História Galerie de l'amour... - Capítulo 13


Escrita por:

Postado
Categorias Felipe "Febatista" Batista, João Victor Negromonte Queiroz "Jvnq"
Personagens Felipe "Febatista" Batista, João Victor Negromonte Queiroz "Jvnq", Personagens Originais
Tags Febatista, Jvnq, Jvtista
Visualizações 23
Palavras 2.756
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Lemon, LGBT, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


me sinto mau por ficar tanto tempo sem postar aqui ;-;
estou realmente sem criatividade para esta fic, fico bem triste por isso... mas, enquanto vier uma luz, eu vou continuar!
msm q demore umas semanas, prometo q não vou desistir dela.


~Boa Leitura~

Capítulo 13 - Apenas 3.866,66 km...


Fanfic / Fanfiction Galerie de l'amour... - Capítulo 13 - Apenas 3.866,66 km...

~~Felipe Batista

Depois de vermos as estrelas, Jotinha me chamou para ir pra sua casa. Aceitei, e seguimos o caminho até lá. Foi bem silencioso, o que me incomodou um pouco, mas me distraía com a paisagem e a música que tocava no rádio. Às vezes me pegava cantando também, fazendo com que Jv me olhasse sorrindo, aparentemente, ele gosta de me ouvir cantar, embora eu tenha vergonha de fazer isso na frente de alguém.

Logo começou a tocar Kiss Me (Ed Sheeran), eu particularmente amo essa música, estou ouvindo-a faz uns dias, e já me apeguei à ela. Começo a cantarolar algumas partes, olhando para as ruas de Nova York. Jurava estar cantando só para mim mesmo, como um sussurro, mas na verdade estava um pouco alto, e Jotinha estava me ouvindo.

- Você gosta mesmo dessa música, né?! - ele pergunta, me fazendo parar de cantar e sair dos meus devaneios.

- Ah, digamos que sim. - respondo, sorrindo ladino.

- É tão bom te ouvir cantando... Se eu pudesse, te ouviria todos os dias. - ele diz sorrindo, me fazendo corar levemente com seu comentário. Retribuo seu sorriso, e deposito um beijo em sua bochecha também.

- Quem sabe, algum dia. - digo, voltando a olhar a paisagem pela janela.

- Quero fazer-lhe uma proposta... - volto meu olhar para ele. - Mas, só quando chegarmos na minha casa. - o olho emburrado, queria saber agora, não gosto de ficar curioso.

- Por que não me diz agora?

- Porque... Prefiro chegar em casa. - ele responde e foca seu olhar nas ruas. Cruzo meus braços e viro o rosto, o ouço rir. - Prometo ir rápido para casa, e não te deixar tão curioso assim.

- Então pisa fundo!

- Seu pedido, é uma ordem. - diz ele, acelerando e saindo da avenida, entrando em diversas ruas só para cortar caminho. Em sete minutos, mais ou menos, chegamos em sua casa.

- Se tivesse me deixado dirigir, chegaríamos mais rápido... - comento, tirando o cinto de segurança.

- Não vou te deixar dirigir, pelo menos, não por agora.

- Chato! - digo, e recebo um selinho. - Enfim, qual é a sua proposta?

- Vou ser bem direto, tudo bem? - assinto e ele respira fundo. - Gostaria que viesse morar comigo. - arregalo os olhos, não acreditando no que acabei de ouvir. É sério isso? ...

- É s-sério? Tem certeza disso? - pergunto e Jotinha segura minhas mãos, assentindo e beijando as mesmas.

- A maior certeza do mundo. Mas, vou entender se você nã... - o interrompo com um selinho demorado. 

- Eu adoraria... - respondo, vendo um sorriso lindo se formar em seus lábios. Passo para seu banco, e me sento em seu colo o abraçando, logo o puxando para um beijo mais longo.

- Que bom que aceitou, fico feliz... Agora vou poder acordar todas as manhãs, com você ao meu lado. - diz ele, acariciando meu rosto.

- Se quiser posso cantar pra você.

- Vou amar mais ainda! - diz, e eu rio minimamente, me deitando em seu peitoral.

- Vem, vamos entrar. - ele diz, e nós saímos do carro. Entramos devagar na casa, não queríamos fazer nenhum barulho. Fechei a porta e tirei os tênis, Jotinha fez o mesmo. Ele me abraçou pela cintura e nós íamos subir para seu quarto, até que a luz da sala é acesa, nos assustando.

- Onde vocês estavam?! - era Margot, ela estava com uma cara não muito boa, acho que a preocupamos demais... - Já viram que horas são? Isso não é hora para ficar andando por aí! Onde já se viu, queriam me matar de preocupação? Quase liguei para a polícia!

- Ma, se acalme! Está tudo bem com a gente, nada de mal nos aconteceu. - Jotinha diz, tentando acalmá-la, o que estava sendo impossível.

- Graças a Deus não aconteceu! E ai de você João Victor, se tivesse acontecido. Eu lhe deixaria sem café e almoço, por uma semana! - ela dizia ainda brava. Me segurei para não rir, até me olhar. - Você está bem, anjinho?

- Estou sim Ma, nós dois estamos. Desculpe por termos te preocupado, não era intenção. É que aconteceram tantas coisas hoje, que perdemos a noção do tempo...

- Oh querido, não se preocupe, não foi culpa sua. - ela diz olhando para mim docemente, logo, muda seu olhar sobre Jv, ela estava bem puta com ele. - Só não puxo tua orelha, porque ele está aqui...

- Que agressividade dona Margot! - Jotinha diz, rindo minimamente.

- Hum. Não façam isso de novo, caso contrário, ligo para a polícia mesmo! Agora vão dormir, está tarde para crianças estarem acordadas. - ela diz. Olho para Jotinha e ele para mim, rimos e assentimos, logo subindo para o quarto.

- Fazia tempos que não recebia uma bronca assim. - diz Jv, assim que entramos em seu quarto.

- Quando foi a última vez? - pergunto deitando em sua cama.

- Faz uns... - ele pensa um pouco, e conta nos dedos, me fazendo rir. - Dez anos.

- Nossa, você era bem levado então?! - digo, e ele assente vindo se deitar comigo, mais precisamente, em cima de mim.

- Continuo sendo um pouco, mas é só as vezes... - ele diz, dando alguns selares em meu pescoço.

- J-jotinha, acho melhor n-não... - digo em meio de algumas arfadas, fazendo-o parar.

- Tudo bem, tudo no seu tempo.

- Obrigado. - digo sorrindo minimamente, sentindo meus olhos pesarem.

- Boa noite meu baby... - ele diz, depositando um beijo em minha bochecha. Nem deu tempo de retribuir ou falar algo, adormeci rapidamente.

 

 

[...]

 

(Aut.: decidi, era SETEMBRO meixmo, okay? Mas, agora é novembro, e no próximo cap, dezembro, pq? num zei, mas é isso.  B: q música é essa?  Aut.: é Hanna Montana ;-;  B: ah não... a q ponto chegamos?  J: acho que passamos dele...  Aut.: pqp, é uma piada pior q a outra, AAAAAAAAAHHH)

 

- 12 de novembro, quinta-feira -  07:02 am

 

Hoje acordei mais cedo que o normal, por um propósito, que é meu mêsversário de namoro com o Jotinha! E, como estou na casa dele, decidi levantar cedo e fazer um café da manhã para ele. Estou na cozinha desde às 06:40, preparando nachos com guacamole. Margot estava acordada também, a mesma estava lavando as roupas que Jv e eu usamos essa semana, havia dito que não precisava se incomodar, mas ela é insistente demais. Discutir com ela, não dá certo, ela ganha sempre... Bom, terminei tudo por aqui, só falta fazer uma batida de morango e maracujá e pronto.

Enquanto as frutas estão batendo no liquidificador, meu celular começa a tocar e vejo que era a Moon. O pego e atendo.

 

~Ligação on~

- Oi, oi, bom dia!

- Bom dia Moon! Como você está?

- Bem, na verdade ótima! E você?

- Bem também. Posso saber, o porquê desta empolgação, e por que acordou cedo?

Ah, é que eu estou saindo com um cara recentemente, e sabe... Acho que estou apaixonada.

Espera, eu ouvi direito? Mara Luiza, apaixonada?! Essa é nova.

Pra você ver, não estou mais encalhada! Ele me pediu em namoro faz umas duas semanas, não poderia estar mais feliz.

Que bom Moon! Fico feliz por você estar feliz, mas por que só me contou agora?

Bom, da última vez que você ficou em casa, não nos vimos, porque eu estava de férias. E agora que você também está, não vai dar mesmo para nos vermos. Fica meio difícil de conversarmos...

É verdade, sinto falta de nossas conversas... Mas eu vou na galeria hoje, não se preocupe.

Vou esperar hein?! Mas então, como vai o namoro?

- Maravilhoso, haha. Hoje estamos completando dois meses!

Uau, parabéns! Vão comemorar?

Ainda não sei, não conversei com o Jotinha ainda. Levantei cedo para fazer um café da manhã surpresa, ele ainda deve estar dormindo.

Ah, então eu não vou atrapalhar o dia de vocês. Te vejo mais tarde, espero que se divirtam hoje.

Obrigado Moon. Quando eu for na galeria, espero conhecer meu cunhado.

- Vou levá-lo lá, só não se atrase, ele precisa trabalhar às 10:00

Vou chegar cedo. Até depois.

~Ligação off~

 

Desligo e corro para pegar as batidas, acho que ficaram tempo demais, mas não deve ter problema. Deposito os líquidos nos copos, os coloco na bandeja e subo de volta para o quarto. Entro com cuidado, e vejo Jotinha dormindo. Coloco a bandeja na cômoda, e me sento ao seu lado, fazendo carinho em seu cabelo.

- Mor, acorda... Você precisa ir trabalhar... - digo, e ele resmunga.

- Não queeero...

- Mas tem que ir. - digo rindo. Ele finalmente abre os olhos, e se senta na cama. - Fiz um café pra gente.

- Seu fofo, não precisava, mas mesmo assim obrigado. - ele diz, beijando minha bochecha, logo se levantando e indo para o banheiro.

Passaram-se alguns minutos, e Jotinha sai do banheiro de bermuda e sem camisa.

- Deveria estar com a roupa do trabalho, não?!

- Nah, vou hoje não. - ele diz, vindo para a cama novamente.

- Mas, você pode fazer isso?

- Posso, é claro. Sou o dono hehe. - diz ele, me abraçando pela cintura, e beijando meu pescoço. - Uhm, tá' cheiroso.

- Usei um pouco daquele seu perfume que eu amo, espero que não se importe.

- Não me importo, pode usar. - ele diz, me soltando e levantando. Até agora ele nem mencionou sobre hoje, será que esqueceu? - Batata, está me ouvindo?

- An, o que? Desculpa, pode repetir... - digo meio confuso, o olhando sorrindo minimamente.

- Ei, que carinha é essa?

- É a minha cara, uai. Nasci com ela. - respondo. Acho que soou meu grosseiro, mas não era minha intenção.

- Quero dizer, por que está triste. - ele diz, e eu o olho. - Fiz algo de errado?

- Não, é claro que... não. - digo desviando meu olhar. - Eu vou descer um pouco, qualquer coisa me chama, aproveite o café, perdi a fome. - digo me levantando indo na direção da porta. Sinto braços envolverem minha cintura, e logo a porta à minha frente, se fechara.

- Eu não esqueci, okay... - diz em meu ouvido, me fazendo arrepiar de leve. Por uns segundos me senti aliviado, e abri um sorriso.

- Achei que tinha... - digo, e ele me vira de frente para si.

- Nunca meu anjinho. - diz, depositando um selinho em meus lábios. Por impulso, seguro sua nuca aprofundando mais, fazendo com que o selinho se transformasse em um beijo calmo, e carinhoso.

- Desculpe ter pensado nisso... - digo assim que nos separamos.

- Não se desculpe, eu dei a entender que tinha me esquecido, desculpa. Mas, quero recompensar você.

- Uhm, estou curioso agora. O que pretende fazer?

- Ah ah ahn, só digo mais tarde... Vou passar no trabalho para assinar algumas coisas, e tirar uns dias de "férias", só pra aproveitar com você.

- Bem, já que é assim, acho que vou aproveitar e ir com você. Tenho que ir na galeria fazer o mesmo, e falar com a Moon.

- Então vamos, vou só me arrumar e... - o interrompo.

- Nem pensar! Vamos tomar café primeiro, não vou deixar você desperdiçar os nachos e a guacamole que preparei. - digo e ele ri.

- Tudo bem, podemos comer antes de sairmos.

- Obrigado. - digo e nos sentamos na cama, começando a comer.

 

 

.

 

 

Jotinha acabou de me deixar na galeria. Entrei e fui direto para minha sala, começando a mexer em alguns papéis, os organizando para deixar as coisas mais fáceis para a Moon. E falando nela, ainda não a vi... Já são 09:18, e ela não estava na recepção. 

- Com licença senhor, poderíamos conversar e por o papo em dia, ou está ocupado demais? - diz a garota de cabelos azuis, na porta de minha sala. Sorrio ao vê-la, ela vem até mim e nós nos abraçamos.

- Ah, que saudade dos seus abraços!

- Certeza que os do seu namorado, são melhores. - ela diz, e eu dou um tapa leve em seu ombro, ouvindo-a rir. - Estou mentindo? Até eu digo que os abraços do meu namorado são melhores, me desculpe, mas é verdade.

- Você não presta garota. - digo e nós nos separamos do abraço. - Eae, onde está meu cunhado?

- Lá fora, vou chamá-lo. - ela diz saindo de minha sala, depois de uns dois minutos, ela volta com um garoto alto e ruivo. - Batata, este é o Lucas. Lucas, este é o Batista, meu irmão. - ela diz. Nós apertamos as mãos, como um oi.

- Que bom te conhecer Lucas.

- Igualmente. Moon fala muito de você. - ele diz, sorrindo simpático.

- Espero que não seja nada ruim... - digo olhando torto para Moon, fazendo-a rir.

- Haha, não se preocupe, são só coisas e lembranças boas. - ele diz, ainda sorrindo.

- Olha Moon, gostei dele. Finalmente achou alguém, hein. - digo e ela cora.

- É, eu tenho bom gosto. - ela diz, abraçando o garoto que faz o mesmo.

- Ai, que fofos! Desejo toda a felicidade do mundo pra vocês, e espero que você a faça feliz. - digo firme a Lucas.

- Pode deixar, ela está em boas mãos. - Lucas responde, beijando Moon na bochecha, deixando-a mais corada.

- B-bom, sem enrolação, vamos as fofocas! - diz Moon, se sentando no sofá que havia em minha sala, puxando Lucas junto.

 

 

.

 

Ficamos muito tempo conversando, Lucas teve que ir embora pois ia trabalhar. Descobri que ele era irmão de Guilherme, e também trabalha na empresa do Jotinha, uma grande coincidência. Já havia passado da hora de almoço, Moon estava para chegar, pois foi almoçar com Lucas. Eu já estava de saída, Jotinha vem me pegar e vamos almoçar em casa mesmo... É estranho falar "em casa", pois a casa não é minha e eu não moro lá ainda... Não dei a resposta para Jotinha, de quando pretendo ir morar com ele, mas acho que já estou decidido.

Jv havia chegado, fomos direto para sua casa, pois estávamos mortos de fome. Margot tinha feito uma porção de batata-frita com frango, essa mulher sabe como conquistar meu estômago haha. Depois de almoçarmos, Jv me puxou para o jardim, e disse que iria me dizer qual era a surpresa que ele planejava pra mim. Estava o esperando, pois ele entrou dentro de casa, dizendo que ia pegar seu celular, logo o vejo vir até mim.

- Preparado? - ele pergunta, se sentando à minha frente, na grama. Eu estava no balanço que tinha em uma grande árvore, quase no meio do jardim. Assenti diversas vezes para ele, mostrando meu entusiamos. - Olhe essa casa, e me diga o que acha dela. - diz, virando o celular para mim. Vejo uma casa rústica, no meio da floresta, mas ficava em Seattle.

- É linda! Mas um pouco longe, não?!

- Apenas 3.866,66 km... - ele diz dando de ombros, e eu arregalo os olhos.

- Uau, e você ainda diz "apenas"... Mas, o que tem essa casa? - pergunto o vendo sorrir.

- Ela é minha... - ele diz, o encaro sem acreditar. - Tô' falando sério, eu e meus pais íamos quase todo fim de semana pra lá, quando eu era pequeno. Mas aí eu cresci, fiquei com muitas responsabilidades e nunca mais fui.

- Falando assim, até parece que é super responsável.

- E não sou? - nego com a cabeça, rindo em seguida. - Nem sei porquê te perguntei isso... Enfim, agora vem minha surpresa.

- Uhm, estou ouvindo.

- Que tal passarmos esse fim de semana lá, para comemorarmos nosso dia?!

- Tá' falando sério? - ele assente.

- E, se você gostar, podemos passar o natal e o ano novo lá. - ele sugere. Sorrio e pulo em seu colo o abraçando, fazendo com que ficássemos deitados na grama.

- Você é incrível! Te amo, te amo, te amo! - digo, dando vários beijos em sua bochecha, o fazendo rir.

- Bom, nesse caso, vamos para sua casa arrumar suas coisas, partiremos pelo anoitecer. - Jotinha diz sorrindo. Dou-lhe um selinho demorado, e continuo abraçado ao seu pescoço. Como eu amo esse ser...

 

...

 


Notas Finais


continuo depois que eu almoçar e o note pegar uma carguinha rápida, prometo tentar não demorar!

a casa, é a de 50 tons de liberdade, okay? por isso que vou fazer ela ficar em Seattle (na vdd eu nem sei se essa casa fica em Seattle, mas vamos fingir q fica)

desculpe os erros

~Bye dos Bye~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...