1. Spirit Fanfics >
  2. Gajog - Família (Jikook) >
  3. Nossa música

História Gajog - Família (Jikook) - Capítulo 9


Escrita por:


Notas do Autor


Acá estou com mais um capítulo de Gajog.

O Cap de Cálico está quase pronto.. logo posto lá.

A capa de hoje tá parecendo carro de escola de samba kkjkk

Mas a música a qual escutei enquanto escrevia a cena romântica é perfeita.

Trechinho para vocês amarem comigo

"(Here it comes) to bring a little lovin', honey
(Here it comes) to take away the hurt inside
(Here it comes) is everything that matters to me
(Here it comes) is everything I want from life"

Tradução 💖

(Lá vem ele) para trazer um pouquinho de amor, querido
(Lá vem ele) para acabar com a dor que há por dentro
(Lá vem ele) é tudo o que me importa
(Lá vem ele) é tudo que eu quero da vida

Boa leitura!

Capítulo 9 - Nossa música


Fanfic / Fanfiction Gajog - Família (Jikook) - Capítulo 9 - Nossa música

Capítulo 9 Nossa música 

[Minha língua invadiu a boca dele. E me corpo se projetou sobre o dele por vontade própria. Uma das minhas mãos desceu pela lateral do corpo dele chegando até a cintura e o apertando ali.

Jimin: - Para! – Terminando nosso beijo.

Jeon: - O que foi?

Jimin: - Podemos deixar esse tipo de beijo para depois?

Jeon: - Como você quiser. – Lhe dando um selinho.

Jimin: - Agora, vamos dormir! – Se virando de costas para mim.

Jeon: - Já? – Chateado.

Jimin: - Amanhã você tem aula. Lembra?!

Jeon: - Tá bom! – O abraçando e encostando meu queixo em seu ombro.

Dormimos abraçados. Ainda assim, acordei algumas vezes durante a noite por pura ansiedade. ]

Jeon (on)

Acordei antes do despertador. E quando abri os olhos vi Jimin rolando na cama, vindo em minha direção. E quando chegou até mim se aninhou no meu travesseiro, fazendo com que ficássemos com os rostos muito próximo a.

Jeon: - Será que eu sonhei? – Tocando o rosto dele com as pontas dos dedos.

Jimin: - Hum? – Abrindo os olhos.

Jeon: - Oi!

- Tudo bem aí?

Jimin: - Uhum!

Jeon- Jimin, o que a gente fez ontem?

Jimin: - Hum?

- A gente se beijou?!

Jeon: - Eu lembro disso também.

- Mas pensei que era sonho. – O vendo sorrir de leve.

O segurei em meus braços e tentei beijá-lo, mas Jimin me empurrou e fugiu de mim se virando na cama.

Jeon: - Volta aqui garoto! – O alcançando e puxando de volta para perto.

O abracei forte, fazendo seu corpo colar ao meu.

Jimin: - O que está fazendo?

- Você tem que ir para a faculdade. - Me lembrou.

Jeon: - E se eu quiser largar tudo hoje, e passar o dia assim abraçando você?!

Jimin: - Não vai!

- Seok me disse que você costuma se fixar em algo e esquecer dos estudos.

- E eu não quero que tire notas baixas.

Jeon: - Putz! Ele já foi contar meu lado obscuro? – Sorrindo.

Jimin: - Me solta e levanta! – Ordenou.

Jeon: - Me dá um beijo primeiro! – Tentando beijá-lo.

Jimin: - Sai! Estou com bafo! – Me evitando.

Jeon: - Eu também! – Fiz graça.

Jimin: - Eca! – Fazendo careta.

- Vai Jeon!

MinHo: - Vai Jeon! – Acordando assustando.

- Para onde? – Todo perdido.

Jeon: - Vou para a faculdade. – Finalmente me levantando.

Me arrumei e me despedir de MinHo e Jimin.

Seok: - Anda logo! – Me apressando.

- Quero tomar café na faculdade antes da aula.

Jeon: - Já vai! – Correndo par aacompanha-lo.

Quando chegamos na faculdade fomos direto para a praça de alimentação. E Seok correu desesperado para escolher o que comeria.

Estávamos na fila para comprar comida, quando avistei a Byeol vindo em nossa direção. Eu até olhei para o outro lado tentando me camuflar na fila, mas não teve jeito. Ela me viu.

Byeol: - Oi!

Jeon: - Oi! – Com o sorriso mais sem graça do mundo.

Seok: - E aí? – A cumprimentou.

Byeol: - Seok, me diz o que está acontecendo com o Jeon!

Seok: - Hum?

- Nada.

Byeol: - Sério?

- Porque eu estou achando ele muito estranho.

Jeon: - Por que? – Já imaginando a resposta.

Byeol: - Jeon, quero saber o que há entre nós. – Fazendo Seok engasgar com o café.

Jeon: - Amigos?

Byeol: - Amigos? – Sorrindo bravo.

Seok: - Vou deixar vo... – Sendo interrompido.

Byeol: - Você sabe que não.

- Amigos não transam! – Em tom alto fazendo a fila toda nos olhar.

Seok: - Eita!

Byeol: - Desculpa! Fale alto demais. – Sorrindo sem graça.

Estava na cara que ela queria brigar, mas estava se segurando. Eu não queria brigar. Estava muito em paz para discutir. Então só sorri como resposta.

Seok: - Ok! Estamos resolvidos?

- Vamos para nossas salas? – Nos empurrando para fora da fila.

Fomos guiados por Seok até o pátio principal.

Seok: - Não briguem! – Nos deixando e indo para sua sala.

Byeol e eu também seguimos para nossa sala e sentamos um do lado do outro. A aula já havia começado e tivemos que deixar a conversa para depois.

Quando chegou o momento do intervalo, Byeol me pediu que ficássemos na sala para conversar. E quando só restou nós dois ali, começamos a conversar.

Byeol: - Eu exagerei né?

- Quero te pedir desculpas.

Jeon: - Não tem problema. – Eu estava muito de boa.

- Eu também te devo desculpas.

- Acho que aquele dia eu te deixei confusa. – Sobre o dia que saímos.

Byeol: - Realmente!

- Notei que metade do que me falou era mentira.

Jeon: - Não!

- Eu estava mesmo passando mal. – Menti.

- Pode perguntar ao Seok.

Byeol: - Fiquei pensando e... acho que você não gosta de mim como gosto de você. – Chegando ao ponto certo.

Jeon: - Não é isso.

- Eu...

- Acho que fomos muito apressados no nosso reencontro. – Me enrolando ainda mais.

Byeol: - Ficou parecendo que queríamos só...

Jeon: - É.

Byeol: - Podemos tentar de novo?

Jeon: - Hum...

- Talvez... retomar nossa amizade primeiro. – Tentando ganhra tempo.

Byeol: - Uhum! – Sorrindo.

Eu não estava tentando fazer jogo duplo nem enganar ninguém. Eu só queria ganhar tempo para pensar no que fazer.

Enfim entramos em um acordo momentâneo. E nem deu tempo de ir comer alguma coisa. Pois a aula iria recomeçar logo e os aluno scomeçavam a voltar para a sala.

No final da manhã, voltamos para casa. E fomos conversando no caminho.

Seok: - Me explica o que aconteceu.

Jeon: - Nos resolvemos.

Seok: - Como?

Jeon: - Propus que recomeçássemos a nossa amizade.

Seok: - Se enrolou ainda mais né?

Jeon: - Você que me aconselhou a me aproximar dela.

Seok: - Mas eu não sabia que iria virar uma bagunça.

Jeon: - Ok! Agora vamos parar de falar disso. – Parados na porta do apartamento.

- Vou abrir a porta!

MinHo: - OOOOOiiiiii! – Bem enérgico.

Jeon: - OOOOOOiiiii!

Seok: - OOOOOOiiiii!

Respondemos na mesma empolgação fazendo MinHo sorrir.

MinHo: - Gente, o Jimin fez batata frita de verdade!

Seok: - O cheiro está bom!

Fomos até a cozinha. Jimin estava lá, e ao me ver fixou seus olhos em mim. Caminhei até ele lambendo os lábios de vontade de beijá-lo, mas não pude porque Seok e MinHo estavam ali também. Então tive que me contantar só com as trocas de olhares.

Seok: - Eu vou comer muito! – Se sentando à mesa.

Jimin: - Já lavaram as mãos?

Seok: - Não temos três anos.

Jimin: - Mas tem que dar exemplo a quem tem. – Nos convencendo a lavar as mãos.

Lavamos as mãos e comemos todos juntos. Meus olhos não perdiam Jimin de vista. O observei o tempo todo enquanto comia. E ele como sempre comia pouco.

Quando terminamos de comer, Seok foi ao banheiro. Aproveitei e fui até a pia, onde Jimin lavava a louça, e pedi um beijo rapidinho.

Jeon: - Beijo! Beijo! Beijo! – Em tom baixo e aproveitando que MinHo estava sentando de costas para nós.

Segurei Jimin pela cintura e conseguir ganhar meu beijo. Ganhei um selinho longo e um sorriso. Ahhh! Aquele sorriso! Me fez até suspirar.

Soltei sua cintura e fui saindo da cozinha. Mas antes de sair totalmente...

Jeon: - Jimin!

Jimin: - Hum? – Me olhando.

Jeon: - Anoite quero mais disso. – Sobre os beijos.

Ele abriu um sorriso e ameaçou jogar a bucha de lavar louça em mim.

Jeon: - Quero mais desse sorriso também. – Deixando a cozinha.

Esperei por Seok e saímos juntos. Cada uma para seu trabalho.

Trabalhei a tarde toda com um sorrisão. Apesar da conversa torta que tive com a Byeol eu estava feliz. Algo estranho e maravilhoso estava acontecendo na minha vida. E o culpado era o Jimin.

No final da tarde, antes de voltar para casa passei na loja de conveniências. Comprei uns sanduíches e sucos. Era a mesma loja onde fui quando encontrei Jimin e MinHo.

Sai da loja lembrando daquele dia e quase cai para trás quando Seok me assustou.

Seok: - Comprou macarrão? – Me assustando.

Jeon: - Onde você estava?

Seok: - Aqui.

- Vi você de longe e te segui.

Jeon: - Você é o que?

- Um espião?

Seok: - Sou... Sherlock Holmes. – Me fazendo sorrir.

Jeon: - Hein?

- Esse aí não era um investigador?

Seok: - Investigador e espião não são quase a mesma coisa? – Dando um bug no meu cérebro.

Caminhamos em silêncio até em casa, já que eu ia tentando pensar na diferença entre espião e investigador.

Ao chegar em casa, MinHo não nos recebeu com um “oi". A luz da sala estava apagada e meu coração quase parou.

Seok: - Ué? – Ao abrirmos a porta.

Jeon: - Meu Deus! – Acendendo a luz.

- Não!

- Seok!

- Cadê eles? – Com o coração acelerando.

Seok deu alguns passos e ficou parado em frente ao corredor.

Seok: - Espera! – Me fazendo calar a boca.

- Escuta! – Apontando para o meu quarto.

- Eles estão no quarto. Provavelmente no banheiro.

Larguei as sacolas sobre a mesa da cozinha e corri até o quarto. A luz estava acesa, mas a porta do banheiro estava fechada. E risos ecoavam ali dentro. Abri a porta devagar e os dois completamente ensaboados.

Jimin fazia chifrinhos com os próprios cabelos ensaboados e MinHo ria disso.

Jeon: - Ainda bem! – Respirando fundo.

MinHo: - Jeon?! – Apontando para a frestinha da porta onde eu estava.

Jimin: - Sai! – Me percebendo ali também.

Retirei meu rosto da frestinha e fechei a porta.

Seok: - Estão aí né? – Me assustando novamente.

Jeon: - Uhum!

Seok: - Jeonzinho quase teve um treco! – Saindo do quarto sorrindo.

Jeon: - Só não te dou um soco porque minhas pernas estão tremendo. – O fazendo sorrir mais.

Fui esperar Jimin e MinHo terminarem o banho deles na cozinha arrumando a mesa para comermos os sanduíches.

Minutos depois MinHo apareceu correndo.

MinHo: - Oi Jeon!

Jeon: - Oi!

MinHo: - Sanduíches! – Subindo em uma cadeira e olhando a comida sobre a mesa.

Seok: - Oi piquininhu! – Entrando na cozinha com uma toalha no pescoço ainda.

- Sabia que o Jeon quase desmaiou por falta do seu “oi"?

Jimin: - Hum? – Entrando na cozinha.

Seok: - O Jeon, quando a gente chegou e estava tudo escuro, ele quase teve um infar... – Sendo interrompido por mim.

Jeon: - Shiiiiiiiiiu!

Jimin: - A gente só estava brincando. – Sobre os chifrinhos de sabão nos cabelos.

Jeon: - Vamos comer! – Mudando de assunto.

Nos sentamos à mesa e começamos a comer. Jimin me dava umas olhadas nada amigáveis. E as vezes parecia que ele lia a minha mente. Justamente quando eu lembrava da conversa que tive com a Byeol. Se Jimin descobrisse iria ter outra crise. Putz! Eu nem tinha pensado na reação dele. Maldita hora que propus a Byeol que reconstruissemos nossa amizade. Mas... isso era dar esperança de que algo mais aconteceria?

MinHo: - Jeon... está olhando um mosquito? – Sobre eu estar com os olhos parados no nada.

Seok: - Ainda está pensando na diferença entre espião e investigador? – Fazendo graça.

Jeon: - Não.

- Só estava repassando a matéria da aula. – Menti.

Terminamos de comer e eu fiquei encarregado da louça. Jimin, Seok e MinHo foram assistir televisão.

E eu fiquei esfregando a louça e tentando pensar em como contornar a história com a Byeol.

Jimin: - Achou que eu tinha ido embora? – Falou bem perto de mim me assustando também.

Jeon: - Não. Eu só...

- É achei. Achei que tinha pego o MinHo e desaparecido. – Confessei.

Jimin: - Qual o sentido disso? – Sorrindo enquanto tomava água.

- Eu deveria ter ido antes né? – Se encostando na pia e sorrindo para mim.

Jeon: - Mais tarde a gente conversa. – Disse com tom de ameaça.

Jimin colocou o copo na pia e saiu sorrindo.

Eu terminei de lavar a louça e fui para a sala também. Me sentei no tapete e logo MinHo se juntou a mim.

MinHo: - Jeon! – Abraçando meu pescoço.

Jeon: - Hum?

MinHo: - Jeon! – Repetiu.

Jeon: - Hum?

MinHo: - Tô com sono! – Se aninhando em mim.

Jeon: - Que ótimo!

- Vamos dormir! – Me levantando com ele no colo.

- Jimin, estamos indo! – Quase o intimando.

Fui para o quarto e me deitei com MinHo. Em pouco minutos ele já havia adormecido. E Jimin chegou no quarto logo em seguida.

Jimin: - Ele dormiu? - Se aproximando da cama.

Jeon: - Uhum!

- Fecha a porta.

Jimin: - Seok também já foi para o quarto com os olhos fechados.

Jeon: - Então vem cá! – O puxando pela mão.

Acho que exagerei na puxada, pois Jimin caiu sobre mim na cama.

Jimin: - Aí meu joelho! – Reclamou.

Jeon: - Desculpa! – O abraçando.

Jimin: - Desculpas não sara dor! – Disse em tom baixo.

Jeon: - Espera! Vou dar beijinho para sarar. – Fiz graça.

Jimin: - Eu não sou o MinHo!

Jeon: - Quem disse que eu ia beijar o seu joelho? – O fazendo me olhar feio.

- Vou beijar é a sua boca. – Falei em tom sussurrado.

Ele ficou quietinho me encarando e eu comecei a beija-lo bem devagar. E aos poucos ia aumentando a velocidade dos beijos e a intensidade dos apertões que distribuía pelo corpo dele.

Quando percebi estava sobre ele. Praticamente estava sentado sobre a barriga dele. E continuava o beijando, cada vez mais.

Jeon: - Língua? – Sobre o beijo.

Jimin: - Não.

Jeon: - Por que?

Jimin: - Melhor sair de cima de mim.

Jeon: - E se eu não sair? – Segurando seus pulsos ao lado de sua cabeça.

Jimin: - Para! – Tentando escapar de mim.

Jeon: - Não quero! – Me inclinando para beija-lo.

Jimin: - Sai! – Com tom bravo.

- Se não parar eu... Eu vou ficar com raiva de você.

Jeon: - Ok!

- Parei! – Saindo de cima dele e me deitando ao seu lado.

- Errei de novo!

- Desculpa! – O vendo assentir.

Ficamos em silêncio uns minutos, até eu começar a falar de novo.

Jeon: - Por que não gosta de beijos de língua?

Jimin: - Não sei.

Jeon: - Está mentindo.

Jimin: - Eu não sei! – Em tom bravo.

Jeon: - Tem que ter uma explicação. – Insisti.

Jimin: - Eu só não gosto! – Em tom bravo.

Fiquei quieto o observando. Queria entender porque ele ficava incomodado com os beijos mais intensos.

Jeon: - Eu pedi desculpas! – O virando para mim.

Jimin: - Eu já te desculpei.- Se virando para mim.

Jeon: - Posso te abraçar? – O vendo assentir.

O abracei de leve e ficamos quietos. Logo adormecemos.

Acordei no meio da noite com Jimin puxando meu braço e colocando minha mão sobre sua barriga. MinHo também se mexeu colocando os pés nas minhas costas. Eu estava encurralado entre os dois. Mas o que me chamou atenção foi a temperatura de Jimin. Ele estava muito quente.

Jeon: - Ei?! Está dormindo? – O sacudindo.

Jimin: - Não.

Jeon: - Está se sentindo mal?

Jimin: - Estou com sede. – Disse em tom baixo.

Jeon: - Vou pegar água para você. – Me levantando.

Fui até a cozinha e além da água também trouxe um remédio, porque segundo meus poucos conhecimentos médicos, ele estava com febre.

Jimin tomou a água e o remédio fazendo careta e reclamando da garganta. Até respirei aliviado, já que parecia ser só uma dor de garganta. E eu não teria que sair feito um louco pela madrugada para leva-lo ao hospital.

Me deitei novamente e dormir até o despertador alarmar. Me levantei e me arrumei para a faculdade. Contudo antes de sair conferi a temperatura de Jimin e lhe dei mais um remédio.

Seok: - O que foi?

- Vi você passando com remédio na mão.

Jeon: - Jimin está com febre.

Seok: - Já falei... leva ele no hospital logo.

Jeon: - É só dor de garganta!

Seok: - Você vai é ficar doente também.

Jeon: - Por que? – Bem desentendido.

Seok: - Vocês dormem na mesma cama. Esqueceu?

- E eu nem vou dizer que você deveria ter arrumado outra cama para os garotos, porque não vai adiantar mesmo.

Jeon: - Está de mau-humor?

Seok: - Não!

- Só estou pensando em umas coisas.

Quando chegamos na faculdade, Seok simplesmente desapareceu na multidão em fração de segundos. E já que não o encontrava mais, fui para minha sala.

Estranhamente Byeol não estava lá. E realmente achei estranho, pois ela não era de se atrasar.

Ela só cehgou um bom tempo depois que a aula já havia começado. E eu me segurei para não ficar olhando para ela. Isso só porque bateu uma curiosidade para saber o que tinha acontecido para fazer ela se atarsar.

No final da aula, encontrei Seok nas escadas no final do corredor da faculdade. E o mais estranho foi ele está conversando com a Byeol. Será que eles estavam falando de mim?

Nos depedimos dela e voltamos para casa.

Jeon: - O que estavam conversando?

Seok: - Nada demais!

Jeon: - Era sobre mim?

Seok: - Desde quando você virou o umbigo do planeta?

Jeon: - Ta bom! – Arrependido de ter perguntado.

Chegamos em casa e MinHo nos recebeu com um ar triste.

Jeon: - O que foi?

- Cadê o Jimin?

MinHo: - No quarto. – Apontando em direção ao quarto.

Seok: - Ele te deu comida?

MinHo: - Não.

- Ele não levantou e não está falando nada.

Jeon: - Que?

Seok: - Vai lá olhar ele logo! – Me apressou.

E eu fui mesmo. Fui tão rápido que quase me bati na parede do corredor ao fazer a curva.

Chegando no quarto, vi Jimin deitado e todo coberto. Aí bateu uma aflição. E quando percebi estava sacudindo ele igual um doido.

Jimin abriu os olhos bem devagar.

Jeon: - Quer me matar?

Jimin: - Por que?

Jeon: - Está quente novamente. – Ao encostar em seu pescoço.

Seok: - Ele está bem? – Surgindo na porta.

Jeon: - Febre de novo.

Seok: - Jeon, leva ele no médico.

Jimin: - Não precisa! – Com a voz rouca.

Jeon: - Vou te dar mais remédio.

Sai do quarto e fui buscar outro remédio na cozinha. Seok me seguiu reclamando.

Seok: - Você está entopindo ele de remédios?

Jeon: - Espera! Lembrei de algo.

Peguei minha carteira e procurei o cartãozinho que o médico havia me dado da ultima vez qu elevei Jimin ao hospital. Liguei para ele e perguntei o que poderia fazer. A resposta foi analgésicos, antitérmicos e repouso. E foi o que eu fiz. Dei mais remédio e tentei faze-lo comer algo. Tudo isso na velocidade máxima, já que tinha que ir trabalhar. Só faltava uma coisa...

Seok: - Jimin está dormindo. E quem vai cuidar do MinHo?

- Não posso faltar o trabalho.

- Mas... acho que posso levar ele comigo. – Sugeriu.

Jeon: - Não. Eles são problema meu.

- Eu vou faltar hoje.

Seok: - Você não falou que sua chefe é brava.

- Você vai ser é demitido.

Jeon: - Não está ajudando! – Cantarolei enquanto vestia uma roupa mais nova em MinHo.

- O que acha que é pior?

- Eu faltar ou levar ele comigo?

Seok: - Acho que você faltar.

- Mas eu levo ele comigo.

- As vezes algumas pessoas lá do meu estágio levam os filhos. Umas pestes!

- Então acho que não tem problema eu levar ele.

Jeon: - Obrigado! Mas eles são problema meu. – Repeti.

Seok: - Tá bom! – Entregando um pacote de biscoito ao MinHo.

- Cuida dele direito!

- Não deixa ele sozinho com estranhos! – Recomendou.

Seok saiu de casa antes de mim. Eu ainda dei mais uma olhando em Jimin, para então ir trabalhar.

Quando sai de casa, praticamente corri com MinHo no colo. E ao chegar o meu estágio me preparei emocionalmente para receber um grito e a carta de demissão.

Bati na porta da sala da minha chefe, e fui recebido com um olhar reprovador.

Chefe: - Atrasado?

Jeon: - Desculpa!

Chefe: - Por que?

- Quem é esse menininho? – Mudando o tom de voz para um mais agradável.

Jeon: - E ele é...

MinHo: - Eu sou o MinHo. – Sendo atrevido.

Chefe: - É?

- E quantos anos você tem?

MinHo: - Três. – Representando com os dedinhos também.

Jeon: - Ele é irmão de um amigo.

- E meu amigo não pode ficar com ele por estar doente.

- Eles moram comigo. – Resumi.

Chefe: - Tá bom! Está desculpado pelo atraso.

-Só não o deixe correr solto por aí. – Recomendou.

Jeon: - Ele vai ficar quietinho.

- Obrigado!

Sai da sala dela e fui para o setor onde trabalhava. Sentei MinHo sob a mesa onde eu sentava e pedi que ficasse quieto.

Mas meus colegas de setor logo começaram a mexer e conversar com ele.

Chefe: - Está tudo bem aí? – Surgindo na porta e me entregando uma pasta.

Jeon: - Está sim!

Chefe: - Deem uma olhada nessa pasta e me digam se a propaganda proposta está de acordo com as regras.

MinHo: - Jeon, eu quero fazer xixi.

Chefe: - Quer que eu leve ele no banheiro? – Me surpreendendo.

Jeon: - Não precisa se incomodar! Ele espera até eu terminar de olhar esses papeis.

Chefe: - Que isso Jeon?!

- Eu cuido dele.

- Vem! – Oferecendo a mão ao MinHo.

Acabei assentindo e deixando que minha chefe o levasse ao banheiro. Uns minutinhos depois eles voltaram. E MinHo tomava um suco de caixinha.

Chefe: - Comprei um suco para ele na máquina de lanches.

Jeon: - Obrigado!

MinHo: - Eu já agradeci Jeon! – A fazendo sorrir.

MinHo tinha conquistado minha chefe.

Chefe: - Quer me ajudar? – Perguntou a ele.

MinHo: - Quero!

Chefe: - Então vem meu assistente! – O levando com ela novamente.

Apesar de lembrar do que Seok havia dito sobre não deixa-lo com outras pessoas, não me preocupei já que escutava a voz dele pelo setor todo. Pois onde ele passava com minha chefe, alguém falava com ele.

Meu telefone tocou e quase cai da cadeira. Quando olhei a tela, vi que era Jimin. Ele basicamente não me ligava. Então aquela ligação era surpresa.

Jeon: - Oi! – Ao atender.

Jimin: - Jeon? Cadê o MinHo? – Com voz preocupada.

Jeon: - Calma!

- Eu te avisei. Ele está aqui comigo.

Jimin: - Mas eu não sabia! – Com tom de choro.

Me levantei e sai da sala falando ao telefone.

Jeon: - Jimin? Está chorando?

- Está passando mal?

- Amor? – Ao não receber resposta imediata.

Jimin: - Eu acho que estou melhor.

Jeon: - Então vai comer algo. – Recomendei.

- Logo voltamos para casa.

- Tá?

- Tá? – Sem receber resposta.

- Jimin, se estiver balançando a cabeça não tem como eu ver.

Jimin: - Tá bom! – Com tom bravo e desligando em seguida.

Eu nem achei ruim. Acabei foi sorrindo pois tinha certeza de que ele realmente estava balançando a cabeça assentindo.

E quando voltava para a sala onde minhabmae ficava, avistei MinHo vindo com minha chefe.

MinHo: - Olha Jeon! – Me mostrando um brinquedo. Era uma miniatura do super-homem.

- Eu ganhei! Posso levar para casa?

Chefe: - Ele ganhou do pessoal do setor de designer. – Explicou.

Ahhhhh! O setor de designer. Eu queria muito fazer parte dele. Contudo não consegui entrar no curso de designer. Então me contestava com a análise de propostas de propaganda. Era bem complicado se dedicar a algo que não me agradava 100%. Mas eu sempre fazia o meu melhor. Mesmo não gostando do que fazia.

Jeon: -Claro que você pode levar para casa. – Respondendo ao MinHo.

Chefe: - Agora vou te devolver para seu futuro pai. – Me entregando a mão de MinHo.

- Ele me falou isso! – Sorrindo.

- Terminou a análise?

Jeon: - Já estou nas últimas páginas.

Chefe: - Quando terminar vem até a minha sala.

Será que ela ia me dar uma bronca? – Pensei.

Voltei para minha cadeira e terminei de analisar a propaganda. MinHo foi desenhar com uns lápis e canetinhas emprestadas por uma das minhas colegas de setor. E quando terminei de análise, fui até a sala da minha chefe com o resumo pronto.

Entreguei o resumo e esperei a bronca.

Chefe: - Agora pode ir para casa.

Jeon: - Hã?

Chefe: - Vai para casa! – Repetiu.

Jeon: - Por favor! Eu preciso do emprego!

Chefe: - Que isso Jeon?

- Não estou te despedindo. – Sorrindo.

- Só estou querendo ajudar.

- Seu menininho me falou que o irmão dele está doente, e está sozinho em casa.

- Vai cuidar dele. – Ordenou.

Jeon: - Obrigado!

Chefe: - Jeon! – Me fazendo dar um passo para trás pois eu já estava saindo da sala dela.

- Onde conheceu eles?

Jeon: - Hum?

Chefe: - Onde conheceu o MinHo e o irmão dele?

Jeon: - É um pouco complicado.

- Eu... estou ajudando eles.

Chefe: - Tá bom!

- MinHo, foi bom te ver! – Sorrindo para ele.

MinHo: - Eu também gostei de você! – Sorrindo de volta.

Eles se despediram acenando Tchauzinhos, e fomos embora. No caminho para casa, comprei mais alguns antitermicos.

Jeon: - Chegamos! – Ao chegar em casa e colocar MinHo no chão.

- Vai ver como o Jimin está! – Disse a ele.

E MinHo correu para o quarto chamando pelo irmão.

MinHo: - Jeon!

- Ele está bem! – Disse em voz alta lá do quarto.

Depois que guardei os remédios na cozinha, fui até o quarto para ver como Jimin estava.

Jeon: - Se sente melhor? – Ao vê-lo sentado na cama com MinHo com a cabeça deitada em seus joelhos.

Jimin: - Uhum!

Me aproximei e segurei seu rosto com ambas as mãos.

Jimin: - O MinHo! – Achando que iria beija-lo.

Jeon: - Só estou chegando sua temperatura.

- Não tem mais febre. – Soltando seu rosto.

- Como foi a tarde sem o MinHo?

Jimin: - Eu quase enlouqueci quando chamei por ele e nada.

Jeon: - Mas eu te avisei que o levaria comigo.

Jimin: - Eu não lembro.

Jeon: - Claro! Você mal abria os olhos.

MinHo: - Você ficou sozinho!

- Ficou triste?

Jimin: - Um pouquinho!

- Porque senti sua falta.

MinHo: - Eu fui para o trabalho do Jeon.

- Eu até ganhei um brinquedo!

- Jeon? Onde está? – Sobre o brinquedo.

Jeon: - Na cozinha. – O vendo sair em disparada para buscar o brinquedo.

- Ele foi a sensação lá no setor. Falou com todo mundo e encantou a minha chefe.

Jimin: - Obrigado! E me desculpe por dar tanto trabalho.

Jeon: - Fala sério!

- Eu adoro vocês dois.

- Acho que gosto até desse seu jeitinho bruto. – O vendo fazer caretas.

MinHo: - Achei! – Voltando com o Brinquedo.

Jeon: - Demorou hein?

MinHo: - Eu não conseguia pegar. – Me fazendo lembrar que havia colocado o brinquedo bem no meio da mesa.

- Olha! É o super-homem! – Mostrando ao Jimin.

Jeon: - Prefiro o homem de ferro.

MinHo: - Aquele vermelho e amarelo?

Jeon: - Esse mesmo. O rei da po... ops! – Parando antes de soltar um palavrão.

- Tomou banho Jimin?

Jimin: - Não.

Jeon: - Está esperando o que então?

Jimin: - Já vou! – Se levantando cheio da má vontade.

Ele entrou para o banheiro. Eu tirei a roupa de MinHo e o empurrei para dentro do banheiro também. Minutos depois os dois saíram de lá enrolados em todas as toalhas que encontraram.

Jimin: - Jeon!

Jeon: - Hum?

Jimin: - Tchau! – Para eu sair do quarto.

Jeon: - Por que?

- Não tem nada de diferente aí! – Sobre eles pelados.

MinHo: - Jimin!

- O Jeon tem piu piu também?

Jeon: - Tô saindo! – Realmente deixando o quarto.

Enquanto eles se trocavam e brincavam eu preparei um macarrão. Não era instantâneo então demorou um pouco.

Em seguida foi minha vez de tomar banho e tentar descansar um pouco. Comemos antes mesmo de Seok chegar. E naquele dia ele até demorou um pouco.

Ficamos no quarto brincando com MinHo. Jimin era o urso vermelho. MinHo era o super-homem e eu era o controle remoto.

Jimin: - O controle remoto? – Sobre o que escolhi para brincar.

Jeon: - O que tem?

- É só fingi que eu sou o vilão cara de controle. – Fazendo o controle andar sobre a cama como se fosse um boneco.

MinHo sorria de tudo que fazíamos. Então não precisava muito esforço para brincar com ele. Mas ficamos cansados. E em certo momento me sentei na cama Apoiando as costas em um travesseiro. Jimin se sentou ao meu lado e encostou a cabeça no meu ombro. Aquele gesto vindo de uma pessoa arisca era quase um milagre.

E por uns minutos nos imaginei como aquelas famílias de propagandas felizes. Talvez a da margarina All Deu, onde um menininho preparava o café cantando “ Oh happy day!”.

Mas nossa família não parecia a do comercial. Cheguei a me perguntar se estava tudo bem em ter uma família diferente. E nesse momento MinHo me olhou sorrindo e Jimin aninhou mais sua cabeça no meu ombro. Essa era a resposta para minha pergunta. Família é quem você ama! E eu amava aqueles dois.

Seok: - Família cheguei! – Mudando meus pensamentos radicalmente. Passando de família feliz da margarina para família dinossauro.

MinHo desceu da cama as pressas e foi receber Seok. E o que eu fazia quando ficava qualquer milésimo de segundo sozinho com o Jimin? Eu tentava ganhar um beijo. Mesmo que fosse um selinho só.

Jeon: - Beijo! Beijo! – Cochichei.

Jimin: - Não.

Jeon: - Por que?

Jimin: - Vai ficar doente também.

Jeon: - Eu aceito correr esse risco. – O fazendo sorrir.

Jimin então, segurou meu rosto e me deu dois selinhos longos.

Seok: - Vocês estão fazendo o que? – Aparecendo no quarto logo após terminarmos de nos beijar.

Jeon: - Conversando.

Seok: - Hum!

- Foi despedido?

Jeon: - Não!

- Minha chefe adorou o MinHo.

MinHo: - Ela disse que eu era...

- Era o que Jeon? – Ao esquecer da palavra.

Jeon: - Assistente.

MinHo: - ‘ Sistente'. – Repetiu do jeitinho dele.

Seok: - Menos mau!

Seok voltou para a cozinha , comeu e depois foi estudar em seu quarto. E eu continuei com os garotos no nosso quarto.

Jimin aparentava está melhor. Embora um pouco rouco ainda.

Depois de um tempo, MinHo adormeceu sobre os brinquedos. Então Jimin o arrumou no canto da cama e nos preparamos para dormir também.

Jeon: - Posso ganhar mais um beijo? – Enchendo o saco dele.

Jimin: - Só um. – Ficando quieto e esperando para ser beijado.

O beijei rapidinho. E ele nem sequer se mexeu.

Jeon: - Ixi! O que foi agora?

Jimin: - Nada. – Se virando de costas para mim.

Jeon: - Esse seu nada é sempre cheio de tudo. – Colocando a mão sobre sua cintura.

Jimin: - Só estava pensando...

Jeon: - Em que?

Jimin: - Colocava as suas mãos nela como faz em mim?

Jeon: - Está falando de que?

Jimin: - Daquela moça. – Sobre a Byeol.

- Beijava ela como me beija?

Jeon: - É sério que fica pensando nisso? – Beijando sua bochecha.

Jimin: - Me responde!

Jeon: - Não repito nada do que fiz com ela com você.

- Porque não tem como.

- Os sentimentos são totalmente diferentes.

- E você é único!

Jimin: - Hum! – Com ar de insatisfeito.

- Mas eu não sou uma garota.

Jeon: - Sério?

- Se não falasse eu não iria desconfiar. – Levei dois tapas pela gracinha.

- Não falei por mal.

- Só não acho isso relevante.

Jimin: - Não acha relevante?

Jeon: - Não. – Abraçando sua cintura e o puxando para mim.

- Não me importo que seja um homem.

- O que eu sinto vai além disso.

- Eu gosto da sua essência. Entende?

- Gosto daquilo que você é.

- Mas é lógico que sua aparência ajuda muitão.

- Tem essas pernas lindas. – O fazendo sorrir.

- Essa boca maravilhosa!

- Seus olhos que me tiram o fôlego.

- E a.... – Parando de falar.

Jimin: - Mas...

- Não posso te dar um filho.

Jeon: - Já temos o MinHo.

Jimin: - Não tem vontade de ter um filho de verdade?

Jeon: - Se a vontade surgir a gente arruma uma forma bem cômoda e resolvermos isso.

Jimin: - Já pensou quando o MinHo for para a escola?!

- E perguntarem para ele com quem ele mora.

- Aí ele vai dizer: “ com meu irmão e o namorado dele".

Jeon: - Gostei disso! – Sorrindo.

Jimin: - Não tem graça.

- Vão achar estranho e rir dele.

Jeon: - Se ele for feliz nada disso vai importar.

- E eu adorei a parte do “ namorado".

Jimin: - Hum...

Depois dessas últimas frases que trocamos, acabamos adormecemos.

Nos dias seguintes tudo estava normal novamente. Jimin já estava melhor e eu pude trabalhar e ir para a faculdade sossegado.

E quando chegou o final de semana novamente, Seok levantou cedo e saiu antes que eu e Jimin acordassemos. Ele simplesmente sumiu o dia todo.

Nós passamos um dia normal. Eu aproveitei o tempo e fiz dois trabalhos da faculdade que já estavam atrasados. Estudei um pouco. Ajudei Jimin a fazer comida. Arrumamos um pouco a casa e lavamos roupa.

No final da tarde, ficamos atoa na sala. MinHo desenhava no tapete e Jimin bacana o DJ com o meu celular. É! Ele resolveu que o meu celular deveria ser a caixa de som naquele momento.

Jimin: - Você não tem quase nada aqui. – Sobre as músicas.

Jeon: - Eu quase não tenho tempo para escutar.

Jimin: - Vou colocar algumas aqui. – Pegando seu celular para passar as músicas pelo bluetooth.

Jeon: - Vamos dançar MinHo? – Quando a transferência das músicas terminou e Jimin colocou uma música antiga para tocar. Era Milk and toast and honey – Roxette.

Peguei MinHo no colo e rodopiei pela sala com ele sorrindo nos meus braços.

Jimin: - Vai deixar ele tonto. – Sorrindo enquanto tentava me tomar o irmão do colo.

Jeon: - Tá bom! – Colocando MinHo em pé no sofá.

- Segura aqui. – Tomando o celular da mão de Jimin e o entregando ao MinHo.

- Agora quem vai dançar comigo é o Jimin. – O segurando pela cintura.

Jimin: - De jeito nenhum! – Tentando escapar de mim.

MinHo:- Dança Jimin!

Jeon: - É! Dança Jimin! – O segurando forte contra meu corpo.

Jimin: - Tá bom! Mas não reclama se eu pisar no seu pé. – Avisou.

Até tentamos aqueles passinhos do “ dois para lá e dois para cá”, mas éramos muito atrapalhados. E ficamos sorrindo mais do que dançando. E quando passamos perto da parede, esbarrei no interruptor desligando a luz da sala.

Não fiz isso de propósito, mas já que estava escuro eu poderia beija-lo sem MinHo nos ver.

Primeiro desacelerei os passos. Já que a música não era tão agitada assim. Em seguida o segurei bem mais perto de mim. Beijei sua mão e depois seu ombro. Subi meus lábios pelo seu pescoço. As mãos dele entranhavam nos meus cabelos dando leves puxões.

MinHo: - Gente! Tá escuto aqui! – Reclamou de cima do sofá.

Jeon: - A gente está aqui. Não fica com medo! – Voltando a beijar o rosto de Jimin.

Ele parecia perceber e aceitar minhas intenções, então parti para o beijo. Fui aos poucos beijando sua bochecha até alcançar seus lábios. E fui retribuído como nunca havia sido. A língua dele invadiu minha boca me surpreendendo e acendendo meu fogo imediatamente. O apertei tanto que cheguei a imaginar que nossos corpos iriam se fundir. Me deixei levar pela música e pela poesia contida nela. Era exatamente como eu me sentia. Eu o queria na minha vida, pois ele melhorava meus dias. Aquela era nossa música.

MinHo: - O que vocês estão fazendo? – Apontando a lanterna do celular bem nos nossos rostos.

♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡

Gente vocês viram a sessão da tarde ontem? Então ... viram o filme onde o Jimin de My Boy viu o beijo romântico pela primeira vez?! Eu assisti A última música pensando na fic. E naquele momento em que o Jung começou a chorar após ver o filme com o Jimin. E ele se levantou e abraçou o Jung para consola-lo. Ahhh que amor!

Tô colocando as cenas que vocês propõem aos poucos na fic. Pperceberam né!?

Há um mistério com Seok. Quem adivinhar ganha um beijo do Jimin. Kkkkkkkk

Ahhhh! Estou pensando em fazer um mural no meu quarto com os comentários de vocês. Tipo é tanto amor que eu queria colar para todo lado da casa.

Vcs acham que o Seok já sabe que Jeon e Jimin estão se pegando?

Notaram algo estranho na chefe do Jeon?

Taí! Aticei vcs para fazer as teorias. Kkkk

Obrigada por todas as mensagens cheias de carinhos. Sério! Sempre que leio algo vindo de vocês me sinto bem melhor. E que bom que estou podendo ajudar algumas pessoas com as coisas que escrevo. Gente essa sou eu! Cheia de falhas, medos, inconstância, tristezas e incertezas. Nós não somos errados. Somos certos a nossa maneira. Vamos pensar positivo, mesmo em meio ao caos. Vamos dar ênfase aos momentos bons e lembranças felizes.

Ganbatte yo!



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...