História Gangster - Prision Book- Lee Taeyong - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Neo Culture Technology (NCT), Orange Is the New Black
Personagens Haechan, Jaehyun, Johnny, Lucas, Mark, Personagens Originais, Taeyong, Ten, Winwin, Yuta
Tags Nct, Oitnb, Taeyong
Visualizações 60
Palavras 1.922
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Droubble, Famí­lia, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá pessoas,eu preciso que vocês leiam essa nota antes de começar o capítulo. Antes que vocês pensem que eu apoio o tipo de relação entre mãe e filha que a personagem principal tem com a mãe,EU NÃO APOIO. O intuito dessa fanfic foi mostrar pessoas reais e não príncipes e princesas em seus castelos encantados,cavalo,carruagem etc.


Não quero que vocês virem uma Hyosonn da vida ou uma Maria, Taeyong o caralho a quatro. Só isso mesmo.

Boa leitura :3

Capítulo 2 - Chapter two- One more Day


Fanfic / Fanfiction Gangster - Prision Book- Lee Taeyong - Capítulo 2 - Chapter two- One more Day

2002-Dominican Republic- flashback on

— Mamá!olha o que eu fiz.- Gritou a garotinha tentando chamar a atenção da mãe que fumava um maço de cigarro e conversava com a avó.

— Caralho, JÁ VOU.- Maria,a mãe da garotinha, gritou de volta e virou se para a avó

— Maria! Não seja tão fria assim! A menina não tem culpa se DakHo te largou.- A avó interviu.

Maria engravidara muito jovem,aos seus 21 anos estava cuidando de Hyosonn sozinha! DakHo era um típico cara asiático que não passava por cima das ordens de seus pais,mesmo que a ordem sejam largar a namorada e sua filha.

Maria por sua vez,se tornou uma mulher amargurada. Havia um vazio dentro de si,um vazio que DakHo deixou,um vazio que era preenchido por maconha e homens aleatórios.

— Por que não leva ela para um acampamento? Você ficará uma semana longe dela,pode refletir sobre DakHo.- a Avó sugeriu e Maria concordou,dois dias depois inscreveu Hyosonn no acampamento.

                     [...]

Hyosonn chorava e se agarrava a mãe, com certeza ficar uma semana em um acampamento não era um dos seus planos.

— Porra! Hyosonn me larga antes que eu dê um soco nos seus dentes. Você tem 7 anos, amadureça!.- Exclamou Maria tentando se soltar da garota.- Depois eu venho te buscar.

                A mais velha se afastava de sua filha em passos rápidos, talvez vê-la chorar tenha lhe comovido. 

                      [...]

Uma semana havia se passado e Maria buscara sua filha no horrendo acampamento de verão.

— Hyo cheguei...- Disse quando encontrou a garota brincando com suas amigas, Hyosonn correu em direção a mãe e abraçou.- Vamos embora?

— Senhora González,me acompanhe por favor.-Callie,a tal inspetora do acampamento surgiu das sombras.

— É senhorita.- Maria corrigiu Callie e então começaram a caminhar juntas.

— Durante o tempo que Hyosonn esteve aqui,ela apresentou um comportamento muito maduro pra idade dela. Então eu queria saber se ela está sofrendo algum tipo de abuso em casa,seja psicológico ou físico.- Callie tentava não ser indelicada.- Porque se sim, nós podemos chamar o conselho tutelar.

—Escuta aqui sua ridícula do caralho,vai se foder você e o conselho tutelar. Ninguém vai chamar porra nenhuma! Entendeu?.- Exclamou um pouco mais alterada.- Minha filha não sofre nenhum tipo de abuso. Então vai tomar no cu.

                     [...]

         2011 - New Jersey

Como habitualmente, Hyosonn chegava em casa depois da escola. Agora a garota tinha 16 anos e agora morava em New Jersey por causa do padastro.

— Hyo,chegou cedo hoje, hein.- Maria comentou enquanto assistia um filme com o marido e seus 5 filhos.

— Vai se foder.- Hyo respondeu enquanto seguia rapidamente para seu quarto,chegando lá bateu a porta tão forte que derrubou um crucifixo que ficava na parede.

A garota se jogou na cama e escondeu seu rosto no travesseiro.

      — Porra,olha o jeito que você fala comigo! Eu sou sua mãe.- Maria entrou no quarto já pronta para iniciar uma discussão,mas ao ver que Hyo estava chorando,mudou de idéia e resolveu escuta-la.- O que aconteceu? Aquele garoto passou a mão em você de novo? 

    — Não! Eu fiz o que você disse! Fiquei com o Taeyong e agora a Alex não quer falar comigo.- Disse enquanto secava suas lágrimas.

— Ninguém se importa com aquela puta branquela, você deveria pensar mais em si mesma.- Disse tentando consolar a filha.

Flashback off

2014 - New Jersey. Narrador of** Hyosonn pov on**

Quando Taeyong finalmente chegou ao seu ápice se sentou ao meu lado, totalmente esgotado. Ele não se sentia estranho por ter transado na frente de Jesus Cristo, quando eu o questionava,o mesmo dizia que estávamos sendo abençoados por Deus. O que era irônico pois Tae era ateu.

— Você não gozou fora.- Reclamei tentando normalizar minha respiração ofegante.

— Cala a boca, depois você pede pra Mendez te fazer uns voodoo.- Tae disse me dando um empurrãozinho.

— Idiota.- Revirei os olhos.- Não acredito que transei na frente de Jesus Cristo.

— Jesus me adora.- Taeyong disse se levantando. - levanta nena ,outras pessoas precisam usar esse lugar.

— A onde aprendeu essa palavra?.- Perguntei enquanto me levantava e vestia o uniforme.

Nena significa Querida em espanhol e Taeyong não sabe espanhol! Ao menos que ele tenha aprendido no tempo que esteve aqui.

— Sua mãe me ensinou quando ela tava gritando aquelas palavras que só vocês entendem.- Respondeu terminando de se arrumar.- A onde quer ir?

— Preciso falar com meu orientador.- Disse pegando na mão de Tae e entrelaçando nossos dedos.

             — Te levo lá então...

                       [...]

Depois de conversar com meu orientador fui pro pátio pra desenhar em paz até que minha mãe e a família adotiva dela brotou do nada. Até que elas eram legais, apesar das patadas e dos xingamentos.

— Hyo, nós resolvemos te adotar. Mesmo você sendo chinesa.- Minha mãe disse enquanto embaralhava umas cartas.

— Já fui adotada umas duas vezes hoje.- Disse ainda desenhando.- E eu não sou chinesa,isso foi racista.

— E daí? É tudo a mesma coisa.- Revidou dando de ombros.- Vem jogar baralho com a gente.

— Não,valeu.- Neguei voltando a desenhar.

— Ah é, você prefere ficar aí escrevendo bilhetinhos de amor.- Disse irônica.- Se for pra transar,transa com os carcereiros,eles conseguem contrabandear até Metanfetamina pra você e as vezes,mc Donald's.

— Eu namoro.- Falei sem olha-la.

— E você acha que o Tae alguma coisa foi fiel á você? Com certeza ele já deve ter comido alguma putinha viciada. - Minha mãe consegue ser bem incoveniente quando conseguia, manipulação era a especialidade dela,mas eu não vou cair nessa ou pelo menos tentar.

Já estava cansada da minha mãe,ela com certeza ainda deve estar com raiva por causa do meu antigo padastro,ele queria me comer mas é claro que eu dei um chute nas bolas dele pra impedir isso.

O almoço tava pronto e o Ten veio me buscar pra gente almoçar juntos,a fila tava enorme como sempre,mas dessa vez consegui ser uma das primeiras.

Ten e eu nos sentamos ao lado de Taeyong,5 minutos depois um bando de asiáticos sentaram na mesma mesa que a gente.

— Gente,essa é a Hyosonn, namorada do Bruce Lee.- Ten me apresentou pros outros asiáticos.- Esses são Lucas, Winwin,Taeil e Doyoung.

                            [...]

Os meninos eram muito legais,Taeil me ensinou bastante coisa sobre a prisão, já que ele estava aqui á muito tempo. Se não me engano,Taeil está cumprindo 6 anos de prisão com direito a liberdade condicional.

Depois do almoço fomos assistir Discovery Channel,que por um acaso era um dos únicos canais que funcionavam na tv. Animal Planet era um saco,um tédio e me dava sono.

O trio TaeyWinYoung jogavam um jogo que eles inventaram,Taeil estava assistindo e Ten conversava comigo.

— Um dia nesse lugar é como um ano.-Disse para mim mesma.

— Concordo,ainda mais pra quem está aqui há muito tempo.- Ten respondeu olhando para a parede.- Principalmente quando precisamos foder.

Encarei Ten meio incrédula,o mesmo apenas riu e me lançou aquele olhar do tipo " falei demais". Era a segunda vez que me falavam isso,parando para refletir sobre; minha mãe tinha um pouco de razão. Eu precisava ser direta.

Num ato de coragem, puxei Taeyong para longe dos meninos,o arrastei pelo corredor até chegar em um lugar vazio,ou seja,o banheiro. Ele me olhava sem entender nada e eu entendo,agi por impulso.

Por um momento pensei que estava fazendo algo ruim e que era insegurança minha, porém respirei fundo e criei coragem mais uma vez.

— Você comeu minha mãe? Ou alguma dessas piranhas?.- Perguntei com medo da resposta.

— Do que você tá falando sua louca? Uma vez sua mãe ficou pelada na minha frente,mas eu nunca comi ela ou alguma dessas putas viciada em crack.- respondeu um pouco-MUITO- indignado.- Caralho! Quantas vezes vou ter que repetir? Eu quero você e não sua mãe,ou essas vagabundas.

Taeyong me beijou antes que eu pudesse falar alguma coisa e sinceramente,como senti saudades desse garoto. Ele conseguia me fazer esquecer dos meus problemas,mesmo sendo pequeno ou grande,.

Nos separamos por falta de ar e eu até pensei em retomar de onde paramos,mas precisava resolver um probleminha.

— Me espera aqui, já volto.- Disse lhe dando um selinho e saindo do banheiro rapidamente.

Tentei imitar aqueles gângsters dos filmes ruins sobre prisão, tipo andar com uma cara de cu e falar num tom de voz autoritária,mas isso não combina comigo. Desisti de primeira.

Fui até o pátio onde encontrei minha mãe andando com a trupe dela. Caminhei em direção á elas,cheia de coragem. As vezes eu me envergonhava das coisas que eu fazia, normalmente só depois que eu percebia que fiz merda.

— Mãe?.- Chamei a atenção dela fazendo a mais velha olhar para trás. Agindo impulsivamente outra vez; acabei lhe dando um soco no rosto. Minha mãe ia revidar, porém Mendez a segurou.

— Que isso?.- Mendez disse tentando segurar minha mãe.- Não faz isso com sua mãe garota, peça desculpas.

              — Ela nunca foi minha mãe.- Revidei sentindo alguém segurar meu braço com força, virei rapidamente para ver a face da pessoa,era um guarda. Aí eu fiquei com medo de levar ocorrência,ir pra solitária ou me mandarem pra Segurança máxima,como o Taeil me disse.

— Você vem comigo, detenta.-O tal guarda disse me levando dalí para um lugar mais afastado.- Eu deveria te dar uma ocorrência... Mas, resolvi te fazer um favor.

— Que tipo de favor?.- Perguntei me escorando na parede.

O guarda me olhava dos pés a cabeça com uma expressão maliciosa,ele se aproximou de mim ao ponto de sentir a respiração dele no meu rosto.

— Eu gosto dos seus olhos...- Disse olhando pro meu crachá.- Detenta González.

— Não gosto que me chamem assim.- Respondi tentando evitar contato visual.

O guarda riu e aproximou seu rosto ainda mais perto do meu.

— O problema é seu! Vamos ao que interessa,em troca de um twix você me faz um boquete?.- Perguntou colocando a mão em minha cintura. 

— Nunca.- Respondi empurrando ele para o lado e saindo daquele lugar o mais rápido o possível. 


       Caminhei rapidamente pro banheiro onde Taeyong me esperava sentado no chão,me sentei ao lado dele deitando minha cabeça em seu ombro.

— Quer continuar?.- Perguntei olhando para o chão.

— Não, só vamos conversar.- Respondeu ainda imóvel.- Não aguento mais esse lugar.

— É meu segundo dia aqui e eu já fui adotada, transei na frente de Jesus,dei um soco na minha mãe e me perguntaram se eu queria fazer um boquete em troca de Twix. Também estou vestindo uma calcinha de vovó.- Reclamei dando uma risada fraca.

— Quem perguntou sobre o Twix? Eu vou matar ele.- Disse se levantando pronto pra fazer alguma merda,pra tentar evitar um dos surtos de ciúmes de Taeyong,o puxei para sentar ao meu lado novamente.

— Foi aquele guarda altão, eu não aceitei.- Me expliquei segurando o rosto de Tae.- E você não pode fazer nada... se não já sabe o que vai acontecer.

Meu namorado assentiu revirando os olhos,lhe dei um selinho demorado que acabou virando um beijo daqueles profundos, aqueles na qual você sorri e odeia o fato dele ter que acabar. Afinal, não dá pra beijar por uma eternidade.

                              [...]

     O resto dia não foi tão emocionante; teve contagem,jantar e se aprontar pra dormir. Tudo normal, exceto por um Twix que estava debaixo do meu travesseiro. Com certeza tinha sido o altão e só de raiva, dei o chocolate pra Kang parar de fazer as leituras em voz alta dela no meio da noite. Isso é chato pra caralho. 

  

     


Notas Finais


Peço humildemente que leiam as notas do autor antes de ler o capítulo.

Pra quem já leu o capítulo,o que acharam? Se estiver confuso, peço desculpas pois o one note bugou a minha história todinha e eu quase perdi ela inteirinha e também peço desculpas pelo capítulo não ter sido Emocionante como o outro, também peço desculpas por esse final clichê. Perdoem erros e não desistam de mim

Goodbye xx


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...