História Gangsters - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Ariana Grande, Bangtan Boys (BTS), Camila Cabello, Fifth Harmony, Halsey, Justin Bieber, Selena Gomez, Shawn Mendes, Taylor Swift
Personagens Ally Brooke, Ariana Grande, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Halsey, Jeon Jeongguk (Jungkook), Justin Bieber, Kim Taehyung (V), Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Personagens Originais, Selena Gomez, Shawn Mendes, Taylor Swift
Tags Armas, Assaltos, Camren, Casais, Gangues, Mortes, Palavras Fortes, Prisão, Roubos, Sexo, Taekook
Visualizações 10
Palavras 2.493
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Lemon, LGBT, Luta, Mistério, Orange, Policial, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Voltei hehehe
Não tem muito o q falar
Eu gosto muito desse cap, e é agr q as coisas esquentam hehehe
Espero que gostem, perdoem os erros e Enjoyyy <3

Capítulo 8 - Meu demônio do Bem


POV Camila Cabello

Saio da base acompanhada de meus melhores ladrões amigos e entro no carro. Eles pareciam uns trouxas com aquelas roupas, ainda bem que eu não coloquei aquilo. Depois que todos entram, dirijo até o banco alvo. Em vinte minutos chegaríamos, e em todo caminho eu pude ouvir os barulhos de diversas armas sendo carregadas e prontas para atirar.

Quinze minutos. O carro era basicamente eu e Shawn na frente, Ariana e Taehyung conversando e carregando as armas atrás (o carro era na verdade uma camionete, então os bancos de trás já eram o porta-malas).

Dez minutos. Eu ligo o rádio pra ouvir uma música, o tédio estava grande. Somos ladrões mas música é maravilhoso, fazer o quê. Shawn me olha com uma cara de bunda quando começo a cantar junto da música.

- Até parece que você não quer cantar também. – Falo olhando pra ele, logo fazendo uma curva pra direita.

- Quero mesmo – Ele diz e começa a cantar comigo. Nós éramos amigos desde muito tempo, então conversas assim eram comuns, apesar de ele ser um escroto.

Cinco minutos. Desligo o rádio. Era perceptível o clima mais tenso, assim como as engolidas em seco. Os cinco minutos foram passando em rápida velocidade, assim como nossa circulação sanguínea. A ansiedade, que já estava grande, aumentou ainda mais quando eu estacionei o carro na frente do banco.

*inicie a música I Want It All – Arctic Monkeys (opcional)*

- Ok... Então é agora. Todos sabem o que tem que fazer, e todos nós já assaltamos antes. Não há erro. Só não fiquem muito nervosos. – Shawn fala, com todos olhando pra ele. Ariana e Tae já tinham suas armas em mãos, e Shawn estava pegando a dele. Quando o fez, murmurou um “vamos lá” e desceu do carro. Ariana e Taehyung desceram também e foram junto de ele. Eu dirigi até o local certo para esperar o término do roubo para fugirmos.

POV Kim Taehyung

Entramos no banco empurrando a porta, chamando a atenção de todos. Por estarmos com roupas totalmente a prova de balas (nos tornando invencíveis) e com máscaras, as pessoas de dentro já sabiam o que era. Shawn atirou no alarme, gritando que era um assalto. Utilizando nossos “nomes” falsos, Shawn grita para Ariana explodir a porta do cofre e pegar o dinheiro junto dele. O nome falso de Ariana era “Siena”. Até que combinava.

- Cuide dos reféns. – Disse Shawn quando passou por mim. Fui até alguns reféns e coloquei a mira de minha arma na direção deles.

- ENTREM AQUI! AGORA! – Grito puxando um refém para dentro de um armário. Aponto com a arma para os outros, que logo entram. Fecho a porta e tranco a mesma. Vou até o cofre e encho minha mala com dinheiro, o máximo possível. Ariana e Shawn saem e vão até a porta principal. Sigo eles e preparo minha arma, já olhando os lugares possíveis para me esconder e proteger da polícia.

Assim que um carro da polícia estaciona em frente ao banco e desce, Shawn chuta a porta e começa a atirar nos policiais. Eu e Ariana fazemos o mesmo. Protejo-me atrás de um muro que tinha ali, que separava o estacionamento do banco, e atiro novamente em alguns policiais, conseguindo matar alguns. Ariana, estranhamente, continha um brilho nos olhos e um sorriso no rosto a cada tiro que ela disparava. Além de já estar matando pessoas, Ariana também atirava nas viaturas policiais, fazendo-as explodir e matar os policiais que estavam ali em volta.

Depois de uns dez minutos matando policiais, conseguimos avançar um pouco para ir até o carro de fuga. A roupa a prova de balas era pesada, e com a mala de dinheiro então, era quase impossível de caminhar. Eu e Shawn andamos mais um pouco, Ariana ficou matando o último policial que restou na área atrás de onde estamos agora. Paramos de andar e atiramos em mais alguns policiais que chegavam ali. Atiro numa cerca para podermos passar, destruindo a mesma.

POV Ariana Grande

Apesar de serem muitos policiais, conseguimos matar todos facilmente. Exceto um. Aproximo-me do mesmo com a mira em seu pé, dando um tiro ali. O policial cai no chão e acaba derrubando sua arma, que é jogada para longe pelo meu lindo pé. O homem estava se contorcendo de dor, mas achei exagerado. Aposto que não doía nada, por isso mesmo dei outro tiro em seu outro pé. Rio de sua reação. Ele estava quase morto. Rio alto (muito). Amo essas piadas do dia-a-dia.

*inicie a música I Did Something Bad – Taylor Swift (opcional)*

Miro minha arma novamente nele, mas dessa vez em sua cabeça. Antes que pudesse atirar, pisco os olhos e me vejo em um local totalmente diferente.

Era como um consultório médico, tipo de psicólogos, porém bem macabro. Eu estava sentada em uma cadeira na frente de uma mesa que continha outra cadeira do outro lado da mesma. Olho ao redor e consigo enxergar (apesar da escuridão) um homem olhando através da janela do escritório. Ele se vira e sorri para mim.

- Fico feliz que tenha voltado para mais uma consulta. Você está piorando, minha querida. Sua mente já está totalmente dominada, não há mais o que fazer... É uma pena realmente, você poderia ser tão brilhante se não fosse desse jeito.

- Eu sou brilhante! – Falo em um tom levemente mais alto. Não estava com raiva, apenas chocada com a ilusão dele.

- Não, não, não, não, não. Você é doente. – Ele diz olhando em meus olhos, se sentando em sua cadeira e pondo os pés na mesa em frente a minha cadeira. – Você não pensa o que essas pessoas sofrem por causa de você? O quanto de dor você já causou? – Eu apenas fico em silêncio.

- Mas... – Quando tento falar algo, o homem me interrompe.

- Mas nada. Você não vê que já fez sofrimento o bastante? Qual é o seu problema?

- Eu não causo nenhuma dor, você me influencia! – Grito com os olhos marejados. Não estava triste, apenas atuando para fazê-lo sentir algo. Culpa talvez? Nha.

- Ah... – Ele ri fraco – Você acha mesmo que eu sou real? – Penso um pouco.

- Não... Você está na minha mente. Você não é real! Não é, não, não é... – Falo me levantando da cadeira e indo até uma das paredes, me sentando no chão apoiando minhas costas na parede atrás de mim, sentindo minhas lágrimas falsas caírem.

- Então esse é o problema. – Ele fala com os dedos entrelaçados, ainda sentado na cadeira. Pisco e vejo-o em minha frente do nada. – Você ainda consegue saber a diferença? – O local, que já era escuro, iluminado apenas pela luz da lua que entrava pela janela, ficou totalmente escuro. Agora eu não conseguia enxergar nada. Ouço a risada alta do homem ecoar pelo cômodo, então fecho os olhos rapidamente. Quando os abro, vejo o policial novamente, dessa vez em meus pés, quase alcançando a arma que eu havia jogado para longe.

*inicie a música Getaway Car – Taylor Swift (opcional)*

Em desespero, arregalo os olhos e miro em sua cabeça novamente, dando o tiro e matando-o. Coloco minha arma no ombro e vou até Shawn e Taehyung.  Quando os alcanço, ouço um barulho alto de motor de carro. Em poucos segundos consigo ver Camila chegando e puxando o freio de mão do carro, fazendo-o rodar no chão. Ela sorri quando ele para e abre as portas e o porta mala. Eu, Shawn e Tae colocamos as malas cheias de dinheiro no porta malas e fechamos os mesmos. Taehyung foi o primeiro a entrar, sentando no passageiro. Eu entrei em seguida, ficando no lado esquerdo do carro. Shawn foi o último, ficando atrás do passageiro. Camila destrava o freio de mão e acelera o máximo possível, fugindo dos carros policiais.

Cabello era totalmente profissional em dirigir carros e fugir de policiais. Isso era muito bom. Mas eu era melhor, obviamente.

Camila faz uma curva brusca na esquerda, pegando a estrada para voltar para a cidade, já que o banco era no interior. A policia nos seguia, o que deixava todos nós nervosos. Shawn pega sua arma e quebra o vidro do carro, começando a atirar nas viaturas para conseguirmos fugir. Faço o mesmo, tentando ajudá-lo. Alguns segundos depois disso, uma bala da policia consegue quebrar o vidro de trás do carro, que acaba atingindo Shawn no braço.

- CARALHO FILHO DA PUTA! – Ele grita de ódio ou dor. Não sei dizer qual. Mas eu ri. Logo ele voltou a atirar, matando vários policiais. – MORRE AGORA FILHO DA PUTA, SEU MONTE DE PORRA

Rio novamente, atirando nos últimos carros. Apesar de termos acabado com as policias, uma bala perdida veio novamente em nosso carro, e acabou passando de raspão no braço de Camila. Ela gritou de dor, mas continuou dirigindo até chegarmos a nossa base.

Chegando lá, Taehyung desceu e me ajudou a levar o dinheiro para dentro. Selena estava ali, nos esperando na porta. Ela pegou o dinheiro e levou-o para uma sala, para separar os lucros de cada pessoa.

Shawn foi cuidar de seu ferimento, e Tae ajudou Camila a tratar do ferimento. E assim, terminamos nosso primeiro golpe com Kim Taehyung, e foi sucessível. Muito.

ALGUNS DIAS DEPOIS

POV Kim Taehyung

Uns três dias depois de realizarmos o primeiro golpe da gangue com, eu mesmo, Tae, ouço alguém sair de uma das salas de nossa base/casa.  Como eu ainda era novo na gangue, resolvi ignorar, até que a (provavelmente) mesma pessoa bateu na porta de meu quarto. Levanto da cama e abro a mesma, vendo Shawn com uma mala em mãos. Engulo em seco.

- Aqui está o seu dinheiro do golpe. Aproveite. – Ele diz com um sorriso no rosto. Pego a mala da mão dele.  – Você foi muito bem. Fico feliz de termos você conosco. – Completa e vai embora. Sorrio fraco e fecho a porta. Antes de abrir a mala, faço questão de conferir que minha janela estava fechada e ai sim abro, vendo milhares bolos de dólares.

Depois de contar todo o dinheiro, vejo que ganhei um milhão setecentos e quatorze e cento e trinta e sete dólares ($1.714.137). Sorrio novamente e guardo o dinheiro na mala, que coloco debaixo de minha cama. Iria depositar uma parte do dinheiro em minha conta daqui uns dias, para não chamar atenção. Enquanto planejava como pagar as contas de minha antiga casa com esse dinheiro, recebo uma mensagem. Pego meu celular e leio:

De: Desconhecido

Eu sei que foi você que assaltou o banco em Paleto Bay. Venha me encontrar na cafeteria entre o prédio do FBI e do IAA. 15:00.

Olho o horário no próprio celular e vejo que eram 14:31. Engulo em seco e me arrumo para ir. Um tempo depois já estava saindo de casa. Peguei um táxi para ir até lá porque ainda não tinha trazido meu carro para cá. Em quinze minutos cheguei lá, o local era longe, mas o trânsito não estava tão intenso assim.

Desço do táxi depois de pagá-lo e ando até a cafeteria. Aproveito que estava ali e peço um café. Pego o copo, pago e vou para o lado de fora para procurar a tal pessoa. Apoio meu braço na cerca que separava o lado de fora do café da rua, ficando de costas para o café.

Uns minutos depois, termino meu café e quando ia jogar o copo fora ouço uma pessoa se aproximar e falar:

- Então você voltou... – Viro-me e vejo uma criatura divina que veio me atormentar de novo (não, não era satanás. Não totalmente).

- Jared... Voltei pra onde? Sempre morei aqui.

- Você sabe do que estou falando. Voltou ao maravilhoso mundo dos roubos e assaltos que dão mais dinheiro do que qualquer trabalho. Mas sabe o que irá te dar mais dinheiro do que roubos dessa vez? – Jared Collins (o tal agente do FBI que me ajudou a fingir minha morte para meu amigo) fala, me fazendo revirar os olhos e suspirar.

- O que? Prostituição? – Falo sendo irônico.

- Se quiser. Eu posso ser seu primeiro cliente, pedirei pra ficar o mais longe de mim possível por cem dólares. Vale? – Ele é irônico de volta (típico Jared que estamos falando).  – Não, mas chegou perto. Quanto você ganhou fazendo aquele roubo miserável?

- Um milhão e setecentos mil. Fala logo o que você quer.

- Calma, princesa. Uma ajudinha ao FBI. Você vai ganhar mais do que um milhão, e um tempo comigo. Tem coisa melhor?

- Tem. Ficar longe de você e continuar roubando, já que nem pra pagar minhas contas vocês servem.

- Ai! – Ele se faz de ofendido colocando uma mão no peito. – Seu ingrato. A gente limpou sua ficha, viu. Olha, por mim se você roubar ou não, o problema vai ser seu. Caguei pra você. Só quero continuar ganhando meu dinheiro e tendo meu trabalho no FBI. Mas com o FBI falindo não dá. Quero que você faça um favor e deu. Já terá mais dinheiro.

- Eu não quero dinheiro. Quero pagar minhas contas e viver bem. Se eu fizer esse favor e vocês só me pagarem, tá ótimo. E o que é esse favor?

- Ok. Você sabe que o FBI faliu, mas não sabe o motivo. Basicamente, um agente do IAA sabe que algo aconteceu e que você não morreu de verdade. E há rumores que esse moço sabe que eu fui um dos envolvidos a te acobertar. Então, peço gentilmente que você mate esse filho da puta antes que ele mate você e eu juntos.

- Então você quer que eu entre no prédio do IAA, também conhecido como inimigo do FBI, e tem um dos agentes de lá? E se ele já falou pra outra pessoa?

- Exato... Ninguém acreditou nele. Então, entre, mate, saia, ganhe dinheiro.

- Ah e vai ser fácil assim entrar no IAA?! – Falo ironicamente.

- A gente vai fazer um plano né, imbecil. Mas enfim, você aceita ou não?

- Quanto vou ganhar?

- Ah Taehyung, isso a gente vê depois. Aceita ou não? – O que você faria? Vou arriscar minha vida. Se eu morrer ferro a gangue, mas não vou precisar de dinheiro. Se eu viver, vou ganhar sei lá quanto. Fico mais ou menos trinta segundos pensando, até que finalmente respondo.

- Aceito. – Ele sorri.

- Perfeito! Sabia que não ia me desapontar. Então quando eu te ligar, faça o que eu pedir. Esse plano vai ser ótimo.

- Eu espero que sim. Só uma coisa, Jared... – Falo antes que ele pudesse se virar e ir embora. – Você sabe como está o Jeongguk?

- Aquele seu amigo que acha que você está morto? Não. Provavelmente morto também. Não se iluda. Só eu ainda estou vivo dentre todos que você conhecia.

- Claro... Nunca consigo me livrar de você. – Ele pisca e sorri, indo embora em seguida.

Eis Jared, meu demônio do bem. Eu acho. Eu espero.


Notas Finais


Foi istoooo
Aliás vão ler uma fanfic (Six Hours) de minha biuriful friend que me divulgou lá tb heheeh
Comentem se gostaram <3
Até o próximo, kissessss <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...