História Game of yaoi-zoo: Personagens gays baseados em animais. - Capítulo 19


Visualizações 100
Palavras 1.672
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Harem, Lemon, LGBT, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Sobrenatural, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Nudez, Sadomasoquismo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir culturas, crenças, tradições ou costumes.

Notas do Autor


Oieeee meu povo!
Noticia importante sobre mim S2, ninguém perguntou, mas tô dizendo.
Hoje fui num otorrinolaringologista para ver meu problema no ouvido esquerdo. E depois dos exames o medico disse que tenho um caso raro de zumbido pulsátil com "hum venoso"
E dai eu fiquei me achando incrível hehehe ;u;
Postei no meu status "Hummm, sou venenosa" e comecei a rir só.

Segue um cap novinho pra vcs que comentaram só coisas boas dessa fanfic e me motivão a escrever mais :3

Foto abaixo: Grifo retirado do site
ouniversoparanormal.

Capítulo 19 - Estocolmo


Fanfic / Fanfiction Game of yaoi-zoo: Personagens gays baseados em animais. - Capítulo 19 - Estocolmo

Cada vez mais Harpia deixava de prolongar seus períodos de caça para ficar com seu refém, que sem perceber, virou seu melhor destino no cair da noite.

Pensou que seria apenas um momento de laser, para acalmar o cio, mas Yeti conseguiu mudar seus planos.

Ele não tinha medo de estar perto, e além disso, dava carinho para o demônio.

Yeti estava deitado na cama improvisada com seu "péssimo marido" em plenas três horas da tarde. Já estava se acostumando em ser o objeto sexual de Harpia, era um ótimo trabalho afinal de contas. E estava até conseguindo controlar a sede por sangue daquele demônio. Agora ele só comia lagartos e pássaros velhos.

O pai de Yeti, o grande rei Ymir, era totalmente decepcionado com ele, não só por ter decidido não crescer, mas por ser preguiçoso e medroso. Era visto como um inútil, mas Harpia não ligava pra isso, ou para seu corpo fora de forma.

Yeti sabia que era a ovelha negra da familia. No entanto, agora, ele havia se encontrado no mundo.

Acariciou o rosto sujo de sangue do Harpia, o admirando. - No que meu belo passarinho está pensando? - Questiona em um suspiro nostálgico.

Harpia: Se ficar... Eu não matar... Você- Disse na maior simplicidade. 

Yeti riu divertidamente. - Isso me parece ótimo.

Harpia: E... Não matar mais... Ninguém.

Yeti: Sabe mesmo como conquistar um Stark! 

Desde que nasceu, Harpia só tinha um único objetivo na vida, acabar com a escravidão, pois sua mãe foi uma escrava e era muito maltratada por sua dona, a rainha Fada.

Harpia queria deixar a rainha por último, iria tirar as asas de todos a sua volta primeiro, para aterroriza-la.

No entanto, o Yeti acalmava seu ódio pelos alados, fazia-o pensar em paz e romance.

Harpia aproximou a boquinha na de Yeti na eminência de beija-lo. 

O gigante de gelo não sentia mais nojo de sua boca ensanguentada, já estava acostumado com o sabor metálico de um homicida canibal.

Antes que pudessem concretizar o ósculo. Uma lança cai do céu, acertando um ponto próximo da cabeça de Harpia.

Yeti arregala os olhos e fica perplexo. Enquanto a Harpia, já estava acostumado. Então age rápido, levanta vôo deixando Yeti sozinho no ninho.

O gigante mira para cima, e ver um esquadrão de fotões alados, somados davam 30 deles. Eram muitos, Yeti ficou preocupado.

- Demônio da casa Arryn, está sendo julgado por seus crimes de homicídio, canibalismo e ameaças ao trono real!

- Entregue-se passivamente e não sairá machucado!

- Já avisando que temos concentimento para mata-lo se fugir do controle!

Yeti ficou temeroso que isso causasse a morte de seu péssimo marido. Então se descontrolou. - NÃO! NÃO FAÇAM ISSO!

Harpia levou sua atenção para seu amado Yeti. Ninguém intercedeu por ele antes e temeu por sua segurança. Então iria lutar, com toda suas forças, para Yeti nunca mais se preocupar daquele jeito. Era mais forte que Yeti pensava.

Harpia avançou em cima do alado maior. Mirando em sua asa. Então os outros atacam para proteger o líder.

O demônio conseguiu fazer um buraco na asa que mirou, e o alado perdeu o controle no vôo no mesmo instante. Quanto aos outros, armados com lanças, tentam acerta-lo.

Harpia desvia rapidamente de seus golpes, por ter três pares de asas em vantagem, conseguia alcançar velocidades nunca obtidas por alados antes.

Yeti não conseguia ver a luta, era muito rápido, mas sentia medo, e receio que Harpia não fosse conseguir. Nunca viu seu marido na ativa antes, por isso subestimava tanto sua força.

Harpia arrancou algumas asas, aos poucos corpos de alados começam a cair, alguns atingiam o chão morrendo de imediato, outros entravam no ninho. Quando isso acontecia, a arvore do ninho balançava perigosamente.

Yeti fica sem equilíbrio com o chão tremendo tanto, acaba por ficar de joelhos e se segurar nas raízes que compunham o ninho. 

Harpia nem percebeu que seu gigante corria perigo, estava totalmente compenetrado na luta. Aproveitava para se alimentar, o gosto de alados era ótimo. Mastigou algumas asas enquanto se desviava das lanças.

Outro corpo arrebenta dentro do ninho, e a arvore perde sua resistência. A sustentação do ninho começa a dobrar. Tudo dentro do ninho começa a descer pro abismo, até os corpos de alados que estavam nele, incluindo Yeti.

Só então Harpia percebe que Yeti berrava alto por ajuda. O gigante estava se segurando nas raízes para não cair no abismo abaixo de si. Foi uma imagem assustadora para Harpia.

O demônio larga a luta, mesmo sendo algo que não deveria fazer, ele desce a toda velocidade. 

Yeti perde a força nos braços e então começa a cair.

Harpia fica bastante irritado, põe mais força em suas asas e se concentra em alcançar o gigante.

Yeti viu que seu péssimo marido vinha, então esticou os braços, pedindo ajuda.

Harpia o alcançou, e esticou os braços também. Yeti tenta dizer algo, estava muito feliz em ser salvo. Ambos se abraçam.

E Harpia bate as asas, para subir. - Segura...!

Yeti: Rápido!

Assim que atinge o topo. Alados estavam esperando por ele. Vêm por trás de Harpia e o empurram contra o chão. Ao cair desfaz o abraço em Yeti. 

Yeti rola pelo chão até perder velocidade. Enquanto isso, um alado prende algemas especiais nas asas de Harpia, o imobilizando. - Soltar eu...!

Yeti: O QUE ESTÃO FAZENDO?!

- Deve ser o gigante de gelo! - Um dos alados saradoes aproximasse de Yeti e direciona a mão para cumprimenta-lo. - É muito bom reencontra-lo vivo. Me chamo Grifo, sou o líder desse esquadrão.

Yeti desvia sua atenção para Harpia enquanto cumprimenta aquele alado.

Harpia também mira-o, estava com medo, não em ser preso e provavelmente morto, mas por ser separado de Yeti. 

Yeti: P-pra onde levaram ele?

- Pro reino, será julgado por seus crimes. 

Yeti: N-não vão mata-lo, né?

- Isso, só quem pode decidir é a rainha. 

Levam Harpia até o Grifo. - Foi um ótimo trabalho, senhor Yeti!

Harpia mira para Yeti e fica perplexo.

Grifo: Receberá a recompensa por ter nos ajudado a capturar essa fera assassina que tem aterrorizado nosso reino há anos.

Yeti fica sem palavras, era verdade que havia aceitado o trabalho, mas isso mudou quando conheceu o monstrinho assassino. E agora não sabia como agir.

Harpia: Ser tudo mentira! - Disse, pela primeira vez falou na frente de alados.

Todos ficam surpresos por aquele demônio ter racionalidade afinal.

Yeti abaixou o olhar.

Harpia: Eu ser... Um trabalho pra você?

Yeti: Sim. Fui contratado pra matar você. 

Harpia começa a lacrimejar enquanto abaixa a cabeça para ninguém perceber.

Yeti: Mas você também quis me matar, isso não nos torna quites? - Riu de nervoso.

Grifo: Bom, se já terminaram de conversar, levem-o daqui rapazes! A rainha têm pressa!

Nesse momento os guardas levantam vôo segurando o Harpia.

Grifo: Tudo bem, senhor Yeti?

Yeti: Quero estar com ele...

Grifo: É impossível, ele é um criminoso, pode ser hostil. E vosso pai pode encarar isso como um a afronta aos Starks. 

Yeti: Mas...

Grifo: Já foi bastante corajoso sobreviver àquela coisa esse tempo inteiro.

Yeti: Não chame-o de coisa, foram os três dias mais perfeitos da minha vida!

Grifo: Sinto muito, senhor. Precisa voltar para seu reino em segurança. Nem que para isso, eu precise por... - Ele tira um par de algemas do colete. - Isso no senhor... Ordens da rainha.

Yeti mira uma última vez para seu péssimo marido, e o ver naquela situação, sendo levado para longe, impedido de voar ou destroçar carne entre os dentes.

Então ele pensou em uma maneira de intervir. 

Sabia que os Stark não iriam intervir, porque eram obtusos e egoístas, então teria que pedir ajuda em outro reino.

...


Kraken caminhou nas pontas dos pés branquinhos delicados em direção a porta. Estava temeroso que os próprios passos pudessem acordar seu novo futuro marido.

Assim que saiu, fechou a porta lentamente. Agora que estava longe podia recorrer à ajuda de Hydra, o único que podia ajuda-lo.

Segue procurando o maldito pelo castelo. Começou por seu quarto. Bate na porta levemente. 

Hydra a abre em seguida.

Kraken: PRECISA COMCERTAR ISSO! - Esbravejou. E só depois nota que seu ex futuro marido havia acabado de sair do banho. 

Hydra: Você nunca dá um tempo?

Kraken fica constrangido e sua face cora em vê-lo todo molhado só de toalha.

Hydra: O mundo não gira ao seu redor, sabia? Tenho coisas pra resolver.

Kraken: EU SEI! UMA DELAS É SE VESTIR NÉ! SEU INDECENTE!

Hydra: Que reação interessante, está gostando do que vê? - Diz fazendo uma pose que destacassem seus músculos malhados, algo que tinha de sobra.

Kraken fica irado com o jeito convencido de Hydra, então dá uma resposta a altura. - ÓBVIO QUE NÃO! E SE QUER FÊNIX É BEM MAIS FORTE QUE VOCÊ! 

Hydra: Por falar nele, como foi ontem? Vocês deram muitos amassos enquanto ele cantava pra você? Ouço dizer sempre, que ele é muito romântico.

Kraken fica com uma falta de ar, e começa a passar mal só em pensar na hipótese de transar com outro homem.

Hydra: Hei, você está bem?

Kraken negou com a cabeça e começa a perder o equilíbrio.

- Quem é na porta? - Questiona uma terceira voz. 

Hydra: A esposa do meu irmão! - Retrucou.

Nesse momento ele abre mais a porta para a terceira pessoa mirar para Kraken.

Essa pessoa era Yeti. - Prazer, senhorita!

Hydra: Não vai querer conhecer essa maluca...

Yeti: Não deveria dizer isso de uma dama! Onde estão seus modos?

Hydra: Acha que depois de me passar sermão desse jeito eu vou te ajudar?

Kraken retomou os sentidos ao ver outro homem perto de Hydra. - Uau! Me trocou direitinho!

Hydra: Que merda você está falando?

Yeti: Não há tempo para discutir mais, Hydra! Precisa declarar guerra aos Arryn agora mesmo!

Kraken: Que?!

Hydra: Calma, preciso conversar com meu pai primeiro, mas sei que vai concordar, ele aceitou a loucura do Fênix querer morrer, acho que declarar guerra a um reino pacifista que nunca nos fez mal, não será um problema...! - Disse sarcástico.

Yeti: Oba! Eu sabia que podia contar com você! 

Nesse momento Hydra o empurra para fora de seu quarto. E então fecha a porta. - Só aparece gente maluca! - Reclamou enquanto trancava a porta.

Yeti: Ok, vou te dar um minuto para se vestir!

Hydra: Espera sentado! - Gritou em resposta.

Kraken pós a mao no ombro de Yeti. - Acho que ele não vai poder ajuda-lo.

Yeti fica tristonho e cabisbaixo. - Essa não!


Notas Finais


Vejo vcs nos comentários S2


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...