História Garotos Insanos - Capítulo 45


Escrita por:

Postado
Categorias Cristiano Ronaldo, Fifth Harmony, Francisco "Isco" Suárez, Gerard Piqué, Karim Benzema, Lionel Messi, Maggie Lindemann, Marco Asensio, Selena Gomez, Sergio Ramos, Toni Kroos
Personagens Cristiano Ronaldo, Francisco Román Alarcón Suárez, Gerard Piqué, James Rodríguez, Karim Benzema, Lauren Jauregui, Lionel Messi, Maggie Lindemann, Marco Asensio, Personagens Originais, Selena Gomez, Sergio Ramos, Toni Kroos
Tags Amor, Cressi, Cristiano Ronaldo, Gerard Pique, Hentai, Horror, Lionel Messi, Mensagens, Ódio, Revelaçoes, Romance, Selena Gomez, Sergio Ramos, Stalker, Terror, Toni Kroos, Vingança, Yaoi
Visualizações 165
Palavras 1.178
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Lemon, LGBT, Mistério, Romance e Novela, Saga, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


💆 Olá!

1) Me desculpem por prometer que postaria ontem e não cumprir a promessa, mas só pude postar hoje - motivo: falta de tempo. 2) Eu sei que a grande revelação está demorando, mas será logo, pretendo terminar a história com cinco últimos capítulos sobre o que acontece depois com os protagonistas. OK? OK.

Goooood Reading! 🌚

Capítulo 45 - Garotos desleais (parte 2)


Fanfic / Fanfiction Garotos Insanos - Capítulo 45 - Garotos desleais (parte 2)

I S C O


Burro. É isso o que sou. Mesmo tendo passado por várias coisas aterrorizantes anteriormente, tendo perdido a única pessoa que se dizia ser leal a mim de verdade, ter sido enganando, manipulado, violado; aqui estou eu. Como um tolo peixinho atraído pela tentadora isca cravada no anzol. 


Começo a me desesperar, entrar em pânico, perder a sanidade. Como uma metralhadora desgovernada, meu olhar amedrontado mira para todas as direções, fissurado em encontar o inimigo. Ou inimiga, nesse caso. 


Ela vai me matar, eu sei que vai. Eu não deveria ter medo, pois sou um garoto e sou forte, mas Lauren também era forte, muito provavelmente mais forte que Maggie, no entanto ela está morta agora. 


Ponho meu celular de volta no bolso do casaco e caminho em passos longos procurando mentalmente a melhor forma de chegar em onde há pessoas com urgência. 


Sou surpreendido, meu coração dispara, a criatura surge por detrás de uma árvore. Eu grito, depois uso minha própria mão para tampar a boca. Eu queria poder me mexer, mas o terror está em um nível tão avassalador que mover um músculo é uma tarefa inexequível. 


Aqueles olhos verdes me encaram em uma intensidade absurda, até mesmo sinuosa, eu diria. Mas não consigo encontrar vestígios de maldade em suas feições. Apesar disso não ser motivo o suficiente para eu me tranquilizar. 


— Isco, está tudo bem com você? — Ele pergunta, soando calmo e indulgente. 


Ele dá um passo em minha direção e embora todos os meus malditos instintos protetores me pessam para recuar, minhas pernas permanecem petrificadas, presas ao chão. 


— N-Nacho, afaste-se de mim — ordeno, agradecendo devotadamente a Deus por ter ao menos conseguido falar. 


— Isco, está tudo bem. Estava preocupado com você.


Preocupado comigo? Como isso pode ser possível? Deixe-me lembrar quando foi a última vez que falei com Nacho Fernandez. Ah, lembrei! Nunca. Como ele pode estar tão preocupado comigo se nós dois nunca nos falamos? 


Pergunta chave: o que ele está fazendo aqui? 


— Eu sei que foi estranho a forma como apareci — diz ele como se lesse o meu pensamento. — Eu o vi perseguindo uma garota nessa direção, então deduzi que talvez algo de errado estivesse acontecendo. Você sabe, não queremos mais mortes por aqui. 


— Então não me assuste dessa forma. — Falo, um pouco mais entregue à sua explicação defensiva. 


— Me desculpe. Eu só queria ajudar. Eu juro. 


Respiro profundamente, liberando o ar de forma lenta e forçada. 


— Deus, isso está mesmo acontecendo comigo? É algum tipo de carma predestinado de uma outra vida? — Falo comigo mesmo. 


Ele me observa com leveza, como se estivesse tomando todos os cuidados necessários para não assustar o paranóico aqui.


Repentinamente ele retira algo do bolso do casaco, percebo de relance ser uma foto. Ele a estica em minha direção. Hesito, porém acabo aceitando-a por fim. 


Há um grupo de alunos nela, o que de imediato deduzo ser do grupo de teatro da escola, no qual me inscrevi sob uma forte carga de implorações de Lauren. Estou encarando-a neste exato momento; seu sorriso parece muito verdadeiro e carregado de divertimento, mas ao seu lado tudo parece muito nublado. Apenas ela sorri na foto. Paulo Dybala está ao seu lado, Marc-André ter Stegen está do outro, no qual só o reconheço pela sua estrutura física, pois toda a extensão de seu rosto fora riscado. 


— Onde encontrou essa foto?


— No memorial — responde ele, ainda com a mesma leveza na voz. 


— Você roubou do memorial? — contesto-o. 


— Não extamente, apenas tomei emprestado. 


— Por qual motivo você faria isso? Para dar de presente a mim? Você gosta de distribuir presentes fotográficos, não, Nacho?


— Não sei do que você está falando — suas sobrancelhas se engelham. 


— Por que você pegou essa foto, Nacho? — pressiono os lábios fortemente, tanto a ponto de deixá-los meio doloridos. 


Percebo seus olhos marejarem em um mínimo instante. Ele abre a boca, em seguida a fecha e cruza os braços sobre os peitos de um modo inexorável. 


— Você parece estar me interrogando — incita, me devolvendo um olhar mais austero e rígido. 


— Você não cansa de me dá motivos para isso — revido, firme em meu tom acusatório. 


— Você já deveria ter aprendido a não sair por aí acusando todo mundo de qualquer maneira— ele mantém seus olhos semicerrados —, você achava Lauren era o sr. Fantasma, não é mesmo? 


— Não diga isso, você não sabe pelo o que estou passando. A única coisa que me mantém forte a tudo isso é ter a virtude de não confiar em niguém. Então não me julgue. 


Por várias vezes desconfiei de pessoas ao meu redor, e na maioria delas foram pessoas muito ligadas a mim. Inicialmente pensei que Toni fosse o sr. Fantasma pela forma como me olhou na noite do atentado contra Lauren; logo em seguida, após encontrar dezenas de fotos muito pessoais no computador de Borja — meu irmão postiço — deduzi que o mesmo poderia sê-lo; recentemente estive certo de que Lauren, minha melhor amiga, teria sido o meu perseguidor todo esse tempo. Estive bastante errado em todas as possibilidades, claro, mas isso não me faz abandonar meu bom e resistente estado alerta. 


— Isco, eu não sou o sr. Fantasma. Quantas vezes precisarei dizer isso para que acredite. Não desejo o seu mal, por isso estou aqui. Por isso lhe trouxe essa mensagem. 


Mensagem? 


Encaro-o confuso. Ele possui um olhar cheio de expressões, como se quisesse que eu entendesse por mim próprio seus sinais. É exatamente quando me dou conta de que há algo escrito no verso da foto. 


Sábado à noite. Na minha casa. Lhe direi tudo o que sei, tudo o que Lauren também sabia. Mas não conte a ninguém, pois minha vida depende disso. 


— Oh! — murmuro, espantado. Certamente meu bom e velho estado alerta sente-se abalado agora. 


— O que você sabe? — o pergunto em sussurros. 


— Muita coisa, mas por favor, de todos os lugares da terra, este é o mais inadequado para isso. — Ele responde também em tom diminuído. 


— Tem razão, acho que posso esperar até sábado. 


Seus ombros despencam em um movimento de alívio. Posso afirmar isso por ter percebido o quanto ele manteve seus músculos rígidos e estáticos. 


De repente sou pego por um frio arrepiante subir pela minha espinha, alastrando-se aos poucos até atingir os pelos da minha nuca. Um galho estala a uma distância atrás. Estremeço. Em seguida viro-me a procura do que poderia ter feito o barulho e meus olhos encontram dois pássaros brincado entre as folhas no chão. Me permito liberar o ar dos pulmões, sentindo-me de fato aliviado. 


Nem sinais de Maggie. 


— Isco, vamos? — Nacho inquiri em um tom doce, porém preocupado. 


Faço que sim com a cabeça. 


— Vamos.


Algo nesse garoto, Nacho, me faz pensar que a solução para todos os meus problemas está logo a frente. Mas o que poderia ter sido aquela sensação ruim que tive a poucos instantes atrás? 

 


Notas Finais


Pensaram que o Isco ia morrer, não é?! Qual é? Ainda é muito cedo. Deixa pra mais tarde. 🐍 Nacho Salvador veio para lhe ajudar, ele será o próximo Super Man. Kkkkkk
Gente, ele não é um fofo? 🐼

Últimos dias para especularem a identidade do sr. Fantasma, se alguém acertar, irei pôr em destaque o nome no capítulo da revelação.

👻 Asensio, Dani, Karim, Borja, Maggie, Nacho, Paulo, Selena, Ter Stegen e Toni.

Ps: pessoas que lêem, mas não comentam, é a sua chance de acusar um desses ⇧ aí.

Beijos! Próximo capítulo tem Sergio. ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...