História Garotos Infernais - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Aventura, Boys, Garotos, Luta, Magia, Mistério, Romance
Visualizações 6
Palavras 1.214
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção Adolescente, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Aproveitem!

E desculpa a demora!

Capítulo 7 - Chapter Seven


Fanfic / Fanfiction Garotos Infernais - Capítulo 7 - Chapter Seven

Spike estava na sala de aula ainda, era o único lá depois que acabou por anoitecer e todos os seus colegas irem embora, Celinna a gata, ainda continuava firme ao seu lado.

O celular dele tocou. Era Katrinna.

-Oi. - ele falou ao atender.

-Onde você está Spike? E Jake e o Ryan estão com você? - ela falou já parecendo preocupada.

-Estou na escola, e não, eles não estão comigo Katry, porque? Aconteceu alguma coisa?

-Não, só que eu e o Sr. Wendall temos algumas novidades para contar pra vocês e esperamos contá-las no momento em que a família estiver reunida… Mas Spike, porque você ainda está na escola? Ela já não devia estar fechada?

-Hum… Não sei na verdade, mas as coisas do professor continuam aqui então acho melhor esperar ele voltar, não? - Spike disse ainda com um ar de desconfiado, mas assegurou para Katrinna que logo logo estaria em casa.

E os celulares foram desligados.

Spike levantou de sua classe e andou um pouco pela sala enquanto Celinna ficava o observando de cima de uma das mesas, ele foi até a janela principal da sala e avistou um longo campo, um campo meio estranho porém quieto e escuro… Algo dentro dele queria sair dali e ir até lá, explorar aquele pedaço de terra desconhecida, mas outra parte dele queria ficar ali e esperar o professor.

A porta abriu. E o professor entrou, assim causando um pequeno susto em Spike e Celinna rapidamente soltou um rosnado de gato para avisar seu descontentamento referente aquilo.

-Ei rapaz. O que você ainda faz aqui? As aulas já não acabaram? - Owen falou olhando para Spike.

-Ahm… Sim, mas como suas coisas ainda estavam aqui pensei que talvez você fosse voltar, e, bem, acabou voltando mesmo certo?! - Spike falou e logo brotou um sorriso em sua face branca.

O professor ficou com um semblante sério e encarou Spike.

 

 

 

A garota ainda estava caída ao lado da árvore, os olhos estavam vermelhos e o corpo dolorido, parecia ter levado uma enorme surra, mas não foi exatamente uma surra… Ela se levantou enquanto se segurava na árvore, aquele era realmente o pior lugar do mundo, de todo o mundo.

Ela chegou até a porta que dava entrada para o corredor da escola, avistou o professor ir embora mas a luz da sala continuara acessa, o que naquele momento pra ela era um pouco estranho, mas foi assim mesmo, adentrou a sala de aula.

Spike ainda estava lá, misteriosamente ele sabia que deveria ficar ali, que não deveria ir embora, algo dentro dele pedia para que ficasse e uma outra parte…

Ela parou imóvel assim que seus olhos encontraram Spike parado de frente para a janela. Celinna estava em algum lugar mas não estava perto dele, pelo contrário, a garota tomou um susto quando sentiu a gata em suas pernas pedindo carinho.

-Quem deveria pedir carinho era eu, e não você sua gata idiota… - ela falou e Spike rapidamente se virou, para encará-la.

-Tudo bem? Vejo que já conheceu Celinna.

-É… Pode se dizer que sim… - ela foi até uma classe e sentou-se. -Mas porque você ainda tá aqui?

Ele a fitou.

-Na verdade não sei. - falou Spike.

-Hum. Talvez você só não queira voltar pra casa assim como eu. - ela falou e passou a mão por entre os pelos de Celinna.

A gata miou e ronronou pedindo por mais.

-Ela gostou de você. - Spike disse e se aproximou das duas. -Normalmente ela não gosta de estranhos… - Spike falou e sorriu.

-Como você se chama garoto? - ela perguntou por fim.

-Spike. E você? - ele respondeu com certa ansiedade.

-Azie. - ela falou e começou a ir em direção a porta.

-Você vai embora? - Spike disse a olhando com certa decepção.

-Não tenho mais nada pra fazer aqui, por acaso tenho? - ela disse parando na porta.

-Não. Mas pensei que você não iria me deixar aqui sozinho.

-Bom, desculpa por não ser como você esperava garoto.

Azie saiu pela porta e foi embora enquanto Spike ficava ali, sozinho com Celinna e com o silêncio. A gata pulou para os seus braços e miou pedindo para irem pra casa.

-Estamos indo Celinna. Estamos indo… - ele falou e com a gata no colo, pegou sua mochila e saiu da sala.

 

 

Enquanto Isso

 

Jake e Ryan haviam achado um enorme bunker que já estava ali há muito tempo, porém continuava funcionando e ativo o que significava que ainda possuía gente. Sem terem medo algum eles entraram ali e com uma lanterna iluminaram o local que já estava com as luzes todas apagadas.

-O que você acha que tem aqui? - disse Jake enquanto Ryan ia na frente com a lanterna.

-Não sei, mas deve ser bem legal né não?! - Ryan respondeu e começou a caminhar mais rápido.

-Ei, me espera! - ele tentou dizer não muito alto mas não adiantou muito…

Ryan parou e o fitou com um olhar nada amigável…

-Você tá maluco? E se tiver alguém aqui? - ele disse o repreendendo.

-Acho que se tivesse alguém aqui já estariam aqui com a gente não acha Ry? - Jake falou enquanto olhava ao redor.

Ryan estava o fitando, mas ainda mantinha os ouvidos e os olhos bem atentos caso acontecesse qualquer coisa.

Jake pegou do bolso uma barra de cereal e abriu-a para comer. Para abri-la fez muito barulho pois não fora tão fácil, e o olhar de Ryan o repreendia a cada vez que ele tentava…

-Tá bom tá bom… Eu paro de fazer barulho está bem?! - Jake disse um tanto irritado, e assim largou a barra de cereal no chão e pegou a lanterna das mãos de Ryan e passou a andar na frente.

 

 

Em Casa

 

Spike havia chegado, depois de Katrinna ligar e aparentar estar muito preocupada ele resolvera aparecer.

-Você sabe que horas são? - falou o Sr. Wendall o surpreendendo assim que ele saiu de seu quarto.

-Que susto! Sabia que você pode acabar me matando do coração assim?! - Spike disse enquanto se dirigia para a sala de estar.

-Espero que você não tenha comprometido a nossa localização, a Katrinna realmente espera que este possa ser o nosso lar definitivo. - o Sr. Wendall falou antes que ambos pudessem descer as escadas.

-E eu também. - Waster disse enquanto subia as escadas e dava de cara com eles.

Spike o olhou e sorriu.

-Calma, eu sei o quanto ela quer que encontremos um lar definitivo. Eu nunca iria comprometer a nossa localização. - Spike falou e sorriu novamente.

Waster sorriu também e o abraçou. Não tinha porque ficar bravo com ele quando ele mesmo havia chegado tarde, até depois de Spike, não seria justo com o irmão.

-Bem, vamos lá, se não a Katrinna periga ficar furiosa com vocês! - disse o Sr. Wendall.

 

 

Depois que todos haviam chegado e se reunido na sala, Katrinna se pôs de pé e todos prestaram atenção nela.

-Bom, eu tenho uma notícia muito boa pra vocês.

Eles se entreolharam e voltaram os olhares pra ela.

-Vocês serão treinados para se auto defenderem quando necessário.

E novamente eles se entreolharam, agora eles passariam a ficar mais cansados e pior ainda, poderosos.


Notas Finais


O que estão achando da história?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...