História Futuro de vidro - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Super Junior
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Kim Namjoon (RM), Lee Donghae, Lee Hyukjae "Eunhyuk", Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Abo, Bangtan Boys, Jikook, Mpreg, Romance
Visualizações 13
Palavras 3.878
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Mds, eu terminei o cap XXVI agora e, sério, tô emocionads~~~
Maaasss espero que gostem deste, deu um trabalho horroroso escrever.
Boa leitura e qualquer coisa é só dizer :D

Capítulo 8 - Cap.VIII


Jeongguk acordou ensopado de suor e completamente quente. Abriu os olhos ainda azuis com alguma dificuldade e se remexeu desconfortável, sentindo, em seguida, uma respiração suave lhe acariciar os cabelos escuros. E foi aí que percebeu onde estava: no quarto, ou melhor, na cama de Jimin e de frente para ele. A compreensão desse fato o encheu de vergonha e o pequeno ômega tentou levantar, porém seu corpo estava estranho, pois o simples contato com a pele de Jimin e o cheiro suave de sabonete que desprendia dele o causava arrepios gostosos.

 

- Não sei se tem consciência, mas seu cheiro é maravilhoso. - A voz do alfa tão próxima a si enviou centenas de descargas elétricas ao seu baixo ventre. - Seu corpo está ok? Sente algum desconforto?

 

O menor, então, se encostou ao mais alto esfregando o rosto pelo peito largo dele, os feromônios agitando-se com o ato. Gostava de tê-lo próximo a si.

 

- Me sinto meio esquisito. - Inspirou com calma, apreciando o cheiro do alfa.

 

- Hum... - Os braços do maior lhe envolveram e Jeongguk arfou quando um selar foi plantado em seu pescoço. - Você está em período fértil, delícia, é normal se sentir estranho, você não sabe lidar com esse tipo de coisa ainda.

 

- Eu... - Fitou os olhos azulados do maior, que lhe sorriu acariciando seu rosto, fazendo aquele mesmo sentimento de conforto e paz florescer dentro de si. Porém tinha algo que lhe incomodava bastante naquela situação toda. - ...não tomei banho ainda. - Murmurou em um sussurro e o alfa riu, sentando junto consigo na cama.

 

- Na verdade, tomou sim. - Informou vendo a surpresa presente no rosto do menor. - Você acordou, tomou banho comigo e... comeu. - O ômega corou ao que o ouviu, então supôs que ele havia lembrado de alguma coisa, mas teve certeza quando ele levantou apressado enrolando um dos lençóis no próprio corpo e saiu correndo em direção ao banheiro. Fitou a porta fechada do local onde o moreno estava, logo ouvindo o som do chuveiro ligado e jogou-se de volta na cama, o cheiro do outro presente nos lençóis o deixando tremendamente confortável e talvez um pouco mais que isso. Se lhe dissessem antes que aquele tipo de coisa estaria acontecendo consigo, com certeza torceria muito para que fosse verdade, mesmo que achasse ser impossível.

 

Fechou os olhos e por alguns instantes ficou apenas lembrando dos últimos acontecimentos, mas o som do chuveiro sendo desligado seguido da trava da porta do banheiro sendo destrancada o despertaram de seus pensamentos.

 

- Eu usei seu shampoo.

 

O maior sentou-se de volta na cama ao que o cheiro do menor preenchia seu olfato com força, porém não era apenas isso que lhe chamava atenção nele. Havia tantos elementos distintos para observar que... Nossa... As bochechas coradas, os cabelos negros umidos escorrendo na pela clara marcada por si, e a boca rosada presa entre os dentes branquinhos eram sua perdição completa.

 

- Tudo bem. - Ergueu o corpo de uma vez e caminhou até o menor, usando de todo autocontrole para não ser rude e assustá-lo. Sabia que aquele era o primeiro período que ele passava com um alfa, então precisava ser cuidadoso. Fitou a boca levemente avermelhada do outro e a tocou com a ponta dos dedos sem pressa, apenas sentindo a textura. Era fascinado por aquela área do corpo dele, por isso sempre que a olhava logo vinha a vontade de tomá-la para si e Jeongguk pareceu ler seus pensamentos.

 

- Me beija.

 

 O pedido baixinho lhe roubou os sentidos e Jimin sorriu antes de beijar sem cautela alguma o ômega, o ouvindo gemer em resposta, preenchendo o ar com seu aroma doce, incitando-o.

Apertou com força as coxas grossas, retirando o roupão felpudo que o cobria de si. Queria sentir o corpo do moreno no seu sem nada no caminho, então afundou os dedos na cintura delicada e empurrou o corpo menor na parede próxima à entrada do banheiro. Podia sentir as unhas curtinhas do ômega passearem pelos seus braços descobertos e a sensação que o tomava era maravilhosa, impulsionava-o a tocá-lo com mais afinco. Separou os lábios do outro, arrastando os dentes pela pele fininha da boca inchada dele e seu corpo vibrou pelo gemido que recebeu.

 

- Minie... - Iniciou, a respiração irregular devido aos pulmões que buscavam ar com urgência. - ...me beija... mais...

 

 O alfa nem hesitou, tomou a boca rosada na sua, chupando a língua macia sem sequer tentar conter-se minimamente dessa vez. O cheiro, a voz e a maciez da pele cheirosa o instigando a querer prová-lo por inteiro.

 

As unhas curtas do ômega marcavam suas costas, os gemidos abafados soando como a música mais bela. Separou os lábios e o fitou, percebendo os olhos azuis com uma coloração diferente do habitual: estavam esverdeados, lembrando-lhe a cor das ondas do mar. Então, perguntou-se se os seus também estavam assim, porém considerava que não seriam tão belos como os de Jeongguk.

 

- Você é lindo, Kookie. - Beijou as bochechas coradas, perdido entre os suspiros que desprendiam dos lábios finos. Adorava ver o moreno completamente entregue em seus braços. Aquilo massageava seu ego como nenhuma outra coisa.

 

O ômega apertou os dedos no peito do maior e levou a outra mão aos cabelos ruivos, onde puxou o trazendo para mais um beijo necessitado. Desejava completamente a pessoa que amava, pois seu corpo ardia por ele.

Gemeu alto quando sentiu a língua do alfa entrelaçar-se a sua de modo agressivo, enquanto ele o erguia do chão sem dificuldade alguma.

 

- Você é tão gostoso, delícia. - Mordeu os lábios ao ver Jeongguk tentar cobrir o rosto com vergonha e o jogou sobre a cama, logo prendendo-lhe as mãos sobre a cabeça. A visão do moreno sob si criava diversas imagens em sua mente do que gostaria de fazer com ele ali, porém iria com calma, um passo de cada vez, Jeongguk era inocente, tinha que lembrar disso. Entretanto ver a pele dele se arrepiar com seus toques tornava as coisas muito difíceis.

 

- Hoje eu quero te dar um pouco de amor bruto, você deixa?

 

Jeongguk não conseguiu responder e apenas moveu as pernas em agonia, sentindo-se ficar ainda mais quente. Era incrível como somente a voz do mais alto conseguia provocar tantas sensações em si ao mesmo tempo. Moveu novamente as pernas tentando fechá-las em busca de alívio e gemeu baixo ao sentir os feromônios possessivos lhe envolverem, provocando seus instintos e o excitando mais.

 

Estava insuportavelmente quente.

 

- Me toca, alfa... Por favor... - Pediu completamente entregue. A lubrificação escorrendo espessa entre suas paredes, preparando-lhe para o que viria em breve.

 

E Jimin apenas sorriu, lambendo lentamente onde conseguiu do pescoço do ômega, sentindo o abdome dele contrair sob seus dedos. E, merda, aquilo lhe deixava ainda mais excitado, fazendo seu membro pulsar de tesão dentro da boxer que não demorou retirar.

 

Jeongguk arfou quando a mão do alfa cobriu seu membro, subindo e descendo devagar, em movimentos que lhe faziam esquecer por um momento todo desconforto, que lhe tomava a cada vez que sentia mais do cheiro forte da própria lubrificação escorrendo. Era completamente constrangedor perceber aquele líquido saindo de si, sentia-se estranho sempre que acontecia. Sentiu quando os dentes de Jimin rasparam em seu pescoço e arqueou as costas, o desejo insano de tê-los cravados ali se fazendo presente novamente, queria pertencer somente a ele e o desejava só para si. Queria marcá-lo de todas as formas possíveis e, por isso, afundava as unhas na pele clara, passeando desde os braços torneados até o abdômen definido, devido ao esporte que ele praticava há tempos.

 

Teve uma de suas pernas levantadas e arfou ao sentir a glande grossa roçar por sua entrada, a vontade de senti-la afundar-se em si lhe causando pequenos espasmos. Sentia-se tão sujo por desejar aquelas coisas. Porém o maior apenas introduziu um dedo ali, movendo-o com precisão, enquanto apertava sua bunda.

 

- Tão molhado... - O mais velho sussurrou e ouviu um gemido do ômega, que se assustou por sentir os dedos dele separando-lhe os lábios. - Chupa. - Jeongguk estremeceu com a voz autoritária e demorou a reagir, principalmente porque teve mais dois dedos introduzidos em si, enquanto a outra mão continuava ali, próxima a sua boca. - Anda, ômega.

 

Entreabriu os lábios e o alfa afundou os dedos ali, os esfregando em sua língua de modo que não podia impedir que saliva escorresse pelas laterais. Se mexia sem controlar os espasmos e gemidos, deliciando o maior com os sons abafados que deixava escapar. Porém estava realmente satisfeito por ter a atenção do ruivo apenas para si, o observando meticulosamente.

 

Grunhiu o nome do maior ao senti-lo esfregar seus dedos em algum ponto em si que triplicava seu prazer, e teve os dedos em sua boca substituídos pela língua dele o tomando com vigor, os feromônios entrelaçados causando arrepios em ambos.

 

- Alfa... Jimin... - Separou os lábios e gemeu ao sentir as unhas dele arranharem seu abdome, a ardência lhe causando mais prazer do que imaginava.

 

- Você me aperta tão gostoso, delícia. - Mordeu a cintura do menor com um pouco de força, retirando os dedos de dentro dele, sorrindo malicioso pelo gemido insatisfeito que ouviu.

 

- Quero... você, alfa. - Murmurou completamente corado e ouviu um rosnar, seu interior se contraindo em resposta.

 

A voz rouca do alfa lhe soava totalmente sexy e erótica, queria ouvi-la desse jeito mais vezes.

 

-Quer? - O quadril de Jimin deslizou sobre o seu e arfou, vendo um sorriso presunçoso brincar nos lábios que tanto amava. - Precisa de mim onde?

 

- Por favor... - Desviou os olhos, envergonhado. Era constrangedor demais responder àquilo em voz alta.

 

- Olha pra mim!

 

O moreno gemeu com o tom autoritário e obedeceu. Entretanto, sentiu a boca salivar ao encarar o mais velho agora ajoelhado sobre si. Jimin estava tão perfeito. Moveu os olhos pelos cabelos ruivos bagunçados grudados no rosto dele, continuando pelo pescoço coberto por uma fina camada de suor, sorrindo quando visualizou o abdome definido marcado por si e demorou-se mais na virilha, lambendo os lábios. Jimin era tão lindo, será que consegueria fazer nele aquilo que ele havia feito consigo?

 

- Eu quero te tocar, posso?

- Mordiscou a boca, sem direcionar os olhos aos do outro, tamanha vergonha que sentia.

 

- Kookie... - Os olhos semicerrados fitaram o ômega com desejo. Não entendia o porquê daquele pedido, pois Jeongguk já estava lhe tocando, certo? - Me dê suas mãos.

 

- Não... - Abaixou os olhos. - As mãos não.

 

Jimin sentiu seu membro pulsar e arregalou os olhos, imaginando se havia compreendido corretamente aquele pedido, afinal, ver a boca do ômega lhe chupando era um de seus maiores desejos. Puxou os cabelos do menor saindo de cima dele e o pôs de joelhos também, mordendo o queixo dele na tentativa de conter os instintos.

 

- É isso que você quer? - Aproximou o rosto do menor de seu membro e estremeceu, o hálito quente dele chocando-se com sua virilha o fazia perder um pouco da escassa sanidade que ainda possuía. Estava louco de tesão para ter aquela boca deliciosa o chupando.

 

- Hum... Sim. - Respondeu envergonhado, as bochechas queimando a ponto de pensar em desistir daquela ideia, afinal nem sabia se Jimin iria gostar da sua atitude. - Você fez isso em mim.

 

- Fique à vontade, delícia. - Sussurrou, os olhos semicerrados fitando o menor praticamente de quatro perto de si. A pele clara brilhando por causa do suor, sendo um convite mudo para que não desviasse os olhos do corpo perfeito.

 

Viu quando o ômega o olhou, aproximando-se com receio de seu membro, colocando a mão com cuidado ali. Os olhos dele o observaram enquanto os feromônios diziam o quanto aquilo era novo e estranho para si.

 

Era excitante saber que a primeira experiência do outro seria consigo.

 

- Hum... C-Como... Como eu faço isso?

 

Os olhos inocentes lhe fitaram em dúvida e pensou se Jeongguk tinha noção do quanto vê-lo tão submisso e inocente o provocava.

 

- Abra a boca. - Rosnou, observando o menor lhe obedecer imediatamente. Tocou os lábios dele com a ponta da glande, melecando-os de pré gozo o vendo lambê-los e lhe olhar com as sobrancelhas franzidas. Provavelmente ainda achava todas aquelas coisas estranhas. - Pode... Porra! - Rosnou um palavrão, esquecendo do que antes iria falar. O moreno tinha apoiado uma das mãos em sua coxa esquerda e agora passava a língua por toda extensão de si, causado pequenas contrações em seu baixo ventre - Ah! - Não evitou prender os fios escuros entre os dedos. Aquilo era demais para si, porque, porra, sempre quis que aquele momento chegasse.

 

O moreno, motivado pelos grunhidos do maior, continuou deslizando a língua naquela região tão sensível a sentindo pulsar, enquanto deixava um líquido esbranquiçado pingar pela fenda da glande avermelhada. Era talvez uma das coisas mais diferentes que tinha visto naqueles dias, imaginava se aquilo significava que o alfa gostava do que fazia.

 

- Abre a porra da boca, ômega. - Puxou os cabelos do menor, que gemeu tendo os dedos do alfa contornando seus lábios rudemente. - Vai pondo tudo, e cuidado com os dentes. Me mostra o que essa boquinha faz, vai, me chupa.

 

A forma bruta como era tratado deixava Jeongguk louco para sentir mais do maior em sua língua. Sentia-se um masoquista completo. Moveu a cabeça colocando o que conseguiu da extensão pulsante em sua boca com calma para em seguida retirar, fazendo exatamente o que o maior havia mandado enquanto deixava um fio de saliva restante no processo. Direcionou o olhar ao outro e viu que era observado por olhos atentos e nebulosos pelo desejo e repetiu o gesto anterior, porém um pouco mais rápido e assistiu com perfeição o alfa fechar os olhos em deleite, murmurando alguma coisa que não conseguiu entender. Então, não teve dúvidas em continuar tudo aquilo, aumentando gradativamente o ritmo a medida que ouvia os gemidos do maior mais altos.

 

Estava maravilhado, seu ego inflando por ser o causador daquilo.

 

Sugou um pouco mais forte, limpando a saliva que escorria por seu queixo, e gemeu abafado por ter os cabelos puxados de forma mais bruta. Sentou sobre os próprios tornozelos e fitou o maior, que mordia os lábios com o rosto completamente corado e a respiração pesada, os feromônios possessivos dele preenchendo cada poro da sua pele.

 

- Melhor parar, delícia. - Murmurou entrecortado, afastando o outro de si, enquanto passava os dedos pelo queixo delicado, retirando os resquícios do próprio prazer dali. Estava a um passo de perder totalmente o controle e não queria machucá-lo.

 

Mordeu o pescoço do menor e teve seus ombros agarrados com firmeza. Um beijo desajeitado foi depositado em sua boca, e prontamente correspondeu ao contato, afundando sua língua na boca do moreno, o tomando como precisava e sentindo seu próprio gosto. Jogou o ômega de volta na cama e posicionou-se entre suas pernas, afastando as coxas grossas e empurrando seu membro na entrada apertada.

 

- Eu vou te foder tão gostoso, delícia.

 

O menor estremeceu.

 

- Hum... - Respirava com dificuldade, arranhando os ombros do mais velho que suspirava em deleite, os feromônios preenchendo o ambiente com mais luxúria.

 

Jeongguk sentia como se fosse explodir em mil pedacinhos, a sensação de abrigar Jimin dentro de si era maravilhosa, tanto que sequer conseguia conter seus lábios de gritarem o quanto aquilo era bom. Fincou as unhas nos braços do mais velho, esfregando seu corpo no dele a cada investida que recebia, ganhando algumas mordidas por isso.

 

- Ma-Mais... - Pediu em um fio de voz, sentindo-se esquentar mais a cada vez que sentia os testículos de Jimin baterem em sua pele.

 

E Jimin obedeceu, sussurrando obscenidades enquanto suspedia as pernas do ômega, para facilitar seu acesso a ele, e se afundava mais nele, as mãos apertando as coxas grossas com força. Sorriu quando ele gritou seu nome, sujando seu abdome com o resultado de seu prazer e despejou-se dentro dele instantes depois o colocando sobre si, enquanto se jogava de costas na cama.

 

Porém logo lembrou que não conseguiria parar por ali.

 

- Jimin. - O menor sussurrou, esfregando o rosto no pescoço do ruivo, a respiração pesada o deixando arrepiando. - Eu... Seu cheiro é bom... - Mordiscou o local, sentando sobre o mais velho ainda deitado. - E você é tão quente...

 

O alfa lambeu os lábios, cobrindo a pele das coxas do menor com suas mãos subindo em direção às nádegas, era perceptível que ele ainda não estava totalmente satisfeito apenas com aquilo, pois conseguia sentir perfeitamente o adocicado da lubrificação dele.

 

- Tão bom. - Apoiou as mãos no peito largo, se posicionando melhor sobre a virilha do maior e rebolando levemente. Gostava de sentir as sensações que corriam seu corpo sempre que sentia a fricção entre suas peles ali.

 

- Kookie... - Gemeu, segurando firme as nádegas do ômega, observando excitado a imagem dele. Ele ficava incrivelmente sexy no controle, mesmo que soubesse que aquilo era devido ao período, já que ele não agiria assim normalmente.

 

- Eu gosto quando me aperta. - Sussurrou, vendo que o maior se sentava o ajudando a se movimentar.

 

- Eu sei. - Puxou os cabelos negros, expondo o pescoço com alguns vergões roxos, para que pudesse lamber e mordiscar como gostava. Queria que todos vissem que aquele ômega era apenas seu. - Rebola essa bunda gostosa pra mim, delícia. - Sorriu malicioso, guiando os movimentos do outro.

 

- Eu... Ah! - Gritou surpreso, empinando-se em direção às mãos do maior, que roçava a glande em sua entrada. Fincou as unhas no ombro dele, descontando um pouco da frustração que sentiu quando ele continuou apenas a lhe provocar.

 

- O que foi? - Perguntou em falsa inocência, ronronando satisfeito pela ardência que sentia em sua pele devido às unhas do outro nela. - Me diz o que você quer.

 

- Eu... - Não soube como colocar em palavras, por isso, apenas se mexeu, imaginando que aquilo serviria para o outro entender.

 

- Rebola. - Ordenou autoritário, mordendo os lábios quando o outro obedeceu gemendo contido. - Hum... Sua voz tá tão baixinha delícia, será que... - Disse irônico e introduziu somente um pedacinho de si no ômega, o vendo separar os lábios

finos e lhe encarar, o olhar febril em puro tesão.

 

- Minie...

 

- Fica de quatro, eu quero te comer por trás.

 

 

 

 

 

~~~o~~~~

 

 

Os olhos castanhos da pequena ômega loira estavam focados na bancada da cozinha, onde picava calmamente algumas batatas, para acompanhar a porção de arroz e frango que havia feito anteriormente. Queria que tudo estivesse pronto quando a mãe voltasse do trabalho, afinal imaginava que a alfa estivesse cansada, então nada mais justo que descansasse.

 

Já arrumava a mesa quando ouviu o som da porta de entrada, seguido, alguns instantes depois, pelo cheiro característico da maior e sorriu, limpando as mãos na saia florida do vestido que lhe cobria, correndo em direção a sala para recebê-la.

 

- Você demorou hoje, mãe! - Acusou divertida e a outra riu.

 

- Quando você disse que não ia pra aula de pintura, eu não acreditei, mas pelo que vejo... - Disse, retirando os sapatos pretos que faziam parte do uniforme também preto de policial e aproximou-se da filha.

 

- Eu não tava muito a fim, mãe. - Sorriu. - Fiz comida.

 

- Que prendada. - Brincou. - Vamos comer logo porque eu tô morrendo de fome mesmo.

 

- Eu sabia, até porque você sempre tá. - Disse animada e correu em direção à mesa.

 

- Lucy! - Gritou, rindo quando a menor quase derrubou a travessa com o frango no chão. - O cheiro está bom.

 

A alfa sentou-se, servindo-se rapidamente, não via a hora de provar a comida da filha, pois tudo ali lhe parecia muito apetitoso.

 

- Claro, né? Fui eu que fiz. - Disse, um sorriso pomposo moldando os lábios, enquanto sentava e se servia. - Mãe... - Ergueu o olhar, satisfeita por ter conseguido cozinhar tão bem, porém sabia que talvez esse fato não fosse o bastante para convencer a mãe sobre o que pretendia lhe pedir.

 

- Sim. - Respondeu, fazendo alguns sons satisfeitos enquanto comia.

 

- Eu quero ir pra casa da tia Mayu no fim de semana, o tio Mey vai tá lá também. - Encarou a mais velha com a expressão mais fofa de que conseguiu.

 

Tentaria de tudo pra conseguir aquela visita.

 

- Lucy. - Suspirou. - Sabe que não gosto quando vai pra lá, a Mayu coloca muita porcaria na sua cabeça e-

 

- Mas, mãe, a tia Mayu é legal. Sem contar que ela é a única conexão que eu tenho com o papai. - Tentou seu último recurso e sorriu internamente quando a alfa acenou em concordância.

 

Mayu é alfa e irmã mais velha do pai de Lucy e, desde que ele morreu, constituía uma das suas únicas fontes de lembrança dele. Então, sempre que podiam, a garota gostava de passar um tempo com ela e com o outro irmão do pai, Mey, que também era alfa. Contudo, a mãe da loira não ficava muito satisfeita com toda essa proximidade, devido as diversas experiências negativas de um passado tortuoso com todos da família de seu parceiro.

 

- Porém não dê ouvidos a todas as coisas que ela diz, algumas coisas são fruto da imaginação criativa dela.

 

A alfa suspirou, vendo a filha adquirir uma expressão emburrada.

 

- Eu sei, só que tem coisa que é verdade, sim, você mesma disse. - Rebateu, cruzando os braços.

 

- E já me arrependi. - Fitou a menor com irritação. - Lucy, há coisas que nenhuma de nós duas podemos sair falando por aí. O governo fica sempre de olho em nós por causa das inconsequências do seu pai, por isso temos que ser discretas. Pensei que já tivesse entendido.

 

- E entendi, mas o papai só queria ser feliz, mãe, não acho que ele tava errado. - Apoiou as mãos na mesa. - Ele foi atrás disso, somente.

 

- Sim, e eu não o condeno por isso, nunca condenei, inclusive, porém as atitudes dele o levaram à ruína, filha, e quase nos arrastou junto. - Soltou os cabelos loiros, o prendedor neles a deixava com dor de cabeça. - Não quero que as ideias dele ou da sua tia te influenciem.

 

- Não vão, eu já entendi o meu lugar. - Abaixou a cabeça. - Sei que não tenho escolha, então, não vou fazer as mesmas coisas que o papai, porque não quero terminar que nem ele.

 

- Não diga essas coisas! - Repreendeu exasperada, odiava quando a filha falava desse modo sem perspectiva, afinal a garota não era assim. - Você tem escolha sim, não vou deixar que te deem um idiota como parceiro, não assino nada se não tiver certeza que ele será bom para você. - Tocou o rosto da menor, o levantando. - Quero que ele te deixe ser livre, filha, mas você sabe que mesmo assim terá que ser forte e lutar por si, porém sem causar problemas.

 

- Certo. - Acenou em concordância. - Eu vou tentar.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...