examinava a garganta do meu irmão.

- Não sente arranhar nem nada? - Idagou e Billy negou com a cabeça. O médico olhou para a minha mãe. - Bom, aparentemente eles não têm nada, mas vou ter que pedir um exame de sangue para ter certeza.

- E-Exame de sangue? - Eu olhei de novo para a agulha e depois para a minha mãe, que não se moveu. Por que de repente me deu a impressão de que ela é quem estava jogando sujo por alí? - Mas é só uma gripezinha.

- Errado, a gente não sabe o que é. - Corrigiu-me o médico, pegando a agulha. É tarde demais para querer voltar para a escola?

- Olha, acho que já me sinto melhor. - Billy se escondeu atrás da mamãe e eu fiz o mesmo.

- Deixem disso, meninos é só uma agulha! 

A mamãe respirou fundo e sorriu dizendo.

- Quer saber doutor? Deixa pra outro dia. 

- A senhorita tem certeza, isso pode ser algo perigoso.

- Pode ter certeza de que não é e se for, eu os trarei de volta. 

Eu acho que nunca me senti tão vivo quanto quando ele guardou aquela coisa e se despediu da gente. Seguimos a mamãe em silêncio até o estacionamento e nos entreolhamos, tentando descobrir quem seria o primeiro a entregar o esquema.

- Mãe? - Billy começou, enquanto ela procurava a chave do carro, ela parou e nos olhou. - Eu e o Tommy não estamos doentes.

- Eu sei. - Ela riu. Não acredito que ela sabia de tudo o tempo todo!!! - Eu entendo que não queiram ir para a escola, mas vocês exageraram um pouquinho não?

- Você desculpa a gente? - Perguntei.

- É claro que sim. Mas estão de castigo.

POV - Wanda

Mas é claro que eu não perderia a chance de dizer isso...


Notas Finais


Volteiiiiiii genteeeew ♥️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...