História Garotos Malditos - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Olá galerisss, como estou feliz aaaaaa FINALMENTE SAIU pqp como vocês esperaram por isso! sim gente ele saiu sim e isso não é um sonho, ok. GENTE vocês nem conseguem IMAGINAR como foi difícil enfiar quase 20 pessoas em somente um capítulo SIM GALERAAA aqui vai aparecer todo mundo nessa bagaça!

EU SÓ ESPERO QUE VOCÊS NÃO SURTEM OK ter que decorar a personalidade e os nomes todo mundo foi algo muito louco, realmente, porém muuuito divertido!

Espero que vocês gostem porque eu fiz de coração, e me esforcei bastante pra ter forças pra continuar!

e aí? estão preparados alunos do Colégio Pentagrama?

— Liws ^^

Capítulo 3 - Chapter III - Escola estranha com gente esquisita


Fanfic / Fanfiction Garotos Malditos - Capítulo 3 - Chapter III - Escola estranha com gente esquisita

06:01

São Paulo, Brazil

Prinnnnn Prinnnnn Prinnnnn

O relógio despertava às seis da manhã do dia (sei lá, algum dia de fevereiro) eu estava morrendo de sono, com preguiça de levantar, a cama bagunçada e o quarto sujo como sempre. Abri os olhos num pulo, e quando vi, o quarto estava tão claro que quase me deixou cego.

— Ah, puta merda, nem dormi direito – falei me revirando na cama totalmente nu e suado, com o rosto vermelho amassados e os meus belos cabelos negros tão bagunçados que quase ficaram duros, porém, eu tinha um mal pressentimento, hoje é terça.

ah e outra coisa, sim, eu durmo sem roupas.

Sim, hoje é terça e sabe o que isso significa? que é o meu primeiro dia de aula no Colégio que eu nem sei o nome, porém estou com 0 animação, tô pensando em cabular ou algo assim mas, já vi que não vai dar certo.

— Luke já está pronto? – Disse Lúcia abrindo a porta sem a menor cerimônia, dando um pulo quando me viu nu.

— AAAAAAAAAA - gritei com todas as minhas forças pegando o máximo de lençóis possíveis tentando esconder as minhas partes privadas.

— Olha só meu filhinho está crescendo, que fofo! — Disse a minha mãe, se aproximando de mim com intenções de apertar as minhas bochechas.

— Que isso mãe, sai sai — falei dando batidas de leve na mão da intrometida —  porque não bateu na porta?

— Ué, estava aberta querido, o que que tem a mamãe ver a Maristela? e se arrume logo que eu vou te levar até lá — Assim disse Lúcia, que saiu do quarto rapidamente.

A-a Maristela? O que, minha mãe me levando pra escola? agora pronto! vou chegar lá com ela e passar a maior vergonha na frente de todo mundo, merda, porque essas coisas só acontecem comigo?

— tá bom mãe. — Falei revirando meu guarda roupa, procurando algo bom para vestir, e por fim acabei encontrando mais meias velhas e rasgadas enfiadas dentro daquele pedaço de madeira, meu velho guarda-roupa fodido e útil.

— E eu já arrumei o seu lanchinho! — disse a mulher lá do quintal.

Agora só faltava essa? lanche? por acaso eu tenho cara de jardim de infância?

— Tá bom mãe, já estou saindo.

optei por uma camiseta preta do Alice Cooper, uma jaqueta de exército e uma calça jeans rasgada, tá ótimo, fds, deus tá comigo e ninguém mexe comigo.

(ok tudo bem se essa frase ficou uma merda)

06:50

São Paulo, Brazil

Estávamos quase chegando perto do Colégio, porém eu não conseguia parar de pensar nas coisas terríveis que poderiam acontecer, até às mais improváveis como cair um meteoro ou até um avião na minha futura sala. Eu também estava morrendo de sono, então encostei minha cabeça na janela e fiquei alguns minutos observando a garoa que caía ao longo da estrada. Minha mãe, que dirigia o veículo, chegou a um lugar bem afastado da estrada principa, então, seguimos até uma trilha no meio da escura floresta e gélida, que aliás chegava a dar calafrios e sem querer pude perceber que havia uma placa de madeira deteriorada, escrita "Colégio Pentagrama". E em alguns minutos depois finalmente chegamos. A escola era bem iluminada porém super arrumada, na entrada haviam algumas flores negras e o castelo que mais parecia medieval que habitava o local era cercado de janelas e torres que parecia que nunca iriam acabar, de tantas que haviam ali. Percebi também que não havia exatamente ninguém do lado de fora, não é possível que eu cheguei atrasado! Tinha árvores de pinheiro por toda parte e o cheiro de chuva exalava dos arbustos.

Minha mãe me levou até o grande portão de entrada, deu 

duas batidas de leve e as portas se abriram imediatamente, revelando um corredor reto e escuro, iluminado por milhares de tochas penturadas nas paredes de pedra, peças de antiguidade invadiam o local, cadeiras, quadros medonhos de antigos diretores chavamam a minha atenção. Andamos alguns passos até chegar a diretória, que ficava no corredor direito.

Apertei a campainha um pouco assustado e de lá de dentro saiu uma mulher, muito bonita e sexy por sinal, seus cabelos eram super arrumados e cheiravam a laranja. 

— Posso ajudar? — Disse a diretoria, de nome Morgana.

— Ah, sim, ele é aluno novo. — Disse minha mãe, um pouco apreensiva.

— Simm, então você é o famoso Luke Spiller gatinho? — Ela me olhava de cima para baixo, mordendo o lábio.

— Sim.. — Falei engolindo o seco, as palavras mal saiam da minha boca. — Sou eu.

— Então é você mesmo! aposto que vai conquistar todas as gatinhas. — Disse Morgana, se erquendo pra frente tentando apertar as minhas bochechas.

Gatinhas?  que tipo de diretora falaria uma coisas dessa para um aluno? que eu saiba, todas as diretoras sempre me odiaram.

— Então Luke a sua sala é a do 1ºW, no segundo corredor a direita. — Disse Morgana apontado para tal lugar. — Ah e é só assinar aqui que ele já pode estudar no colégio, não precisa nem ler. 

Espera….1ºW?

— Aqui, certinho! — Disse a minha mãe. — Nós vemos mais Luke, tchau!

— Tchau mãe… – falei.

— Então, o que está esperando? a aula já deve ter começado lindinho. — Disse Morgana, enrolando seus cabelo sedosos nos dedos.

— Sim, sim já vou. 

Andei até o local dito pela diretora, no segundo corredor a direita. Andei, andei e andei tanto por culpa daqueles longos corredores, que quando cheguei na porta da minha sala – que era de madeira com apenas uma placa de metal "1ºW" – um rosto misterioso apareceu de repente, me assustando.

— Tá perdido jovem? — Falou o homem, de mais ou menos 60 anos de idade, assustadoramente. Ele parecia ser o zelador da escola ou algo do tipo.

— Não...minha sala é essa aqui. — Falei, tentando não parecer nervoso.

Ele riu.

— Hm, estou de olho em você pirraça! — Disse o homem, que saiu nas sombras, desaparecendo.

— Ok? 

é cada um que me aparece.

Abri a porta da sala e imediatamente dezenas de rostos nada familiares se viravam contra mim, então continuei andando até o único lugar desocupado da sala – a última carteira perto das janelas – e eles até que me pararam de olhar, como se tivessem aprovado algo, porém alguns alunos continuaram cochilando e olhando para mim, as garotas da primeira fileira até ficavam dando risadinhas idiotas e depois disfarçavam. Mas mesmo assim olhei ao redor da sala e pude perceber que era muito espaçosa porém nada padrão, havia caveiras, caldeirões, pergaminhos pendurado nas paredes e até uma tabela de todas as vítimas do Jason...espera o que?

— EIII 

Percebi alguém me cutucando sem parar e eu só conseguia observar o grande poster do Freddy Kruger dentro da sala, que chamava muita atenção, e percebi também que não havia nenhum professor dando aula, muito menos dentro da sala.

— Eae, estou falando com você mesmo poh 

— Ah oi..

Me virei para olhar quem estava me chamando desse jeito, e vi que era uma garota muito bonita.

— Você é novo aqui? nunca vi seu rosto em lugar alhum — Disse a garota, me olhando de cima para baixo confusa. 

— Sou sim, qual é o seu nome? — Perguntei.

— Noelle, mas pode me chamar de Noah — Disse a garota.

— Ah não, nulidade! — Disse um garoto nada familiar, se aproximando da minha carteira.

— cala a boca Connor! — Disse Noah, fazendo uma expressão facial nada convincente.

— Ah me desculpe hahaha, não consegui me segurar. — Disse o garoto, que começou a rir diabólicamente.

— Você sempre fala coisas não devia, porque não cala a sua boca de uma vez? — Uma garota se aproximou do banco de Noah, porém eu não conhecia nem um pouco.

— Concordo totalmente com você Sheree. — Disse Noah.

— ér, o que é nulidade? — Tentei falar uma vez, tentando entender algo.

De repente toda a sala ficou em silêncio, e um barulho na porta chamava a atenção – a diretora estava parada ao pé da porta — e ela olhava ao redor procurando algo.

— Noah querida poderia me acompanhar até a sala de diretoria? — Disse Morgana.

— Sim, diretora.

Assim, as duas saíram da sala e os alunos continuaram a conversar normalmente.

— O que houve? — Perguntei.

— Não sabemos, na verdade nunca sabemos de nada. — Disse Connor — Mas provavelmente ela deve ter feito algo que não devia.

— Eu acho que não! — Disse uma garota, usando um belo vestido vermelho.

— Ah como assim? — Disse Sheree — Você sabe Marjorie, quase ninguém vai pra diretoria, na escola não há regras, então você pode fazer a merda que quiser.

— Eu sei disso, mas acho que ela não fez nada de mal… já que ela é a queridinha da Morgana. — Disse Marj 

— Ah, se você acha. — Disse Sheree, que rapidamente se afastou, colocando seu Walkman no ouvido.

— Bom dia meus amores. — Disse uma garota, segurando a sua xícara de chá.

— Bom dia pra você também Emma. — Disse Marjorie.

Emma fez um sorriso maroto para Marj, e fixou o olho em mim, franzindo a sombrancelha.

— Nunca havia visto você por aqui, é novo?

— Sou. — Respondi com receio. Porém eu não estava entendendo nada.

— Ah, seja bem vindo. — Disse Marjorie, me cumprimentando. 

— quem é esse aí? é mais um nulidade? — Disse a garota que havia acabado de chegar.

— Xiu, Nayeon. — Disse Emma, dando um tapinha de leve na garota, que mostrou o dedo do meio sem receio.

— Ah me desculpe hihi — Disse Nay dando uma risadinha. — Estou apenas falando a verdade, ué.

— Sim, isso é verdade. — Disse Connor afirmando com a cabeça e cruzando os braços rapidamente.

— Voltei porra.

Noah, a garota que foi para a diretoria havia retornado, sentou-se na cadeira observando o resto dos alunos na sala te olharem confusos e curisos, imaginando o que poderia ter acontecido naquela sala de direção.

— O que houve Noah? — Perguntou Marjorie, se levantando da cadeira e indo se sentar no chão ao lado da amiga.

— Nada de mais...argh! 

De repente uma bolinha de papel acertou o rosto de Noah, que começou a xingar a sala inteira sem nenhuma cerimônia, porém Nayeon e Connor começaram a rir sem parar, fazendo com que a garota se afastasse da sala raivamente pra ler a "tal cartinha".

— Parem de rir idiotas! — Disse Marjorie, que deu um beliscão na orelha dos dois alunos. — Não tá vendo que o Mars está apaixonado por ela!

— Aii, não precisava disso! — Disse Connor, enfiando o dedo do meio no rosto de Emma, que revidou com um tapinha.

— Me d-desculpa Marj, e-eu não queria.... — Disse Nayeon, que abaixou a cabeça se redimindo, deixando-se levar pelo seu sentimento de desespero, como se novamente não quisesse estragar a vida de uma pessoa.

— Não tem problema Nay, e você Connor... — Disse Marjorie. — Você não vai querer que eu invoque meu tigre...

— Não, não por favor.... — Disse Connor.

Fiquei observando os três alunos discutirem sobre serem idiotas e decidi me afastar um pouco, estava tudo muito estranho e os alunos eram tão diferentes que eu até me assustei, invocar tigres? Nulidade? Gente esquisita.... como nunca havia visto antes, eles eram eufóricos e barulhentos, bem que a minha mãe disse, uma escola com a "minha cara" mas eu nem sou assim, sou quieto quando quero, mas acho que aqui vai ser difícil conviver aqui.

Fui até o local onde estava Noah – sentada na carteira do professor — lendo algo.

— Está tudo bem?

— Sim, só recebi mais uma das 300 cartas que o Mars me entrega. — Disse a garota, olhando para o tal Mars.

— E o que está escrito nela? — Perguntei, tentando não ser intrometido.

— Lê aí.

"Noah, você é a garota mais linda que eu já vi, pena que já tem um namorado, mas apenas saiba que se você estiver solteira, eu estou na área, hehehehe"

Mars" 

— Ah, você tem um namorado? — Perguntei, mas foi inútil e quando eu percebi o cara chamado Mars já havia sentado em uma das cadeiras próximas da gente.

— Porra Mars! até quando você vai parar de ficar escrevendo essas cartas? Espera só até o Lupe ver isso!

— Calma, eu só estava brincando. — Disse Mars, rindo.

— Sei...

Prinnnnnnnnnnnnn 

— Café da manhã galera! — Disse Connor, que subiu na cadeira levantando os braços, e depois saiu correndo pra fora da sala, competindo junto de outros alunos pra ver quem chega primeiro na fila da merenda. — Quem chegar por último vai casar com a mulher do Chuck! — Disse o mesmo, que já estava lá fora.

— E o professor? — Perguntei para Mars.

— Aqui é assim mesmo, os professores as vezes somem. — Disse o garoto, que saiu para fora da sala junto de Noah, me deixando sozinho sentado na mesa do professor e quando eu percebi, a sala já estava totalmente vazia, exceto pela Sheree, que acabou de se levantar da cadeira, se aproximando de mim.

— Gostei da camiseta. — Disse a garota, que também usava uma camiseta do Alice. 

— Ah... valeu. 

— Não vai comer?

— Sim, sim, já vou. 

— Então, o que está esperando?

— Nada...

— Hm.

Sai da sala sem a garota, que continuou lá dentro fazendo algo, porém eu não pude ver pois ela fechou a porta na minha cara. Então, sai sozinho pelos corredores que mais pareciam um labirinto de tão grandes que eram, e ainda, eu estava com um puto medo, eu estava tão perdido e nem fazia ideia de onde seria o tal lugar de recreio. Na verdade eu não conseguia sentir nada, estava apenas confuso com tudo isso, mas é normal, primeiro dia de aula é sempre assim, só espero que eu consiga me acostumar com tudo isso. Virei mais um corredor, passando por milhares de portas de metal e paredes de pedra cheia de musgos quando de repende eu quase caí da escada, na verdade dois caras que eu não havia visto na sala passaram a mão por volta do meu pescoço.

— Eae cara, descobri que você é novo aqui né bro — Disse um garoto alto, usando roupas estéticas, aquelas tipo modinha de Pinterext. — Meu nome é Lupe, e esse aí do meu lado é o Alex.

— Falow cara, tá gostando daqui? — Disse Alex, um garoto branco que usava roupas escuras — Aliás, qual seu nome?

— Luke Spiller, sobre eu estar gostando da escola.... — Falei mas fui interrompido.

— Luke, Lupe, é tudo a mesma coisa HAHAHA — Disse Lupe, me levando até o salão de recreio. — Ah minha namorada me falou de você, sabe né, a Noelle, ou Noah, sei lá, é tudo a mesma coisa mesmo há!

— Ah, eu conheç...

— Não liga, o Lupe só fala merda, ele é assim mesmo! 

— Eu escutei isso ouviu Drack — Disse Lupe.

— Não me chame de Drack, você sabe que eu não curto esse "apelido" caramba! — Disse Alex parando e cruzando os braços. — Esse nulidade nem imagina...

— Desculpa ae e olha só chegamos no pátio!

— Finalmente... – falei baixinho e aliviado.

— Ah espera, ainda temos que chamar a Vee, Mylenna, Elise, Cassie.... — Disse Alex, contando nos dedos. — Será que elas já pularam o muro?

— Você esqueceu do Caleb, o nosso parça. — Disse Lupe. — E é claro que elas já devem ter pulado o muro, você sabe disso.

— O caleb, na verdade ele estava bem atrás de nós.

— ESTOU AQUI BUU

espera.... um espectro, espectro? 

— AAAAAAAAAAAAA ESPECTROOOOO 

— a...oi

— SAI DEMÔNIO SAAAAAI 

— Oh não, eu sabia que era nulidade! — Disse Alex, colocando a mão na testa.

— Se ele soubesse o que realmente somos... — Disse Lupe. — Ei Luke levanta do chão, e se acalma haha.

— É...oq, como? aahaha — Tentei falar algo mas as palavras simplesmente não saiam da minha boca.

— Um dia você se acostuma, é normal. — Disse o tal caleb, que se transformou em um humano. — Ah então você é o tal aluno novo, não?

— É claro que ele é — Disse uma voz feminina atrás de mim. — Porque não seria?

— Ah, oi Mylenna, oi Cassie, cadê o resto das garotas? — Disse Caleb.

— Estão vindo, elas tiveram que despistar o zelador para nós duas podermos passar pela porta.

— Entendi, nossa fuga foi foda, gostei. — Disse Lupe contente.

— Não deveríamos ter cabulado. — Disse Cassie que cruzara os braços.

— Verdade amiga, apesar de ter dado certo isso não foi nada legal aff... — Disse Mylenna revirando os olhos.

— Relaxa garotas, só foi a primeira aula. — Disse Caleb tentado se aproximar de Mylenna.

— Sai daqui caleb argh.

— Noah disse que não havia nenhum professor na primeira aula, seus idiotas! — Outra garota apareceu.

— Não brinca Vee. — Disse Alex.

— É verdade Alex, vocês três só sabem fazer merda por favor me dêem paciência. — Disse a garota que acabara de chegar.

— E vocês três só sabem retrucar blá blá blá — Disse Lupe fazendo caretas.

— Cala a sua boca Lupe, não sei nem como a Noah foi namorar com você! — Disse Vee.

— Uiii – Disse Caleb e Alex juntos.

— aff... vocês mulheres são muito chatas! — Disse Caleb.

— Me poupe! vem garotas. — Cassie chamou Vee e Mylenna para se sentarem em uma mesa.

— Não liga Luke, é assim mesmo, somos piores que cão e gato... — Disse Alex.

— Ok meninos, porque não vamos comer logo hein, tô morto de fome e de espírito também HAHAHA.

— Putz Caleb que merda rs, não vai vir com a gente Luke? 

— Depois eu vou, podem se sentar na mesa.

— Tem certeza? — Disse Caleb?

— Tenho..

— Ok nos vemos mais tarde. — Disse Lupe — Vamos garotos, vamos encher a pança!

— Não esquenta Luke — Disse Alex. — Se precisar de ajuda é só contar comigo!

— Valeu! — Respondi.

Quando os três garotos foram se sentar, eu fui até o banheiro mais próximo. Eu estava exausto e com sono, eu só queria voltar pra minha casa e ler minhas revistinhas hentai aaaaah.

Quando eu estava entrando no banheiro, uma garota me cutucou.

— Eae Luke, meu nome é Elise hehehe. — Disse a garota.

— Olá, ér... tudo bem? — Perguntei para a garota, sua expressão era asassina e psicopata.

— Sim, sim tudinho ótimo, mas vou comer agora, talvez huum, nos vemos mais.... tarde? 

— Sim, nos vemos mais tarde...

— Tchauzinho Luke..

— Tchau...

estranho...


Notas Finais


AIII MEU DEUS acalma coração, e aí, o que acharam? meu deus eu nunca estive tão nervosa cof cof
Se puderem, me digam o que acharam dos seus personagens, ficarei muito feliz em receber os comentários! aaaaa
Eu realmente espero que vocês tenham gostado, de verdade. Apenas vocês conseguem me fazer ter forças pra continuar (minha vida tá difícil viu, ensino médio...)

vejo vocês novamente no próximo capítulo, porém ele não tem previsão pra sair sorry! mas vou tentar escrever.

só mais uma coisa: me inspirei no livro "Garotos Malditos" e tbm na série "Under Under Ground" (aquele que passa na cultura) provavelmente vocês já devem ter assistido.

— Limei Will Sixx (Liws) ^>^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...