1. Spirit Fanfics >
  2. G-Idle Sex n' Series >
  3. Crazy Neighbor

História G-Idle Sex n' Series - Capítulo 28


Escrita por:


Notas do Autor


👀

Capítulo 28 - Crazy Neighbor


Fanfic / Fanfiction G-Idle Sex n' Series - Capítulo 28 - Crazy Neighbor

Cho Miyeon detestava ser chamada de maluca. Preferia que a chamassem de vaca ou mesmo de vaca burra, porque sabia que não era, nem nunca foi, qualquer uma das duas coisas. Não de propósito, pelo menos. Mas bastava pôr a palavra começada com m depois de vaca, que Miyeon provavelmente viraria uma vaca maluca com alguém.

Pelo menos foi isso que aconteceu no passado, quando ela era mais impulsiva e se deixava dominar pelos sentimentos e emoções. Quando ia de zero a dez em menos de cinco segundos. Quando ela derramou leite na cabeça de Lee Hoe Taek na terceira série e esvaziou os pneus da bicicleta de Jennie Kim, na sexta.

Quando acreditava que toda ação merecia uma reação. Quando era impulsiva e às vezes exagerada como a vez em que enfiou seu Jeep Escalade na sala do ex-marido. Mas ela não havia feito nada excessivo recentemente. Ultimamente, era capaz de controlar seus sentimentos e emoções. Era uma empresária respeitável, mãe de um menino de dez anos. Tinha trinta e oito anos e havia se esforçado muito para tirar o adjetivo maluca de sua vida, e depois de seu nome.

Miyeon pegou a bolsa e saiu apressadamente pelos fundos do Salão e Spa Miyeon Amour. Sua última cliente de corte e coloração havia demorado mais do que o esperado, e já passava das sete. Ela precisava dirigir cem quilômetros, fazer jantar para o filho, ajudá-lo com o dever de casa e obrigá-lo a entrar no banho. Depois que ele estivesse na cama, ela tinha de arrumar todas as sacolas de brinde para o evento do Spa no próximo sábado à noite.

Havia uma única lâmpada acesa quando ela trancou a porta. Sentiu o ar frio da noite no rosto e uma brisa suave remexeu a parte de trás de seu casaco de lã. Era fim de março e ainda fazia frio à noite, a ponto de dar para enxergar a própria respiração. Desde que podia se lembrar, as pessoas a chamavam de maluca.

A Maluca Miyeon. Então ela se casou com aquele cretino do Cho Kyunhyun e passaram a chamá-la de a Maluca Cho Miyeon. O barulho dos saltos de suas botas a caminho do Jeep Cherokee ecoou. Com o polegar, apertou o botão da chave que abria as portas, e o porta-malas abriu.

Largou a bolsa pesada ao lado das caixas cheias de produtos para a pele e cabelos e fechou a porta. Tudo bem, talvez ela tenha sido um pouco maluca durante o casamento, mas o ex-marido a deixava maluca. Ele aprontou com metade da população feminina de Daegu, Seoul.

Ele mentia e dizia que ela estava imaginando coisas. Ele era tão bom na traição, que ela quase se convenceu de que estava realmente imaginando coisas. Então ele a trocou pela Nana, a Vadia. Ela nem se lembrava do sobrenome de Nana, mas ele saiu de casa e deixou Miyeon sem olhar para trás. Ele também a deixou com uma pilha de contas, uma geladeira vazia e um menino de dois anos.

Ele achou que poderia simplesmente seguir em frente. Ele achou que poderia se safar de fazê-la de idiota. Ele achou que ela poderia suportar tudo, e foi isso, mais do que qualquer outra coisa, que a fez invadir a sala da casa dele com o carro. Ela não estava tentando matar nem ele, nem ninguém. Ele nem estava em casa na ocasião. Ela só queria que ele soubesse que ela não era descartável. Que ele não podia simplesmente ir embora sem sofrer, como ela estava sofrendo. Mas ele não sofreu. Miyeon acabou no hospital com uma concussão cerebral e uma perna quebrada, e ele não deu a mínima para nada além da TV destruída.

Ela se fechou dentro da caminhonete e deu a partida. O Cherokee preto foi o primeiro carro novo que ela comprou na vida. Até um ano atrás, ela sempre comprara carros usados. Porém, com o sucesso do salão e do spa, Miyeon pôde gastar com algo que sempre havia sido um sonho um sonho que ela nunca acreditou que pudesse realmente se tornar realidade.

Os faróis brilharam nos fundos do spa enquanto ela saía de ré do estacionamento para seguir a caminho de casa rumo à casinha de três quartos ao lado da mãe, em Bongdam, onde ela nasceu e se criou.

Viver ao lado da mãe era, ao mesmo tempo, uma maldição e uma bênção. Uma maldição porque Cho Soyeon estava aposentada sem nada para fazer além de se intrometer na vida de todo mundo. Uma bênção porque Soyeon estava aposentada e podia cuidar de Eunwoo, quando ele saía da escola. Por mais que sua mãe a enlouquecesse, com seus artesanatos e suas histórias divagantes, ela era uma boa avó e era bom não precisar se preocupar com o filho.

Miyeon entrou na rodovia que levava a Bongdam e ligou o rádio numa estação de música trot. Jamais criaria o filho sozinha, depois de ter sido criada por uma mãe solteira. Soyeon trabalhou duro para sustentar Miyeon e sua irmã mais velha, Soojin, servindo café e frango frito durante longos expedientes na lanchonete Neverland. Ela queria mais para o próprio filho Cho Eunwoo Kyunhyun, ou como todos o chamavam, Woonie. Miyeon tinha vinte e oito anos quando ele nasceu. Ela já sabia que o casamento de três anos estava com problemas, mas insistiu nele desesperadamente, tentando de tudo para manter a família unida e dar ao filho algo que ela nunca tivera: um pai e uma mãe que ficassem em casa. Ela ignorou muita coisa para isso acontecer, para acabar vendo Kyunhyun deixar ela e o filho mesmo assim...


Notas Finais


Curiosos para descobrir o porquê do nome do título do pilot Chapter? 👀


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...