1. Spirit Fanfics >
  2. Garota de Luxo >
  3. Guarda-chuva

História Garota de Luxo - Capítulo 4


Escrita por:


Capítulo 4 - Guarda-chuva


▪︎◇▪︎◇▪︎◇▪︎◇▪︎◇▪︎◇▪︎◇▪︎◇▪︎



Quando voltamos para casa naquela noite, fingi estar cansada e praticamente corri para o quarto, trancando a porta. Esperei, tentando ouvir através da Madeira se ele iria me seguir. Apesar de querer estar com ele entre os lençóis, eu realmente deveria manter distância entre nós. Não tive tempo suficiente para me convencer de que não deveria me conectar emocionalmente a Adrien. Ele foi tão gentil, tão humilde, fazendo questão de me incluir em todas as conversas de negócios, mesmo as mais casuais. Era sensato que eu me lembrasse do meu lugar. Mesmo tendo uma amizade no passado, tanto com Adrien quanto com Chat Noir, eu não era nada além de uma funcionária contratada.

Por outro lado, por que eu não podia me divertir? Eu era adulta, ele era um homem incrivelmente sensual e disponível. Éramos jovens e ficaríamos quase um mês juntos. Se a química sexual desta noite indicasse alguma coisa, eu apostaria minha antiga casa que ele era fantástico na cama. Seria bom fazer sexo, me deixar levar. Fazia um ano que eu não transava, e meu vibrador não estava mais dando conta. Eu precisava dessa conexão física. O corpo quente de um homem.

Fiquei parada no meio do quarto, olhando para todos aqueles tons de branco. A cama parecia uma nuvem de macia. Caminhando ao redor do cômodo, pensei no meu próximo passo. Ele estava lá fora, em algum lugar. De acordo com o relógio sobre a mesa de cabeceira, já era tarde. Uma da manhã. Tínhamos tido uma grande noite. De brincadeira, contei quantas mulheres interesseiras se aproximaram dele e quantas vezes fiz cara de nojo. Vinte e quatro. Ele teve vinte e quatro admiradoras esta noite. Fazia total sentido precisar contratar um escudo. Se ele tivesse passado algum tempo conversando com aquelas mulheres, não teria feito contato com nenhum dos produtores, diretores ou modelos que estavam no evento.

E Adrien estava perfeitamente ambientado. Apenas o segui e agi como um escudo. Quando um palito com peitos se aproximava, eu me apresentava e fazia questão de me inclinar e toca-lo, para que a mulher fizesse uma carranca e rastejasse para longe, como a serpente que era. Todas eram.



Troquei totalmente minhas roupas, colocando umas mais caseiras e soltas. Caminhei até minha escrivaninha para pegar meu celular, mas um barulho estranho vindo da cozinha me assustou.

Abro a porta lentamente e olho para o final do corredor. A porta de Adrien estava fechada, não acho que tenha sido ele. Encaro a escadaria, e escuto novamente o barulho.

Ando lentamente, cuidando qualquer barulho que eu possa fazer. Mas, antes de sair do meu quarto, pego um guarda-chuva como proteção. Desço as escadas me aproximando da porta da cozinha mas paro antes de entrar.

— Merda. — Escuto uma voz conhecida. — Mas a culpa não é minha, é de quem guardou errado esse cu.

Suspiro e caminho até a cozinha.

— Adrien? — Vejo ele dar um pulo. Acabo por rir da situação. — Está passando fome? — Encaro ele que estava com a boca lambuzada em frente à geladeira. 

— Ia me bater com isso? — perguntou apontando para o guarda-chuva em minhas mãos. Eu confirmo e ele me encara na dúvida. — Sério?

— Acha que eu não me garanto? — Arqueio uma sobrancelha apontando o objeto em sua direção. Ele ergue as mãos em rendição.

— Nunca duvidei de você, M'Lady. — Meu corpo se arrepiou ao escutar o antigo apelido. Mas disfarço, não quero ser um alvo fácil, novamente.

— Acho bom, Chaton. — Largo meu objeto de defesa e fecho a geladeira, arrumando o que caiu. Enquanto ele limpa seu rosto ao meu lado.

Mesmo sem olhar para ele, sei que está sorrindo.

— Senti saudades de ouvir esse apelido. — Me levanto para molhar um pano na pia, mas ele me prensa na bancada, ficando nas minhas costas. — Senti saudade das suas ousadias… — Ele cheira meu pescoço. Aperto o pano em minhas mãos. —… em me provocar e sumir na noite. — Sussurrou perto demais da minha orelha.

— Adrien…

— Shh. — Sinto suas mãos em minha cintura, fazendo um leve carinho enquanto seu corpo começa a colar no meu. — Só… aproveite. — Sinto sua boca arrastar por meu pescoço. 

Mordida.

Chupada.

Lambida.

Acabo por gemer baixo. Fazendo ele apertar minha cintura e me virar. Ficamos nos nós encarando por segundos que pareciam horas. Seu olhar estava fosco, nublado por desejo, e eu não parecia diferente.

E, em dois segundos, sua boca estava colada na minha. Às vezes ele mordiscava levemente; em outros momentos, sua língua me invadia, seguida por movimentos profundos. Caramba, não teria como esquecer um beijo desses.

E suas mãos, ah, suas mãos eram magníficas. Ele sabia exatamente que pontos acariciar, apertar, tocar e manipular, coisas que estava fazendo naquele instante com minha bunda e meu seio. Uma mão em cada um. Ninguém jamais poderia dizer que Adrien não era bom com as mãos. 

Chupei sua língua e mordi seu lábio até ele gemer. Ele se afastou e colou a testa na minha.

— Achei que fosse negar ou me afastar. —  Sussurrou contra meus lábios, depois os lambeu. 

— É, eu ia. Porém eu também quero. — Ele pressionou os quadris contra os meus. Pude sentir a ereção através dos panos.

Passei minhas mãos para sua nuca, fazendo um leve carinho ali. — Vamos ficar aqui ou iremos para o quarto.

Ele apenas sorriu antes de me arrastar pela casa, até seu quarto.

Mal cruzamos a porta quando Adrien me virou e usou seu corpo para me pressionar contra a parede. Seus lábios foram imediatamente para a pele sensível do meu pescoço. Ele lambeu a longa trilha entre minha clavícula e a parte de trás da orelha. Os pelos na minha nuca se eriçaram, arrepios percorreram minha pele enquanto eu fechava os olhos. As mãos de Adrien passaram por entre minhas pernas e sobre a minha bunda, então ele levantou uma de minhas pernas e depois a outra, sem o menor esforço, colocando-as ao seu redor. Ergueu meu corpo contra o seu e me pressionou com força contra a parede novamente.

— Vou entrar tão fundo que você vai me sentir na garganta — prometeu.

— Cacete… — falei enquanto ele me carregava na direção da cama.

— Exatamente. — Ele mordeu meu pescoço, arrastando os dentes pela base esbelta.

Cada nervo, cada poro, cada molécula minha estava concentrada em se fundir a esse homem.


...


Notas Finais


KSKSKSKDKS
não sei oq aconteceu. Mas ok.
Eu revisei, mas se vcs acharem algum erro, me reportem. Obrigada.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...