1. Spirit Fanfics >
  2. Garoto Problema - Lee Minho (Stray Kids) >
  3. No caminho dos Lee

História Garoto Problema - Lee Minho (Stray Kids) - Capítulo 19


Escrita por:


Notas do Autor


Oi 🤡

Eu realmente deveria ter postado há muito tempo, mas eu estava bastante insegura sobre postar. Eu até havia cogitado abandonar a plataforma, eu ando muito insegura sobre minhas histórias, principalmente sobre essa fanfic e um número tão alto que ela alcançou... 🤡 Alto para mim né, vcs que são famosinhos já estão acostumados hehe mas brincadeiras a parte, eu vou voltar a atualizar e vou voltar a ser ativa aqui, dei meu sumidão por 1 mês e vou tentar voltar a ativa.

Esse capítulo é oficialmente o final de toda a paz hehe sem contar que em 1/2 capítulos, as zorras começam a acontecer. Inclusive, vocês FINALMENTE vão descobrir pq Dahyun e Minho não se bicam, pelos meus cálculos, será daqui à dois capítulo, mas eu não confio nos meu cálculos 🤡

Nos encontramos nas notas finais! Tenham uma boa leitura!

P.S: As lacunas desse cap (como o início) serão explicados no outro.

Capítulo 19 - No caminho dos Lee


Fanfic / Fanfiction Garoto Problema - Lee Minho (Stray Kids) - Capítulo 19 - No caminho dos Lee

Acordei ouvindo coisas caindo pelo chão, o barulho não era tão alto, mas minha audição estava sensível e isso me incomodou. Me apoiei no colchão e levantei meu corpo, vendo Lee Minho revirar uma das estantes que havia no quarto.

— Lee? — aperto os olhos, tentando ver melhor. — Está tudo bem?

— Não, mas vai ficar. — continua revirando as coisas na estante. — Não se esqueça que você tem que ir para a Evoluzione.

Levantei e passei as mãos pelo cabelo, tentando arrumá-lo o máximo que podia. Não tinha como esquecer que hoje iríamos ajudar alguns funcionários novos da Evoluzione.

— O que tanto procura nessa estante? — questiono.

— Não é nada demais. — se vira para mim, sorrindo forçado. — Eu fui lá em cima no seu quarto, precisava perguntar algo a Zenya, acabou que ela me entregou suas roupas e algumas coisas suas, pode se arrumar aqui mesmo. Ela e MoonBin vão para outro lugar, eu também não poderei te acompanhar. — solta tudo de uma vez, me forçando a tentar prestar atenção em cada palavra. — Eu deixei suas coisas arrumadas na mesa. — aponta em direção ao móvel.

— O que foi perguntar a Zenya? — ergo uma sobrancelha.

— Eu te conto mais tarde. Agora vai se arrumar, não vá se atrasar!

Lee Minho parecia nervoso, mas eu não questionei. Apenas peguei as coisas sobre a mesa e fui para o banheiro, deixando as coisas sobre a pia.

— Você está estranho — me pronuncio alto, me despindo. — O que você está aprontando? Te conheço o suficiente para saber que existe algo de errado acontecendo.

— Eu estou normal, é impressão sua!

Não, não era. Mas eu apenas ignorei, entrando no box. Eu precisava me arrumar o mais rápido que podia, não queria me atrasar para algo tão importante.

Quando me arrumei no banheiro, deixei as outras roupas sobre a mesa, pegando minha bolsa. Meu celular já estava ali dentro, provavelmente Minho havia o colocado.

— Depois pode levar minhas roupas para o quarto? — o fito.

— Posso sim — se vira para mim. — Puxa! Acho que está atrasada, deveria ir indo! — segue até a porta do quarto, a abrindo.

— Minho, aconteceu alguma coisa? — me aproximo, realmente preocupada. — Estou estranhando isso.

— Não, eu estou completamente bem, amor. — puxa meu queixo, deixando selinhos em meus lábios. — Mas eu acho melhor você ir!

Eu não era burra, sabia tinha algo de muito errado, mas preferi ignorar, apenas calçando os meus saltos que estavam ao lado da porta.

— Até mais? — o fito.

— Até mais — se aproxima, deixando um selar em minha testa. — Agora vai logo, tchau! — me deu empurrõezinhos, me fazendo sair do quarto.

— Espera...

Ele nem esperou eu concluir, apenas fechou a porta. Em poucos segundos, voltei a ouvir o som das coisas caindo. Eu queria saber o que estava rolando, mas não adiantaria de nada perguntar. Apenas fui para o elevador, esperando ele chegar. Quando as portas se abriram, vi Chris e outro hóspede, cumprimentei os dois e entrei na cabine.

— Indo para a Evoluzione? — me olha.

— Sim. Na verdade, eu ia passar no restaurante do hotel, preciso comer primeiro. Não estávamos no pacote que já envolvia o café da manhã, eu acho.

— Meu quarto também não, vou ir tomar café, quer vir comigo?

— Não está muito tarde? Não vamos nos atrasar para a empresa?

— O quê? Está mais cedo do que deveria, nem todos devem estar acordados!

Franzi o cenho, tentando raciocinar. Com toda a afobação de Lee Minho, pensei que estivesse mais tarde.

— Garoto — ouvi o homem se pronunciar em coreano. — Sua mochila está aberta.

— Oh! — ele a puxa. — Sou um tapado, pensei que havia a fechado. Obrigado, senhor!

O elevador parou no saguão, onde saímos. Fomos para o restaurante do hotel, deixei Chris resolver essa parte e fui me sentar em uma das mesas, deixando minha bolsa sobre o meu colo. Estava pensativa sobre Minho, agora eu estava mais preocupada do que nunca.

Uns 10 minutos se passaram, quando Chris voltou com uma bandeja em mãos.

— Está sendo horrível me virar com o inglês, o sotaque Japonês é horrível! — senta em minha frente. — Por que está com essa cara?

— Acordei com Lee Minho revirando as coisas, ele praticamente me tacou para fora do quarto, de forma mais carinhosa, claro.

— O Minho te escorraçando e não ao contrário? — assinto. — Isso definitivamente é novo para mim!

— Está acontecendo alguma coisa, Chris. — mordo a unha do dedão. — Mas eu não sei o quê.

— Eu até ajudaria, mas hoje o dia vai ser corrido para mim, preciso organizar as apresentações de amanhã. — morde um pedaço do bolo que havia comprado. — Falei com seu pai, liguei para ele ontem a noite.

— Tenho que ligar para ele hoje, prometi que ligaria todos os dias.

— Ele parece animado, apesar de tudo. — sorri. — Assim que voltar para a Coreia, vou visitá-lo. Estava com medo de que algo ocorresse com ele, mas o velho está melhor do que eu pensava.

Rimos baixo, enquanto eu bebia o café. Meu pai realmente parecia bem, mas suas crises não haviam passado.

— E Sana e Dahyun? Estão realmente namorando? — sorri.

— Dahyun nunca mais me contou nada, éramos inseparáveis e só por isso entrei na Evoluzione, mas parece que nos afastamos tanto... Não sei o que está acontecendo na vida dela, mas acredito que estão. — balancei meus ombros.

— É por causa de Minho. — ele balançou a cabeça. — Eu tenho quase certeza. Ainda não descobri o motivo desses dois se odiarem, mas onde um está, o outro foge.

— Dahyun diz que é pelo histórico de namoros dele. — dei de ombros.

— Não é só por isso, é ódio demais. Eu daria de tudo para saber o motivo deles se odiarem.

— Daria tudo? — sorrio maliciosa, o vendo arregalar os olhos.

— Okay, desde quando você deixou de ser a minha irmã inocente? — me olha com as sobrancelhas arqueadas.

— Eu SOU inocente, eu só abri mais minha mente. — dei de ombros.

Ouvi alguém forçar a garganta e olhei para o lado, vendo HyunJin. Ele segurava um copo de café e uma pasta de arquivos, não parecia disposto a se juntar a nós.

— Primeiramente, bom dia. Segundamente, aqui os desenhos e a ordem de apresentação. — entrega a Christopher.

— Como sabia que estaríamos aqui? — Chris guarda a pasta na mochila, o olhando em seguida.

— Eu só vim comprar mais um copo de café e acabei encontrando vocês dois. — fez careta, principalmente ao me olhar.

— HyunJinnie, se junte a nós! — puxo seu pulso.

— Eu realmente preciso ir embora, — sorri forçado. — principalmente porque preciso resolver umas coisas.

— Elas envolvem o Minho? — empurro a cadeira, o puxando para sentar.

— Talvez. — se solta de mim, respirando fundo. — Mas não me faça perguntas, não vou abrir a boca. — senta na cadeira.

— Sua presença já é o suficiente, querido.

Ele fez careta, cruzando os braços. HyunJin era um homem legal, mas facilmente se irritava, principalmente comigo.

— Dormiu bem, Hyunnie?

— Para você, é Hwang HyunJin.

Ouvi Chris soltar uma risada baixa, mas logo colocou a mão sobre a boca. Até eu queria rir, mas reprimi o riso.

— Hyunnie — reforço, o vendo revirar os olhos.

— Eu espero que o Minho não case com você, se for, não chegarei nem próximo da igreja. — leva o copo até a boca.

— Quer que eu case com você, não é? Não tem problema, eu aceito casar com você.

— Eu vou te reprovar no exame de fotografia, pode ter certeza! — levanta emburrado. — Eu não vou respirar o mesmo ar que você!

Eu apenas ri, o vendo se afastar. Chris também liberou toda a risada que estava reprimindo, enquanto comia o que havia comprado, eu fiz o mesmo. Conversamos sobre o HyunJin e outras pessoas que nos cercavam, mas assim que deu nosso horário, fomos para a Evoluzione. Chris não precisou do endereço, já havia decorado o caminho.

— É, a Evoluzione daqui é melhor que a de lá, quer dizer, ela é mais... eles decoraram com temas japoneses. Eu amo o Japão. — Chris sorri animado.

— Também amo a cultura japonesa, quer dizer, o pouco que eu sei. — suspiro, olhando os arredores.

Chegamos na empresa, então fomos para o nosso andar. Até os elevadores eram tematizados, eu estava encantada com tudo aquilo. Como podia ser mais bonita que a sede oficial?

— Eu quero trabalhar nessa Evoluzione — encaro o espelho do elevador, o qual era iluminado e possuía desenhos de alguns galhos de árvore.

— Estou começando a pensar em vir morar no Japão. — brinca, encarando as luzes do elevador.

Chegando no nosso andar, o qual também era muito bem tematizado. Eu estava encantada, assim como as outras pessoas do batalhão. Custava todas Evoluzione's serem assim?

— Eu queria trabalhar em uma empresa tão bonita assim. — suspiro.

— Já entrou na B.L.A.C.K? Ela é linda, eu trabalharia lá. É uma pena que é muito difícil conseguir um emprego lá dentro, a não ser que gostem de você. Amanhã, quando tiver o evento, eu vou colar no WooJin.

— Ele vai estar aqui? — pergunto e Chris assente. — E você tem coragem de ir para outra empresa?

— Óbvio que tenho, se eu conseguisse uma chance na B.L.A.C.K, iria sem pensar duas vezes. — deu de ombros.

Ouvimos o som do elevador se abrir, eram outras pessoas do batalhão, todas chocadas com a beleza do lugar.

— E então, quando vamos começar a ajudar organizar as coisas na empresa? — pergunto.

— HyunJin quem vai coordenar. Fora que eu também não posso fazer nada, não sei japonês, preciso de alguém que traduza.

Balancei a cabeça, olhando por todo o andar movimentado, as pessoas eram novas, estavam todos pasmos com a linda decoração. Me aproximei da visão panorâmica e olhei para baixo, arregalando os olhos ao ver o quão alto isso era.

— Okay, não vou irritar HyunJin, pelo menos hoje. Ele seria capaz de me jogar daqui. — ergo as sobrancelhas.

— E em seguida, o Minho joga ele. — Chris riu, mas um toque de celular ecoou entre nós. Era uma música das Spice Girls, o toque do celular do Chris. — Eu vou atender...

— Spice Girls? — rio, o vendo se afastar.

— Eu gosto delas, okay? — responde, antes de atender. — Alô?

Neguei com a cabeça e passei a encarar os prédios altos, mas não demorei a sentir braços ao redor do meu corpo. Era Zenya, ela parecia estar bem animada.

— O que foi, Zen? — a fito.

— Fomos em várias lojas de mangás! — ela sorri animada. — E comemos várias coisas legais, estranhas, mas legais!

— Oi — MoonBin se aproximou, ficando ao nosso lado. — Estou perdido aqui, não sei como ajudar muito.

— O Chris precisa de um tradutor, por que não se oferece? — o olho.

— Onde ele está?

Olhei em direção ao último lugar onde o vi, mas ele não estava. Passei o olho pelo local, vendo o australiano. Apontei em direção a ele, vendo MoonBin assentir, seguindo em sua direção.

— Vamos sair hoje à noite, quer vir conosco?

— Eu posso pensar no seu caso — dou um soquinho em seu ombro, a vendo rir.

A porta do elevador foi aberta, então vimos HyunJin e Minho passarem por ela.

— Olá, Hello, Ni Hao, Konnichiwa, Oi, Hola — ouvimos a exibição de HyunJin, o vendo ir para o centro de todos nós.

— Sou Lee Minho e esse é Hwang HyunJin, meu braço direito. — fala em coreano, então HyunJin traduziu para o Japonês.

— HyunJin seria um ótimo Japonês, olha essa pronúncia, esse sotaque... — Zenya ergue as sobrancelhas. — Me consegue o número dele.

— Você é minha amiga, automaticamente ele te descarta.

— Sem conversas aí no fundo! — ouvimos a voz de Minho, levantei o olhar, vendo HyunJin sorrir cínico e Minho nos olhando. — Como eu ia dizendo, será dividido, coreanos ficam comigo e japoneses com o HyunJin. Vamos ter basicamente um dia de trabalho comum, mas tenham em mente que as planilhas e informações, irão para outras pessoas.

HyunJin traduziu, então os Japoneses assentiram. Minho fez sinal para as pessoas irem para o lado esquerdo da área, onde haviam algumas mesas e computadores.

— É um pouco confuso, eu pedi para colocarem os computadores em coreano, mas se puderem fazer tudo em inglês ou Japonês, seria bem melhor. Cada computador será dividido para duas pessoas, nas mesas existem planilhas e cronogramas, se guiem por eles. — Minho respira fundo. — É isso, bom trabalho!

Eu e Zenya ficamos juntas, enquanto ela mexia no computador. Minha atenção estava em Minho, ele realmente estava estranho e nem sequer me olhava. Nath apareceu no andar, ela também parecia nervosa como ele e nem estava animada como sempre. Os dois conversavam de forma sigilosa e pareciam apreensivos.

— O que tanto olha? — Zenya questiona.

— Minho amanheceu estranho e Nath também está, até mesmo HyunJin!

— Estranho, Nath estava normal ontem a noite. Sabe, ela é legal, estamos conversando. — deu de ombros.

— Sejá lá o que aconteceu, ocorreu hoje.  — mordo o lábio inferior.

(...)

Eram quase 3:00 da tarde e nós seríamos liberados da Evoluzione, alguns do batalhão combinaram de sair juntos, eu decidi que iria com eles, afinal, Moon e Zenya também iriam. Só estávamos terminando MoonBin terminar de traduzir algo para Chris.

— Olha quem chegou — Zenya fez careta.

Olhei em direção ao elevador, vendo Aisha e sua mãe — para quem Zenya fez careta. Haviam dois seguranças ao lado delas, os dois eram enormes, pareciam dois guarda-roupas.

— Minho — Senhora Lee o chama. — Onde está Christopher?

Chris ouviu seu nome ser chamado, levantando a cabeça.

— O que querem comigo?

A mais velha o olhou, seguindo em sua direção, os outros a seguiram. Notei que havia mais alguém atrás deles, o qual não me era estranho.

Os outros voltaram a conversar, mas não eu. Havia algo de errado e eu queria saber o quê, principalmente pela expressão assustada de MoonBin.

— O que está acontecendo? — me aproximo, ficando ao lado de Moon.

Minho também se aproximou, ficando ao meu lado. Ele estava confuso, assim como eu.

— Minha carteira sumiu e estou revistando as mochilas de todos que foram naquela reunião pela manhã, faltam vocês dois. Não teria motivo para você me roubar, Minho, então falta apenas Christopher.

— Isso é ridículo! Chris jamais roubaria algo! — Minho franze o cenho. — Enlouqueceram?

— Eu também disse a mamãe, Christopher Bang pode ser tudo, menos um ladrão.

Chris e Aisha se encararam, eu jurei que a terceira guerra começaria ali mesmo, mas Christopher pegou sua mochila, jogando sobre a mesa.

— Podem ver, não tem nada aí. — tira seu casaco, jogando em frente a Senhora Lee. — Querem que eu tire minhas roupas, também?

— Eu não acho que seja um lugar apropriado. — Minho sussurra.

— Deixa ela revistar, Minho! Poupa o meu tempo. — Christopher revirou os olhos.

Eu estava começando a ficar irritada, mas me contive, respirando fundo. A mochila de Chris passou a ser revistada, enquanto Aisha se afastou, provavelmente para ir falar com Zenya. Ai estava cabisbaixa e abraçava o seu próprio corpo, era outra que estava estranha.

— Eu vou ir ficar com o batalhão — MoonBin fala rapidamente, se afastando.

Eu não me afastei, vendo a senhora Lee me olhar.

— E o que você está fazendo aqui? Ande, saia daqui, é apenas uma funcionária!

— Bang Chan é quase meu irmão. — a encarei. — Irei ficar.

Christopher me olhou chocado, eu havia dito que o trataria como desconhecido, mas eu não tinha coragem de fazer isso.

— Senhora — um dos seguranças abriu mais a bolsa, mostrando uma carteira vermelha.

— Como isso foi parar aí? — Chris franziu o cenho. — Eu não peguei isso!

— Então como estava na sua bolsa, Bang? — a mulher questiona, o encarando.

— E-eu... não fui eu! — arregalou os olhos.

Eu estava tão assustada quanto Chris, pela sua expressão, era óbvio que ele não sabia do que se tratava. Encarei as pessoas do grupo, vendo o cara que eu me familiarizava, mas não lembrava de onde. Aos poucos, eu me recordei.

— Foi ele — apontei para o homem. — Ele fechou a mochila de Chris! Foi ele que colocou isso aí!

O homem pareceu ofendido, assim como a Senhora Lee.

— Está acusando o meu irmão? — ela arregala os olhos.

— Irmão? — Chris franze o cenho. — Você está fazendo isso apenas para me acusar?

— Você me roubou, Bang, não adianta inventar desculpas.

Ela se manteve séria, mas eu pude notar um sorriso aparecer no canto da sua boca. Aquilo foi a gota d'água para mim, meu primeiro ato foi ir para cima da mais velha, quase derrubando o monitor. A Lee acabou soltando um grito pelo susto, mas eu não consegui fazer qualquer coisa, Minho me afastou da mesa.

— Chan! Não ia fazer nada? — Minho o olhou, enquanto me segurava.

— Me solta, Lee Minho! — tento me afastar, mas não surgiu nenhum efeito.

— Eu não, já que não posso bater nela, deixa a S/n fazer por mim. — acabou soltando, mas arregalou os olhos logo depois.

— Acabou a brincadeira, vamos para a sala da diretoria! — Minho se irritou. — Chamem o papai.

Senti meu corpo ser arrastado pelo Lee, me fazendo acompanhá-lo. Quando entramos na sala, ele me soltou com cuidado, dando empurrõezinhos para que eu me sentasse.

— Não ferra com tudo, eu também queria bater nela, mas isso só piora as coisas. — Minho sussurra.

Chan entrou na sala, sendo seguido pela Lee e pelo homem que certamente havia colocado a carteira na mochila de Chris.

— Por que fizeram isso? Querem me prender? Me deportar? — Chris bufa, se sentando em uma das cadeiras. — Qual é, eu já terminei com a Aisha?!

Ninguém respondeu, o deixando mais frustrado. Minutos se passaram, quando alguém passou pela porta, Senhor Lee. Meu coração gelou, principalmente quando ele encarou todos nós.

— O que está havendo?

— Ele me roubou! — a Lee apontou para Chris. — E essa... essa daí ia me atacar!

— Essa daí tem nome — ergo minhas sobrancelhas.

— Quer perder o cargo no batalhão? — ela me encara.

— A Evoluzione é MINHA empresa e eu quem comando, você não tem o direito de dispensar ninguém. — Minho a encarou. — Que escândalo foi esse? Chris jamais roubaria nada!

— Um Lee sensato — Chris bufa.

— Expliquem essa história. — Sr. Lee dita, sentando na cadeira de frente para todos.

— Depois da reunião mais cedo, notei que minha carteira sumiu e fui procurar entre as pessoas que estavam presentes, estava na mochila de Christopher. — ela suspira. — Essa garota, — aponta para mim. — se intrometeu e acusou o meu irmão, ela ainda tentou me atacar!

— Isso realmente aconteceu? — Lee me olha.

— Não — Minho e Chris falam em uníssono.

— Sim — desviei o olhar. — Christopher é como o meu irmão e eu sei que ele jamais faria algo do tipo, fora que... eu vi esse homem no elevador, ele supostamente fechou a mochila de Chris. Olhem as câmeras do hotel, simples!

Senhor Lee suspirou, encarando Christopher. Seu olhar não era de raiva ou condenação, talvez ele soubesse que era mentira.

— Christopher, não é a primeira vez que seu nome está metido em problemas...

— Dessa vez não foi minha culpa! — ele o olha. — Por favor, senhor Lee! Sabe que eu jamais faria algo do tipo!

— Não espero nada menos do que uma demissão. — a mulher se manifesta.

— Eu já disse que você não tem poder nenhum aqui. — Minho dita.

O senhor Lee iria falar algo, mas Christopher se levantou, claramente irritado.

— Eu me demito, nem precisa pagar meus anos nessa empresa! — se afasta bruscamente, pegando sua mochila na mão de um dos seguranças. — Eu tento emprego quando Minho realmente for o novo dono. — fecha a mochila. — Até lá, vão se foder.

Ergui as sobrancelhas, vendo Chris tentar sair da sala, mas os seguranças o impediram. Senhor Lee levantou uma mão, dando ordem para se afastarem.

— E enquanto a ela? — Sra. Lee questiona quando Chris saiu.

— É apenas uma amiga preocupada, está liberada. — Minho me olha.

Nos encaramos por meros segundos e levantei rapidamente, saindo da sala. Christopher estava esperando em frente a porta.

— Pensei que fosse me deixar sozinha!

— Como se Minho fosse deixar qualquer coisa acontecer. — me puxou para andar.

Ouvi um grito alto vir da sala, me assustando. Era um palavrão alto e claro, Minho estava alterado.

— Vamos para a recepção, esperamos ele lá embaixo. — Chris respira fundo.

O batalhão não estava mais ali, apenas Zenya e MoonBin, os dois quase correram até mim, perguntando o que realmente havia acontecido.

— Eu explico tudo depois — suspiro, seguindo para o elevador.

— Você quase partiu para cima da mãe da Aisha... — MoonBin pisca várias vezes. — E o Christopher saiu da frente, ele realmente ia deixar?

— Claro que eu ia — Chris deu de ombros.

— Eu nunca pensei que fosse ver a S/n irritada, eu nunca quero ver de novo! — Zenya ergue as sobrancelhas.

Revirei os olhos, ouvindo Aisha e Moon narrarem a cena idiota.

Paramos no saguão, então foi ali que nos despedimos, os outros dois iriam sair com as outras pessoas da empresa. Chris e eu, fomos para os bancos de espera, onde nos sentamos.

— Isso foi louco, eu nunca mais quero vivenciar isso. — arregalo os olhos.

— Eu disse para fingir que não nos conhecíamos, S/n. Você deve ter alguma demência.

— Eu estava te defendendo!

Ele fez careta, me dando língua logo depois. Desviei o olhar, encarando a parede ao outro lado do salão. Eu só queria ter um dia legal no Japão, era pedir muito?

— Aparentemente. — deu de ombros. — Agora eu sou um desempregado...

— Tenta na B.L.A.C.K.

— Como se eu fosse conseguir. — sussurrou, encostando a cabeça na parede. — Maldita hora que eu fui ficar com a irmã do meu amigo.

— Se refere a Aisha?

— É — balançou seus ombros.

Longos minutos se passaram, talvez quase uma hora, quando vimos Lee sair do elevador. Ele nem havia nos notado, o que resultou em Bang correndo atrás dele e eu atrás.

— Ouvimos seus berros! O que rolou lá dentro? — Chris franze o cenho.

— Coisas de família. — balançou os ombros. — Pensei que já haviam ido.

— Não, cara, estávamos te esperando.

— Eu estou quase enlouquecendo. Vamos para o hotel, pelo amor de Deus.

— Você está realmente bem? — pergunto, o vendo assentir.

— E você, quando for atacar alguém, tenta ser mais rápida.

— Espera, você ia deixar eu fazer isso? — ele assentiu. — E por que me segurou?

— Para manter minha fama de legal — deu de ombros. — Okay, estamos no Japão, nós pensamos nos problemas depois.

— O que acontece no Japão, fica no Japão? — Chris brinca, andando na frente.

— Eu poderia dizer que sim, mas agora você está desempregado e não fica apenas no Japão. — Minho passou um braço por meu ombro, me puxando para andar.

Chris deu de ombros, nem parecia que ele havia acabado de brigar com os Lee, talvez porque já estava acostumado. Bem, eu espero não ter me metido em problemas também...


Notas Finais


Sim, você se meteu.

É um pouco tarde mas... FELIZ DIA DOS PALHAÇOS 🥳🥳

Enfim galeris, eu tinha algo muito importante pra flr, mas eu esqueci 😃🤡

Ultimamente eu vi muitos amigos meus — e conhecidos — tristes. Até alguns leitores que eu stalkeio (sim, eu normalmente vou stalkear vcs) estavam tristes por alguns motivos. Stays, no geral. Eu pensei "O que eu poderia fazer para animá-lo?", então eu decidi fazer algumas coisas para animar esses Stays. Vocês poderiam ficar de olho no meu perfil? Só para não perderem isso (quem quiser, é claro. É uma tentativa de animar quem está triste). Isso não vai sair hoje, mas certamente nos próximos dias.
Meu perfil: @_LOYE_

É isso, por enquanto... qualquer coisa eu venho aqui e edito dps. Bem, é isso! Boa noite ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...