História Garoto Problema - Capítulo 12


Escrita por:


Notas do Autor


Pqp Fugaku!!
🤦‍♀️

Capítulo 12 - O primeiro desespero de Kisame


Fanfic / Fanfiction Garoto Problema - Capítulo 12 - O primeiro desespero de Kisame

".. Precisamos conversar.. "

Com o carro estacionado e a mente a mil, Kisame sentia que o peito iria pular fora da sua caixa toráxica. Ele encostou a cabeça no volante, e logo seu celular voltou a tocar, e o mesmo quase perdeu a habilidade da fala. 

Ele viu que era o número de Itachi, e suspirou um pouco mais aliviado. 

- Oi, Kisa.. Já tá voltando? - O Uchiha perguntou e Kisame bufou, passando a mão nos olhos . - Kisame.. 

- Itachi, seu pai está na cidade. - Falou rápido, escutando o outro lado ficar mudo . Ficaram alguns segundos em silêncio, Kisame com a mão no rosto e Itachi com o coração na garganta. 

- Vem pra casa. - Foram as últimas palavras do moreno, e desligou o celular. Kisame voou para a casa dele, estacionando o carro na garagem e subindo pelo elevador, que estava vazio. 

Olhou no espelho e não estava brincando, sua pele estava pálida, gelada e seus olhos um pouco arregalados. Ele tentou ao máximo parecer calmo com aquela situação, mas não estava. Claro, que a bebedeira e as brincadeiras junto com Itachi contribuíram para seu cansaço, mas a notícia de que o Renomado Senhor Uchiha estava na cidade era muito pior. 

Aquela notícia havia tirado a fome, o sono e a vontade de permanecer em pé do corpo do Hoshigaki, que tinha as mãos trêmulas e as pernas bambas. Mas se controlou, pensou no que  Hidan  havia lhe dito, se eles quisessem ir pra frente com isso, Fugaku iria ter que aceitar. 

Quando o elevador abriu, ele saiu em passos largos na direção da porta de Itachi, e abriu, entrando e fechando a porta. O Uchiha estava no sofá, e ao ver Kisame, se levantou indo até ele. 

- E agora? Será que ele sabe de algo? - Kisame perguntava aflito, roendo as unhas e olhando pros lados, mas seus pensamentos negativos foram distanciados quando Itachi se aproximou. 

Ele ficou na ponta dos pés , passando os braços por seu pescoço e buscando os lábios dele, os juntando num selinho demorado e  gostoso. Kisame o abraçou pela cintura e, quando cessaram o beijo, encostaram as suas testas e se olharam nos olhos. 

- Fica calmo.. A gente acha um jeito de lidar com isso tudo.. Por enquanto, só vamos ficar tranquilos e não contar nada que ele não saiba.  - Respondeu o menor, abraçando Kisame com força, que o apertou também . 

- Vai dar tudo  certo, eu sei disso.. - Kisame diz tentando parecer confiante, mas não estava nem um pouco certo daquilo. 

Ele conhecia Fugaku à anos, quase uma década. E ficou tempo suficiente ao lado dele pra saber de seu caráter podre, racista, homofóbico, machista e hipócrita. E um homem daquele tipo não aceitaria facilmente assim um relacionamento gay, principalmente com um cara mais velho pegando seu filho querido. 

E Itachi também não tinha certeza. Via o medo no olhar do seu  amado e tentava ao máximo o acalmar, mesmo que o desespero que tinham dentro de si fosse muito maior. Ele conhecia o pai que tinha, e somente um milagre iria fazer com que aquele homem terrível aceitasse o amor deles . 

Mas deixaram para se preocupar com Fugaku quando ele chegasse , enquanto isso, arrumaram a casa e as bagunças de Itachi, guardando tudo nos guarda roupas . 

.. 

Lá pra meio dia e meio foi quando o celular de Itachi tocou, mostrando o contato de "Velho Ranzinza" E ele pegou o celular, segurando a mão de Kisame com força, que o apoiava. 

- Oi Pai. - Falou ao atender. 

- Estou aqui na porta, vem abrir. - Falou e Itachi ficou pálido e sem reação, só desligando o celular e abraçando Kisame forte, depois de se recompor, ele se sentou no sofá e Kisame foi abrir. 

- Boa tarde, Senhor Uchiha. - Ele diz e aperta a mão de Fugaku, que tinha sua típica carranca de sempre. Ele entrou e olhou em volta, cruzando os braços e olhando para Itachi.

- Itachi. - Falou sério, indo até o filho, que se levantou e o abraçou de leve, pois estava com o perfume de Kisame no corpo. - Quanto tempo.. Olha como você cresceu.

- Sim pai, faz tempo. Dois anos que o senhor não pergunta ou vem me ver. - Itachi diz e se afasta. 

- Itachi, meu filho, serei breve . - Fugaku balbucia, se sentando no sofá e cruzando as pernas. - Você irá se casar. 

Kisame e Itachi se olharam e quase vomitaram. Ambos se viraram para o Uchiha mais velho, que fechou os olhos e suspirou . 

- Fiz um acordo com o Presidente da Itália.. Você se casa com Marcella, a filha mais velha dele, e nossas empresas se ajudam por um tempo. - Falou e Kisame sentiu um pesar no peito, sentindo o ar saindo de seu corpo e ele ficar cada vez mais pálido. 

- Não. - Ele falou de imediato, recuando. - Não, não . Não! Eu não quero me casar, não quero ir pra Itália, não quero! - Falava, com os olhos se enxendo d'água aos poucos. - Não me obriga a fazer isso. 

- Eu sou seu pai, eu vou mandar na sua vida até você não precisar mais depender de mim! - Ele diz aumentando a voz e Itachi se controlou para não chorar. 

- Senhor, eu-

- Fica quieto, isso é assunto de família, não se meta. - Fugaku diz para Kisame, que apertou o punho com força , se segurando ao máximo para não socar aquele infeliz. Mas não podia fazer isso com seu sogro. 

- Não vou , e não vai me  obrigar. - Itachi diz e bate a porta, deixando somente Kisame e Fugaku, se olhando sérios . 

- Vai atrás dele! - O Uchiha ordena, mas Kisame fecha a cara. 

- Isso é assunto da sua família e eu não vou me meter. - Kisame respondeu e saiu do apartamento ,caminhando até o lado de fora. 

Tinha uma pracinha de frente do prédio, que não era muito movimentada e lá estava Itachi, no balanço de crianças, parado e sério, com o olhar triste. 

Kisame atravessou a rua e caminhou até lá, tirando os tênis e pisando na areia fofa e morna. Parou na frente do moreno, que não levantou o olhar. 

- Eu não quero me casar. - Falou o mesmo, apertando as correntes que sustentavam o balanço e começando a chorar. - E-eu não.. 

- Itachi, olha bem pra mim. - Kisame diz, se agachando e se apoiando nas pernas dele, que olhou para seus olhos. - Seu pai é um puta babaca escroto que só pensa nele mesmo.. E você não precisa depender dele. 

- Mas sem ele.. Eu não sou nada. - Itachi fala, mas. Kisame apertou seus joelhos. 

- Itachi , você é o cara mais forte, decidido e incrível que eu conheço. Não precisa desse velho babão e aproveitador para te dar ordens. Sabe bem o sanguessuga que ele é. - Começou a dizer, fazendo Itachi rir. - Se o problema é depender dele, vem morar comigo. Eu cuido de você, bem melhor do que ele jamais cuidou. 

- Quem me dera fosse fácil assim . - Itachi diz, soltando as correntes e dando a mão para Kisame, que suspirou triste. - Eu já pensei nisso, morar com você, passar todos os dias. Você me apoia independente da minha decisão. Se for pra eu me casar com alguém, quero que seja com você. 

- Eu te prometo.. Isso não vai ficar assim. - Kisame fala decidido, olhando nos olhos do menor, que já tinha as bochechas coradas e o rosto inchado . - Você não vai se casar com ninguém , a menos que seja eu . 

.. 

Os dois voltaram para dentro , onde Fugaku permanecia na sala, sério e com o olhar bravo. 

- Pai, eu não-

- Sua mãe está doente. - Mentiu, fazendo Itachi arregalar os olhos e começar a tremer. - Preciso dessa ajuda da empresa Italiana para parar a terapia. 

- Isso não é verdade! - Kisame diz, mas Itachi ficou em silêncio. - Itachi, qual é.. 

- Kisame, não me esqueci de você. - O Uchiha fala, cruzando os braços, com um sorriso. - Vou te mandar para uma filial minha no Estados Unidos, precisam seguranças novos para ajudar na empresa. 

Itachi sentiu uma pontada no coração, mas não conseguia falar nada. Ele tremia as mãos, os braços, pernas e começava a chorar de novo, mas não iria dizer nada sobre, pois o relacionados deles era um segredo para os íntimos. 

- Bom, pensem bem, e espero que aceitem - Fugaku diz, pegando suas coisas e indo em direção à porta, mas antes de sair, parou e olhou para os dois. - Kisame, o salário é 3 vezes maior e.. Itachi.. Não faça isso por você, e sim por sua família. Sei que não gosta de ninguém, então se casar não será um problema. 

Fugaku saiu e, quando a porta foi fechada e não se ouvia mais o barulho do mesmo, Itachi caiu no chão, colocando as mãos no rosto e chorando. Ele ficou extremamente raivoso, pelo tom de voz, Fugaku sabia que Kisame era especial para ele, e apelou para a chantagem emocional. Não importava o quanto odiasse a ideia, não podia ignorar sua mãe e seu irmão. 

Kisame ficou com uma vontade absurda de socar a cara de Fugaku até ele na conseguir mais falar tanta merda, mas se conteve, aquilo só machucava mais e mais o coração de Itachi. A única coisa que conseguia fazer, naquele momento, era ampara-ló. 

Mas era ele quem precisava de suporte. 



Notas Finais


Curto, porém da pra dar um suspense.
Fugaku, te odiamos, mas acredito que vc ainda vai mudar..
Enfim, obgda por terem lido ❤❤
O próximo sai amanhã, como de costume.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...