História Galaxy. - Capítulo 5


Escrita por: ~ e ~La_Lari

Postado
Categorias 2NE1, 4Minute, B.A.P, Bangtan Boys (BTS), EXID, EXO
Personagens Personagens Originais
Tags B-pop
Visualizações 17
Palavras 1.545
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Spoilers, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Alooooo!! Boa leitura :3

Capítulo 5 - Rondônia e Brasília


Victor Pov’s On

 

 

Confesso que estava começando a me sentir meio excluído, todos começando a achar seus vocalistas e rappers, e eu aqui. Faz uma semana que estou procurando, realmente estressante, espero que eu não receba as mesmas ameaças que Thiago recebeu do chefe.

 

 

Sentei em um banco aleatório em uma praça, dando a primeira mordida no cachorro quente que acabara de comprar. Olhei a lista de agências e empresas que tinha em meu celular e todas com muitos bons vocalistas, mas rappers que precisavam de melhora. Não que fossem ruins, mas não temos todo esse tempo para treiná-los. Me dei mais três dias, caso não conseguisse, voltaria para alguma das agências e escolheria algum garoto qualquer, um milagre aconteceria e o rap dele seria o melhor de todos. Plano perfeito.

 

 

******

 

 

Imagino que eu fiquei tempo demais aqui, a vendedora de cachorros quentes está me encarando. Finalmente me levantei e escolhi uma empresa do final da lista, minha intuição não vai falhar comigo agora, tenho certeza. Abri o aplicativo do Uber e solicitei um para o local em que eu estava.

 

 

******

 

 

Entrei na agência já indo em direção a recepcionista que logo me indicou a sala em que uma garota estava. Entrei no elevador e fiquei encarando meu reflexo do espelho.

 

 

- Oi bonitão! – Sorri e a porta atrás de mim se abriu.

 

 

Sai e fui até a sala que ficava no final do corredor, e, lá estava um garoto totalmente despreocupado mexendo no celular. Ele mal piscava, nem deveria ter notado minha presença. Fui me sentar e o observei.

 

 

- Boa tarde. – O garoto deu um pulo ao me ouvir e guardou o celular imediatamente. – Sou Victor. E você?

 

 

- David... – Ele parecia meio em choque.

 

 

- Bom, prazer David. – Me levantei e estendi minha mão, o mesmo me cumprimentou rapidamente. – Pronto para me convencer a te encaixar no Galaxy?

 

 

- Sim! Posso começar?

 

 

- Por favor. – Me sentei e deixei que ele começasse, estudei um pouco antes de vir e eu conheço essa: Djonga – Vazio.

 

 

- Ganhando o dinheiro que eu sempre quis

Meu bolso um zoológico

Onde já fui macaco

marcado

Hoje

sou dono é lógico!

Tô igual Padre Marcelo

É o público que canta nos meus shows

Essas minas me querendo

Nem preciso mais cantá-las no meus shows!

 

Geral esperando meu próximo som

Como fosse estreia Game of Thrones

Nossa voz

bate forte

e longe

Tanto quanto o cotovelo de Jon Jones !

 

Passei

Noites em claro

Mesmo sendo escuro

Passei noites é claro

Em todos sentidos duro!

 

E as ruas que eles foram são do GTA

E os campos que conhecem são do EA sports

É os avancado rap game boys, GBA !

Que levam a vida tão a sério quanto eu levo os cops!

 

Do jeito que andam chapado

Neste jogo vão cair no antidoping!

Do jeito que eu ando focado

Logo menos vao me chamar de K-Dot

 

Tá pra a hora chegar

Vai cair um por um pode crer

Yeah

Tem quem queira negar

O próximo pode ser você

Yeah

Tatuaram meu rosto na perna

Uma canelada dessa agora mata

Com a minha família eu sigo na fé

na

Certeza de que sou aristocrata!

 

Um rei do Congo!

Toco mais que bongô

Toco o terror!

Um rei do Congo

E eu tenho algo além do meu verso que é longo!

 

Se os humilhados serão exaltados

Imagina o quanto eu já sofri

Se é a vivência que faz o rapper

Imagina quanto eu já vivi!

 

Tá pra a hora chegar

Vai cair um por um pode crer

Yeah

Tem quem queira negar

O próximo pode ser você

Yeah

Tatuaram meu rosto na perna

Uma canelada dessa agora mata

Com a minha família eu sigo na fé

Na certeza de que sou aristocrata!

 

Eu falei tanta verdade

Que hoje os cara odeia pacarai

eu falei tanta verdade

Que hoje os cara me copia pacarai

Eu falei com coração

Os menozin me vê na rua e já sai gritando carai

É eu memo

Chega aí vamo tira foto com pai!

 

Querem me encher de bala

E nem são Cosme e Damião

Nossos verso faz barulho igual

Opala

Seus versos cansam

Mais que, voz e violão

 

Dão opinião

Não importa o que eu diga

Dá o cu não é problema

O problema é num cuida da própria vida!

 

De Cada som faço um hino pro meu povo

Crespos se armam em todos sentidos

Tell me price

Pago o dobro pra ver o opressor caído

 

Tamo salvando vidas quinem bíblia

Atravessando mares como fez Moisés

Se o dilúvio vir

me chame Noé

Presenteando quem merece

hoje sou Noel

 

Irmão larga esse ferro

Cuidado pra nao acabar no céu!

É

Cuidado pra não acabar no céu!

 

Meu trabalho é o sustento de algumas famílias

E pra continuar assim tenho que sustentar meu papo!

 

 

Me levantei e andei até ele que parecia meio nervoso.

 

 

- Por que essa cara? Você foi bem. – Sorri e coloquei minha mão direita em seu ombro.

 

 

- Então, eu vou entrar no Galaxy?

 

 

- Eu sei que você quer, então vai sim. – Tirei os papéis do bolso e entreguei para ele. – Vamos nos sentar e discutir isso?

 

 

O garoto assentiu e nos sentamos no banco da sala para discutir os detalhes.

 

 

João Pov’s On

 

 

É como dizem, tem dias que Brasília está tão quente que parece o inferno. Meus pés ardiam dentro do sapato, como se a borracha não conseguisse conter o calor do asfalto. Havia saído alguns minutos do hotel e já sentia o suor escorrer. Tudo indica o começo de um dia difícil.

 

 

-Ham!

Sigo na cena sendo perseguido

Sigo na soma pra minha zona ter um futuro digno

O mal? O bem? Eu sou o mal benigno

Vocês são o câncer do rap, eu não falo de signo

O brilho mais forte do céu, me chame de Antares

Cuspi no prato antes de servir os seus jantares

Servi vocês pros lobos, me agradeceram com olhares

Eles sentiram o gosto de medo em seus paladares

 

 

- O que? – Me virei pra ver de onde vinha a voz.

 

 

- Ham! Ham!

Temos tudo que precisamos: nós mesmos

O que estamos esperando? (hein)

Vemos tudo o que observamos

Os mesmos que nós estávamos caçando

 

Haa!

Tipo o assassino de Kennedy

Nunca serei pego mas sempre serei lembrado

Também como demolidor

Eu nunca serei cego mas tenho o exemplo do meu lado

Cocaine, sendo vendida pra boy deprimido

Ou velho depravado que vive no próprio umbigo

Ou MC de privada frustado comigo

A culpa não é minha, seu nariz é seu pior inimigo

À muitos anos os deuses já me observam com atenção

Tempo suficiente pra saber que eu sou o perigo

Por isso eu escapo do seu campo de observação

Com a atenção e a precisão de um sniper escondido

Mate todos eles, é o que as vozes dizem

Ignore as vozes ou se torne tudo que essas vozes dizem

Na rua as pessoas são ferozes e agem como atrizes

Não acredite no que elas dizem!

 

 

Eu estava no centro da cidade, passei por vários desses. Pessoas na rua cantando na esperança de juntar algum dinheiro. O garoto parecia nervoso, e cansado também. Seu rosto estava suado e ele se mexia pouco, mas o dinheiro que estava dentro da touca não era pouco, apesar de tímido ele era muito bom.

 

 

Esperei até que ele terminasse para poder me aproximar. O garoto pegou a touca do chão e guardou o dinheiro no bolso, ergueu seu olhar para mim e eu dei o meu melhor sorriso de empresário.

 

 

- Qual o nome?

 

 

- O que? – Fez uma careta confusa.

 

 

- Do rap. E o seu também.

 

 

- Ahn... Super Hip Hop – Choice. Meu nome é Dave. – Ele parecia meio envergonhado, da pra entender.

 

 

- Dave? – Arqueei uma sobrancelha. – É diferente.

 

 

- Sim, é sim. – Sorriu meio constrangido.

 

 

Antes que a situação ficasse pior e ele resolvesse sair correndo eu decidi ir direto ao ponto.

 

 

- Vamos conversar, Dave? Tenho uma proposta para fazer.

 

 

- Certo. – Ele me acompanhou até uma barraca de lanches ali perto, insisti e lhe paguei um suco.

 

 

- Já ouviu falar do novo grupo que está sendo montado, Galaxy? Ou pelo menos dessa empresa aqui? – Ergui um dos cartões que estavam no meu bolso.

 

 

- Hummm... – Suspirei e coloquei o cartão em sua frente, esse garoto ia ser complicado.

 

 

- Eu trabalho com essa empresa, estamos montando um novo grupo e ele irá se chamar Galaxy. Eu fiquei encarregado de achar um membro, um rapper, mais especificamente. E você me parece bom, tenho uma proposta para lhe fazer e preciso de uma resposta, eu não tenho muito tempo. – Dave me encarava mais atentamente agora. – Quer ser um dos rappers do grupo?

 

 

- Eu... Eu preciso falar com os meus pais.

 

 

- Ótimo. Vamos falar com eles então. – Me levantei e dei um passo, esperava que ele me seguisse, mas, só me olhou de uma forma estranha. – Eu não tenho pra esperar, Dave. Imagino que você estava debaixo do sol quente juntando dinheiro por uma razão. É agora ou nunca.

 

 

O garoto assentiu e me levou até o ponto de ônibus para irmos até sua casa. Tenho certeza que irão aceitar, posso declarar isso como missão cumprida.


Notas Finais


Esperamos que tenham gostado, e por favor indiquem para seus amigos. Vai nos incentivar muito também se vocês comentarem <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...