1. Spirit Fanfics >
  2. Gangues >
  3. Capítulo 19

História Gangues - Capítulo 21


Escrita por:


Notas do Autor


Como eu explico dessa vez? 😅

× Primeiramente,minhas aulas voltaram Quarta-Feira, então eu e meus amigos estamos chorando coletivamente ainda. Luto pelas minhas férias 😫

× Me desculpem não postar semana passada...nem a retrasada...E eu sei que é Domingo a noite, mas é melhor do que nada não é mesmo?

× Tentei fazer o capítulo há semanas, mas toda vez que pensava em escrever meu celular fala:
-Não desta vez!
E a bateria acaba. Desse jeito Fica difícil já que ele é o único meio que eu faço a fic.

× E tem uma estória one-shot! Kiribaku que estou fazendo, provável que poste ainda essa semana então eu aviso quando postar!

× Espero que esteja bom, eu realmente tentei! Sério, estou tentando há duas semanas. E saiu isso, vou tentar melhorar mesmo! Mas as vezes não dá. Espero que entendam.

Eu não revisei o capítulo,vou fazer amanhã de manhã.

Até as notas finais!!!! 🙆

Capítulo 21 - Capítulo 19


Um mês de passou desde o fatídico ocorrido,agora em Março, já haviam feito um plano e começado uma minuciosa investigação atrás de informação do paradeiro de Neito Monoma e Karin Namikaze, também no final de semana anterior haviam feito outra reunião criando um plano de contra-ataque ou vingança - como Bakugou chamava -.

############### ##########

(...) O barulho de um tiro ecoou pela casa. 

Um grito veio logo em seguida.

Minato e Todoroki escutaram o grito de dor e o estrondo da arma vindo do andar superior da grande casa,ambos se entre olharam saindo correndo sacando as armas e subindo para ver o que houve.

Minato corria na frente muito mais rápido que Todoroki que ia logo atrás, provavelmente os outros também haviam escutado o barulho.

Chegando no quarto, Minato se deparou com duas cenas chocantes (...)

########### ############


- Seu braço está melhorando Izu! - Exclamou Shoto, feliz pela melhora do menino em sua frente.

- É...

Nessa noite, Shoto trocava novamente as ataduras dos machucados do namorado, o braço dele já estava melhorando nem precisava mais da tala.

- Amanhã a gente vai fazer como um mini fisioterapia para melhorar a circulação - Disse Shoto ainda analisando o braço esquerdo.

- Uhum

- Você quer ir na sala falar para a Momo da sua melhora? - Ele tentou fazer mais uma vez, o menino sair do quarto. Mas o outro não demorou a negar freneticamente com a cabeça.

- Esta bem, outro dia então. - Disse simples vendo o menino relaxar. - Eu vou na sala rapidinho pegar nosso jantar,está bem?

- Uhum - Respondeu baixo.

Shoto o cobriu novamente,saio de cima da cama e logo em seguida do quarto. Suspirou pesado, ver o menino naquele modo ainda o angustiava bastante se sentia péssimo em nem poder animar o garoto que gostava, mas iria melhorar e se animar, por ele e por Izuku

- Shoto! - Momo o chamou, fazendo o sair dos pensamentos. - Ei!

- Ah! Oi Momo, pois não?

- Tudo bem?

- Á, sim, vim pegar o jantar e levar lá pro' quarto.

- Como ele está? - Perguntou Lida vindo para a cozinha.

Todos da casa já estavam com seus pijamas preparados para dormir, Momo usava seu roupão branco florido. 

Shoto uma blusa larga grande simples e calça moletom. 

Lida com seu pijama básico e simples azul.

- Não precisa mais da tala no braço,mas ainda parece que não quer falar comigo ou nem olhar pra' mim - Contou triste a última parte.

- Ele vai melhorar - Momo tentou o animar

- Pelo menos Midoriya esta falando com você e o vendo, já é um avanço. - Disse Lida

- Avanço seria se ele saísse do quarto e viesse a sala com a gente.

- Tudo ao seu tempo, Asui-chan contou que na primeira vez ele ficou três, quatro semanas escondido antes de tomar coragem e sair do quarto dele, antes disso eles cuidavam e revezavam para ficar de olho. - Contou a morena

Shoto suspirou pesado.

- Tudo bem, vocês tem razão, tudo ao seu tempo não quero apressa-lo, obrigada - Agradeceu assim que a bandeja com a comida foi entregue, ele se despediu e levou o jantar ao seu quarto.

_________________________________________

Dia seguinte, Sábado, já de tarde, Shoto, Momo e Lida estavam na sala conversando com Bakugou por telefone.

- E como estão as coisas aí? - Perguntou Todoroki após contar como estava as coisas em casa.

- Na mesma,ele tá' me deixando muito preocupado tô' quase sem saber o que fazer nessa merda, mesmo com a roseta vindo aqui tive que diminuir os remédios por ele estar tomando muito em excesso, parece não confiar em mim, entre outras coisas. 

- E a Asui-chan?

- Fazendo entregas.

- O quê! Ela não deveria fazer entregas - Exclamou a morena preocupada.

- Eu sei, mas ela não escuta e não estou com saco pra' brigar com ela de novo. Cara de sapo faz entregas de vez em quando até agora não tem dado tanto problema.

- Ela conversa com a Sakura? - Perguntou Lida

- Mais agora.

- E você? - Questiona Shoto

- Não cheguei no ponto de estar preocupado comigo, meio a meio.

- Okay okay - Respondeu se fedendo, sabia que o outro não responderia. 

No meio da conversa, uma outra linha de chamada foi recebida no computador de Lida.

- Acho que teremos que continuar a conversa pessoalmente - Disse Shoto ao loiro.

- Pelo visto, vou apressar as coisas aqui e já estamos chegando - Respondeu Katsuki - Que saco.

E a chamada foi desligada.

- Será que tem notícias deles? - Perguntou Momo curiosa pela chamada se aviso no computador.

- Kage-san deve ter achado algo, para chamar todos assim do nada - Respondeu Lida

- Só vamos esperar todos chegarem e saberemos - Finalizou Shoto vendo os dois concordarem, assim os três voltaram a assistir o filme que passava na televisão.

Meia hora depois, Minato e Kushina chegaram no apartamento dos O.F.A sendo seguidos poucos minutos depois por Kirishima, Katsuki e Tsuyo.

Eles estavam sentados no grande sofá, menos Minato e Kushina que estavam de pé de frente para todos, que estavam confusos com o chamado repentino.

Minato respirou fundo.

- Desculpe chamar todos assim, derrepente.

- Sem problemas, Kage-san, mas está tudo bem? - Perguntou Momo, tentando parecer calma.

- Tivemos notícias, achamos que...podemos ter os encontrado. - Contou o loiro mais alto. - Na área Leste, alguns quilômetros depois das última câmera os filmar, pararam na frente de uma casa.

- O que vamos fazer? - Perguntou Shoto

- Vamos sair agora? - Perguntou Momo

- Kakashi vai avisar quando for para sairmos, só estão olhando em volta. - Respondeu Kushina

Um grunhido de desgosto ecoou pela sala.

-  Está tudo bem. - Disse Bakugou suave e calmo para ruivo ao seu lado. 

Kirishima parecia estar mais agitado que o normal pelo qual se acostumou, apertava a mão do loiro com certa força mesmo com a mesma tremendo um pouco. Bakugou, achou estranho as ações repentinas sem entender o porque delas, mas mesmo assim tentava o acalmar de certa maneira.

- O que vamos fazer quando chegarmos lá? - Questionou Tsuyo.

Ela parecia melhor com menos marcas de olheiras, menos cansada e mais arrumada que da última vez que veio ao apartamento.

- Vamos seguir o plano - Respondeu Minato.

- Pelo visto a casa que eles ficam é grande, teremos que nos dividir - Disse Kushina, vendo todos concordarem.

- Mas...todos irão? - Perguntou Momo - Não podemos deixar Kirishima-kun e Midoriya sozinhos em casa.

E todos ficaram em silêncio sabendo que é verdade, deixar os dois em casa sozinhos no estado que estavam, não era uma boa ideia.

- Eu posso ficar - Lida se prontificou a falar - Não tem problema algum.

- Não mesmo? - Perguntou Shoto, mesmo sabendo que não teria.

- Não, não mesmo.

Bakugou suspirou pesado,sabia que tinha que deixar o ruivo no apartamento dos outros mas a ideia de se separar ainda mais nesse estado, o deixava ansioso. No fim, acabou concordando em o deixar alí por algumas horas.

- Qual é a ideia do plano? - Perguntou Katsuki de uma vez.

- Vamos entrar na casa aonde estão, olhar o lugar e trazê-los para nós - Respondeu Minato - Depois,vemos o que fazemos com eles.

- Explodi-los - Sussurrou Bakugou,sorrindo pequeno de lado com a ideia. 

- Bakugou-kun.... - Chamou Momo, e ele já entendeu o porque.

A morena se levantou e foi até o corredor, todo mundo entendeu o porque então continuaram a conversa, ele se levantou e foi a seguindo ao lado de Kirishima, que não mancava tanto pelos machucados estarem melhorando. 

Momo estava no fim do corredor a esquerda na frente da porta de seu quarto, ele seguiu até onde ela estava e não pode deixar de reparar na única outra porta semi-aberta, deixou aquilo de canto voltando a atenção ao quarto da mulher.

Era bonitinho e aconchegante,a cama era grande com edredom rosa claro encostada no canto na parede, o armário de três portas branco no pé da cama, uma mesa também branca na outra parede com o computador,papéis e algumas fotos em cima, no chão o tapete felpudo  e cortinas escuras nas janelas. 

- Pode deixa-lo aqui, não me importo mesmo,se quiser tem outras cobertas na porta do meio pode pegar. - Disse a anfitriã calma, sorrindo calorosamente saindo do lugar os deixando sozinhos.

Bakugou guiou o outro até a cama, o deitou confortável e o cobriu com o edredom.

Kirishima parecia atento a tudo e a nada ao mesmo tempo, o segurando forte.

Eijiro não estava com medo do que estava acontecendo e sim, do que poderia acontecer.

- Eu vou voltar, não vou demorar juro, sabe que eu volto não é?

- Não vai! Porfavor! - Pediu o segurando, os olhos vermelhos brilhando.

- Você não vai ficar sozinho, o quatro olh...Lida, vai ficar fazendo companhia.

- Não vai! Por favor! Não faz isso! Vai dar errado! 

Precisou respirar fundo para continuar.

- Vamos fazer assim, conta até...mil e quinhentos! E se até lá eu não voltar, você me liga na hora e eu volto não importa o que esteja acontecendo,a porta vai estar aberta. - Disse calmo, mas se sentindo culpado por o fazer contar tudo aquilo,quando não teve mais respostas tentou sair de perto dele aos poucos, soltou seu braço e saiu de fininho do quarto deixando a porta semi aberta.

Voltando para a sala passou pela porta quase aberta de novo, dessa vez chegou perto para espiar o que tinha. Se deparando com cabelos verdes sentados em cima da cama brincando com um gatinho, parecia dizer algo mas não conseguia ouvir o que era.

- Deku... - Sussurrou ao ver o amigo, mas acabou esbarrando na porta.

- Toki! é..é você?

Poderia entrar e falar com o amigo, só sabia  como estava por perguntas breves que respondiam,mas não achou que deveria e nem sabia o que falar. Saiu de fininho deixando o menino sozinho de novo.

- Iai? - Perguntou Tsuyo ao voltar para a sala.

- Só precisamos ir logo.

- Já estávamos indo Sasuke acabou de avisar - Avisou Kushina olhando para todos na sala.

Assim que concordaram,foram saindo aos poucos. Minato e Kushina foram os primeiros, seguido por Shoto, Momo e Tsuyo por último Bakugou.

- Ele vai ficar bem - Disse Lida que ainda estava na sala, sentado no sofá.

- Se ele tiver algo, não dê muito do remédio,tô' tentando tirar essa coisa dele.

- Claro.

########## ##############

(...) Minato não sabia o que fazer, estava desesperado, irritado e preocupado, esperava que os outros haviam conseguido sair da casa.

O barulho das sirenes no lado de fora o deixava mais preocupado ainda. 

Não poderia ser pego, principalmente com Kushina, uma policial nos braços machucada. 

E para piorar, a mulher estava machucada, não seriamente mas estava,sabe que ela é forte e aguenta firme mas ficar preocupada é inevitável.

Olhou para a janela, estava praticamente cercado, quase sem lugar para onde ir (...) 

########## #############

Chegaram na grande casa, sairam dos carros os deixando na rua atrás da mansão aonde tinha algumas árvores e arbustos por conta do parque ao redor. Não precisavam se preocupar com câmeras, pois os Uchiha e Sh4dow haviam dado um jeito nelas.

Minato saiu de sua moto com Kushina atrás na garupa, Bakugou estacionou o carro preto e Shoto estacionou o seu logo atrás,de uma forma que caso algo acontecesse poderiam sair rápido sem atrapalhar ninguém.

- Alí na frente. - Disse Minato, sério, mas baixo. - Vamos em duplas, tomem cuidado e atentos, não sabemos ainda em que lugar na casa estão.

Todos concordaram, observando a parte de trás da casa.

Era grande, provavelmente tinha uns dois andares, toda branca,na parte de trás em um dos quartos havia uma varanda e a janela estava com a luz ligada, mas as cortinas fechadas.

- Quem vai com quem? - Perguntou Momo

- Eu posso ir com você? gero - Perguntou Tsuyo

- Claro

- Shoto e eu! - anunciou Minato e Todoroki concordou.

- Então vamos nós dois. - Disse Kushina para Bakugou que concordou também.

- Tudo pronto, então vamos!.

De onde estavam, até a casa a única coisa que os separava era um muro que rodeava a grande residência lá haviam câmeras e luzes de segurança todas desativadas pelos Sh4dow.

Eles se entre olharam, cada um já sabia o que fazer. 

Assim, pularam o muro em silêncio,ele não era tão alto então foi fácil,Minato sempre ia em primeiro e depois ia Shoto e as respectivas duplas, Minato pulou e aterrissou em silêncio sem fazer barulho algum na terra levemente molhada pelo sereno da noite. 

Todoroki já estava ao seu lado com a arma em mãos, e todos os outros também armados e logo atrás.

Andaram em silêncio pelo quintal, e dava para ver um dos quarto do segundo andar com a luz acessa. 

Sabiam por onde entrar e quais as saídas poderiam sair além da porta principal.

Se separaram, duas duplas, Minato,Shoto, Momo e Asui foram pela entrada um, a janela de baixo da lavanderia por onde entrariam, enquanto Kushina e Katsuki iam pela outra janela do segundo andar entrando no outro quarto com varanda com a luz apagada.

Bakugou subiu primeiro no muro com facilidade, sendo seguido pela ruiva que fez o mesmo, ambos subiram na varanda tendo a visão das outras duplas indo para o canto da casa. 

Kushina abriu a fechadura da porta com facilidade assim que abriu entraram rapidamente no quarto escuro só encostando a porta da varanda.

O quarto estava escuro e silencioso assim como o resto da casa, demorou um tempo para os olhos se acostumarem com a escuridão, assim que se acostumou foi até a porta ainda ao lado de Kushina e esperando alguma segundos para terem certeza se tudo estava bem. 

_____________________________________

Na lavanderia por onde as outras duplas iriam entrar,Tsuyo abriu a janela com maestria logo deixando com que as os outros entrassem também. O silêncio em que estavam era inquietante,só se ouvia a respiração de todos no lugar aonde se lava a roupa.

Não havia porta depois dali, só a borda de madeira. Seguiram em frente, assim que passaram foram de cara com as escadas que subiam e outra que descia, resolveram subir os degraus escuros. 

_________________________________________

Depois de um tempo para confirmar, a ruiva e o loiro abriram a porta, primeiro a passar foi a mulher depois o menino, ambos com armas nas mãos.

- Eu vou aqueles quartos - Avisou Kushina apontando para um dos lados do corredor,Bakugou assentiu

- Cuidado - Disse o menino antes de dar as costas e ir para a outra ponta dos quartos. 

_________________________________________

Na parte de baixo,eles haviam se separado também, Shoto e Minato,foram olhar a sala e escritório, enquanto Momo e Tsuyo iam a cozinha e o outro escritório. 

Esperavam encontrar alguma das duas pessoas que procuravam em algum dos escritórios.

Momo olhava a cozinha mesmo que sabendo que não acharia nada significativo além de comida ou uma lista de compras na geladeira.

- Você acha que o plano vai dar certo? - Perguntou a morena preocupada - Será que nós não estamos os subestimando?

- Acho que dará certo sim. O plano é bom - Respondeu.

Só não sei se temos a melhor estratégia. - Pensou com sigo mesma.

No outro lado, ainda no primeiro andar, Minato e Shoto olhavam a sala em busca de algo sem ser revistas ou livros.

- Todoroki? - Chamou Minato que olhava a estante de livros.

- Sim.

- Quantos tempo você e Izu estão juntos?

Shoto arregalou os olhos, surpreso com a pergunta repentina, já haviam conversado, ele, Izuku, Minato e Kushina.

- Uns...Três meses, só... - Respondeu sem olhar para o adulto, enquanto tentava abrir a porta do escritório.

- Fico feliz, realmente feliz com vocês dois. - Disse sincero, queria conversar isso com o menino a um tempo sobre ele e seu filho,mas o único momento que tiveram foi esse, o que era engraçado por tirar um pouco a tensão do ar. - Fico contente em saber que ele está feliz, e você também.

- Obrigada, Minato-san, Izuku estava ansioso para contar a você e Kushina-san, mas preferiu esperar, depois que contou, parecia aliviado nem que um pouco. - Contou rindo anasalado com a lembra do menino animado. - À, bem, tem algo que gostaria de perguntar sobre você e o Izu....

________________________________________

Voltando ao andar de cima, Bakugou olhava os outros quartos num lado do corredor enquanto a mulher olhava o outro. 

Haviam apenas quatro quartos no corredor, então ele ficou com dois deles, uma porta das portas estava trancada mas consegui destranca-la, adentrou o quarto escuro em silêncio apontando a arma atento.

- Toda essa casa é escura é? Que saco.

Assim que entrou, acendeu as luzes, se deparando com algo que realmente o chocou. 

Okay, ficaria sonhando com aquilo talvez, precisou dar dois passos para trás mas logo se recompõe.

- Mas que merda é essa? - Perguntou chocado com o que via.

O quarto era branco, havia uma cama de solteiro no canto ainda arrumada, uma mesa na parede sem nada, a única coisa que o impedia de ser normal eram as fotos na parede, não,não eram fotos normais em porta retratos,as fotos estavam espalhadas por todo o quarto desde cima da parede até em baixo. 

Fotos,de pessoas que conhecia. 

Fotos de Deku e Kirishima em duas das paredes. 

Nas outras duas, haviam fotos de algumas pessoas que reconheceu brevemente como os Uchihas que viu uma vez na floresta. O homen de cabelos brancos de longe, sendo seguido por outros dois de cabelos negros.

Adentrou mais o quarto, observando atentamente as fotos, não se importou muito com as dos homens mais velhos estava mais focado nas do amigo e namorado. 

Com certeza sonharia com aquilo.

Fotos de Kirishima em uma cadeira sentado, outras dele deitado no chão, sozinho no escuro, algumas parecia machucado. 

Deku na mesa situação, havia até uma ou duas dele criança.

- Mas que merda! - Exclamou ao mudar de lado e ver atentamente as fotos dos adultos,alguém tirou fotos deles não é mesmo?

escutou um barulho atrás de si, virou de súbito apontando arma mas só viu a porta sendo fechada e logo estava trancado.

- Ei! Mas...Porra! - Gritou ao ver que não conseguiria sair.

- Aproveite as fotos - Ouviu a voz masculina no outro lado. E sentiu o sangue subir a cabeça tão forte que achou que explodiria - Filho da... Eu juro que vou te matar! - Ameaçou esmurrando a porta.

O corredor era largo, cinco portas no total, uma delas foi o quarto da varanda por onde entraram, então sobravam outras duas, duas no fim do corredor e outras duas no outro lado, a passagem tinha o chão de madeira escura, as paredes vermelhas limpas, sem nada.

Kushina olhava os outros dois quartos no outro lado do corredor, nos quais uma porta estava aberta. Seguiu silenciosamente até a porta apontando sua arma, atenta a tudo apesar do silêncio. Até pensou em chamar o rapaz loiro, mas mudou de ideia e resolveu olhar mesmo assim.

Esperava encontrar alguém lá dentro, em especial, sua irmã, gostaria de conversar com ela e a interrogar ao saber do porque de tudo aquilo.

O quarto era o que já estava com a luz acessa antes, apontou a arma e foi. Abriu a porta devagar, ainda com o súbito silêncio da casa.

Quando abriu a porta se surpreendeu, não era possível que havia chegado naquele ponto estava sem palavras, parecia um quarto de hospício com escrituras sem sentindo nas paredes, fotos em vários lugares e para piorar, o que parecia ser uma espécie de altar. 

Karin havia realmente enlouquecido.

- Mas o que?

Analisava o quarto todo, fotos de Minato estavam na parede. 

Minato no apartamento dos meninos. 

Minato no trabalho. 

Minato conversando com Kakashi, e com ele sozinho. 

Minato com ela. 

Todo o tipo, mas com a mesma coisa, Minato. 

Estava realmente chocada com tudo, tanto que acabou abaixando a guarda.

- Gostando das fotos? - Ouviu a voz feminino nas suas costas.

Virou rapidamente apontando a arma.

Foi muito devagar.

A arma dela a atingiu primeiro.

O barulho de tiro quebrou todo silêncio da casa, logo seguido pelo som de algo caindo. Kushina só sentiu a dor ardente e estrondosa no ombro direito, deixou sua arma cair no chão, sangue saia de seu ombro, tampou o machucado com a mão livre mas a dor parecia aumentar por todo o corpo.

- Karin! O que pensa que está fazendo? Porque tudo isso? - Perguntou de uma vez, sentada no chão apoiada na escrivaninha do quarto. O sangue aumentava na sua mão.

- Quem deixou você entrar no meu quarto? - Perguntou indiferente, um pouco debochada na voz como se não fosse nada.

- Responde logo! - Gritou fazendo caretas pela dor nos ombros.

- Porque tudo isso, porque tudo isso! Vocês só perguntam isso! - Reclamou, enfurecida

- Karin...

No fundo, no outro lado do corredor podia ouvir gritos enfurecidos e vários xingamentos gritando no fundo corredor.

- Temos que ir! - Disse um outro loiro aparecendo na porta e a fechando logo em seguida vendo Karin concordar.

Outro barulho de tiro ecoou na passagem da casa, assustando todos os três.

- Nós vemos depois! - Se despediu Monoma indo até a sacada, agora não dando para perceber uma escada apoiada na mesma.

- Mas... - Perguntou Kushina ao reparar a escada, que com certeza não estava alí antes.

- Não foi só vocês que planejaram algo - Contou a outra ruiva ainda no quarto.

- Desgraçada.

Karin iria rebater, mas a porta quase foi derrubada com um chute dado na mesma.

- Abre essa merda! Desgraçados! - Ouviu a voz de Katsuki no outro lado, completamente irritada.

- Minato-kun é meu! Entenda isso de uma vez! Ele vai finalmente perceber isso, se todos vocês não estiverem atrapalhando! - Falou irritada a última parte,mas ainda parecia alegre. 

Kushina nada respondeu, ainda tentando parar o sangramento do ombro. 

A porta foi arrombada por um chute quebrando uma parte, que logo continuou sendo quebrada.

Karin sem esperar correu até a sacada, descendo a escada de ferro, logo sem seguida Bakugou entrou no quarto por um buraco que fez na porta a ponta pés. No momento em que entrou, apontou a arma para a mulher que corria, apontou certeiro e apertou o gatilho em reflexo, a mulher tentou pular logo a sacada do segundo andar, mas logo foi atingida no ombro, caindo no chão de terra.

- Isso! - Comemorou Katsuki sorrindo ao ver que atingiu a mulher.

Percebeu a outra ruiva que sangrava, tirou seu moletom preto sem pensar duas vezes e rasgou a manga tentando enfaixar o braço perfurado da mulher.

- Não vai ter tantos problemas - Disse analisando o grande machucado, sabia muito pouco de enfermagem por conta de sua mãe, que era uma ex-curandeira.

Correu até a sacada tentando encontrar algum corpo, mas não encontrou nada só resquícios se sangue na escada e na grama.

Pelo menos atirou na desgraçada. 

Ela estava machucada. 

_________________________________________

No piso de baixo, Shoto e Minato rodeavam o escritório. Duas coisas não saiam da cabeça de Shoto.

- À, bem, tem algo que gostaria de perguntar sobre você e o Izu....

- O que seria?

- Você... é mesmo o Pai dele? - Perguntou de uma vez, não sabia se isso magoaria o chefe, mas também não saia de sua cabeça.

- Porque a pergunta?

- Bom....vocês não são tão parecidos assim, mas... não sei.

O riso de Minato preencheu o cômodo.

- Bom, você tem razão.

Okay, ele tinha essa teoria, só não esperava ser confirmada.

- Para alguém que chegou nessa conclusão, parece mais surpreso.

- Não, só...

- Izuku não é meu filho de sangue, a Mãe dele - Disse com amargura - Ela me traiu,descobri depois quando fiz um exame no Izuku e não deu compatível, mas não me importo ele é meu filho.

Shoto sorriu com a fala do Homem.

- Ele sabe?

- Não. Ele já não é muito solto, se descobre isso, continua sendo meu filho. E pelo que parece, temos um segredo compartilhado agora.

- Claro! - Sorriu com o que o loiro falava, nunca iria contar nada disso ao namorado, mas foi bom a conversa.

- Você não achou estranho, não achamos ninguém. - Disse, isso era outra coisa que estava na sua cabeça.

- Pois é,falando nisso melhor irmos,isso está me deixando com um péssima sensação.

Nesse momento. Os dois se assustaram com um barulho escutado pela casa toda.

O barulho de um tiro ecoou pela casa. 

Um grito veio logo em seguida.

Minato e Todoroki se entre olharam preocupados, todo o momento bom de conversas de antes foi em bora. Assim que escutaram o grito de dor e o estrondo da arma vindo do andar superior da grande casa,ambos saíram correndo sacando as armas e subindo para ver o que houve.

Minato corria na frente muito mais rápido que Todoroki que ia logo atrás, provavelmente os outros também haviam escutado o barulho.

Chegando no quarto, Minato se deparou com duas cenas chocantes

Uma do quarto cheio de fotos suas, outra de Kushina com as mãos vermelhas de sangue,o braço mal enfaixado por uma blusa e com Bakugou ao seu lado a mantendo em pé.

- Karin atirou nela - Contou saindo de perto vendo o chefe se aproximar.

- Temos muito o que conversar - Disse a ruiva

- Eu atirei nela - Continuou Bakugou sorrindo vitorioso. - O braço da vagabunda também está machucado, acertei um tiro, pena que não acertei a cabeça - Murmurou baixo.

- Sabia que tinha algo errado! - Exclamou o loiro irritado apoiando a ruiva em si - Era uma armadilha deles! como caímos nessa.

- Nós os subestimamos! - Respondeu Shoto - Achamos que a armadilha iria dar certo, ficamos tão certos disso que não notamos o óbvio!

- Gente! - Chamou Momo na porta do quarto com Tsuyo ao seu lado - Ouvimos os tiros.

- E temos mais problemas! gero - Contou Asui

- Temos mesmo - Concordou Bakugou olhando na varanda. - Polícia, dois carros.

O barulho das sirenes no lado de fora do a casa estava deixando todos muito mais preocupados.

O plano havia dado muito errado, 

kushina estava machucada e estavam cercados por policiais.

- Vocês vão fazer o seguinte - Mandou Minato - Corram pela janela por onde Bakugou e Kushina entraram, vão até os carros e esperem lá, se demorar de mais vão em bora.

- O que o senhor vai fazer? - Perguntou Momo preocupada.

- Vou tentar tirar Kushina daqui, vocês  vão em bora! o plano deu errado, agora saiam. Vão!

- Não se preocupe com o outro quarto, eu dei um jeito - Disse o outro loiro antes de sair do cômodo.

Assim que mandou, os quatro saíram relutantes, não queriam deixar o líder sozinho, mas ordens eram ordens, foram para o quarto por onde a terceira dupla entrou correndo, cada um pulou a sacada para o muro com cuidado para não chamar mais atenção, assim que todos estavam no chão se arrastaram em silêncio até o quintal, puderam ver as sirenes dos policiais e alguns deles batendo na porta da casa. 10 policiais foram chamados.

- Mas que merda! - Brandou Katsuki

- Vamos, Kage-san vai conseguir sair dessa - Disse Momo, abaixada junto aos outros.

Pelo menos era o que esperavam. 

_______________________________________

Minato não sabia o que fazer, estava desesperado, irritado e preocupado, esperava que os outros haviam conseguido sair da casa.

O barulho das sirenes no lado de fora o deixava mais preocupado ainda. 

Não poderia ser pego, principalmente com Kushina, uma policial nos braços machucada. 

E para piorar, a mulher estava machucada, não seriamente mas estava,sabe que ela é forte e aguenta firme mas ficar preocupada é inevitável.

Olhou para a janela, estava praticamente cercado, quase sem lugar para onde ir.

- Vai em bora! - Mandou a mulher apoiada em sí

- Não vou deixar você aqui!

- Claro que vai, eu sei me virar.

- Eu sei, mas...e se te encontrarem?

- Vou arrumar uma desculpa das boas, agora e se acharem você com o sangue de uma policial mas mãos? E uma casa arrombada?

- Está bem, fique bem. - Disse cedendo aos argumentos da mulher.

- Vou ser bem cuidada. - Ela deu um beijo nele, ambos aproveitando estarem próximos.

- É a Polícia! - ouviu gritarem no pé da escada, ouvia os passos dos tiras pela casa, se levantou rápido quando viu quatro deles subindo no corredor.

- Parado! - Gritou um deles apontando a arma para sí.

- Cadete! - Gritou Kushina com a expressão de dor e raiva.

Minato correu até a sacada aproveitado o momento de choque, sem pesar pulou sacada indo ao chão, assim que bateu na gram rolou para não quebrar uma das pernas, correu até o muro ouvindo tiros vindo por de atrás. 

Pulou o muro com facilidade, voltando a correr até onde estavam os carros e sua moto.

Assim que chegou, não estava cansado nem ofegante, tinha muito fôlego e preparo para tudo aquilo.

- Vamos! - Mandou aos outros adolescentes que o esperava que estavam curiosos e procurados - Eu explico.

Todos, sem mais perguntas, foram aos seus veículos, ligando e saindo um por um, voltando para o apartamento. 


Notas Finais


¶ Vou mesmo tentar postar Sexta ou Sábado, mas tenham paciência comigo! 💚

¶ Eu não revisei!! Vou revisar amanhã de manhã!
Espero que tenham gostado!

¶ E tenho um avisinho aqui de uma nova fic one-shot! Kiribaku, provável que poste ainda essa semana então eu aviso quando postar!



Beijos e obrigada por tudoooo!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...