1. Spirit Fanfics >
  2. Garoto Cometa >
  3. Verdade verdadeira?

História Garoto Cometa - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Oi, obrigadoapelos 4 favoritos!!! Espero que estejam gostando. 😻😻

Capítulo 2 - Verdade verdadeira?


Naquela mesma manhã geladinha...

Recapitulando:

Um cara louco e completamente estranho, diz ser um viajante de outra galáxia e com todos os alunos existentes naquela faculdade, veio até minha pessoa.


— Eu... Eu estou confuso sobre isso, ok?! Muitas informações loucas e isso que acabou de me mostrar... — Não tinha palavras para descrever o quão surpreso estava! Acho que até o final do dia irei surtar, explodir e ir até o WA sabe se lá o quê. — Preciso de uma evidência mais confiável do que um relógio esquisito! 

— Não sei se deveria... — Chanyeol murmurava repetidas vezes para si, olhando os arredores como se checasse que de fato, ninguém iria nos observar ou o ver arrastando meu cadáver ensanguentado até a floresta mais próxima... — Se eu lhe mostrar o que eu sou verdadeiramente, você irá me ajudar e acreditar em todas as minhas palavras? — O mais alto se aproximava de forma amedrontadora, com um brilho esquisito nos olhinhos negros e de alguma forma atraentes. — Não poderá contar para ninguém, ninguém mesmo. Nem para seus amigos, ou pais..

— Eu não tenho pais, não mais. — O interrompi, corrigindo-o sobre este fato. Não pertenço mais aquela família e nunca pertenci, afinal. — É humanamente impossível você ter outra forma, digo, só se for bom o suficiente para produzir uma maquiagem fantástica, cheia de detalhes e... 

Me calei no exato momento em que levantei a cabeça, encontrando sua face agora totalmente modificada, idêntico ao holograma; pele azulada, até a sua esclera* era preta como a noite, orelhas pontiagudas e manchas esquisitas por todo o corpo, ou até onde as roupas permitiam-me enxergar. Meus lábios se abriram em um perfeito "O", e um grito alto de puro pavor saiu da minha garganta e no mesmo instante, Park acertou-me com alguns flashes de luzes com cores esquisitas e tudo escureceu. Minha última lembrança daquela manhã fora sua face já humana assustada, aproximando-se do meu corpo que perdia todos os movimentos. Não sei por quanto tempo permaneci adormecido, mas ao acordar, só tive tempo de gritar. 


Ponto de Vista; Park Chanyeol.

Algumas desconhecidas horas depois...


Talvez eu não devesse ter sido tão direto com aquele pobre humano, tão pequeno e assustado; a cada palavra que eu havia lhe dito seus olhos apenas duplicavam de tamanho, e eu sequer sabia que aquilo era possível. 

Eu não quero que ninguém, além de Baekhyun, descubra o que eu sou realmente, apenas causaria problemas e possíveis guerras nesse planeta tão bobo e fútil, nada desenvolvido e que precisa ser reiniciado a cada impacto com asteróides, mal sabem o que lhes cercam na Via Láctea... Ah, se soubessem que em Júpiter existem civilizações tão modernas quanto as daqui. Me sinto tão frustado, precisei tomar uma medida ridícula para encontrar uma ajuda sequer nesse lugar, este que está desmaiado na cama de minha casa temporária, esparramado pelos lençóis com uma cara engraçada.

Não o matei, não o feri, não o enfeiticiei ou algo do gênero. Baekhyun está em uma hipnose temporária que desliga seus músculos, trazendo a cegueira e a surdez a tona, prefiro continuar vivendo em segredo, por pouco não fomos pegos na faculdade! Seu grito ensurdecedor chamou atenção de professores e alunos intrometidos (na minha opinião). Tive tempo o suficiente de cobrir-me com este rosto curioso, não sei de quem o roubei, mas é o suficiente por hora. 

O sol já estava se pondo lá fora, e precisaria ter uma longa, longa conversa com aquele menininho e por isso estralei os dedos, retirando-o instantaneamente daquele estado humilhante; fraco terráqueo, sequer consegue se livrar de uma simples hipnose. Patético eu diria.

Aqueles olhos curiosos me observavam assustados, sua cabeça movia-se tão rapidamente, tentando reconhecer aquele local ou uma maneira de escapar, não sei ao certo e prefiro continuar em silêncio, sentando em um banco perto da cama. 

— Onde eu estou?! Você vai me matar? Por que está fazendo isso comigo? O que aconteceu depois de eu... Ter desmaiado?! Por que eu desmaiei?! Fale alguma coisa!! — Gritou tudo de uma só vez, se levantando do colchão em apenas um salto, colocando-se em posição de defesa com um travesseiro protegendo o peito. Já o chamei de patético? 

— Se acalme, por favor. Não irei lhe matar, isso é contra as minhas leis e as suas. Não estou fazendo nada com você, apenas me livrei de uma situação que renderia problema para ambos. — Gesticulei o mínimo possível, tentando manter a paciência. Não iria ferir nenhum ser humano enquanto estivesse naquele estado! Precisava concertar minha nave o mais rápido possível, e encontrar certas peças não era um trabalho nada fácil no mundo terráqueo. 


Ponto de Vista; Byun Baekhyun.


 Como ele ousa sequestrar-me? Nem dinheiro do resgate vai conseguir tirar da minha família, tão pouco dos meus amigos, estão no fundo do poço tanto quanto eu!! Sinto que meu coração irá sair pela boca em qualquer momento, minha garganta dói e sinto minha voz mais rouca do que o normal. É óbvio, esqueci que havia gritado com todas as minhas forças algum tempo atrás. — Espere, que horas são?! Eu preciso voltar para casa, tenho meu passarinho para cuidar, por favor, não tenho nada para lhe oferecer em troca. — Suspirei fundo e pronto para desabafar em lágrimas. Por que nada na minha vida poderia dar certo? Eu deveria ter um namorado legal, uma família que me aceitasse por ser quem eu sou e talvez até um carro! Mas não, o destino não curte a minha cara. 

— Não se preocupe, liguei para seu amigo, Kyungsoo.

— O que?! Você o quê?!

— Ele ligou para isso. — Chanyeol balançou meu celular no ar, sem ao menos o tocar. — Atendi e disse que você estava na minha casa dormindo, e que não se preocupasse. — Sorriu de uma maneira até adorável, se não fosse um tremendo psicopata, doido, de outro planeta e todos os adjetivos ruins que alguém poderia ter. — Você deve estar com fome e sede, não é? Tome. — O garoto de WAS não sei o quê olhou para a escrivaninha, lá havia um prato com um sanduíche e um copo d'água. Estes vieram levitando até a ponta da cama, bem na minha frente! Talvez, só talvez, esteja acreditando na história de ser um alienígena.

— Como você fez isso? — Não tive muito tempo para absorver todas aquelas informações. Primeiro: Kyungsoo deve achar que estou namorando com esse estranho. Segundo: não irá ligar para a polícia ou tentar me procurar, então serei assassinado e enterrado como um pobre garoto esquecido. — Como vou saber que não está tentando me envenenar? E devolve meu celular, ele é pessoal.. — Estufei o peito, encarando aquela comida que parecia tão gostosa... Depois de tantas horas sem comer nadinha, estava morto de fome, comeria até um elefante caso surgisse na minha frente. 

— Se eu quisesse lhe matar, já teria matado. Anda, come logo. Temos muito trabalho pela frente.

— Trabalho? — Mesmo desconfiado, não esperei que mandasse-me devorar o lanche pela segunda vez, o comia como se fosse a única comida existente na galáxia toda, sendo a mais gostosa e desejada delas. 

— Sim, esqueceu de minha nave, Byun?

Espera. Ele acha mesmo que irei o ajudar? Há, nem morto. Espero que Chanyeol não saiba ler mentes, sou jovem e virgem demais para morrer.. 






Notas Finais


Esclera: parte branca do olho.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...