1. Spirit Fanfics >
  2. Games >
  3. Capítulo 28

História Games - Capítulo 28


Escrita por:


Capítulo 28 - Capítulo 28


Narradora

Konoha, 2021

O dia seguinte veio e Haruno sentia-se melhor fisicamente, mas por dentro, sentia-se um caco. Apesar de saber que ela tinha talvez exagerado um pouco, a dor que sentia pelo Sasuke mais uma vez ter ficado do lado da ruiva e a ter protegido, deixava Sakura na merda. 

As garotas chegaram à escola e deram de caras com a ruiva que trazia uns óculos de sol para tapar a ferida no seu olho. Ino e Sakura passaram pela garota que estava acompanhada com mais três, e ignoraram os olhares das mesmas. 

Ino foi para a aula e Sakura já estava há dez minutos esperando o professor ou algum aluno, mas nada. Quando a garota foi ao grupo de turma, deu scroll nas conversas inúteis que eles tinham e prestou atenção ao print que tinha sido posto sobre hoje ( terça-feira ) não haver aulas na parte da manhã. 

Sakura reclamou consigo mesma por não visitar o site do curso com frequência e decidiu abandonar então aquele edifício. 

A rosada olhou a paisagem à sua volta e decidiu ir para um sítio que o Uchiha lhe tinha apresentado uma vez: as traseiras da universidade. 

A garota caminhou até lá e ao ver que estava sozinha, sentou-se no chão de pedra e observou as nuvens que passavam lentamente. Estar ali sozinha e ainda com algumas dores no rosto, fez com que a garota começasse a chorar descontroladamente. A rosada agarrou-se ao seu próprio corpo e o seu choro acabou por sair ainda mais alto pelo facto da garota estar tocando em alguns arranhões que ainda estavam em sangue.

Sem esperar, a garota sentiu o seu corpo a ser abraçado fortemente. O braço quente e firme, fez com que a garota reconhecesse o Uchiha. 

O garoto estava ao seu lado e abraçava a garota em silêncio, ouvindo o seu choro. As suas mãos passeavam pelo seu cabelos e a garota afastou-se. Para Sasuke, ver o seu boneco favorito quebrado era horrível. A rosada tinha os olhos vermelhos e os seus lábios estavam inchados.

 

— Por favor, diga-me que você não esteve com a ruiva este fim-de-semana.

— Claro que não estive. - Sasuke suspirou e voltou a abraçar a garota com força. 

 

Sakura desenterrou a sua cabeça que estava entre as roupas – agora molhadas - do Sasuke. Ela olhava-o com os olhos marejados como se as lágrimas fossem infinitas. 

 

— Me Desculp- 

 

Uchiha beijou a testa da Haruno e pôde ouvir a sua respiração a acalmar. 

 

— Por favor, se controle mais. - Sasuke murmurou contra a sua testa. 

— Porque você a defendeu? Ela me bateu primeiro.

— Eu não defendi a Jade, eu só te parei porque eu sabia que se você acabasse magoada por causa do Hyuuga que foi um merdas com a sua amiga, eu mesmo desfazia o cara. - Sasuke encostou a sua testa na testa da sua amiga e suspirou. - Você é a minha irmãzinha e o meu dever é proteger você.

[…]

Haruno estava agora à frente da sala de aula com um pequeno sorriso nos lábios após o seu momento com o Uchiha, mas esse sorriso foi interrompido por uma sombra que se colocou diante ela. Sakura ao subir o olhar, depara-se com uma garota de cabelos cinzentos, pele pálida e olhos azuis com tons de cinzento. A rapariga era claramente pelo menos um ano mais velha ou dois que a Haruno, segundo a sua análise.

 

— Você é a Sakura, certo? – A garota deu um sorriso fechado para a rosada que estava a ficar nervosa.

— Sim… Quem é você?

— Eu sou a Riven e quero falar com você. – Riven colocou as suas mãos dentro dos bolsos das suas calças e olhou a Sakura com um rosto neutro. – Prometo que você estará aqui a horas e não se preocupe, eu não vou raptar você. – A garota deu um sorriso amigável pôde ver os ombros de Sakura a relaxar.

— E onde você quer ir?

— Até às traseiras da universidade.
 

Sakura estava realmente a achar estranho aquilo tudo. Quem era aquela garota que parecia o céu enublado e que razões a levavam a falar com ela?

 

— Sim, pode ser. Acho.

 

Riven esboçou um pequeno sorriso e começou a caminhar, acompanhando o ritmo da Sakura. A acinzentada olhava para a frente, mas na verdade estava a olhar para nada. Ela procurava uma boa forma de começar aquela conversa com a Haruno. Ela não queria assustá-la ou algo do tipo.

 

— Então, o que você precisa de falar comigo? – Haruno questionou a garota que tirava um cigarro da sua mochila.

— Como é  que você consegue correr atrás do Uchiha? – Riven murmurava com os seus lábios que envolviam o cigarro.

O silêncio instalou-se entre as duas e o único barulho existente foi o cigarro a acender, para satisfação da acinzentada. A garota sentou-se ao lado da rosada, que a olhava confusa. Por que motivo é que havia uma garota que ela não conhecia de lado nenhum interessada nos seus sentimentos pelo Uchiha? Será que ela era mais uma das admiradoras fanáticas do rapaz?

— Você está interessada nele?

Riven olhou a Haruno incrédula e de seguida soltou uma gargalhada baixa, virando o seu olhar para a paisagem que as rodeava.

— Claro. Como é que você descobriu? – Riven falou num tom sarcástico, revirando os olhos. – Nem que ele tivesse vagina eu quereria algo com ele.

— Então porque é que você quer saber e quem é você?

— Eu sou a Riven, como já tinha dito. Sou do ano e do curso do seu amiguinho e estou aqui para tentar entender se você gosta de ser burra ou se realmente é.

As palavras saíam da boca da garota com tanta naturalidade, que Sakura ficou um pouco chocada com a sinceridade nua e crua da fumadora.

— Burra?

— Ah então você é mesmo. – Riven suspirou.

— Desculpe? – Haruno ficou com uma expressão ofendida.

— Diga-me qual foi a última vez que tirou um dia só para você e fez apenas coisas que você gostava, sem pensar naquele idiota. – Os olhos da garota encaravam Sakura. Haruno ficou calada, sem resposta. Tanto a pergunta como o seu olhar afrontador deixavam a rapariga sem palavras.

— Há algum, porquê?

— E você não se cansa?

— Cansar do quê?

— De ser um brinquedo e de não ter amor próprio.

 

Sakura olhou Riven boquiaberta e a mesma permanecia calma e plena. A rosada estava a ficar irritada com aquele comportamento da parte dela e desta vez ela não ia ficar calada.

 

— Desde quando é que gostar de alguém é não ter amor próprio?

— A partir do momento que você corre sempre atrás dele e cede a todos os caprichos dele. Ou desde o momento em que você se ilude ao achar que ele é tão apegado a você como você é. – Riven pisou o que restava do cigarro. – Eu não sei se você sabe, mas existe caras que são ótimos para a amizade, mas para relacionamentos sérios são uma bosta. E neste caso, você tem um ótimo exemplo ao pé de si.

Sakura estava sem palavras e Riven parecia estar satisfeita com o efeito que aquele diálogo estava a ter na garota.

— Porquê eu? Porque não vai ter essa conversa com outra garota? – Haruno murmurou, apertando o seu punho.

— Porque as outras garotas são idiotas e não tinham mais salvação. Felizmente, o seu caso parece ser diferente.

— Você tem algo contra ele não tem?

— Sim, tenho. Odeio a forma como ele é lindo, maravilhoso. – Riven debochou, voltando de seguida para a sua postura séria. – Se tenho algo contra é contra você e as outras garotas que não se amam o suficiente para andarem a mendigar pelo amor que ele nem consegue sentir. – Acinzentada revirou os olhos, levantando-se do banco. – Experimente amar-se, sabe. Vá às compras com a sua amiga loira, faça bolinhos para si, pinte algo para você mesma, faça sessões de máscaras, saía com as suas amigas e vista-se bem – Riven enumerava – sei lá, uma porra qualquer, mas experimente fazer algo para você durante uma semana e aí você me diz o que é melhor: andar atrás de alguém ou andar atrás do seu bem estar. – Suspirou, arrumando os seus cabelos. – Agora venha, falta três minutos para tocar.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...