1. Spirit Fanfics >
  2. Gangster Sex - Jikook >
  3. Capítulo Vinte e Seis

História Gangster Sex - Jikook - Capítulo 30


Escrita por:


Notas do Autor


Eai gente linda? Kkkk por favor não me matem, eu demorei de novo pra atualiza 😥 mas agora que tô de quarentena vou tentar postar um dia sim e outro não, inclusive amanhã vou postar a segunda parte desse capítulo (que eu ainda não terminei) pq tive que dividir em dois, já que ia ficar muito grande e cansativo pra vcs lerem 😶

Eu também trouxe as roupinhas do Jungkook e do Jimin quem tiver interesse tá aqui 👇🏻👇🏻👇🏻:
https://pin.it/5qKRkRN
https://pin.it/3R1YtXu

Bom eu já falei demais, então sem mais enrolação bjus e boa leitura 😚❤📖

Capítulo 30 - Capítulo Vinte e Seis


Fanfic / Fanfiction Gangster Sex - Jikook - Capítulo 30 - Capítulo Vinte e Seis

Na manha seguinte quando acordo, ainda estou sendo aconchegado no abraço de Jungkook. E eu tenho que lutar contra a vontade de fechar os olhos e voltar a dormir mais uma vez para me levantar.

Com cuidado eu deslizo para fora de seu abraço e acabo caindo de joelhos no chão, pois sinto uma pontada em meu quadril toda vez que me movimento.

Eu me coloco de pé e começo a procurar minhas roupas pelo quarto. Encontro minha cueca perto do criado mudo e a visto, próximo aos meus pés está meu cinto, já minha calça está do outro lado da cama. Eu olho pelo local tentando achar minha camisa, e a vejo sobre os travesseiros perto da cabeça de Jungkook. Com cuidado para não acorda-lo eu me aproximo e estico minha mão por cima de seu rosto. Mas meu coração quase para quando derrepente ele agarra meu braço.

- onde você pensa que está indo? - ele questiona se virando na cama e me olhando com o sorriso mais encantador do mundo.

- vou ir para o meu quarto, tomar um banho e me arrumar para trabalhar - respondo.

- céus - Jungkook exclama revirando os olhos - você só pensa em trabalhar!

- e o que mais eu poderia fazer? Nunca tive muitas opções além dessa. Quando pequeno eu sempre estava estudando algo diferente e assim que completei uma certa idade comecei a trabalhar para Dae-hee.

Jeon me olha pensativo, mas o sorriso permanece em seus lábios.

- então quer dizer que você nunca brincou ou saiu como uma criança e adolescente normal?

- não - respondo franco dando de ombros - mas isso não me incomoda.

- mas me incomoda - Jungkook se senta na cama, somente os lençóis o cobrindo abaixo da cintura o peito e abdômen definidos estão a mostra, eu engulo em seco e volto minha atenção ao rosto do moreno assim que ele volta a falar - hoje, não vamos trabalhar.

- como assim? - eu fico confuso.

- hoje Park Jimin - ele se levanta e eu uso toda a minha força de vontade para não descer os olhos pelo seu corpo - eu vou te levar para um encontro.

- o que?

O moreno abre um sorriso de orelha a orelha e segura em minha mão.

- vem, vamos tomar um banho e depois... - ele para e pensa - depois nós vemos o que fazer.

Eu me deixo ser guiado por Jeon até o banheiro de seu quarto onde ele me coloca de frente para o enorme espelho e para atrás de mim, colando seu peito contras as minhas costas e passando os braços em torno do meu tórax.

Um arrepio percorre meu corpo quando pelo nosso reflexo vejo ele aproxamiando seu rosto da curva de meu pescoço e com os olhos fechados respirando fundo e depositando um longo selar no local.

Eu fecho os olhos apreciando a sensação do seu corpo quente contra o meu e de sua carícia delicada, quase como se eu fosse feito da mais cara porcelana e ele estivesse com receio de me machucar. O problema, é que eu não sou feito de porcelana e muito menos feito para gestos carinhosos do tipo. Eu não mereço algo assim. Por isso eu me viro para Jungkook e passo meus braços em torno de seu pescoço, olhando fundo em seus olhos e abrindo um sorriso malicioso antes de me separar dele e ir em direção ao chuveiro a passos lentos. Fazendo questão de mover quadril para os lados da forma mais provocante o possível. E como resultado posso escutar um grunhido vindo de Jeon enquanto me observa.

Eu ligo o chuveiro e deixo a água quente escorrer pelo corpo, fingindo não me importar com a presença do mais velho no comodo. Mas estou atento a cada movimento seu, principalmente quando ele começa a se aproximar de mim e para em um ponto as minhas costas, onde não posso vê-lo. Por isso, sou pego de surpresa quando Jungkook me vira e me prensa contra a parede de forma brusca.

- ah Jimin... - ele fala em um tom de voz rouco - você gosta de me provocar não é? Não pense que vá sair impune.

- então vamos ver se eu vou me arrepender - sorrio provocativo e sou acompanhado por Jeon.

Estou preso entre seus braços e nossos rostos estão a centímetros um do outro e eu aproveito essa oportunidade para apreciar cada detalhe seu. Das pequenas gotas de água que escorrem pela sua franja, a cicatriz em sua bochecha esquerda e até chego a reparar na pintinha que ele tem sob o lábio inferior.

Inconcientemente eu ergo minha mão e toco o local que estava fitando instantes atrás. Jungkook suspira e meus olhos se encontram com os seus, lentamente eu me aproximo até estarmos com os lábios unidos em um beijo calmo e sensual que aos poucos, conforme nos tocamos vai se transformando em algo lascivo e cheio de desejo.

Quando as mãos de Jungkook descem até minhas coxas e as apertam com força eu arfo e impulsiono o corpo para cima, entrelaçando minhas pernas a sua cintura e sentindo seu membro pulsando se friccionando contra o meu.

A água quante escorre pelos nossos corpos e a parede gélida sob minhas costas faz com que arrepios percorram meu corpo. Sinto o membro de Jungkook precisando minha entrada e me seguro para não deixar escapar nenhum som.

- eu quero meter em você Minnie... - Jungkook para de me beijar para ronronar em meu ouvido e eu umedeço os lábios passando as mãos pelas suas costas até chegar em seus cabelos, os puxando com força para que Jeon me encare de frente.

- então o faça - digo e puxo ainda mais seu corpo em direção ao meu com minhas pernas.

E Jungkook não perde tempo em me penetrar. Suas estocadas são fortes e profundas, me fazendo gemer alto a cada uma delas. Minhas mãos se fecham sobre seus ombros e minhas unhas o arranham. Sinto seus dentes raspando pela minha clavícula logo antes de sentir uma pressão forte no local. Eu gemo pela dor causada pela mordida mas, a sensação é boa o suficiente para que uma onda de calor passe pelas minhas pernas e faça a minha virilha formigar.

- ah... de novo - eu peço com dificuldade abraçando o moreno pelo pescoço e pendendo a cabeça para o lado a fim de deixar minha clavícula a mostra - faz de novo.

- você gosta quando eu faço isso? - Jungkook aperta minha bunda com força.

- gosto, muito... awn! - um gemido escapa de meus lábios ao sentir a pressão dos dentes de Jeon mais uma vez e logo depois sua língua quente passando pelo local dolorido.

Eu já estou próximo ao meu limite, e não demora muito mais para que eu chegue quando Jungkook leva sua mão ao meu membro, começando a me masturbar.

O calor se acumula entre minhas pernas e meu coração martela no peito logo antes de eu gozar, fazendo meu corpo ter vários espasmos logo após.

Escuto o gemido manhoso de Jungkook e sinto seu calor me invadir, percebendo que ele chegou ao seu clímax logo após de mim.

Nós esperamos nossas respirações se estabilizarem antes de Jungkook me botar no chão. Eu o empurrou com cuidado para trás até estarmos os dois debaixo do chuveiro e só então abro um sorriso.

- é, eu não me arrependi - falo.

- acho que vou ter que ser mais rígido na próxima vez então - Jungkook acompanha meu sorriso e passa a não pelos meus cabelos - só vamos tomar banho logo - ele concluí.

[ ... ]

Logo após tomarmos banho, nós nos vestimos - eu acabo me enrolando em um roupão e indo me trocar no meu quarto - e em seguida nos encontramos no corredor para descemos e irmos tomar o café da manhã.

No trajeto até a sala de refeições passamos por alguns dos funcionários, esses que lançam olhares curiosos sobre nós pelos trajes que vestimos. Não que nossas roupas estejam desleixadas ou algo do tipo, mas é que no geral, não é comum se ver um chefe da máfia e seu conselheiro usando calças jeans e moletom.

Quando entramos na sala de jantar Jeongyeon já está sentada a mesa e assim que nos vê, nos olha dos pés a cabeça lançando um olhar questionador a Jungkook que responde assim que se senta.

- vou sair com Jimin hoje - ele coloca o guarnapo sobre o colo e continua - não sei que horas iremos voltar então não precisa nos esperar para o almoço. Mas tenho certeza que voltamos antes do jantar.

- e onde vocês vão? - a garota pergunta me olhando de soslaio.

- tenho algumas coisas para resolver no centro, por que? Precisa de algo?

- na verdade não, mas agora que você perguntou - ela abaixa o olhar envergonhada - você pode me trazer um pedaço de cheesecake daquela lanchonete que eu gosto?

- claro - o moreno sorri largo e acaba conseguindo um pequeno sorriso da irmã em troca.

Talvez, só talvez, essa garota não seja tão má como eu pensei que era. Quer dizer, ela é fria e grosseira as vezes, mas deve ser uma boa garota, lá no fundo do seu coração congelado.

Assim que terminamos o desjejum eu e Jungkook nos levantamos, nos despedimos de Jeongyeon e vamos avisar a Daesung que tome conta das coisas por hoje.

Minha relação com Kang depois daquele dia em que o ensinei a calar a boca quando não tem nada de bom a ser acrescentado não poderia estar mais formal, e eu também não poderia estar mais feliz do que agora por isso. É muito satisfatório para mim saber que ele tem medo do que eu possa fazer e que as pancadas que dei nele não foram em vão.

Quando saímos pela porta da frente o motorista de Jungkook não demora em abrir a porta de trás para que entremos e ele também não faz perguntas sobre nosso vestiário diferente do habitual. Ele apenas se senta em frente ao volante e espera que Jungkook diga o local para onde quer ir.

- Beom-Seok, você pode nos levar ao distrito comercial que eu costumava ir com a minha irmã? - o moreno pergunta se inclinando no banco para ficar mais próximo do motorista.

- claro senhor - o tal Beom concorda e da partida no carro.

[ ... ]

Ao chegarmos o motorista acha um lugar para estacionar e eu e Jungkook descemos do veículo. O moreno se abaixa até a altura do vidro do passageiro que é aberto e diz:

- pode vir nos buscar as 19:00, vamos estar esperando aqui.

Beom acena positivamente e antes de sair com o carro fala.

- se divirtam senhores.

Quando ficamos sozinhos eu olho para Jungkook e digo:

- ele parece ser simpático.

- sim, Beom é o motorista da família desde que meu pai assumiu o cargo de chefe. Eu praticante cresci com ele me levando para a escola e me desejando um bom dia de aula - Jeon fala sorrindo pequeno, e seus olhos estam brilhando com as lembranças da época de quando era criança.

- então... - eu digo para quebrar o silêncio que se instalou entre nós - para onde vamos?

- antes de tudo - Jungkook mexe nos bolsos do casaco e tira de lá duas máscaras - temos que usar isso quando saímos de casa sem seguranças ou armas.

- quem disse que estou desarmado - eu ergo o meu casaco e mostro a arma presa em minha cintura - mas por precaução - digo - eu aceito a máscara.

Jungkook supera seu pequeno momento de choque e coloca sua máscara, fazendo movimentos de negação com a cabeça.

- eu não acredito que você trouxe uma pistola para o nosso primeiro encontro - ele fala ainda desacreditado.

- por que não? - eu dou de ombros sorrindo malicioso por debaixo da máscara sabendo que ele não pode ver isso - você também trouxe a sua - e antes que ele possa constatar eu levo minha mão até o meio de suas pernas e pego no local com firmeza - é concertada está aqui.

Os olhos de Jungkook se arregalam e ele se afasta em um pulo.

- você está maluco Jimin? - ele pergunta exasperado.

Eu não respondo apenas começo a andar, me misturando a multidão enquanto rio pela feição atordoada do mais velho.

- vamos Jungkook! - eu chamo elevando a voz mais alto do que todas as conversas paralelas que nos rondam - você mesmo disse, ainda temos muito o que fazer.

E então, Jeon aparece ao meu lado, segurando em minha mão. Eu o olho sem expressão tentando entender, mas não consigo notar o que ele está pensando pois sua máscara cobre seu rosto quase que por completo, deixamos apenas seus escuros olhos que nesse momento não estam vazios como na primeira vez em que eu vi, pelo contrário, eles estam brilhando, quase como se eu podesse encontrar uma galáxia inteira dentro dele.










Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...